O que impede que os governantes retomem o plano dos CIEPs?

Darcy, Brizola e Niemeyer sonhavam um Brasil melhor

Francisco Bendl

Temos predileção por chorar o leite derramado. De que adianta? Criticamos a desconstrução dos CIEPS, um dos métodos mais eficientes que já foram criados para evitar que nossas crianças fossem cooptadas pelo crime, mas… por que não os reconstruímos?!

O que impede que nossos governantes refaçam este plano espetacular de ensino, atendimento médico e social aos mais necessitados, implantado por Leonel Brizola, Darcy Ribeiro e Oscar Niemeyer? Por que não exigimos que nossas autoridades invistam adequadamente na educação e ensino?

Só não aceito que o poder central e os governos estaduais aleguem que não há dinheiro, pois eu lhes cuspo na cara! Eu os acuso de ladrões, criminosos, mentirosos, usurpadores, bandidos, gente da pior espécie.

EXISTE DINHEIRO

Verba para os três poderes se lambuzarem em salários que são os maiores do mundo não falta, da mesma forma as regalias, os penduricalhos, as aposentadorias precoces. Dinheiro existe, e muito, e nosso!

A estratégia é impedir que o povo tenha ascensão social, porque não querem que tenhamos poder de decisão. Assim, evitam de todas as maneiras que tenhamos senso crítico e que saibamos interpretar a situação política, social e econômica de nosso País.

Então, mantêm a educação e o ensino nesses patamares deploráveis, deprimentes, humilhantes para uma nação desta grandiosidade, que, inversamente à sua dimensão, tem nos seus parlamentares e governantes os menores do planeta, os mais corruptos, desonestos, incompetentes e vagabundos!

UM PAÍS FALIDO

Resultado: o Brasil faliu! Moral, ética, honra, decência, probidade, vergonha na cara, dignidade… essas virtudes foram abolidas do comportamento da maioria dos parlamentares, das autoridades do Executivo e dos magistrados parte do Judiciário, levando de roldão uma significativa parcela da população brasileira, evidentemente contaminada por contágio.

Pensem bem: Não temos futuro. Vivemos o dia, nada mais. E a minha curiosidade, se eu viver até lá, é imaginar até onde chegaremos com tantas características negativas.

55 thoughts on “O que impede que os governantes retomem o plano dos CIEPs?

  1. Bom artigo Bendl. Os Cieps foram ótima proposta educacional para um Brasil maior e melhor, mas políticos atuais não vão querer refazer o projeto, pois significa fazer brilhar os três da foto. Há muita vaidade na Política, muito egoísmo; gostam de aparecer e evidente não vão dar força à memória dos três: Brizola, Darcy e Niemeyer.

    • Professor Rocha, meu amigo,
      Grato pela participação.
      Teus comentários são importantes para mim, e tuas palavras enaltecem a Tribuna da Internet por poder contar com uma pessoa do teu quilate, extraordinária.
      Um abraço.

  2. Esta foto nos mostra o exemplo de dois políticos que já não existem mais, Brizola e o Darcy. Hoje nossos políticos são uma sombra deste dois grandes polítocos, 99,99% não chegam aos seus pés. Se todo o Brasil tivesse aplicado este projeto e continuado a mante-lo, talvez nossa sistema educacional estivesse bem melhor. Após o governo do Brizola, os governates que o sucederam no Estado do Rio não deram continuidade a este grande projeto. Na cabeça dos político educação não é uma meta prioritária.

    Aprimeira coisa que os políticos fazem é cortar verba da educação. Hontem nesmo site tivemos a notícia: Programa Pronatec é mesmo um farsa, não há dúvida. Isto nos mostra quanto nossos políticos estão preocupados com a educação.

    Porém, o fundo partidário teve um aumento em sua verba. Qunato mais uma população for mantida na ignorância, mais fácil será para os políticos governarem.

    • Jorge,
      Ótimo comentário.
      Complementa a minha indignação e revolta acima. Bom saber que existem brasileiros conscientes dos males que os governantes produzem com relação à educação, e enfatizam este procedimento deplorável apoiando artigos que criticam a omissão das “autoridades” neste sentido.
      Saudações.

      • Caro Bendl,
        como seu comentário foi, muito merecidamente, republicado como artigo, permita-me repetir aqui o que comentei a respeito da primeira vez:
        O que impede os nossos governantes, além de tudo o que você apontou, é, pura e simplesmente, a INCOMPETÊNCIA.
        Os nossos governantes de hoje não têm a formação de que precisariam para sê-lo. Não falo aqui de escolarização, longe disso, falo de formação moral, bom senso, honestidade, dedicação. Perderam a noção do que deve ser governar. De que governar é cuidar do bem estar do povo e do futuro do país. De que os seus atos devem ser pesados e decididos pensando muito além do término dos seus mandatos. Aliás, não sabem nem mais o que quer dizer a palavra “mandato” – que é uma delegação temporária de poder que os eleitores lhes confiam apenas para que defendam os interesses destes mesmos eleitores, uma procuração para um fim determinado, e não uma autorização para que façam o que quiserem. Não sabem mais que são mandatários e não mandantes, que o mandato não lhes confere direitos mas sim obrigações. Chegam aos seus postos por indicação e apoio de partidos que só pensam no proveito de si mesmos e nos benefícios do poder. E esses mesmos partidos, que deveriam representar o povo, colaboram para que essa situação se perpetue, porque não lhes interessa que ela mude.
        Não sei como vamos fazer para mudar. O Brasil está falido porque o nosso sistema político está falido. Não conseguimos (ou, pior, não queremos realmente) colocar no legislativo e no executivo pessoas com espírito público e competência. Perdemos o rumo da democracia representativa e caímos no modelo do governo por marketing…

        • Wilson, meu caro,
          O teu comentário foi preciso no aspecto político, pois conforme a situação atual, o povo tem como obrigação obedecer e outorgar poderes, mais nada.
          Ceifaram o pensamento individual; aniquilaram com as lideranças autênticas; amordaçaram as vozes de protesto.
          A solução empregada foi de uma simplicidade franciscana:
          Deixa-se a educação de lado.
          Método de abafar a população, impedir que exija, evitar que reivindique.
          Muito obrigado pela tua excelente parcipação.
          Um forte abraço, Wilson.

        • Wilson, meu caro,
          O teu comentário foi preciso no aspecto político, pois conforme a situação atual, o povo tem como obrigação obedecer e outorgar poderes, mais nada.
          Ceifaram o pensamento individual; aniquilaram com as lideranças autênticas; amordaçaram as vozes de protesto.
          A solução empregada foi de uma simplicidade franciscana:
          Deixa-se a educação de lado.
          Método de abafar a população, impedir que exija, evitar que reivindique.
          Muito obrigado pela tua excelente participação.
          Um forte abraço, Wilson.

  3. O que impede são ascorrupções dos governos, tanto federal, estadual, municipal.
    Se um governante aplica dinheiro em educação, no final será prejudicial para eles, o povo escolherá governantes “menas” corruptos…….
    Quanto mais fácil de manipular e laçar melhor…

    • Armando,
      Apesar de bateres na tecla permanentemente contra o governo de São Paulo porque tucano, não sou contra as críticas que fazes, não, ao contrário.
      E, mais:
      Observo que, em certas questões, concordas que também o PT seja acusado de corrupto e desonesto, omisso e irresponsável, no q

  4. Artigo perfeito!
    -É preciso tirar as crianças atuais das ruas, colocá-las em ESCOLAS INTEGRAIS, e, simultaneamente, meter os bandidos na CADEIA e impedir que outras fiquem naquela situação de risco.
    -Mas como fazer isso, se o dinheiro dos nossos impostos ou são roubados ou são destinados ao pagamento de juros da dívida pública, conforme mostram os orçamentos dos últimos “Ns” anos?
    -Mas quem irá fazer isso, se os fantasmas que governam o Brasil são os mesmos que precisam da escuridão para existirem?

    O nosso país é governado por gente tão safada que até tem ONG que vive de explorar crianças que moram nas ruas e a desgraça dos menores bandidos. Essas autoridades agem de uma maneira tão cínica e com tanta naturalidade diante da DESGRAÇA que parece que criança brota no chão, feito capim.

    Aqui, no DF, anos atrás, teve uma passeata feita pela “Associação dos Meninos e Meninas da Rua” de todo o país, provavelmente insuflada por alguma ONG paga com recursos públicos.
    Você sabe o que eles vieram Pedir?
    -Sair das ruas? Não!
    -Casa? Não!
    -Família? Não!
    -Escola? Também não!
    -Eles vieram pedir a manutenção do direito de cometer crime e ficar impune!!! Essa foi a prioridade escolhida!

    Anos atrás eu tive o desprazer de comparecer à “Escola dos Meninos e Meninas do Parque”. É um lugar destinado aos menores bandidos, mantido pelo Governo do Distrito Federal, onde descansam entre um assalto e outro. Para quem não sabe, o Parque da Cidade é o principal lugar arborizado de Brasilia, onde a população gosta de fazer caminhada. Um ótimo campo de caça para os predadores.
    Pois bem: chegando à escola, a “classe” estava realizando uma instrutiva partida de dominó… Pelo que pude observar, assim como toda a ONG, ela fazia parte daquele esquema “você recebe 100 do GDF, gasta 10 na instituição, embolsa os 90 restantes e assina uma despesa de 100”. Para quem tiver dúvida, basta digitar no Google “Instituto Candango de Solidariedade” e verá a quantidade de bandidos importantes indiciados – e nenhum preso. Nem sei se ainda existe essa aberração.

    Nada existe nesse país sem que tenha motivos para existir.
    Se existe toda essa violência é porque tem alguma autoridade ganhando com isso.

    • Prezado Francisco
      “Você sabe o que eles vieram Pedir?
      -Sair das ruas? Não!
      -Casa? Não!
      -Família? Não!
      -Escola? Também não!
      -Eles vieram pedir a manutenção do direito de cometer crime e ficar impune!!! Essa foi a prioridade escolhida!”
      Assisti as manifestações dos “marginais financiados pelos partidos” para defender os direitos dos novos criminosos. São os mesmos que invadem casas legislativas, fumam maconha, bebem e dirigem embriagados. Estudar? Para que! O chefe deles não estudou e chegou ao posto máximo do país.
      Amigo, ou as pessoas de bem saem ás ruas e assumem a nação ou o sonho acabou!
      Abraço.

    • Meu caro Francisco Vieira,
      Obrigado pelo comentário, verdadeiro, realista.
      Precisamos nos unir e exigir uma educação pública à altura da grandeza deste País.
      Jamais sairemos desta situação enquanto o povo não estiver devidamente preparado, instruído, informado, e poder de decisão própria.
      Um forte abraço, meu amigo, de Brasília, a minha saudosa cidade que ajudei a construir!

  5. Querido amigo Bendl
    Já quase sem tempo para respirar e paciência para escrever sempre as mesmas coisas, li teu artigo com olhos saudosos do país onde nasci.
    Não vou tecer comentários sobre Cieps, falta de recursos e de administradores honestos e capazes.
    Após quase três décadas no meio educacional (o correto é ensino), te digo, com tristeza, que a proposta não vingou por culpa dos dois maiores segmentos que “participam” da vida da escola pública: magistério e pais de alunos (alunos, quando correto é estudantes). Com idéias deturpadoras, sindicato/professores minaram o projeto, de sul a norte. basta recorrer à história. E os pais? Com organizações frágeis, fruto do desinteresse e de uma participação pequena e sem qualidade (a maioria só vai à escola nos períodos das greves – depósito, de crianças, fechado), equivocadamente, delegaram a educação dos filhos ao estado/município. Se a escola está funcionando, tudo bem. O que lá acontece, poucos sabem.
    Amigo de sempre, com um MEC sem rumo, secretários estaduais/municipais trocando todos os dias e uma política voltada às minorias e as coisas sem valor, o Ciep trona-se algo inaplicável: apenas propaganda.
    Só uma tsunami nos salvará!
    Um fraterno e grande abraço, com votos de muita saúde.
    Fallavena

    • Caríssimo Fallavena, meu amigo,
      Teus comentários abrilhantam a Tribuna da Internet.
      Conhecimento, informação, sensatez, experiência … reúnes as condições essenciais à manutenção de um espaço democrático de elevado nível, pois constatamos nos teus registros a verdade, lucidez, o esclarecimento.
      Não preciso escrever muito, pois nos falamos ao telefone às vezes (aliás, me liga hoje à noite, se puderes), e sabemos que nossos pensamentos com relação ao governo, educação, saúde e segurança são os mesmos.
      Um abraço, forte, caloroso.

  6. Continuas grande e verdadeiro, Sr. Francisco Bendl! Esta crônica simplesmente lava a alma da gente. Li com enorme satisfação e prazer as verdades nela contidas. Tratarei de salvá-la em CD para que não se perca. Recebas os respeitosos cumprimentos de um admirador seu aqui de Cabo Frio, R.J. Euclides Silva Filho

    • Meu prezado Euclides Silva Filho,
      O que eu posso escrever como retribuição para tanta gentileza?!
      No mínimo um abraço do meu tamanho, forte, de agradecimento pelo apoio.
      E que satisfação trocando ideias com um amigo de Cabo Frio, RJ.
      Pois este gaúcho está à tua disposição neste Estado gelado, que apresenta temperaturas na minha cidade em torno de cinco, seis graus Celsius!
      E olha que estou apenas a 60 km de Gramado E Canela, e apenas a 120 de Cambará, do Cânion brasileiro, daquelas imagens fantásticas e frio de ranger os dentes e renguear cusco!
      Obrigado pelo comentário.
      Conta comigo.

  7. Parabéns, Sr. Bendl!
    Honestamente, nunca tinha tido conhecimento dos CIEPS. Não era meu tempo ainda.
    Mas concordo que dinheiro acho que não é o problema. Acho que os políticos não aceitam que o povo cresça não é nem por medo de perderem o emprego, mas por temerem perder o respeito, pois assim que se abre os olhos de alguém este olho passa a ver a política de maneira real. E a política real é uma coisa simplória, não é nada desse endeusamento que se tem em mente. Quando se conhece a realidade da ilusão do poder acaba-se a lamúria por tê-lo. Se se acaba a lamúria, acaba-se a santidade, a deidade da política. Quem mantém a política com tanto poder é o endeusamento que se faz a respeito dela. Os políticos temem perder isso. Na condição de endeusada a política, os políticos são tidos como os fodões, os heróis, os caras. Se você entende que a política não é nada de superior, mas uma necessidade organizativa, você deixa de ver por tabela os políticos como seres salvadores, mas sim como burocratas necessários em certa medida.
    Os políticos temem mesmo é reconhecerem este papel: burocrata necessário.
    É o orgulho deles que seria ferido caso todos compreendessem o que estou falando. É o orgulho que os faz se matar. Não é o dinheiro não. Ilusão achar que político gosta mesmo é de dinheiro. Político gosta mesmo é de honrarias.

    • Prezado Menezes,
      Grato pela participação e comentário.
      Teu registro é importante, diante da tua cultura, formação, educação e palavras sempre de incentivo ao articulista.
      Gostei muito do que escreveste sobre os políticos, e esta condição que atingiram de quase endeusamento por uma parcela significativa da população.
      Escreve mais vezes, por favor!
      Um forte abraço.

  8. Amigo Bendl,

    Grata por nos brindar com seus textos irretocáveis.

    R.
    Porque somos governados por QUADRILHAS.
    Quadrilhas no legislativo, no judiciário e no executivo.
    Em Brasília, nos estados e nos municípios.

    abraço fraterno

    • Minha querida Dorothy,
      Obrigado pelo apoio que me tens dado ao longo do tempo neste blog incomparável.
      A tua presença se tornou imprescindível para mim, seja pela coragem na exposição de teus pensamentos, seja para enfrentar alguns barbados meio truculentos que, mesmo assim, segues conosco!
      Nessas alturas, um abraço apertado e … um beijo na face esquerda.

  9. Caro Francisco Bendl, excelente artigo, você falou sobre o maior projeto de
    nação realizado no Brasil: o CIEPS. Não atende apenas a educação, atende também
    a desnutrição infantil, consequentemente a saúde, ao tirar as crianças das ruas, elimina
    o trabalho escravo infantil, a prostituição infantil e principalmente a criminalidade. Uma o criança o dia inteiro numa escola, as probabilidades de todos esses males são menores. Isso sim é
    cuidar do futuro do Brasil.

    • Caro amigo Jacob,
      Perfeito!
      A intenção de Brizola e Darcy Ribeiro era esta que escreveste: afastar a gurizada dos perigos e tentações das ruas.
      A escola em tempo integral preenchia lacunas importantes na formação da criançada, além do estudo, laser, alimentação e acompanhamento médico e psicológico.
      Eu gostaria que o nosso brilhante Wagner Pires ou o mestre Bortolotto ou o sábio Fuchs ou o notável Roberto Nascimento, um deles, apresentasse para nós um pequeno quadro comparativo, que apontasse o seguinte:
      Salário de um deputado federal à época da construção dos CIEPS, década de oitenta, até o presente momento, a sua evolução, portanto;
      Investimentos na educação pelo governo central neste mesmo período, igualmente a sua evolução.
      Ou seja:
      O aumento dos salários dos parlamentares em comparação aos investimentos na educação nos últimos trinta anos.
      Acho, Jacob, que vamos pegar em armas!!!
      Obrigado pela participação.
      Um abraço do meu tamanho.

      • Prezado Bendl;

        A ideia dos CIEPS, do genial antropólogo e educador Darcy Ribeiro foi imediatamente aceita pelo governador do Rio de janeiro, o gaúcho Leonel Brizola, que ordenou a construção de 500 CIEPS projetado pelo transcendental Oscar Niemeyer.

        Entretanto, precisaria de pelo menos 5000 CIEPS para fazer frente a demanda da população em idade escolar do Rio de Janeiro. Ensino em tempo integral manteriam as crianças estudando, praticando esportes, fazendo seus deveres escolares, lendo nas bibliotecas e tendo as refeições nas Unidades de ensino.

        O projeto parou com o final do governo Brizola. Desde então, todos os governadores posteriores abandonaram os CIEPS, inclusive dois governadores do Partido de Brizola, o PDT. Hoje, pratica-se dois turnos nos CIEPS existentes.

        Ocorre, caro Bendl, que os políticos governadores não gostam de investir em Educação, o que compreende: contratar professores, pagar a eles um salário digno e mais toda a logística que envolve o projeto dos CIEPS. O cobertor do Estado é curto e as prioridades são direcionadas para obras que rendem voto para a continuidade da carreira política dos Chefes do Executivo. O povo para eles não passa de um detalhe na máquina partidária. Poucos têm a preocupação com a Educação e os olhos voltados para o futuro da nação. O imediatismo das atuais figuras que governam os Estados chega a ser impressionante. Falta a visão do estadista, aquele que vê a longo prazo e age para quando chegar a hora das mudanças, o homem brasileiro possa estar preparado para ajudar a nação a crescer no clima de competição acirrada contra os gigantes mundiais, principalmente americanos, chineses e europeus.

        Somente um presidente tentou fazer alguma coisa na linha dos CIEPS. Foi no governo Collor, com a construção dos CIACS, mas o projeto parou com a renúncia do presidente. De lá até hoje, nada foi feito pelas crianças carentes do Brasil, pelo menos nessa linha revolucionária do senador Darcy Ribeiro.

        Quanto aos salários dos deputados, eles crescem em projeção geométrica enquanto os investimentos em Educação e o salário dos professores, estão sempre sendo contingenciados. Parece até, que o fato é deliberado, de modo a impedir uma massa crítica, que possa ameaçar o Poder Dominante. Isso é fruto de uma elite atrasada, do século passado, um ranço escravocrata ainda presente na nossa sociedade. A continuar o status quo no campo da Educação e da Cultura, todos perderemos, a elite e o povo. Pensem bem, a China e a Índia em 30 anos chegarão aos 5 bilhões de habitantes. O Brasil é um continente com abundância de água e recursos naturais sem precedentes no globo terrestre. Precisamos urgentemente preparar os jovens de hoje para os desafios tecnológicos em todos os campos da ciência, inclusive na tecnologia militar para defesa de nossas fronteiras terrestres e marinhas.

        Será que o poder dominante desconhece os perigos que nos rondam? O caminho passa pela EDUCAÇÃO do povo.

        • Caro Roberto Nascimento,
          O governo só se preocupa em roubar, viver o hoje, pois desta forma os mandatários se garantem para o futuro.
          Não há quem pense no Brasil e no seu povo, apenas neles mesmos.
          Desta forma, avançamos céleres à destruição de um País continental, repleto de recursos hídricos e minerais, solo rico, sem as catástrofes naturais que devastam outras regiões do planeta, mas, em compensação como diz a piada, nós não nos ajudamos, e quem elegemos são piores ainda.
          O brasileiro é seu próprio destruidor, cheguei a esta conclusão.
          Por mais que critiquemos este governo corrupto, desonesto, traidor, há jornalistas e pessoas importantes, cultas, bem informadas que os elogia, quanto mais o povão enganado pela Bolsa Família, que recebe o alimento gratuitamente sem qualquer contrapartida.
          Ora, a educação ficou sendo secundária, e segue para se tornar até mesmo DESNECESSÁRIA, restando à elite tão comentada e acusada de nossos males, como a única a se beneficiar dos estudos e a continuar mandando nesta terra.
          Ao povo, basta a comida, a diversão, e falsa liberdade de poder fazer as suas arruaças quando pretende, então imagina que vive em democracia quando, na verdade, nem se dá conta do quanto está sendo manipulado e, conforme se dizia no passado, e segue em tempos atuais, massa de manobra.
          Muito obrigado pela tua participação.
          Os teus comentários enaltecem a Tribuna da Internet e valorizam sobremaneira qualquer artigo postado, principalmente de comentaristas que deixam a desejar em qualidade, como o meu caso, um mero esforçado.
          Um abraço.

  10. Francisco Bendl,
    Ótimo texto amigo, vê-se que você, estou falando de você, VOCÊ realmente quer o bem do Brasil.
    Agora, essa legenda “Darcy, Brizola e Niemeyer sonhavam um Brasil melhor”…
    Que tipo de um Brasil melhor estes senhores comunistas queriam?
    Que tipo de uma educação melhor estes senhores comunistas queriam para o Brasil?
    Ah, tem uma foto igual a esta, mas com a presença do Paulo Freire? Seria o máximo!

  11. Perfeito o seu questionamento e a sua indignação. Subscrevo-os.
    Nunca gostei dos três protagonistas, mas tinham alguns momentos de lucidez política.
    O plano dos CIEPS foi excepcionalmente bom para a gurizada, como mencionas, afastando-os do meio promíscuo e da convivência com os marginais do crime.
    Eu morava na cidade de Rio de Janeiro à época da criação dos CIEPS. Sou testemunha do êxito da implantação do plano.
    No entanto, caro Bendl, atrevo-me a responder a um dos aspectos questionados pelo amigo: a criminalidade faz parte da tomada do poder pelos comunistas, como sabemos. Nada melhor, para eles, do que a derrocada das instituições e o rompimento da ordem democrática e do estado de direito, empregando os próprios cidadãos, inclusive – e principalmente – os inimputáveis “dimenor”, verdadeiros utilitários usados pelos direitos humanos do adolescente, e de outros, inventados por diversas organizações ditas de preservação da cidadania, teoricamente.
    Não por acaso, hoje verificamos que os valores morais e virtudes foram trocados por devassidão e libertinagem. O corolário disso é o elevado número de adolescentes com desvio de conduta grave, que os remete aos crimes cominados no Código Penal, ao invés de remetê-los aos livros em sala de aula.
    Resumindo, Sr. Bendl: não era compatível para a perversão ou deterioração de princípios morais que os nossos adolescentes mais necessitados permanecessem absorvidos pelos CIEPS ou congêneres, visando a instauração do caos social e para a tomada do poder. Os exemplos estão aí, gerando manchetes nas páginas policiais, diuturnamente.
    A idéia de que tudo é igual, o verdadeiro e o falso, o belo e o feio, que o aluno vale tanto quanto o mestre, incentivou o declínio do conhecimento e do saber.
    “Viver sem obrigações e gozar sem trabalhar era o slogan de maio de 1968 nas paredes de Sorbone. Quiseram terminar com a escola de excelência e do civismo. Assassinaram os escrúpulos e a ética.” (ex-presidente da França, Nicolas Sarkozy).
    Forte abraço e parabéns pela oportuna matéria.
    Falavigna.

    • Caro Falavigna,
      O teu comentário é providencial.
      Abordaste um dos aspectos mais importantes com relação à interrupção dos CIEPS, as razões pelas quais implodiram.
      Foste um cirurgião, que apresentou o sangramento interno do paciente, mas a hemorragia era tão forte que não houve mais o que fazer!
      O uso do menor pela ideologia política que se instaurou no País, tema que abordaste de forma pontual e fundamental para que entendamos o abandono desse projeto importante à educação foi simplesmente notável, pois não mencionado por mim no artigo em tela, que mais me preocupei em acusar os parlamentares que fazer uma análise mais abrangente a respeito dos aspectos políticos e sociais que impediram a continuação dos CIEPS, tarefa que desempenhaste com rara precisão.
      Pois se somássemos os comentários apresentados, Falavigna, teríamos um painel real da situação educacional brasileira e o que impede de ela se desenvolver, de ser instalado métodos mais avançados de ensino, de aperfeiçoá-la, e trazê-la para patamares que de fato preparariam o aluno para a Universidade.
      Evidente que, nessas alturas, o problema não reside apenas na omissão governamental, mas um amálgama da situação do brasileiro com o Estado, País, Nação e Pátria, e as relações institucionais entre os Três Poderes.
      Se observarmos melhor, com mais atenção, jamais os poderes foram tão unidos, e jamais estiveram tão distantes do povo.
      A nós, os analfabetos funcionais, a manipulação, o uso do povo à instauração de políticas ignóbeis, ideologias retrógradas, o incentivo às diferenças sociais e étnicas, jamais o incentivo ao estudo Fundamental e Médio, mas ao universitário, local de pensamentos de mentes facilmente conduzidas para devaneios revolucionários, de uma falsa esquerda, de projetos sociais utópicos.
      Muito obrigado pela tua participação, que me honrou sobremaneira.
      Um forte abraço.

  12. Prezado João Souza,
    Obrigado pela tua participação.
    Não sou um especialista em Brizola (reclamo a participação do Aquino e Stédile para que me ajudem neste sentido).
    Com exceção de Niemeyer, um comunista confesso, Brizola e Darcy jamais foram comunistas, que eu saiba, jamais!
    Brizola era contra o comunismo, radicalmente contra.
    Agora, supondo que fossem comunistas, João, façamos aqui um pequeno exercício de imaginação:
    Vamos e venhamos, um projeto magnífico em termos educacionais, não concordas?
    Ora, se a intenção era a proteção à criança, o estudo e alimentação garantidos, João, respeitosamente, que venham os comunistas!!!
    Brincadeiras à parte, acho que as boas ideias precisam ser levadas a efeito, partam de onde e de quem partirem.
    Se o estado de nossas crianças é carente, deplorável, muitas não possuem sequer o básico, os CIEPS eram o que havia de melhor, útil, adequado, proveniente.
    A preocupação com com elas evidenciava ao mesmo tempo resguardar o futuro do Brasil, preservá-lo, garanti-lo para nossos jovens, pois viriam de uma escola que lhe alcançou a chance de progresso, desenvolvimento pessoal e colocação na sociedade porque livres das drogas, do banditismo, prostituição, uma gurizada que cresceu saudável e acompanhada de gente séria, que se dedicou a eles, e por um governo que demonstrava a tenção devida às reservas principais de uma Nação, seu povo, seus jovens, adolescentes, meninas e meninos.
    Um abraço, João.

  13. Caro Bentl,

    O ESTADO OFERECER psicólogos, médicos, educadores, monitores, piscina, segurança, quadra de esporte coberta, atividades lúdicas e seis refeições diárias e variadas, monitoradas por nutricionistas, JÁ É REALIDADE NO DISTRITO FEDERAL!!!

    Basta só o senhor digitar estas coordenadas no Google Earth: 15o53’30.24”S e 48o03’38.42”O e o senhor verá que maravilha de estrutura é oferecida aos ESTUPRADORES, ASSALTANTES, HOMICIDAS, TRAFICANTES E HOMICIDAS menores de idade e reincidentes! Tudo gramado! Tudo limpo e arrumado, sob o olhar atento da Deputada Federal Erika Kokay, eleita pelo PT-DF!

    No dia em que o LIXO das escolas públicas do Distrito Federal chegar ao nível desse lugar, no dia que o governo oferecer aos ESTUDANTES a mesma estrutura e preocupação que oferece aos BANDIDOS, o Brasil se transformará em outro país e o rabo terá parado de balançar o cachorro.

    Abraços.

  14. Agora, o Guilherme tocou em um assunto interessante: A total ausência e a preguiça dos pais na criação dos filhos e na transmissão de valores. E isso acontece em todas as classes sociais, fazendo com que as novas gerações se eduquem como pintos de chocadeira.
    Mas esse é um assunto muito extenso…

  15. Francisco Bendl, obrigado pelas palavras de incentivo. O que me dói e ver este país é ver nossos políticos não darem valor a educação. Eu tive minha formação básica na escola pública e a universitária na UFRJ. Hoje você ver o quanto nossas escolas públicas estão abandonadas e em sua maioria a mercê da violência. Professores que em muitos casos não tem apoio e sofrem com a violência que esta se alastrando neste país. Países que investiram em educação como o Japão e A Coreia do Sul, hoje colhem os frutos do seu investimento.

    http://www.jornalopcao.com.br/colunas/imprensa/coreia-supera-o-brasil-porque-investe-em-educacao-e-pesquisa

    O resultado da nossa participação no PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) é um exemplo de como investimos pouca na educação.

    http://g1.globo.com/educacao/noticia/2013/12/brasil-evolui-mas-segue-nas-ultimas-posicoes-em-ranking-de-educacao.html

    http://educacao.uol.com.br/noticias/2013/12/03/pisa-desempenho-do-brasil-piora-em-leitura-e-empaca-em-ciencias.htm

    Mas, enquanto isso temos alguns dos melhores campos campos de futebol do mundo.

  16. Bendl, sempre com excelentes textos. Embora eu não possua nenhuma admiração por Brizola, e por Niemeyer somente pela estética de suas obras, porque em termos funcionais suas construções são horríveis e caríssimas. O que considero fundamental é que não é uma questão financeira, é de metodologia mesmo. De nada adiantaria, nada mesmo, colocarmos as crianças de maneira integral dentro de uma escola, se esta seguisse essa metodologia paulo freiriana de ensino adotada no nosso Brasil, que está criando gerações de analfabetos funcionais dentro de uma cartilha gramsciana. Ou uma escola em que o aluno passe a maior parte de seu tempo em atividades acessórias (importantes também, mas em muito menor grau e realmente secundárias, como música, dança, gincanas, recreação) ao invés das matérias básicas, português, matemática e ciências, fundamentais para o estabelecimento do conhecimento e desenvolvimento do país.

  17. Meu caro Efrom,
    Muito obrigado pelo comentário pontual, e que permite uma discussão interessante sobre os conteúdos do ensino, os métodos de aprendizagem.
    Bom, observa que os registros acima foram feitos sem o menor questionamento neste sentido, de como as crianças seriam ensinadas, baseadas em quais processos e por quem, pois acredito que todos os comentaristas, inclusive eu, imaginamos um processo isento ideologicamente, versando a maior quantidade de informações para um aluno do Fundamental e em tenra idade.
    No entanto, levantaste um dado preocupante:
    A questão política, o uso da escola como propaganda partidária ou divulgação de sistemas sociais e econômicos discutíveis.
    Eis um problema, Efrom, de suma importância.
    Vejamos, em todo o caso:
    Considerando que o PT jamais adotará a escola em tempo integral;
    Considerando que o PT não vença as eleições à presidência da República em 2018;
    Considerando que a aludida crise atual brasileira acuse falta de recursos à implantação das escolas em tempo integral (mesmo que nadássemos em dinheiro também não seria, basta retrocedermos até Lula);
    Considerando que nenhum governo, de qualquer partido, inclusive e surpreendentemente mesmo do PDT, reconstrua os CIEPS;
    Considerando que os poderes concluíram que o povo deve mesmo permanecer analfabeto funcional;
    Considerando que pais, autoridades, a sociedade em si, não estão preocupadas com as nossas crianças, pelo abandono que se encontram, à mercê de influências negativas tanto nas ruas quanto dentro de casa;
    Considerando que somos mesmo alienados, omissos, que não nos importamos com o País e nossos filhos:
    Efrom, então podes deixar de te preocupar porque jamais teremos esta preocupação quanto ao uso das escolas em tempo integral para formar mentes com tendências socialistas ou comunistas ou revolucionárias.
    No entanto – e aqui o meu pensamento, a minha interpretação -, se as razões que mencionei acima como impeditivas à reconstrução dos CIEPS fossem postas de lado, e o governo recriasse a escola de Brizola, ou seja, que tirasse das ruas as crianças, que as alimentasse, que as cuidasse, que lhes desse laser, estudos, a as entregasse aos pais no final de cada dia com banho tomado e jantar servido,

    JÁ SERIA ALGO FANTÁSTICO QUANTO À PROTEÇÃO DESSAS CRIANÇAS CONTRA A VIOLÊNCIA, À DIMINUIÇÃO ABSOLUTA DO USO DESSES INOCENTES PELO TRÁFICO DE DROGAS E ARMAS, AFORA A PROSTITUIÇÃO INFANTIL!

    Nessas alturas, Efrom, uma vez que governo algum é eterno, mesmo que o PT acrescentasse aos conteúdos escolares a sua cartilha socialista/comunista, PELO MENOS um dos problema estaria sendo minimizado, que seria evitar a exposição de nossas crianças às influências ainda mais perigosas que as políticas, a das ruas, dos bandidos, até mesmo a doméstica.
    Muito obrigado, meu caro, pelo comentário procedente, interessante.
    Um forte abraço.

  18. Prezado Francisco Bendl, boa tarde!

    Você não está sozinho nesta santa indignação.

    Minas que nunca faltou ao bravo povo gaúcho, faz-presente.

    Através do Professor Juvenal Lima Gomes e seu depoimento:

    “Hoje, o meu dia mais triste: desisti de ser professor do Estado”

    “Meus alunos me surpreenderam no dia mais triste de minha vida como professor, eles choraram a minha desistência: ‘professor, não nos abandone!’”

    Hoje tive o dia mais triste como professor. Não estou me referindo a nenhuma indisciplina ou necessariamente a baixo rendimento escolar de meus alunos.

    SOLICITEI A MINHA DISPENSA NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS e fui surpreendido pelos meus alunos.

    Como sou muito exigente, muitas vezes coloco fardos pesados sobre meus alunos. Acreditava que a minha saída na transição dos bimestres seria encarada apenas como mais uma das tantas mudanças corriqueiras que ocorrem na Escola.

    Estava enganado. Fui surpreendido pelo choro mais desolador que já vi em toda a minha vida. Minha maior tristeza foi pensar que eu poderia ser responsável por esse choro.

    professor minas gerais
    Professor abandonou as aulas por não conseguir se sustentar (Foto: Reprodução/Géledes)

    Jamais pensei que meus ALUNOS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS fossem chorar por minha saída.

    Preocupado com o que eu diria para eles como motivo, preferi a verdade. ESTOU SAINDO PORQUE NÃO CONSIGO ME SUSTENTAR NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS. Como são crianças, muitas não entenderam o que eu queria dizer e me responderam novamente com o choro mais desolador que já vi ou causei em toda a minha vida.

    “PROFESSOR NÃO NOS ABANDONE”!

    A criança não entende a opção que nós professores fazemos quando abandonamos a sala de aula. Uma de minhas alunas gritou: “Vou me mudar para a escola onde o senhor vai continuar como professor”. Nessa hora engasguei o choro e me perguntei como poderia ser isso? Se a maioria de nós no Brasil e na REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS não dispomos de recursos para bancar o ensino privado.

    Leia também

    Carta aberta à atriz global Débora Falabella: a verdade sobre a educação de Minas Gerais

    Ideb: Melhor escola pública do Brasil pelo 3º ano seguido é do Recife

    A melhor educação do mundo é 100% estatal, gratuita e universal

    Algumas crianças se puseram na porta e tentavam impedir minha saída, sem palavras e assustado com o choro e o pedido de que não as “abandonasse”, restou-me recolher na solidão de meu objetivo racional e deixar a sala com crianças chorosas como nunca vi a se despedirem com o olhar que jamais esquecerei, do professor que NÃO CONSEGUIU SE SUSTENTAR NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS.

    Eu poderia recolher-me na vaidade, em pensar que sou um bom professor e que vou conseguir o melhor para mim.

    Entretanto, sei que hoje a exemplo do que ocorreu comigo, DEZENAS DE OUTROS PROFESSORES DEIXARAM A REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS POR NÃO CONSEGUIREM SE SUSTENTAR, ASSIM COMO TAMBÉM DEZENAS DE CRIANÇAS CHORARAM AO SE DESPEDIREM DE SEUS PROFESSORES.

    Resta-me na revolta implorar a todos os mineiros e brasileiros que lerem essa carta.

    PELO AMOR DE DEUS! NÃO ACREDITEM NA EDUCAÇÃO FAZ DE CONTA DO GOVERNO DE MINAS GERAIS. O ESTADO FAZ DE CONTA QUE REMUNERA SEUS PROFESSORES, PROFESSORES INFELIZMENTE FAZEM DE CONTA QUE ENSINAM, ALUNOS FAZEM DE CONTA QUE APRENDEM E ATORES GLOBAIS FAZEM DE CONTA QUE FALAM DA MELHOR EDUCAÇÃO DO PAÍS.

    O episódio dessa carta ocorreu NO DIA 18 DE ABRIL DE 2013 NA ESCOLA ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO EM BELO HORIZONTE. Infelizmente ocorreu também em dezenas de Escolas do Estado de Minas Gerais.

    ENQUANTO O GOVERNO DE MINAS PAGA MILHARES DE REAIS A ATORES GLOBAIS PARA MENTIREM SOBRE A EDUCAÇÃO NO HORÁRIO NOBRE, NOSSAS CRIANÇAS CHORAM OS SEUS PROFESSORES QUE ESTÃO SAINDO PORQUE NÃO CONSEGUEM MAIS SE SUSTENTAR NO ESTADO.

    Prof. Juvenal Lima Gomes
    EX-PROFESSOR DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS
    http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/04/carta-professor-estado-minas-gerais.html

  19. Billy,
    Se faltava a esta página que aborda a educação brasileira e sua tragédia um fato que comprovasse a situação deplorável que nos encontramos neste aspecto, o teu comentário é definitivo!
    Eu pediria ao Newton, de pleno, que ele transformasse o teu registro em artigo, de modo que desse sequência a este, que está acarretando depoimentos interessantes, úteis e procedentes sobre o ensino nacional.
    A tua abordagem a respeito do lado do professor é fundamental para que também entendamos os porquês do ensino fraco, de alunos que no terceiro ano do Fundamental não sabem ler, que perguntados sobre até mesmo as capitais dos Estados brasileiros não sabem responder a contento.
    Da mesma forma, a luta dos mestres anos a fio por uma remuneração digna, pela importância de suas funções, pois sem estudos nada se consegue, mas sem quem nos ensine não avançamos.
    Um dos exemplos mais deprimentes e vergonhosos protagonizados por este governo corrupto, desonesto, por este bando de criminosos que está no poder, diz respeito ao Piso do Magistério, aquele que seria para todo o País!
    Instaurado pelo PT, até hoje muitos Estados não pagam esta remuneração OFICIAL E IMPLANTADA PELO GOVERNO CENTRAL, alegando falta de condições econômicas para tal.
    Aqui, no meu Estado, RS, ontem, a mídia divulgou que vários deputados estaduais estão sendo investigados pela polícia pelo uso indevido de combustíveis!
    Os vagabundos podem registrar TRÊS veículos, TRÊS, repito, e abastecê-los várias vezes com DINHEIRO PÚBLICO, através de um cartão corporativo, e sem qualquer controle, como se isto fosse novidade.
    Acontece, que se descobriu, que os deputados ladrões, inúteis, perdulários, criminosos, gastavam mais com os seus carros que a frota da Brigada Militar do Estado!!!
    MAS NÃO HÁ DINHEIRO PARA PAGAR OS PROFESSORES!!!
    A situação está em patamares de deboche, escárnio com o dinheiro do povo, total irresponsabilidade.
    Escrevi meses atrás que tenho a solução para os canalhas, os ladrões, os traidores do povo, que estou à disposição para executá-la, mediante auxílio de meia dúzia.
    Não recebi qualquer solicitação a respeito de como se daria esta resolução.
    Pois ela continua à disposição, pois algo precisa ser feito e rápido, e incisivo, e radical.
    Lamento profundamente pelo professor, Billy e, se puderes, envia-lhe o meu abraço solidário, pois a minha mulher foi professora por 28 anos, hoje aposentada, claro.
    Muito eu lhe acompanhei em greves, protestos, reivindicações, e mais ainda constatei o quanto os governos mentiam, enganavam, iludiam, prometiam e não cumpriam, o quanto usaram os professores politicamente!
    Acho que temos de dar um basta a tanto descaso.
    O meu abraço, Billy e a minha gratidão pelo comentário absolutamente dantesco, terrível, sobre as dificuldades dos professores, que ainda apanham nas ruas, recebem bombas nas cabeças, e são agredidos por ordem de governadores desajustados, cafajestes, corruptos, ladrões, crápulas, incompetentes!

  20. Caro Francisco, que para mim católico, de ASSIS tem tudo. Texto irretocável. Saúde e paz. Mais não digo, e desnecessário diante da justeza de teu verbo.

    Um forte abraço.

  21. Caro Luiz Antônio,
    Muito obrigado pelas palavras de incentivo e apoio que me tens dado ao longo do tempo.
    Sinto-me honrado e alegre ao mesmo tempo por contar com pessoas esclarecidas e bem informadas que opinam sobre meus registros.
    Não que eu não mereça críticas eventuais, claro, mas me refiro a temas onde não podem haver discussões estéreis, inúteis, pois a unanimidade se faz necessária e não burra, como alguém já disse em tom de brincadeira.
    Neste caso, da educação, inegavelmente todos compartilham que a sua situação exige urgentes providências, que não podemos mais continuar e aceitar este descaso governamental, enquanto que para os três poderes dinheiro existe à vontade!
    Um forte abraço, meu amigo.

  22. Caro Chicão.
    Educação: todos países que conseguiram sair do atraso tecnológico e por conseguinte mudar de patamar de dignidade humana, o conseguiram através da educação. Pacífico.
    CIEPS. Teoricamente um grande projeto. Na prática, não tinha e não tem nenhuma chance de vingar. Vejamos:
    Enquanto alguns estudam e outros trabalham, uma grande parcela da população se encarrega de aumentar as estatísticas demográficas. Filhos em série. E, justamente, nos lares (???) mais pobres.
    O que significa dizer, na prática, entregar para o Estado a responsabilidade desse crescimento exponencial. Planejamento familiar, nem pensar, e, mesmo que pensassem, quem iria executá-lo ?
    Ao mesmo tempo que se propunha esse ambicioso projeto, CIEPS, estatizavam-se empresas e o empreguismo corria solto, mas solto mesmo. Empresas estatizadas passavam à apresentar prejuízo anualmente, ou seja, dinheiro dos impostos eram direcionados para cobrir os rombos criados pela irresponsabilidade, ou, pela ideologia marxista e dinheiro para educação simplesmente não sobrava, pois primeiro tinha que se HONRAR a folha de pagamento dos apaniguados.
    Mudou alguma coisa ? Não. Piorou !!!
    E, nem vou comentar sobre a lavagem cerebral posta em prática nas escolas, pelas quadrilhas (partidos) de esquerda.
    O projeto CIEPS só é possível num país comunista, Cuba, p.ex., onde depois de formados, os “cidadãos” são alugados pelo Estado para quem paga mais, pois paralelamente não criou condições de sobrevivência – postos de trabalho – para ninguém, salvo que use seu diploma para participar da agricultura familiar, ou como plantador de cana ou fumo.
    Construir CIEPS é uma coisa. Mantê-los, com qualidade, ano após ano, é utopia.
    Esta é a nossa opção: ou mudamos o sistema político brasileiro para acabar com a farra com o dinheiro dos impostos e aí destinamos a maior quantia dos mesmos para educação, ou permanecemos falando, década após década, e assistindo a falência moral deste país, justamente pela falta de educação.
    Um abraço.
    Martim

  23. Fuchs, o sábio,
    Eis que me apresentas um depoimento intrigante, que não basta apenas a reconstrução da escola pública, mas acompanhada de outras medidas que a enalteceriam, sob pena de ruírem um ano após.
    Concordo plenamente contigo.
    A intenção deste artigo é justamente ampliar a questão educacional, que não é somente em sala de aula e espaço físico, mas o conjunto da sociedade comprometida com o seu sucesso, com o seu desenvolvimento mas, principalmente, em assegurar às crianças chances reais de formação, proteção, preservação.
    Preparo outro artigo neste sentido, que pedirei ao Newton a sua publicação como segunda parte deste, que ensejou comentários extraordinários a respeito, e que precisam e merecem desdobramentos, inclusive este teu, importante, questionador, que requer respostas de gente especializada nesta área.
    Muito obrigado pela tua participação, meu caro, e pelo registro de um parecer que deve ser estudado profundamente.
    Um forte abraço, meu amigo.

  24. Caro José Guilherme.
    Partindo dos Illuminati, já não seria educar para planejar a família e sim, como Cuba, manter a população dentro de certos limites, mediante a pura e simples eliminação dos fetos.
    Observa-se nos países mais evoluídos, isto através da educação, a redução dos índices demográficos sem apelar para o aborto ou outros expedientes utilizados pelos países totalitários e ateus, para quem o homem nasce, vive, morre, vira pó e fim.
    Isto se não for “morrido” antes pelas “otoridades”, pelo fato de não ter passado no teste de lavagem cerebral.
    Um abraço.
    Martim

    • Caro José Guilherme.
      Vi o vídeo em questão. Taxa de menos de 2% na Europa e de 8% entre os muçulmanos; matematicamente, em breve estarão em maioria.
      A ironia é que o ocidente explora essas regiões orientais há séculos, obrigando-os a procurar comida e sobrevivência onde tem opulência, ou seja, para onde foi o capital.

      No Brasil, temos um problema igual: o custo do Estado.
      Enquanto este não for corrigido, não adianta reclamar da situação. Não há como corrigir qualquer coisa, tendo um Estado que fica com 40% da produção apenas para se sustentar, ou, um Estado como fim em si mesmo.
      Apenas votar à cada 2 anos nas pessoas que nos são impostas, escolhidas sempre por quem não quer que a situação mude, aumentará cada vez mais a distância entre os capazes de produzir (educação) e os incapazes, entre a concentração da riqueza nas mãos de cada vez menos gente, aí incluso os ladrões do dinheiro público, que roubam por dentro, e os cada vez maior número de dependentes de um Estado que não se preocupa com eles, salvo na propaganda.
      Mais ou menos o que acontece entre europeus e muçulmanos. A conta chegará para todos.
      Um abraço.
      Martim

  25. Caro Bendl, lamento ter que assinar em baixo, nossa indignação em ver tanta patifaria, a nos sufocar.
    Ontem, 12, como Conselheiro da Ação Social, participei de uma Conferência da Ação Social, e o Conselheiro, convidado do Estado, palestrante, citou os CIEPS, e os 3 Cidadãos, que sonharam na formação da Cidadania e futuros Chefes de Família.
    Dei minha opinião, inclusive citando à frase de CONFÚCIO a 3 mil anos: Que uma NAÇÃO se faz com Educação, não é custo, é investimento, mas que nossas “ortoridades”, não interessa um povo culto, mas analfabeto, para formação dos “currais eleitorais, para serem eleitos e reeleitos – exemplo: Maluf, que não pode sair do Brasil, e como vampiros “roubar o sangue do trabalhador”, com o roubo do “cofre público”.
    Hoje citei em artigo do Sr. Sylo, a falta de vergonha na cara dos politiqueiros, e minhas atitudes junto a 10 “ortoridades desse País”
    Bendl, obrigado pelo artigo, e aos demais comentaristas. não estamos sós.

    • Meu querido Theo,
      Grato pela participação e comentário.
      Repito:
      Ler as tuas opiniões, pareceres, teus conceitos, enfim, são para mim muito importantes porque acompanhados da experiência, de uma pessoa iluminada, de alguém que sempre deseja o bem ao próximo.
      Sei que posso contar contigo para o bom combate, como este, referente à educação, atualmente o nosso ponto nevrálgico, sensível, que impede a evolução do povo e desenvolvimento do Brasil.
      De nada adiantam esforços econômicos, falsos avanços sociais, se não estiverem ao lado de planos educacionais, de escolas Fundamental e Média de qualidade.
      Um forte abraço, Theo, e excelente fim de semana.

  26. Receba meus cumprimentos pela relevância e tempestividade do tema educação em tempo integral. Não fossem a Rede Globo, o Moreira Franco e o PT para sabotar o projeto CIEPs, não haveria essa legião de crianças e jovens vagando sem perspectivas de futuro pelo mundo do crime.
    Justiça seja feita, Collor de Mello, tentou revolucionar a educação, aos moldes dos CIEPs, criando os CIACs, com meta de 5.000 (cinco mil) dessas escolas, o que segundo Sebastião Nery no livro “Grandes pecados da imprensa”, motivou de fato o declínio político do ex presidente. Roberto Marinho em conluio com os EUA não podiam permitir a alforria educacional e consequente evolução social do povo deste pobre país rico.
    Saudações brizolistas

    • Prezado Rodrigo de Carvalho,
      Muito obrigado pela tua participação.
      Teus comentários são sempre relevantes, pois agregam conhecimento, cultura, sensatez e larga visão da situação que vivemos.
      A educação em nosso País tem sido tratada como se fosse inimiga do governo, então a decisão de afastá-la de nossas pretensões, de não permitir que tenhamos acesso à informação, ao conhecimento.
      Evidente que a razão principal se deve à constatação do povo quando capaz de interpretar a questão política, concluir o quanto foi enganado, ludibriado, e como foi roubado ao longo do tempo.
      Assim, analfabeto funcional, se deixa conduzir porque não pensa, não entende, e tendo a TV como a sua aliada, em face desta informar o que bem entende e mostrar imagens devidamente escolhidas, afora uma programação alienante.
      Sinto que o Brasil é um gueto desinformado, sem cultura, uma escola pobre propositadamente assim oferecida, um povo que demonstra alegria que, no entanto, desconhece as razões para tanto.
      Um forte abraço, Rodrigo de Carvalho.

  27. Caro Francisco Bendl, você simplesmente retratou uma realidade. E não adianta xingar, agredir, reclamar, pois o que eles não têm e jamais terão é vergonha na cara, isso nunca!

    • Pedro Rios,
      Tens toda a razão.
      Pelo menos registramos nossa indignação, de modo que não esqueçamos em renovar o Congresso nas próximas eleições.
      Se esta é a única chance de mudar, o voto, tratemos de dar a ele a importância devida e afastemos a corja do parlamento e governo.
      Um abraço, meu caro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *