O mundo sempre teve BIPOLARIDADE. Espanha-Portugal, França-Alemanha, Espanha-Inglaterra etc. Os EUA só existiram com a Guerra-Fria. Agora, a BIPOLARIDADE do TERRORISMO.

Helio Fernandes

O 11/9 é inesquecível. Não apenas para os EUA, mas para o mundo inteiro. Além dos mortos, da tragédia que surpreendeu a todos, consolidou o governo Bush, que havia chegado à Casa Branca em 20 de janeiro desse mesmo 2001. Surpresa sua eleição, desastre impossível de assimilar, sua permanência por 8 anos no Poder.

Além desses fatos que qualquer um conhece, nesse 11/9 (teve tal repercussão que é citado apenas assim), o fato mais importante de todos: a entrada em cena do terrorismo, que veio para ficar. Não apenas como ameaça, mas com a força da realidade, até mesmo como intimidação e mistificação.

A tragédia propriamente dita foi superada com o alcance do desprezo pela própria vida, demonstrado pelos terroristas. O sofrimento das famílias atingidas, da população como um todo do mundo inteiro, assombrada com a disposição desses terroristas.

No passado relembrado agora, impossível usar a palavra revivido, nada será restabelecido. Como disse ali em cima, o terrorismo veio para ficar. E a própria morte de Bin Laden, prova isso.

Revivido, aí sim, a palavra cabe perfeitamente, o ex-presidente Bush filho, que reapareceu na televisão (sóbrio) dizendo uma porção de bobagens. Incluindo a maior de todas, “FOI FEITA JUSTIÇA”. Nada a ver, a questão é muito mais profunda, seria absurdo acreditar que um medíocre como o ex-presidente, pudesse entender alguma coisa.

A questão não é saber se foi “FEITA JUSTIÇA”, ou qual é a verdadeira proporção da morte de Bin Laden. Ele era um nome, o líder desse movimento, que naturalmente irá continuar, é impossível saber com que violência ou com que premência de tempo.

No título falei em BIPOLARIDADE, de mais de 200 anos, gosto muito do assunto. Qualquer dia desenvolverei. Mostrando a subversão do mundo TODO, mas principalmente da Europa, que dominava o resto dos continentes.

Agora, a BIPOLARIDADE que dominará o mundo (qualquer que seja ele), será TERRORISMO versus ANTITERRORISMO. Essa, uma luta invisível mas totalmente realista, que englobará e ao mesmo tempo dividirá. Todos os países estarão envolvidos, e o pior de tudo, é que não saberão de onde vem ou virá o ataque. Destruidor, avassalador.

O fato de Bin Laden, o homem mais procurado do mundo e da História, ter ficado escondido e atuando durante dez anos, mostra a força da al-Qaeda. E a morte, “não faz justiça” (como disse o tolo do Bush filho), pelo contrário, dá a essa poderosa al-Qaeda a obrigação de “fazer justiça”.

Aí, sim, será o tormento do mundo. Não só pela violência do terrorismo, a certeza de que o ataque virá, mas a incerteza de onde e quando virá. Isso é o mais grave de tudo. Não haverá mais tranquilidade para ninguém ou qualquer país: ninguém sabe quem participa desse TERRORISMO. Não está circunscrito ao Afeganistão ou ao Paquistão. No primeiro, onde aparentemente Bin Laden morava. Ou no Paquistão, onde, também aparentemente, foi morto.

E essa luta, além dos massacres mais do que concretizados, servirá para muitas barbaridades, exageros, como o que foi feito com os prisioneiros de Guantánamo. Com a “justificativa” de que estão protegendo a humanidade, farão o que quiserem, dos dois lados.

O medo será o fator dominante, nada mais compreensível. Depois da fantasia do casamento real, os órgãos de comunicação “ganharam” um novo assunto, para impingir, que palavra, às multidões que frequentam esses órgãos, principalmente a televisão e a internet.

Muita agitação e pouca informação. Na verdade, não houve uma só interpretação razoável, que pelo menos pudesse tranquilizar essas multidões. Aí, nenhuma restrição, a morte de Bin Laden foi impacto mesmo.

Mas não precisavam ficar insistindo horas e horas, nos mais variados programas e televisões. A partir de agora, ninguém, seja onde for, estará tranquilo ou tranquilizado. Qualquer fato fora do comum será “entendido” como TERRORISMO, mesmo nos mais distantes países.

Medidas de “segurança contra a repressão”, virão imediatamente, sem dúvida alguma. E com essas decisões ou precauções, o direito do cidadão desaparecerá. Depois do 11/9, os EUA criaram a legislação contra o TERRORISMO, que tinha (e agora terá mais ainda) prioridade sobre qualquer ato ou fato, mesmo não confirmado.

*** 

PS – No momento, a morte de Bin Laden terá a duração compreensível pelo desaparecimento de um personagem da sua repercussão. E o exagero dos órgãos de comunicação, que já estão reforçando os patrocinadores publicitários para esses programas.

PS2 – Esse TERRORISTA morto, pavor do mundo ocidental, é capaz de “vender ou estimular a venda” dos mais diversos produtos. (Principalmente na Avenida Madison, Manhattan, onde ficam as maiores agências de publicidade do mundo).

PS3 – Já disse e não precisava muita acuidade ou Poder de análise para isso: o mundo mergulhou numa guerra invisível, a guerra do TERRORISMO. Não precisa de declaração notificando o adversário, mesmo porque, todos são presumíveis adversários.

PS4 – Para reforçar o Poder de destruição dessa guerra, o melhor mesmo é citar Einstein. Disseram a ele, “a Terceira Guerra Mundial será nuclear”.

PS5 – Resposta: “Se isso acontecer, a QUARTA GUERRA MUNDIAL será travada com paus e pedras, é o que sobrará”. Em 1962, houve medo e ameaça disso, na chamada “disputa dos mísseis em Cuba, travada por EUA e União Soviética”.

PS6 – Essa guerra do TERRORISMO não terá fim. Ou terá o fim previsto por Einstein? Afinal, ele criou a TEORIA DA RELATIVIDADE, na qual Oppenheimer se baseou para fabricar a BOMBA ATÔMICA. (Era chamada assim).

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *