O que uniu Lula e Bolsonaro, no caso da prerrogativa de nomear o diretor-geral da Polícia Federal

Iotti: prodígios | GaúchaZH

Charge do Iotti (Zero Hora)

Kelly Matos
Site Gaúcha/ZH

Em primeiro lugar, calma. Tenho consciência do oceano que separa o ex-presidente Lula de Jair Bolsonaro, hoje presidente da República. Mas é inegável que chamou a atenção o vídeo em que o petista defende a prerrogativa (legítima) de o chefe do Executivo federal indicar o nome para a direção Polícia Federal.

É importante lembrar que o presidente da República tem o direito de indicar o diretor da Polícia Federal, sim. Eu indiquei duas vezes e nunca pedi nem orientei porque eles têm autonomia. E por que o Moro achava que ele podia e o Bolsonaro não podia? Tenta ganhar a opinião pública mentindo outra vez” – declarou Lula, no vídeo que ganhou repercussão nas redes sociais. 

REPULSA A MORO – O que uniu Lula e Bolsonaro, neste episódio, foi a repulsa ao ex-juiz federal da Lava Jato e ex-ministro da Justiça do atual governo. Como se sabe, Moro que assumiu um cargo no governo como “símbolo anticorrupção”, deixou a Esplanada por se sentir incomodado com a pressão do chefe para trocar o nome que comandava a PF, responsável por executar algumas das maiores operações de combate à corrupção no país.  

O que Bolsonaro queria, segundo acusou Moro, era ter alguém de sua confiança no posto, a quem pudesse dar ordens, exigir informações e relatórios. Voltemos um pouquinho no tempo. Quando aceitara o convite para ser ministro, o ex-juiz jurou que o presidente agiria diferente. Confiou na tal “carta branca”. Santa ingenuidade. Até as carpas do Palácio da Alvorada conhecem como a banda toca em Brasília e na família Bolsonaro.  

LULA E DILMA – Lula, de fato, indicou duas vezes o diretor da Polícia Federal. Dilma também e, inclusive, fora muito pressionada por colegas de partido a interferir quanto à ciência das operações. O ex-ministro José Eduardo Cardozo foi um dos que mais sofreu críticas de petistas, à época, por não ter “comando” sobre a PF. Bolsonaro foi mais ligeiro neste aspecto. E o próprio Moro se deu conta. 

–  Imagina se, durante a própria Lava Jato, o ministro, diretor-geral, a então presidente Dilma (Rousseff), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ficassem ligando para a Superintendência de Curitiba para colher informações? – comparou, quando anunciou sua carta de demissão. 

ELES NÃO SÃO IGUAIS – Repito: não acho que Bolsonaro e Lula sejam semelhantes em ideias ou propósitos. Pelo contrário. O próprio ex-presidente disse, em uma entrevista em que participei na Rádio Gaúcha, que entende que há “má fé” quando tentam mostrar proximidade dele com o atual chefe do Planalto. A democracia prevê discordâncias. 

Contudo, o episódio referido acima expõe, nas entrelinhas, um jogo que é capaz de unir até os polos mais antagônicos do jogo político. Basta juntar as peças. 

(artigo enviado por Antonio Fallavena)

14 thoughts on “O que uniu Lula e Bolsonaro, no caso da prerrogativa de nomear o diretor-geral da Polícia Federal

  1. Lula e Bolsonaro estão cobertos de razão. O presidente é efetivamente o CHEFE de TODO o executivo. Pede nomear e demitir absolutamente quem ele quiser. Foi eleito exatamente para ser o chefe do executivo.

    • Ronaldo
      Qualquer pessoa mais ou menos informada, sabe disso!
      O que foi questionado é a palavra empenhada que não vale nada!
      Qualquer idiota sabe que “carta branca” é autorização para fazer o que desejar.
      O presidente não sabia disso!

    • Armando, só para lembrar. O Rio sempre foi propriedade de quadrilhas. Quanto tempo faz que o “jogo do bixo” manda em vários setores?
      Certamente o Brizola não fez o que deveria ter feito em relação aos criminosos.
      Mas dai a diz que foi ele que inventou a criminalidade no Rio é maia do que “esticar a corda”!
      Interessante é carioca não conhecer a história de sua cidade/estado!

  2. Bolsonaro e luiz inacio se equivalem em muitos aspectos, pois são intolerantes às causas nobrrs e cúmplices em manobras de corrupção.
    O ex presidiário comstruiu sua vida pública sobre mentiras e mais mentiras, desde sua passagem pelo sindicato até os dia de hoje.
    Com Bolsonaro, não é diferente, pois mente que não sente, desde a carreira militar até ontem qua nao sei qual a mentira que falou porque não o vi.
    Moro conseguiu colocar is dois em im só saco, e agora os dois se tolerarão enquanto acharem que juntos derrotariam Moro. Não conseguirão.
    A história de Moro é voltada para o trabalho e para o caráter profissional, enquanto as dos dois trapalhões volta-se para os aspectos da patifaria e para ladroagem.
    O tempo de mudanças é favorável a Moro que tem mais armas e munições para derrotar o ex presidiário e o futuro se não der boas desculpas sobre suas rachadinhas e dos seus filhos.
    Aliás, rachadinhas são nomes grotescos e enganadores dados pela imprensa imoral para agradar a quem cometeu peculato e achaques ao trabalhador que teve que entregar o seu dinheiro aos proxenetas bolsonaristas.
    Portanto, os dois, o ex e o futuro presidiário se igualam em imoralidades, e se encontrarão na mesma cadeia deixando de serem ex e futuro, e sendo apenas contemporâneos presos dos crimes que cometeramcontra o Brasil e ao povo brasileiro.

  3. Olha, eu sento aqui na frente do teclado cheio de bons propósitos, disposto a tentar trazer algum pensamento positivo, resultante de uma longa vida de participação e observação, para fomentar ideias e debates construtivos para a equação da nossa miserável disfunção sócio politica, mas confesso, quando começo a ler as besteiras, disparates, aleivosias, agressões gratuitas, generalizações mal intencionadas, mentiras baixas e rasteiras, nada de discursão de nível, elegante, inteligente e até bem humorada, civilizada, enfim, perco totalmente a energia e a inspiração, e acabo concordando com o vulgar axioma de que cada povo tem governo e o ídolo que merece.
    Será que essa caterva, não conhece outra realidade que não seja Lula ou Jair? Sera que não existe vida fora de direita e esquerda? será que não conseguem discutir sem xingar de esquerdalha ou facistoide? será que não conseguem um vocabulário um pouco mais rico do que o de seus ídolos? será que não têm famílias e não conseguem ver a vergonha das próximas gerações quando olharem para os anos vinte e constatarem a tragédia que na época, cidadãos descebrados e ensandecidos provocaram?
    Por favor, façam um esforço, eu sei que deve ser dolorido, mas reflitam e tomem jeito de gente.

    • F. Moreno, te entendo e me incluo na tua análise.
      Por necessidade de trabalhos, todos os dias me obrigo a ler bobagens; análises rasas; futilidades e inutilidades; defesas à projetos e à pessoas sem qualidade.
      Vivemos um momento de negação à verdade e de cérebros embotados. Como concretizar-se atitudes de massa se a imensa maioria da sociedade está distante da realidade e sem energias para tal?
      No país das bananas, tudo virou banal!
      Abraço.
      Fallavena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *