O pas em leilo

Exemplar do livro "Juca Mulato", do escritor Menotti del Picchia, terceiro ttulo lanado pela Confraria dos Biblifilos. [FSP-Ilustrada-23.12.97]*** NO UTILIZAR SEM ANTES CHECAR CRDITO E LEGENDA***

Exemplar raro de Menotti del Picchia est venda

Ruy Castro
Folha

a crise. As famlias esto se desfazendo de seus tesouros. Sei disso pela quantidade de catlogos de leiles que recebo pela internet e s porque, h anos, disputei contra o poderoso Banco Santos um saquinho de confete do Carnaval de 1919, e levei. Algum disposto a enfrentar o Banco Santos num leilo devia ser louco, e a notcia se espalhou entre os leiloeiros. Desde ento, sou abarrotado de ofertas. Nunca mais arrematei nada importante, mas eles continuam na esperana de que eu faa lances mirabolantes por seus lotes.

Mas de que me interessa uma espada do Exrcito brasileiro com o braso da Repblica em baixo relevo, certamente virgem de batalha? Ou uma nfora em cermica de Alcobaa, uma luminria policromada em forma de coruja ou uma estatueta de cachorro moldada em terracota do vale do Jequitinhonha? E h objetos que, mesmo analisando a foto, no consigo descobrir para que servem, como um jogo de cossinetes para rosqueadora ou um voltmetro a manivela com bocal para teste.

No tenho muito uso para uma caneca com a inscrio “Lembrana de Cambuquira”, uma medalha comemorativa do “Cinquentenrio da Academia Pernambucana de Letras, 1901-1951” ou um exemplar autografado do livro “Juca Mulato”, de Menotti del Picchia, com furos de inseto, alguns ainda contendo o inseto. Dispensei tambm um conjunto para chimarro composto de cuia e bomba, uma coleo de 25 nmeros da revista “Bundas” e o trofu de vice conquistado pelo Brasil no Campeonato Mundial de Pesca do Atum, na Nova Esccia, em 1953. Cheguei a me interessar por um cachimbo que pertenceu existencialista Juliette Grco, com marcas de seus dentes autenticadas por seu dentista, mas me contive a tempo.

S no sei se resistirei se me aparecer uma bola Superball, daquelas marrons, de gomos costurados, dos anos 50.

15 thoughts on “O pas em leilo

  1. Se nosso povo tivesse mais cultura, talvez muito do que esta ocorrendo agora seria uma fantasia. Para um povo que no tem conhecimento de nossa histria e no acompanha as notcias da rea poltica, no podemos esperar grande atitude. Cada vez mais polticos incompetentes e corruptos sero eleitos.

  2. JUDICIRIO UM ANTRO DE SAFADEZAS.

    No se fala noutra coisa no meio jurdico em Santa Catarina. No Tribunal de Justia nesta quinta tarde, durante a sustentao oral na 1a Cmara Cvel, o advogado Felisberto Odilon Crdova acusou o desembargador Eduardo Gallo, relator do processo, de ter lhe feito uma proposta pedindo R$ 700 mil para julgar favoravelmente aos interesses do cliente.

  3. Ruy, entendo sua disputa por um saquinho de confete do Carnaval de 1919, tanto, que fui buscar na minha coleo de ‘ephemeras’ uma imagem que reflete essa situao do Brasil leilo que retrataste.

    A imagem uma fotografia antiga, postei no link:
    https://postimg.org/image/6wwagennp/

    Imagem do brasileiro arlequim – nos carnavais mais formidveis, nos sales mais fantsticos, onde existiamos como o povo mais feliz e alegre de todo o planeta – do brasileiro solitrio, triste, olhando pela janela a felicidade (figurativamente o Brasil), esvaindo-se…
    A imagem de um Brasil feliz, que perdemos, e que no volta no prximo carnaval…

    Alis, em que ano confetti de carnaval perdeu toda sua magia? Chuto 1967, concorda?

    Bem que toda essa crise, todo esse leilo do Brasil podia ser efmero, que o governo Temer fosse mesmo de carter transitrio do no deixasse sequelas como vai deixar, assim como governos do PT e outros governos anteriores deixaram…

    No Brasil do tempo daqueles carnavais, havia somente um magnata (Chateaubriand), mas o amor em ser Brasileiro, de fazer parte desta Nao, de expressar nossa alegria na folia de carnaval era maior que ser um magnata, era maior que possuir uma superball, um wham-o, ‘rosebud’…
    Em matria de felicidade, ramos todos
    magnatas Kane no Brasil, aos milhares…

    Hoje, nem 1% da populao assim.
    E os que so, nos colecionam…

  4. Concordo com o artigo de Ruy Castro, mas eu no usaria o termo leiloado.

    Na verdade, o Brasil est repartido!

    A maior fatia do Legislativo, a outra pertence ao Executivo e, a menor, do Judicirio.

    A produo de cada seo concedida, as arrecadaes, os impostos, taxas, emolumentos cobrados so de uso exclusivo do dono daquela parcela, e assim com as demais.

    J devem ter percebido que no sobra nada para o povo, aquele que produz, gera riquezas, paga impostos …

    Curiosa e contraditoriamente, os que so teis, se encontram … desempregados, acumulando para quem tem o seu emprego, que seja mais ainda explorado e obrigado a compensar a falta de dinheiro que o coitado do desempregado deixa de contribuir!

    Os donos desses pedaos do Brasil no querem perder absolutamente nada do que recebem, da fortuna que amealharam, do patrimnio que roubaram deste povo hoje desesperado e desesperanado.

    O Brasil foi partido em cotas e no leiloado, a meu ver, razo pela qual s nos resta verter sangue, suor e lgrimas!

  5. Naquele tempo havaianas no soltava as tiras…

    CADE aprovou a “venda” e os acougueiros Batista’leys da J&F (JBR) trocaram a Alpargatas por R$3.500.000.000,00
    … dinheirim de cortar bife, depenar galinha…

    Compradores: Itasa, Cambuhy e Brasil Warrant – Familias Setubal, Moreira Salles, Vilella…

    Adivinha para onde vai “the dolarz”?
    Pagar rombo? h ruim hin! ai ai ai!…
    quem tem dinheiro assim hoje em dia? Mfia!

    E o smbolo mais brasileiro da atualidade, as sandlias Havaianas…

    – “Nem isso mais, chul!
    T tudo DOMINADO!” …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.