O momento é interessantíssimo para se estudar o fosso entre os que mandam e os que são comandados

Roberto Nascimento

O entendimento do presidente do Supremo sobre o cumprimento de um sexto da pena para o preso ter direito ao regime semiaberto e a antítese defendida pelo Procurador Geral e por decisões do Superior Tribunal de Justiça, que parece ser a provável tese vencedora no Plenário do Supremo Tribunal Federal, nos remetem a algumas reflexões.

Há inequivocamente uma interpretação jurídica para os membros da elite dos três plenos poderes, que cometem ilícitos, e outra completamente diversa para o cidadão comum, na maioria das vezes pobres e excluídos da sociedade.

As cadeias estão superlotadas, imundas, podres, com presos doentes de tuberculose e outras doenças graves convivendo como se fossem bichos, sem a menor compaixão dos representantes do Estado, que pouco fazem para inserir os presos que já cumpriram um sexto da pena no mercado de trabalho.

Ao contrário, alguns cidadãos mais cidadãos do que a maioria, representados por advogados luminares que recebem honorários gigantescos, são considerados como perseguidos e até falam que podem até morrer a qualquer momento, ou que experimentam depressões terríveis. Esses nobres cidadãos recebem tratamento digno pela característica de suas vidas pregressas.

MOMENTO OPORTUNO

O momento é interessantíssimo para se estudar o fosso entre os que mandam e os que são comandados. A onda de pessimismo que assola a nação está diretamente ligada a essa injustiça, a essa falta de isonomia, atestando que as desigualdades alcançam não somente a questão econômica e social, mas também na prestação jurisdicional. A “Justiça” está caindo na descrença popular, devido à demora dos processos e principalmente aos privilégios de uma casta que faz o que quer e sempre fica em liberdade, salvo desonrosas exceções.

Os ladrões de galinha mofam nas cadeias, mas doleiros e corruptos são presos nas operações da Polícia Federal e depois soltos por juízes das instâncias superiores, podendo até fugir para o exterior com passaportes falsos e pelas fronteiras secas do extenso território nacional e assim poderem gastar livremente o produto das riquezas nacionais roubadas. O argumento geral é o do Estado de Direito Democrático, com o direito de responder em liberdade, sob o argumento de que todos são honestos até que se prove o contrário, mesmo depois de serem flagrados destruindo provas e mesmo diante de todas as provas construídas nas investigações.

DESVIO DE RECURSOS

O povo sente que os recursos que poderiam irrigar a Educação e a Saúde estão na verdade irrigando fortunas e contas secretas nos paraísos fiscais. Daí que aquele otimismo com Copa e Olimpíada (e até com as próximas eleições que estão frias, para não dizer geladas) inexiste nas camadas pensantes da sociedade organizada. Não parece nada, mais evidencia uma resposta inteligente do povo, insatisfeito com os rumos traçados pelas suas elites.

As mudanças históricas são lentas, mais progressivas ao longo do tempo. As informações que chegam ao cidadão em tempo real pelas mídias sociais são o maior legado da tecnologia a serviço do povo. Não será mais fácil como antigamente usar a arte de enganar e iludir a população.

Vivemos um novo tempo que trará ventos positivos para todos, no Brasil e no mundo, pois as crises estão pipocando em todos os cantos do planeta, a demonstrar a insatisfação geral com a vida sofrida que os povos estão levando.

15 thoughts on “O momento é interessantíssimo para se estudar o fosso entre os que mandam e os que são comandados

  1. Concordo que vivemos um novo tempo que trará ventos positivos para todos. No caso do nosso querido BRASIL estes ventos positivos começaram a soprar em favor de uma vasta parcela da população desde 2003. Tenho certeza que estes ventos continuarão soprando e levando pra bem longe de nosso povo a desigualdade, exclusão e pessimismo. Pra frente BRASIL !

  2. Caro jornalista,

    Como toda decisao tomada neste pais que visa punir bandido ou mante-lo na cadeia é inconstitucional, a decisão do STF é mais do que obvia.

  3. Caro Roberto Nascimento, saudações
    Os números que são divulgados sobre a população carcerária no Brasil são discutíveis. Recolhi informações, junto a médicos, que apontam para isto:
    Mais de meio milhão de presos doentes apodrecem no sistema prisional brasileiro. Entre eles, estão cerca de trezentos mil cardíacos, tuberculosos, portadores do vírus HIV, doentes mentais, hepáticos, que sequer recebem do Estado medicação para aliviar as dores, até mesmo aqueles vitais para sua sobrevivência. Estão todos misturados: os que mataram, os que reincidiram e os que praticaram crimes menores pela primeira vez. Quem liga para eles? Quantos deles teriam direito aos embargos infringentes que libertam gente de qualquer espécie e os deixa lá, para um apodrecimento mais do que certo? No Brasil ninguém manda, porque todos mandam. E os que mandam não estão pensando em um Brasil melhor, na construção de uma nação para as futuras gerações, nada disso. Recentemente assisti na tv um ministro do STF (Barroso? Não estou convicto, mas não vem ao caso) falando, falando … até que o presidente Joaquim Barbosa o interrompeu e perguntou: “De onde V. Exa. tirou isto? Não conheço nada disso! Isso não existe!” O ministro ficou desconcertado! Tratou de prosseguir como podia, diante do flagrante, com aquela pose de pseudo sábio. Eu … jamais sequer imaginei que um dia veria aquilo! Um ministro do Supremo ser desacreditado totalmente em plenário! Roberto, repare o ‘nível’ da ‘Casa’!!! Os demais? Ora ora ora … fizeram cara de paisagem … fingiram que estava tudo bem e … vamos nessa.
    Você é um tremendo de um otimista, Roberto, e torço fervorosamente para que este seu posicionamento tão patriótico esteja correto. Mas eu não percebo ninguém mandando no Brasil, o que existe são as gangues do momento que agem em conjunto com as outras, em conformidade com seus interesses. O PT tem a sua (gigantesca) gangue. O PMDB idem. O PSDB … rouba em São Paulo deeeesde os velhos tempos do Covas … e em Minas … nossa! Se entrar, roubará novamente e cada vez mais.
    Sobre o mundo. Não percebo a existência de nenhum líder de fato, capaz de apresentar um novo modelo de gestão, de governo. Todos fomos e somos vítimas da estadosunidanização que vem nos assaltando, torturando e matando há décadas e décadas, com a violência de um Terror institucionalizado e aceito e aplaudido pelos vassalos de sempre.
    O momento é de fato interessantíssimo para discutirmos o que pode ser feito, para que o Brasil não permaneça tão dependente de políticas que o asfixiam e encontre um novo caminho para o seu desenvolvimento.
    Muito obrigado!!!
    Forte abraço, Roberto.
    Almério

    • Caríssimo professor Almério:

      Indiscutivelmente, você está coberto de razão. A situação é mais grave do que podemos avaliar e o descontentamento da população cresce vertiginosamente.

      No entanto, ínclito amigo do Blog, o tempo da guerra está por um fio. Todos os continentes enfrentam grave crise econômica e política e nós brasileiros mergulhamos de roldão na crise global iniciada em 2008. Creio, que seja a mais grave crise do capitalismo, portanto, seria impossível navegarmos em mares calmos, enquanto a maioria experimenta a tempestade.

      Inclusive, o novo império romano, os EUA, o irmão do norte, nosso parceiro e ao mesmo tempo o maior algoz. Aquele que nos condenou a ser eternamente colônia, destinada a exportar produtos primários e importar produtos manufaturados caríssimos, o que só aumenta o déficit da balança comercial.

      Evidente, que os reflexos se fazem sentir no dia-a-dia do cidadão. faltam recursos para a geração de empregos, para investimentos na educação e na tecnologia, enfim, para tudo e o pouco que resta ou é mal utilizado ou é desviado.

      Contudo, tudo leva a crer, que as crises são fabricadas de tempos em tempos. É só os países mais pobres começarem a crescer e aparecer, que uma tormenta ocorre e muda tudo. Na década de 70 foi o choque do petróleo. Uma crise fabricada com a participação dos países produtores de petróleo. O Brasil, que crescia a taxas maiores do que 10%, no chamado milagre econômico mergulhou na estagflação, baixo crescimento acumulado com inflação.

      Os analistas econômicos vislumbram crise maior em 2015. Vamos aguardar e ver para crer, pois o mar não anda bom para peixe.

      Agora, preciso ser pelo menos um pouco otimista e acreditar que no final sairemos da crise. Não tenho outra alternativa. É necessário sonhar, porque um pouco de utopia não faz mal para ninguém.

      Um forte abraço.

  4. E os que são comandados, Roberto?
    São dezenas de milhões de brasileiros que não têm a exata compreensão do que está acontecendo com o país, enquanto outros sabem de tudo, sim!, mas suas miserabilidades existenciais o afastam de responsabilidades que bem poderiam assumir. “Quero é me dar bem” … Lei de Gérson, a única lei que pegou verdadeiramente no Brasil. “Leve vantagem, não importa como!” Rui Barbosa certa vez disse: “A impunidade é a mãe da violência”. Bingo! Sabedores de que tudo acaba em pizza, os ladrões fazem a festa. E quem faria a mudança disso tudo no Brasil? Se o PT ganhar, fica tudo como está ou pior. Qualquer outro partido não terá condições de mudar nada, pois que todos dependem das empreiteiras e dos bancos, aves de rapina que comem até a carniça do povo.
    Este sistema que temos … está esgotado (foi para o esgoto)!!! Não pode mais continuar!!! O que colocar no lugar? Os comandados … assim está parecendo … até aceitam obedecer e seguir quem comanda; mas se recusam a aceitar pacificamente o que lhes está sendo imposto (epa!). Pagam, pagam, pagam … para nada.
    Cheguei de Natal hoje, sábado. A prefeita anterior, Micarla de Souza, está sendo processada pelo Ministério Público; construiu entre outras coisas um hotel em Portugal, com dinheiro público. A atual Rosalba … também está com gravíssimas acusações e responde a processos. Roubam de quem nada tem, impiedosamente!!! Mas o bravo povo potiguar está reagindo!!!
    Seja em Natal, seja em outra cidade … o quadro é este, cujo desfecho pode ser qualquer um.
    Quando os ‘comandados’ reagem … tudo pode acontecer. O fraco, quando percebe sua força, sente-se forte e … o resto é História.

  5. Senhor jornalista, me diga alguma coisa que eu ainda não sei…
    O mundo todo está em pandarecos; ninguém é de ninguém, percebeu ? .. tiram o retrato do dono da “caneta” num troca-troca e, mais na frente, brigam para o tirar, também… loucura!
    Vale para nós, também…
    Gostei do seu esforço em entrar em alguns detalhes que, para mim, surgem mais como uma “liga” para o artigo.
    Minha opinião. sorry…
    A charge, também está” forçada” para o texto.
    Como diz o senhor Almério, o resto é história…

  6. Caro Almério,
    Notei a tua falta neste blog incomparável. Explicaste acima a tua ausência.
    Os dois comentários que registraste nesta página são clamores de um cidadão que não suporta mais ser capacho, ser usado despudoradamente, ser enganado, iludido.
    O mesmo acontece comigo e, acredito, com vários colegas e amigos nossos neste espaço democrático.
    Pelo menos botamos a boca no trombone, alertamos que estamos cientes, que sabemos o mal que estão praticando e o quanto prejudicam este País.
    Claro, o resultado prático dessas nossas reclamações é quase nulo, mas fazemos o que está ao nosso alcance, pelo menos, diante da idade que temos que serve como limitadora de velocidade das nossas indignações, acusando no painel de nossos corações que o motor não é mais para grandes esforços, que não podem ir muito mais que nos debruçarmos sobre um teclado.
    Mas, ontem, o meu velho coração quase explodiu de raiva!
    Não sei se estás a par, informo prá ti, meu amigo, que o PT, na cidade de São Paulo, através da Secretaria de Educação do Município, EXTINGUIU o Dia das Mães e dos Pais!
    Eu já escrevi muito sobre este tema desde ontem. Acho que mais de dez textos sobre esta imbecilidade, este crime contra as tradições familiraes e, até mesmo, cristãs!
    Pois quando um governo se intromete sem licença nas tuas relações interpessoais e familiares como uma cunha, rompendo a sua estrutura, ele está se excedendo de tal maneira que não consegue mais esconder as suas reais intenções para com este povo e esta Nação.
    O PT quer o domínio total deste povo e do Brasil.
    E, como não poderia deixar de ser, pela família, quebrando a sua unidade, seccionando os elos sentimentais que nos atrelam aos genitores, aos avós, tios, e demais parentes.
    Se puderes e quiseres, eu te peço um favor:
    Procura nessas duas postagens abaixo esta discussão, e opina a respeito:

    “A pesquisa Datafolha confirma o segundo turno e a rejeição de Dilma favorece a oposição”, artigo escrito pelo brilhante Wagner Pires;

    “Festa no PT e no Instituto Lula: Datafolha confirma que Dilma caiu 10 pontos desde fevereiro”, artigo da autoria do nosso mediador, Carlos Newton.

    E, se comentares sobre esta abominável medida, posta neste tema o que pensas sobre esta deplorável e condenável decisão (podes até ser favorável a ela, mas eu gostaria de ler o que achas dessa determinação).
    Obrigado, meu caro amigo.
    Um forte e caloroso abraço.

  7. (Peço licença ao caríssimo colega Roberto Nascimento para ‘furar’ o tema e comentar sobre o que escreveu o Francisco Bendl)
    Chicão!!! Acabar com o Dia dos Pais … e com o Dia das Mães … não é apenas inacreditável: é inaceitável!!! Os orientais costumam dizer (há milênios): “Somos as nossas origens. Delas, vem a nossa tradição. Somos o que somos, seremos o que seremos, fundamentados no que veio antes”.
    O Exemplo nos contagia. O Exemplo nos envolve. O Exemplo nos direciona e nos fortalece. E Os Exemplos vindos de Mães e Pais são os que nos moldam, são os mais importantes entre todos!!! Como esquecer os que fizeram tudo, tudo, tudo por nós??? Os que nos deram incentivo e Amor???
    Estas pessoas perderam (se é que em algum dia o tiveram) o sentimento da Vida. Materializaram-se de forma tal que tornaram-se dormentes e insensíveis. Parecem ser feitas por um componente desconhecido pela Natureza ou mesmo por um vazio cheio de misérias. Pior. Objetivam transportar este estado existencial (?) para uma contaminação e assim distanciar-nos de nós mesmos, facilitando assim a realização desta tática hitlerista.
    Creio ser oportuno recordar uma frase do Lula:
    “A opinião pública somos nós, do PT”, cujo conteúdo assemelha-se ao que pregava Adolf Hitler:
    “Não pense, eu penso por você”.
    Chicão, o processo que o PT está pondo em curso ainda não foi devidamente estudado e pesquisado à luz das Ciências Humanas ou tão somente da Sociologia: desqualificar o povo, em nível individual e coletivo, através de uma injeção mental de indigência social, para a cega obediência total. Tudo isso … já está em curso e tenta ser amplificado de todas as maneiras – como esta.
    Prossigamos.

  8. Chicão.
    E eis que … em meio a tantas análises sobre Economia e seus dados infernais como estatísticas, orçamentos, créditos e débitos, dívidas internas e externas, dados comparativos, reservas monetárias e mais e mais … você propõe uma discussão sobre o … TREM!!!
    Como seja. Diante de todas as brilhantes colocações feitas por especialistas e comentaristas que nos honram com seus textos e tão valorosas opiniões, você pensou no … Trabalhador!!! No Povo, que sofre e é brutalmente e constantemente humilhado pelos nossos governantes!!! Você mencionou o oeste americano, que valeu-se do trem para desenvolver-se extraordinariamente. Quantas cidades americanas nasceram e prosperaram desta forma!!! Quantos pioneiros/visionários surgiram!!! Vale recordar que a vitoriosa campanha presidencial de Abraham Lincoln foi feita – indo de cidade em cidade – num único vagão de … trem!!! (havia trilhos …)
    Ah!, e se nós efetivamente investíssemos no trem não somente como transporte coletivo, mas também como transporte de cargas (nossa navegação de cabotagem existe, mas, além de fraca, tem parceiros estrangeiros, principalmente, o que é de se lamentar).
    Você SEMPRE olha pelo Social, pelo Povo, Chicão. E … desta vez … bem que podemos aderir ao típico linguajar dos mineiros, tomando por base a sua proposta: “Ei trem bão, sô!” Diria o BRASIL.

  9. Chicão.
    Sobre as pesquisas.
    Dilma cai … mas ninguém sobe. Aliás …todos caíram.
    O que isto nos revela? Revela que o povo, por mais que ignore os fatos como são fabricados, não está mais se deixando envolver com a costumeira facilidade. O povo, historicamente, acredita em quem fala e não em quem realiza, assim diziam na Grécia Antiga. Na política, trabalha-se com a expectativa, e não com a realidade. “Sonhem! Sonhem com um amanhã melhor, com um amanhã brilhante, pois é o que vos darei!”
    “Estamos precisando melhorar, e eu sei como fazer isto, só eu sei!”
    Mas … creio ser oportuno recordar algumas palavras do Luis Carlos Prestes, sem entrar no mérito das suas iniciativas e convicções.
    “Percorri os sertões e agrestes brasileiros. Interessante … Percebi que os pobres, os que viviam em estado de absoluta miséria, entendiam e estavam conscientes de que viviam daquela forma, que eram esquecidos pelos governantes. Eles sabiam que eram excluídos da sociedade. Eles queriam melhorar suas vidas …”
    Então, Chicão, quando ouço que ‘graças às redes sociais’ o povo conscientizou-se do seu crítico estado social e da corrupção existente, endemicamente, lembro-me do Prestes, da sua experiência nos anos trinta.
    Rejeitem-se alguns. Aplausos para outros. Tudo é momento, é a maneira de falar … não de fazer. A transposição das águas do nosso Chico foram prometidas há anos e o projeto foi abandonado após consumir bilhões de toda a sociedade. CRIME!!!
    O pobre … sabe que é pobre … quem o faz pobre … e que continuará pobre.
    O que resta a ele, pobre, se não acreditar no que dizem pra ele?
    Creio que é por isto que o Padim Padi Ciço é venerado no Nordeste. Em Natal … Padre José, que já partiu há muitos anos … continua vivo. Ajoelham-se diante dele!
    Resta a Esperança! De que um DIA … todos serão libertados.
    Obrigado sempre, Chicão!!!
    E muito muito muito obrigado, Roberto Nascimento!!!
    Um bom e abençoado domingo para todos nós!!! Amém.
    Almério

  10. Almério, meu caro,
    Trem lembra um comboio, carros atrelados uns aos outros, conduzindo imensa quantidade de mercadorias e gente.
    Evidentemente puxados por uma locomotiva, conduzida por maquinistas, profissionais especialistas em fazê-la andar sobre os trilhos sem descarrilá-la.
    Lembra perfeitamente um governo que tem rumo, que pensa no povo, que o puxa para o desenvolvimento e norte que foi traçado.
    Trem é sinônimo de progresso. Basta que lembremos que a Europa é cortada de várias formas por estradas de ferro, trens sofisticados e rápidos, assim como o Japão e, agora, a China.
    O único meio de a Rússia se comunicar com a Sibéria no inverno é pela Transiberiana, a maior rota de trem do planeta, com 12.000 quilômetros de extensão, indo de Moscou a Vladivostok, de Leste a Oeste por todo o território daquela imensa Nação.
    Imagina, Almério, eu sair do Rio Grande e me dirigindo para o outro Rio Grande, o do Norte, de trem!
    Claro que moderno, rápido, parando em uma ou duas cidades que não sejam as capitais, mas que turismo espetacular e alternativa de transporte público.
    Londres é a capital mais extensa do mundo. Há bairros que distam de Downtonw (centro da cidade) até 80 quilômetros!
    Pois, os ingleses deixam seus carros nas estações, embarcam nos trens e vão trabalhar, retornando ao fim do expediente da mesma maneira.
    Ora, quanto combustível poupado, tempo de locomoção, de trabalho ganho, de produtividade conseguida!
    O quanto as estradas não seriam poupadas porque os caminhões teriam a diminuição do peso das cargas que transportam, deixando para os trens essa tarefa.
    E o comércio em volta das estações?
    Bares, restaurantes, lojas, táxis, serviços …
    Pergunto-me qual seria a causa de, uma vez governo ou no poder, o pensamento desaparece!
    Reina tão somente a política, negociatas, corrupção … enquanto que o povo e País vão sendo ultrapassados pela desonestidade, omissões, irresponsabilidades e pelos traidores da Pátria!
    Certamente enquanto o Brasil rodar sobre pneus somente não nos desenvolveremos a contento e em relação à grandeza e dimensão desta terra, consequentemente jamais uniremos os quatro cantos desta Nação, mantendo as diferenças do Sul para o Norte e do Leste para o Oeste.
    Um abraço, Almério.

  11. Almério, obrigado a você por ter exposto com brilhantismo tantos assuntos de interesse do povo brasileiro. Ao Bendl também da mesma forma.

    Realmente, o povo sabe de suas precárias condições. Se não soubesse, perderia as condições de mudar o quadro de penúria em que vivem. Por essa razão, podemos perceber nos mais distantes recantos do país e porque não dizer nas nossas capitais do “sul maravilha”, o ar de tristeza da gente simples, nos mercados, nos trens, nos ônibus e das crianças no ir e vir das escolas públicas. vamos aos poucos perdendo a alegria inata da população. isso é muito grave.

    Entretanto, tenho ouvido de mães e pais de crianças pobres, uma preocupação prioritária na educação de seus filhos, situação inexistente há 50 anos passados. Exemplo de que as famílias desejam ardentemente melhorar de vida pensando no futuro de seus filhos. Percebem maravilhosamente, que a Educação é o principal trunfo para vencer na vida.

    Quanto ao TREM, considero um crime o abandono das Ferrovias iniciado no governo Juscelino e acompanhado por todos que o seguiram, exceto José Sarney, que foi muito criticado por ter sonhado com a Ferrovia Norte Sul, ainda em fase de conclusão. Aceitamos docemente constrangidos, ao sucateamento dos trens e trilhos da antiga Rede Ferroviária Nacional privatizada pelo senhor Fernando Henrique e de lá para cá, as empresas privadas abandonaram tudo aquilo que não tinha perspectiva de lucro.

    Hoje, pagamos um preço alto demais por decisões autoritárias de nossos governantes, que pensam que sabem de tudo, não sabendo nada, ou sabendo muito pouco dos assuntos nacionais. O custo do transporte de cargas e de grãos pelo modal rodoviário, estrangula a economia brasileira derivado de seu custo proibitivo, o qual encarecem as mercadorias que chegam ao consumidor final.

    Desisti recentemente de uma compra de material, que viria de São Paulo para o Rio de Janeiro, cuja peça custava R$ 15,00 somado ao frete, que custaria R$ 30,00, ou seja, o dobro do produto (vidro de uma arandela), totalizando R$ 45,00. Comprei a Arandela completa por R$ 80,00. Um singelo exemplo da nossa realidade.

    Quem acabou com a Rede Ferroviária Federal deve estar dormindo tranquilamente em seu travesseiro sem nenhum remorso. E la nave vá como diz Carlos Newton.

  12. Alegro-me que pessoas tão inteligentes, experientes e dotadas de conhecimentos, Roberto e Almério, concordam com este simples cidadão quanto ao meio de transporte mais democrático e coletivo existente: o trem.
    Na sua condição de grande utilidade, por si só significa auxílio importante à solução do transporte interurbano como de carga, além da dinamização das cidades onde haverá estações.
    Se é a locomotiva a foto que estampa a era industrial, continua sendo a mesma imagem, porém mais moderna, o símbolo do desenvolvimento, que é algo que se move, que VENCE as distâncias a serem percorridas conforme os trilhos colocados em seus dormentes, igualmente significando que somente avança o trem e a administração pública se trafegados dentro de suas bitolas e não fora.

  13. Que bom ter passado por aqui a tempo de ler, não só o excelente artigo do Roberto Nascimento, mas também por ter tido a oportunidade de ler os ótimos comentários dos seguidores do blog, com quem comunguei em pensamento e de fio a pavio … O TREM: sim, é inaceitável que nenhum governo dessa nossa mais que centenária república nunca tenha se dedicado a projetar e executar uma malha ferroviária decente e que pudesse atender as principais cidades do país … servindo de base às outras modalidades de transporte … permitindo o fluxo racional de nossas exportações … e de passageiros e cargas entre as diversas regiões dessa imensidão territorial …
    Como podemos estruturar o progresso e o desenvolvimento de um país sem pensarmos nos seus pré requisitos? Como bem disse Almério Nunes em uma de suas intervenções : “Este sistema que temos … está esgotado (foi para o esgoto)!!! Não pode mais continuar!!! O que colocar no lugar?” …
    E eu tomo a liberdade de acrescentar: Sim o SISTEMA presidencialista está esgotado … sim, mas não só o sistema, a FORMA também … a república, ou a forma de governo que há 124 anos supostamente administra o país, realizou pouco e muitas vezes sob a batuta férrea dos regimes de exceção … então porque não chamarmos a preservada e preparada … família imperial … para assumir o comando da nação? Espanha , Inglaterra, Holanda, Suécia, Noruega e Japão … são sobejos exemplos de progresso, democracia e qualidade de vida … quem sabe uma transição pacífica como ocorreu na derrubada da monarquia em 1889 fosse exequível?
    Claro que Alemanha e Estado Unidos são exemplos de repúblicas que deram certo … o que, lamentavelmente, não é o nosso caso … Rui Barbosa , republicano de primeira hora, mais adiante se arrependeu quando percebeu o rumo que a nação tomava e quanta falta fazia o poder moderador de um rei, para nas horas de crise, dissolver o parlamento, afastar o primeiro ministro … e convocar novas eleições … Como se faz isso eu não sei direito … mas sei que várias agremiações e pessoas estão pensando e trabalhando em cima dessa ideia …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *