O romantismo eterno de Cândido das Neves

O carioca Cândido das Neves (1899-1934), apelidado de “Índio”, era compositor, cantor e instrumentista. “Noite Cheia de Estrelas”, gravada em 1932 na RCA Victor, por Vicente Celestino, mostra as as suas características na arte de compor: letras sempre muito extensas, cantavam a natureza duma forma romântica.

NOITE CHEIA DE ESTRELAS

Cândido das Neves

Noite alta, céu risonho
A quietude é quase um sonho
O luar cai sobre a mata
Qual uma chuva de prata
De raríssimo esplendor…
Só tu dormes, não escutas
O teu cantor.
Revelando à lua airosa
A história dolorosa desse amor…

Lua!
Manda a tua luz prateada
Despertar a minha amada!
Quero matar meus desejos!..
Sufocá-la com os meus beijos…

Canto
E a mulher que eu amo tanto
Não me escuta, está dormindo…
Canto e por fim
Nem a lua tem pena de mim,
Pois ao ver que quem te chama sou eu
E entre a neblina se escondeu…

Lá no alto a lua esquiva…
Está no céu tão pensativa,
As estrelas tão serenas
Qual dilúvio de falenas
Andam tontas ao luar,
Todo o astral ficou silente
Para escutar:
O teu nome entre as endeixas
A dolorosas queixas
Ao luar.

     (Colaboração enviada por Paulo Peres – Site Poemas & Canções)

One thought on “O romantismo eterno de Cândido das Neves

  1. Paulo Peres, muito me alegra lembrares Cândido das Neves o popular “Indio”. Um dos maiores poetas e compositores de nossa historia. Todas suas composições são de uma beleza indescritível. Viveu na época das “serestas”. Noite Cheia de Estrelas foi gravada por Vicente Celestino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *