O nascimento de Jesus e a comemoração do Natal

Percival Puggina

“Eu honrarei o Natal em meu coração e
tentarei guardá-lo ali o ano inteiro.” Charles Dickens

As coisas andam de tal modo que a palavra Natal, afastando-se do sentido original, passou a significar, principalmente, um dia festivo, uma pausa especial do calendário. Por isso adotei, no título deste artigo, a palavra “nascimento”. Ela retira o Natal da autonomia que a pós-modernidade lhe concedeu. Não duvido de que, em breve, as crianças começarão a crer que o Natal e o que em torno dele se narra seja apenas uma história clássica, concebida por autores de contos de fada, e a merecer, ao lado da “A Branca de Neve” ou de “João e o Pé de Feijão”, um filme dos estúdios Disney.

A crítica ao que está acontecendo com o Natal não deve começar pelo consumismo natalino, que raramente é de consumo pessoal. Aliás, quem é contra o consumo precisa reconhecer que é, também, contra o emprego, contra o salário e contra a sobrevivência do trabalhador e do empreendedor. O crescimento da demanda é o primeiro sintoma de que uma economia sai da estagnação. Por outro lado, as comemorações natalinas são acompanhadas de gestos mais largos de generosidade, com aumento de doações aos materialmente carentes.

O problema sobre o qual me detenho, à luz da fé cristã, supostamente ainda majoritária no Ocidente, é o desaparecimento do mistério da Encarnação e, com ele, o desapreço à intervenção de Deus na história humana. Ora, se o cristão vê o Menino do presépio apenas como um bebê que nasceu em circunstâncias incomuns, ele deixa de lado algo essencial à própria existência. A interrogação de Pietro Petrolini – “Somos apenas um pacote que a parteira entrega ao coveiro?” – não é respondida pelo burrico do presépio, mas pelo Menino que se tornará a figura central da História, aquela da qual mais se fala, sobre a qual mais se escreveram livros e pela qual tantos, passados dois mil anos, ainda dão a própria vida.

FICAR SEM DEUS

É claro que, o profundo respeito de Deus à nossa liberdade, nos deixa em perfeitas condições para dar-Lhe de ombros, considerar que o acaso seja o senhor da História ou confiar nossas inteiras existências ao pensar deste ou daquele filósofo. Cada vez que reflito sobre tal possibilidade eu firmo a convicção de que esse é um muito mau negócio. Ficar sem Deus, podendo ficar com Ele, é isso mesmo – mau negócio.

A você que me lê e a todos os seus, desejo que o ano de 2015 seja bem melhor do que as condições atuais parecem sugerir. Acho que isso já estaria mais do que bom, não é mesmo?

2 thoughts on “O nascimento de Jesus e a comemoração do Natal

  1. O lado materialista de todos nós é muito forte, pela simples razão de que o sexo oposto é material e a comida também. Comida significando alimento, claro.
    Logo queremos matéria para o prazer.
    Daí a ânsia consumista que abate sobre nós.
    Por isso e mais algumas, o sofrimento é inexorável, pois sempre queremos mais.
    E quem entra para nos ajudar?
    Ele, Jesus.
    “Nem só de pão vive o homem”
    “Meu reino não é deste mundo material, humano, demasiado humano”
    “A César o que é de César”

    Buda também, e até antes , se empenhou em nos mostrar caminhos alternativos, que nos livrasse da dor.

    Mas é aquele negócio: já estamos prontos a milhões de anos e por isso e mais algumas, ou por essa e outras, a alternativa não é fácil.

    O caminho do céu é cheio de pedras.
    Não há somente uma pedra no caminho
    No caminho há muitas pedras.

    Oremos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *