O que significa Henrique Meirelles como vice na chapa de Aécio Neves?

Carlos Newton

Sempre bem informada, a colunista Sonia Racy, do Estadão, anunciou que Henrique Meirelles desistiu de sua pré-candidatura ao Senado pelo PSD. E registrou que a decisão do presidente do Banco Central do governo Lula acontece dias depois de seu nome ter sido aventado como possível candidato a vice na chapa do tucano Aécio Neves.

Mas o que significaria Meirelles como companheiro de Aécio? A própria Sonia Racy respondeu que a aliança nacional com o PSDB representaria o rompimento da aliança do PSD com o PT, mas ressalvou que esta possibilidade, porém, já teria sido descartada por Gilberto Kassab, presidente nacional do partido – o primeiro a declarar apoio oficial à reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Meirelles formalizou sua decisão quinta-feira, em carta a Kassab. Embora tenha aberto mão de disputar a vaga ao Senado, afirmou manter “enorme disposição de seguir contribuindo para o desenvolvimento do Estado de São Paulo e do Brasil”.

Em São Paulo, no maior colégio eleitoral do País, Kassab segue em negociação com o governador Geraldo Alckmin. Os tucanos ofereceram a vice ao PSD – desistindo do Senado, Meirelles poderia ser uma opção.

Traduzindo tudo isso: a confusão é geral. Meirelles seria um enorme reforço para Aécio, em termos de patrocínio para a campanha e de credibilidade no mercado financeiro, se é que alguém sabe o que isso significa. Na verdade, “mercado” é sinônimo de “interesse das elites”, a Bolsa vai subir e a campanha de Aécio pode decolar. Acredite se quiser.

7 thoughts on “O que significa Henrique Meirelles como vice na chapa de Aécio Neves?

  1. Meirelles é um profissional competentíssimo.Na eleição passada foi cogitado para ser o vice de Dilma.
    Mas em termos de trazer votos para Aécio,é uma coisa que não consigo entender.Enfim!

    • a questao do apoio do Meireles e mais o tempo de tv do que o quanto o nome dele em si traria de votos e uma boa eu diria ate que a ultima chance do Aecio tentar minimizar os 12 minutos da Dilma

  2. Não devemos esquecer que Henrique Meireles é um executivo do setor financeiro nacional e internacional, foi presidente do Bank Boston e aposentado pelo Bank Boston. Posição que para americano ou europeu chegar é muito difícil. Pela sua grande capacidade, apesar de ser latino americano, conseguiu chegar a esta posição.

    Foi Meireles quem conseguiu controlar a inflação e dar alguma direção na área financeira aos governos Lula.

    Em 2002 candidatou-se pelo PSDB a deputado federal por Goiás, tendo sido o candidato mais votado neste Estado. Entretanto, não chegou a ocupar a cadeira de deputado federal, pois aceitou o cargo de presidente do Banco Central do Brasil.

    Atualmente é filiado ao PSD. Pelo que a mídia esta divulgando ele esta abrindo mão de concorrer para o senado, pelo estado de Goiás. Pelo menos será antes de concorrer, item que não ocorreu em 2002.

    A união de Meireles a candidatura do Aécio nos dá a informação que Aécio pretende firmemente controlar a inflação, coisa que a equipe da dona Dilma perdeu o rumo.

  3. “Na verdade, ‘mercado’ é sinônimo de ‘interesse das elites'”

    Não estaria na hora de sacudir a naftalina do termo ‘elites’ na frase acima e deixá-la ao sol para renovar o odor?

    O que afinal, é essa tal de ‘elites’? O pessoal do Meirelles? O pessoal da Bolsa de Valores? O pessoal do André Vargas e do Youssef? O pessoal que apóia Dilma? O pessoal que apóia o Aécio? O pessoal que apóia o Campos? O pessoal com mais de 1 milhão de patrimônio? Os índios com quase 20% do território brasileiro? O pessoal que se “lambuzou” na Petrobrás?

    O Lula… ah, deve ser o pessoal do Lula… ele sempre teve tanta intimidade com “azelite”.
    🙂

    Abraços e sucesso,

  4. “Henrique de Campos Meirelles (Anápolis, 31 de agosto de 1945) é um executivo do setor financeiro brasileiro e internacional, ex-presidente do Banco Central do Brasil. Permaneceu no cargo entre 2003 e 2011, sendo sucedido por Alexandre Tombini. Conforme a lista de presidentes do Banco Central do Brasil, foi quem por mais tempo ocupou a presidência desta instituição. Em 2002 candidatou-se pelo PSDB a deputado federal por Goiás, tendo sido o candidato mais votado neste Estado. Entretanto, não chegou a ocupar a cadeira de deputado federal, pois aceitou o cargo de presidente do Banco Central do Brasil. Saiu do PSDB e filou-se ao PMDB. Atualmente é filiado ao PSD.”

    Atuação política? Inexistente. Filiou-se ao PSDB,sendo eleito deputado, em 2002, não. Não assumiu cadeira. AQUI, UM ESTELIONATO ELEITORAL. Trocou de partido, indo para o PMDB. Recentemente trocou novamente, indo para o PSD. Qual sua ideologia política? Nenhuma.

    Respeitados os atributos profissionais – que não estão em avaliação ou discussão, politicamente é uma vergonha: em 12 anos, três partidos.

    Se Meirelles é competente para a função, que assuma como profissão e não como político.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *