O Senado e a perigosa lei “antiterrorista”

Mauro Santayana
Hoje em Dia

Com a discussão no Senado da criação de uma lei “antiterrorista”, tem gente que anda dizendo por aí que o Brasil precisa “acordar” para o “terror”. O que não devemos é despertá-lo, cutucando a onça com vara curta, quando o felino não nos diz respeito e nunca nos ameaçou.

Na verdade, o que está por trás do discurso do “antiterrorismo”, com a desculpa da aproximação das Olimpíadas de 2016, é a mal disfarçada intenção de acelerar o alinhamento ideológico do Brasil com Washington e com países que atuam como auxiliares dos EUA em sua veleidade de agir como xerife do mundo, e que, como eles, invadem e bombardeiam outros países, e pagam caro por suas políticas de intervenção.

O Brasil, além de não seguir essa linha, nem mesmo durante o regime militar, tem, graças aos constituintes de 1988, o princípio de não intervenção em assuntos internos de outros países – cujo alcance e lucidez não é compreendido por quem quer se meter na vida alheia e dar lições aos outros, no campo dos direitos humanos, quando temos 50 mil assassinatos por ano e 40% da população carcerária detida em condições animalescas, sem ter sido ainda julgada – consubstanciado na sua Constituição.

MÃO EM CUMBUCA

Quem brada por uma lei antiterrorismo no Brasil – entre eles sionistas e norte-americanófilos infiltrados em nossas redações – tem que entender que a sua criação e implementação não será outra coisa mais do que o primeiro passo para que os principais grupos terroristas do mundo – incluindo os árabes e muçulmanos, com quem não temos problemas até agora – passem imediatamente a nos ver como inimigos potenciais, atrelados ao discurso anti-islâmico “ocidental”, quando, até este momento, para eles somos indiferentes, e para que atentados como os que afetam países que abjetamente seguem a política norte-americana – como a Espanha – passem a acontecer por aqui.

Isso, para não dizer que, além de absolutamente inapropriadas e contraproducentes,

estratégica e diplomaticamente, leis antiterroristas são absolutamente inócuas, inúteis, do ponto de vista prático, a não ser para justificar mais abuso de poder e arbitrariedade contra os cidadãos, já que os países que as possuem são feitos de gato e sapato pelos grupos “terroristas” que os atacam, como ocorreu nos EUA, no controvertido atentado do dia 11 de setembro de 2001, e como ocorre frequentemente nos países vassalos que lhe prestam auxílio militar, em países como o Iraque ou o Afeganistão.

A MELHOR LEI…

Não existe lei antiterrorista que segure alguém que esteja disposto a explodir a si mesmo em defesa de uma causa ou de uma religião. A melhor lei antiterrorista que existe é lembrar, senhores legisladores, as sábias palavras de Tancredo Neves, que dizia que “cautela e canja de galinha nunca fizeram mal a ninguém”, não se meter na vida alheia, e, no afã de mostrar subserviência a interesses externos, não querer ser mais realista que o rei.

17 thoughts on “O Senado e a perigosa lei “antiterrorista”

  1. Este artigo de Santayana precisa de tradução simultânea, como sempre nos diz Carlos Newton.

    A verdade é que Santayana, a petralhada e muitos dos esquerdistas radicais não desejam nenhuma regulamentação antiterrorista, pois isto atingiria em cheio movimentos sociais de caráter terrorista, como o MST e outros mais, que agridem e até matam, quando lhes é necessário.

  2. “Controvertido atentado do dia 11 de setembro…”, “sionistas e norte-americanófilos infiltrados em nossas redações…”

    Santayana é uma piada de mau gosto.

    • Santayana tem a coragem de dizer que o Brasil respeita o princípio de não intervenção, depois do verdadeiro golpe de estado liderado pelo Brasil, Argentina e Uruguai contra o Paraguai depois do impeachment, completamente legal, do presidente Lugo, além de dizer que o Brasil não tinha alinhamento ideológico com os Estados Unidos nem durante o regimel militar…
      Fora o que o Ricardo Fróes apontou no seu comentário, sobre o “controvertido atentado de 11 de setembro” e os “sionistas e norte-americanófilos infiltrados”…
      E, quando ele diz que leis antiterroristas não impedem os atentados, pode dizer também que as nossas leis não impedem o roubo, a corrupção e os quase sessenta mil assassinatos por ano com que convivemos, e que por isto não deveríamos tê-las?
      Os países que as possuem fazem-no exatamente porque são os alvos preferenciais do terrorismo; já o Santayana pensa que, pelo contrário, eles são alvos do terrorismo porque têm essas leis.
      Podemos discutir a eficácia dessas leis, mas a inversão de causa e efeito do Santayana é completamente absurda.

  3. Não é de se estranhar que todo movimento contra a sociedade brasileira é também um movimento Global restringido a países ocidentais, lei de desarmamento, militarização das policias, uso de tropas federais contra a sociedade, as ideologia da nova esquerda para destruição da família tradicional, espionagem das “forças de segurança” com desculpa de combate à criminalidade todo esse movimento tem um único objetivo, manter a desordem em uma ordem formada por uma elite extremamente corrupta que a cada dia que passa sente que está ficando ameaçada.

    Imagina a Rede Globo, Record, SBT perdendo a concessão televisiva, as principais construtoras e empresa química, Braskem, expropriadas, os políticos perderem os cargos comissionados, judiciário sendo cortado verbas e diminuído os salários, os banqueiros perderem a mamata dos Juros altos, os investidores estrangeiros deixarem de ganhar o maior rendimento pago por uma dívida soberana, imagina se isso acontecer!

    ” só uma questão de tempo até que as “leis do discurso de ódio” serão usadas para tirar a nossa liberdade de expressão também”

    http://endoftheamericandream.com/archives/they-want-to-use-hate-speech-laws-to-destroy-freedom-of-speech-in-america

  4. Discurso pobre deste petista. A onça já nos ameaça com o terrorismo dos MST e MTST, além disso, em Foz já se encontrou ligação com terroristas estrangeiros.

    • Tudo que o citado jumento citado por Vossa Excelência queria é que o Mauro Santayana se dignasse a dar alguma atenção às suas provocações, o Sr. Mauro Santayana não dá atenção nem espaço a imbecis. Olavo de Carvalho sugeriu – covardemente, porque nunca teve coragem de afirmá-lo peremptóriamente – que Mauro Santayana tivesse sido agente da KGB, quando, na cobertura da invasão da Tchecoeslováquia, em 1968 – o que é público e notório por suas matérias da época na Revista Manchete e no Jornal do Brasil – ele ficou radicalmente contra a intervenção das tropas do Pacto de Varsóvia, e a favor do governo libertário de Alexander Dubcek. Olavo de Carvalho comete o erro crasso de uma direita fascista e preconceituosa, que, como o Sr. faz agora, quase sempre canta de “ouvido”, repetindo as mesmas imbecilidades, sem checar qualquer informação.

      • Enzo Silva, além de mau escritor, você é um hipócrita, um mentiroso.

        “Tudo o que o citado jumento citado (sic)” kkk

        Bem, vamos ao que interessa. Mauro Santayana, que nem mesmo tem o diploma do primário – já que estudou apenas até o segundo ano deste – trabalhou como jornalista e CHEFE das emissões em português da Rádio Havana, em 1966, e como comentarista político da Rádio Praga, entre 1968 e 1970.
        Isso tudo em plena Guerra Fria, uma época em que não se permitia que praticamente ninguém cruzasse a cortina de ferro. Tal só era permitido em caso de interesse direto dos membros dos partidos do bloco comunista, os quais operavam todos sob influência de Moscou através da KGB.

        Nessa época em que até visitar os países comunistas era algo extremamente difícil, exigindo-se a anuência do ministério do interior e do serviço secreto desses países para tal, com mais razão não era dado a qualquer um ser jornalista e muito menos CHEFE de missões radiofônicas de QUALQUER país comunista.

        O histórico profissional de Santayana é em si mesmo bastante revelador de suas ligações espúrias com sanguinárias ditaduras comunistas e seus respectivos serviços secretos. Isso para não falar de sua bem conhecida militância histórica em favor da barbárie comunista. Seu histórico revela também o constante esforço em fazer do seu ofício de jornalista um palanque de propaganda para vários partidos, como o PT.

        Além disso, o governo de Alexander Dubcek nunca foi libertário – acho que você não sabe o que significa libertário – mas Santayana já foi do partido comunista.

        Ademais, hoje sabemos muito bem do papel que a República Tcheca, com seu serviço secreto, tinha no sentido de promover ações subversivas no Brasil, conforme já revelado por Ladislav Bitman, um dos Chefes do STB (serviço secreto da República Tcheca, ligado à KGB, serviço secreto russo). Tais ações íam da manutenção de agentes de influência no Brasil, muitos deles jornalistas, até a promoção de sequestros e atos terroristas.

        O jornalista Anselmo Gois inclusive já admitiu em rede nacional que em pleno regime militar saía do país com documentos falsos, emitidos pela KGB e já assumiu que foi do Konsomol. – Maiores detalhes aqui: http://www.abi.org.br/entrevista-ancelmo-gois-2/

        Com maior razão, Mauro Santayana, que trabalhou para a Rádio Praga, em plena guerra fria e foi CHEFE das emissões da rádio Havana no mesmo período, não poderia sê-lo sem estar ligado à KGB e ser seu agente.

        Por fim, é interessante ver você acusar os outros do que você faz: “Olavo de Carvalho comete o erro crasso de uma direita fascista e preconceituosa, que, como o Sr. faz agora, quase sempre canta de “ouvido”, repetindo as mesmas imbecilidades, sem checar qualquer informação.”

        Erro crasso quem cometeu foi você, além disso, destilou seu preconceito raivoso imputando com base em nada, ao comentarista Lafaiete, ser de uma “direita fascista e preconceituosa”. Acho que você também não sabe o que significa fascismo. E quem não conferiu os fatos foi você ou, pior ainda, distorceu-os.

  5. Parabenizo a Tribuna pela publicação de textos como este do sr. Santayana. Tudo que entra na Internet, dificilmente sairá um dia. Ou seja, no futuro, quando quiserem estudar o Brasil desse início de século XXI, lerão isso aqui. Um texto desses ajudará a entenderem o motivo de termos nos afastado tanto do desenvolvimento e chegado tão próximo do atraso.

  6. Senhores,

    Este é o PAÍS DA MANDIOCA, mas deveria ser chamado de PAÍS DO FUMO em homenagem aos moradores:

    “Um homem suspeito de furto a residências em Brasília. Foi a 36ª vez que ele foi preso pelo mesmo motivo, segundo a polícia.”

    -Mesmo sendo preso em flagrante ainda é chamado, carinhosamente, de “suspeito” para não despertar a ira dos defensores dos direitos humanos que estão infiltrados no Palácio do Planalto, no Ministério da Justiça, no Congresso Nacional e no Ministério Público.
    -E ainda tem gente achando imoral a minissaia dos Estados Unidos, sem perceber que, no que diz respeito à ética, o Brasil está na beira da estrada com as nádegas (para não dizer outra coisa) de fora…

    http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2015/07/homem-e-preso-pela-36-vez-por-furto-em-brasilia.html

  7. O Brasil, além de não seguir essa linha, nem mesmo durante o regime militar, tem, graças aos constituintes de 1988, o princípio de não intervenção em assuntos internos de outros países – cujo alcance e lucidez não é compreendido por quem quer se meter na vida alheia e dar lições aos outros, no campo dos direitos humanos, quando temos 50 mil assassinatos por ano e 40% da população carcerária detida em condições animalescas, sem ter sido ainda julgada – consubstanciado na sua Constituição.

    CONCORDO INTEIRAMENTE COM ESSE PRINCIPIO DE NÃO INTERVENÇÃO. SÓ NÃO CONCORDO VINDO DE QUEM VEM, UM REPRESENTANTE DOS PETRALHAS, QUE SIMPLESMENTE SE ESQUECERAM DESSE IMPORTANTE PRINCIPIO PELO MENOS EM 2 OCASIÕES, NO PARAGUAI E EM HONDURAS. É O TIPICO DISCURSO FAÇA O QUE DIGO MAS NÃO O QUE FAÇO!

  8. Santayana disputa com Mino Carta, Jânio de Freitas e vários outros jornalistas o título de” O maior bajulador do PT”. Para essa turma, todo ditador comunista (Lenin, Stalin, Mao Tse Tung, Pol Pot, Fidel, e é claro, Lula e Dilma) são seres angelicais, perfeitos, imaculados. Quanto a pavorosa crise que o casal bolchevique detonou no Brasil, eles, comunistas, adoram: para esses tubarões petistas-comunistas, qualquer crise é como uma praia de águas límpidas e cristalinas, eles gostam é disso mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *