O Morro do Alemão, cada vez mais complicado. Soldados da PM não podem levar mochilas. É PROIBIDO. Militares do Exército não podem entrar em nenhuma casa. É PROIBIDO. Prender traficantes também está PROIBIDO? Continuam em LIBERDADE.

Helio Fernandes

O país está sem Poder Civil e sem ordem militar, principalmente das Forças Armadas. A organização do Ministério Dilma, nominalmente deveria ser dela, não manda o mínimo que seja. Podem até dizer, “Lula ainda é o presidente, ela é eleita, mas não empossada”, seria a rotina em todos os países. Em determinado momento, existem dois presidentes.

Alguns, em Brasília, chegam a dizer, “Dona Dilma revela bom caráter e gratidão, está mostrando a Lula, que sabe que foi eleita por ele”. E acrescentam, “assim que tomar posse do Planalto-Alvorada, implantará sua marca”. O que significa isso? Que pode reformar esse mediocríssimo deserto de homens e idéias (Osvaldo Aranha).

É claro, lógico e evidente que pode demitir no dia 2 de janeiro, ministros empossados no dia 1º. Teoricamente pode mesmo, embora jamais tenha acontecido. (A não ser em 1896, quando o Presidente Prudente de Morais foi fazer operação gravíssima, Manoel Vitorino, seu vice, assumiu, no mesmo dia exonerou TODOS os ministros, nomeou os seus. Que ficaram quase seis meses, quando surpreendentemente Prudente voltou. O interino também mudou a sede do governo, comprou o Palácio do Catete, mas aí já é outra história).

Digamos que haja um “pacto respeitável” entre os dois personagens, para que Lula seja “presidente” de verdade até 31 de dezembro, 1º de janeiro. Diante do que Lula afirma, sempre sorridente mas com ressentimento, não em relação a ela e sim ao destino. Na última declaração pela televisão, lembrem do que afirmou: “Nem sei como vou viver longe da presidência ou da campanha eleitoral”.

Pode não ser politicamente compreensível, mas do ponto de vista pessoal, é difícil admitir que Lula pensaria de outra maneira. A partir de 1989, portanto 21 anos decorridos, Lula viveu em função da ambição de chegar ao Planalto.

Perdeu três vezes seguidas, é o único personagem do mundo ocidental que pode dizer isso. Depois conquistou dois mandatos, muitos conquistaram, mas não tendo perdido três vezes. E também pretendeu mais outro mandato, não foi possível.

Portanto, o Poder Civil está estraçalhado, e ficará ainda pior. Ninguém pode governar com ministros que não nomeou, estes também não terão a menor segurança, quem garante que não serão demitidos a qualquer momento, sem aviso ou comunicação? Lula demitiu ministros que eram (ou se julgavam) amicíssimos, alguns até pelo telefone.

Esperemos o tempo passar, os civis não mandam mesmo muito, ou talvez não mandem nada. E quem sabe Dona Dilma não use “poderes ocultos” e se equilibre os quatros anos? (Só quatro? E o direito à reeeleição?).

Mas com o Poder Militar, é diferente e sempre será. Se não percebeu, Dona Dilma terá problemas pessoais, que serão ainda mais graves para o país. Na caserna ou fora da caserna, mandaram mais do que isso, assustaram e ainda assustam uma parte da população. Outra parte ADORARIA que todos os presidentes fossem generais e indiretos. Isso é irrefutável, para o bem ou para o mal.

Só para não esquecer, essa “nossa” Republica, toda indireta, não foi PROMULGADA (como nos outros países, principalmente EUA) e sim IMPLANTADA. A República nasceu militar, militarista e militarizada, e quem contesta o Poder Militar, chamado de FORÇAS ARMADAS? E na verdade nisso são sinceríssimos, o que temos sempre são forças armadas. (Vá lá, aqui em minúscula).

Neste fim de governo Lula, início de Dona Dilma, as Forças Armadas jamais mandaram tanto. Determinaram que Nelson Jobim continuasse como ministro da Defesa, já estavam acostumados com a sua subserviência. Se aceitassem outro, teriam que “adaptá-lo”. E se esse “outro” quisesse mudar os três Comandantes? Teriam que EXIBIR a força abertamente, poderia haver contradição. (Uso essa palavra para não falar em RESISTÊNCIA, quem resiste?).

Tudo o que está acontecendo no Alemão, POSITIVO ou NEGATIVO, tem a “chancela” das Forças Armadas. Há três anos, quiseram SUBIR o Alemão (a pedido do próprio Lula), cabralzinho achava que isso atingiria seus domínios do narcotráfico, recusou, não houve nada.

Do ponto de vista da desclassificação política, cabralzinho estava certo. E o negócio do Alemão, aí cabralzinho não se engana, arruinado. Passados esses três anos, Lula considerou que seria ótimo para sua despedida, a invasão do Alemão, chamou os três Comandantes, desconsiderou, desconheceu e nem se incomodou com Jobim. Acertaram tudo, a SUBIDA ao Alemão e a permanência de Jobim.

Lá em cima, são os generais que mandam, mesmo ficando aqui em baixo. Tudo o que está no título destas considerações, representa ORDENS MILITARES, IRREVOGÁVEIS. Lula falou que “o Exército ficaria no Alemão durante 7 meses”. Os Comandantes chamaram Jobim e mandaram retificar.

Jobim cumpriu as ordens. Veio a público, fez a retificação: em vez de “sete meses”, ficarão por “TEMPO INDETERMINADO”. Cabralzinho, “irmanado” com Jobim, pegou carona na NOTIFICAÇÃO, deu a impressão de que manda mesmo.

***

PS – Os militares não entenderam, era um recado de cabralzinho para os traficantes e para as milícias. Aos traficantes: “Estou no comando, as coisas vão mudar, mas a NOSSO FAVOR.

PS2 – Para os milicianos, (aliados publicamente desde os tempos do Pan-Americano) o que eu disse aqui, logo depois da invasão do Alemão: “Continuem tranqüilos, os COMPROMISSOS serão cumpridos”. (Tudo isso que falei, repetiram com insistência).

PS3 – Os Comandantes militares ainda não perceberam que estão sequestrados e mais desautorizados do que os traficantes. OU PRENDEM TODOS, OU TERÃO DURÍSSIMA DERROTA. Mas como PRENDER, se os traficantes e milicianos são altamente protegidos?

PS4 – Os civis continuam mandando no Alemão e adjacências. Riem das ordens militares, SABEM que estarão sempre em liberdade, NÃO SERÃO PRESOS.

PS5 – O Poder deles é alimentado, aumentado, alicerçado pela CORRUPÇÃO, e esta é uma palavra de muito mais trânsito CIVIL do que MILITAR. Reconheçamos.

PS6 – Ainda vai acontecer muita coisa. Por hoje, encerremos, lembrando do grande historiador (e amicíssimo do repórter) Helio Silva, quando escreveu um livro sobre a posse de Prudente de Morais em 1894.

PS7 – Helio Silva exaltou o PODER CIVIL, o que foi encampado por muita gente. Por causa da posse inédita de um presidente que não era General.

PS8 – Foi uma sucessão como nunca se viu. Prudente era um presidente civil, mas o PODER MILITAR DOMINOU ATÉ A MORTE DE FLORIANO. A Revolta de Canudos, com o episódio épico de Antonio Conselheiro, foi tida e havida como MOVIMENTO FLORIANISTA. (Isso fica para outra oportunidade, se os traficantes do Alemão permitirem e se as milícias concordarem.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *