O silêncio da mídia no estupro coletivo de quatro meninas

Claudia Collucci
Folha

Quatro garotas entre 15 e 17 anos saem para um passeio nos arredores da pequena cidade de Castelo do Piauí, a 190 km de Teresina. No caminho, são abordadas por um homem armado. São brutalmente estupradas e mutiladas por esse homem e mais quatro menores.

Uma delas tem os seios cortados por uma faca e a outra sofre perfurações nas coxas. Em seguida, são amarradas pelos punhos e pelos pés e arremessadas de um morro com altura de oito metros.

Uma das meninas, de 17 anos, morreu no último domingo (7). Teve esmagamento da face, lesões pelo pescoço e traumatismo no tórax. As outras seguem internadas no Hospital de Urgências de Teresina.

RÉUS CONFESSOS

Os quatro menores que participaram da barbárie, todos com passagens anteriores pela polícia, foram apreendidos e confessaram o crime. Adão José de Souza, 40, apontado como o mentor, também está preso.

Revoltados, moradores de Castelo do Piauí queimaram pneus em frente à delegacia. O caso tem reforçado o movimento pela redução da maioridade penal. Os quatro adolescentes foram transferidos para a capital do Estado sob ameaça de linchamento. O maior de idade está na Penitenciária de Altos em ala de isolamento.

Quem são esses menores? Semianalfabetos, usuários de drogas, miseráveis, com famílias desestruturadas e com histórias de loucuras, abusos e abandono.

NINGUÉM COMENTA

O caso, que aconteceu em 27 de maio, deveria ter viralizado nas redes sociais, mas, exceto no Piauí, está passando quase que despercebido no resto do país.

Pergunto-me o porquê desse silêncio? Será que a vida de quatro garotas pobres do interior do Piauí vale menos do que qualquer coisa que aconteça na avenida Paulista, em São Paulo, ou na Lagoa, no Rio, para chocar as pessoas e chamar a atenção da mídia, das redes sociais, do mundo?

Há uma semana, um grupo de mulheres prestou uma homenagem às meninas de Castelo do Piauí. Espalhou flores em volta do maior pronto-socorro do Estado, onde estão internadas três das quatro garotas violentadas. Também foi criada a campanha Flores Para Elas. Atenção, cuidado e muito amor. É disso que essas meninas precisam neste momento.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O silêncio da grande imprensa é constrangedor. O comentarista Jose Augusto Aranha, sempre atuante, já havia nos alertado a respeito. Por quê o silêncio? Todo assunto importante merece destaque. Ontem, as acusações de Collor a Janot também foram ocultadas pela imprensa. Isso não é jornalismo. (C.N.)

28 thoughts on “O silêncio da mídia no estupro coletivo de quatro meninas

  1. Triste.
    O Brasil está perdido.
    Perdido deliberadamente.
    Fazem de tudo para que os homens de bem não sejam homens de bem.
    O mal-caratismo está disseminado. As pessoas agem de má vontade mesmo só pra azedar. Aqui virou África. Na África ninguém aceita outro crescer não. Aqui virou caos há muito tempo.
    Não adianta mais correr atrás. O leite já derramou. Quem quiser uma vida melhor vai ter que sair, ir embora, sumir, escafeder. Aqui tudo é proibido. O que tem de bom é contaminado pelo que existe de ruim. Mesmo que você tenha boas intenções, aqui as boas intenções não ajudam. Aqui a má intenção fala mais alto. Aqui a má intenção tem um força desproporcional.

  2. Caro jornalista,

    Não é “politicamente correto”, nem muito “polido”, alguém criticar menor de idade. Pode atrapalhar o desenvolvimento biopsicossocial dele! Ainda mais com toda essa polêmica em torno da redução da maioridade penal!

    -MAS SE O FATO TIVESSE ACONTECIDO COM QUATRO CADELAS, aí sim! Teríamos manchetes de capa da imprensa nacional e mundial! Teríamos passeatas e ONGs nacionais e internacionais fazendo campanha de arrecadação para custear as despesas e o acompanhamento psicológico das vítimas, a serem feitos por aquele famoso ENCANTADOR DE CÃES.

    Mas como aconteceu com meninas pobres da periferia, quem se importa com o sofrimento?

    O BRASIL ESTÁ SE TORNANDO UM LUGAR CADA VEZ MAIS IMORAL.

  3. E neste momento a esquerda fascista, com os “assalariados” da UNE e UBES, invadem a Câmara impedindo a votação do texto da comissão sobre a redução da maioridade penal.
    Não aceitam o que maioria esmagadora da população quer: mudança na lei em relação aos crimes dos adolescentes.
    Isso é notícia, mas o estupro e tortura coletiva não.
    Como diz o comentário acima: o Brasil está perdido.
    Numa grande noite que não promete um final feliz.

    • Foraesquerdacomunista,
      O teu comentário não soma, não contribui à análise do problema sério e grave que vivemos atualmente: o aumento da violência.
      Tu te prendes somente aos menores, e quanto aos crimes dos maiores”?!
      OS CULPADOS DIRETAMENTE pelo banditismo e periculosidade dos adolescentes, nada?
      Sou contra a redução da maioridade penal, mas admito o julgamento de exceção, como este caso, isolado, bárbaro, hediondo.
      Abre mais os teus olhos.
      Eleva-os do solo.

    • Este é um dos problemas que enfrentamos.
      Os imbecis, idiotas, que acham ter a solução simples em seu poder, mas esquecem as causas e ignoram as consequências.
      O Brasil tem muito dessa gente, até na Tribuna da Internet eles se fazem presentes!

  4. Meus amigos, eu chorei por estas meninas, não aguento mais esta esquerda de merda(petralhas, psol e os pmerdas de várias matizes). A impunidade rola solta, os bandidos são protegidos por esta corja que ainda se mantém no poder ( a que preço, não é?) e de um judiciário onde a hegemonia vermelha é preponderante ( vide, Marco Aurélio de Mello e sua turma). A grande imprensa, também acoberta estes crimes pois além de serem marrom, fazem parte do seleto clube de idiotas da esquerda. Até quando isto vai durar? Até quando os homens de bem, aguentaram este estado de calamidade, sem reação? Rezo e como rezo, para que a civilidade, volte ao nosso País. E para isto, o PT tem que ser extinto, e o judiciário moralizado.

  5. Notícias como essas nos perturbam, revoltam, exigem mais vingança que justiça!
    Até porque a Justiça não seria completa, mesmo que exercida, para punir tais criminosos, as bestas que cometeram esses assassinatos e estupros.
    Crimes hediondos como este deveriam ser tratados como tal, com exceção.
    Não importam as idades dos bandidos, se doze, quinze, dezessete anos. O rigor deve ser exemplar.
    Para os menores, prisão e acompanhamento psicológico por vinte anos, pelo menos. Para o maior, a perpétua, pois não havendo a pena de morte, QUE SOU CONTRA, a perpétua se faz necessária, porém em cadeias especiais, da mesma forma com os menores assassinos, que devem ter locais específicos para eles e não misturados com outros adolescentes ou maiores de idade.
    O problema é que não temos nada dessas instalações, tampouco um sistema preparado para enfrentar a gravidades desses fatos preocupantes, que estão alterando a sociedade e nos conduzindo à prática de se fazer justiça pelas próprias mãos.
    A situação é gravíssima!
    Eu diria que certos Estados da Federação pelo seu nível de violência deveriam sofrer intervenção federal. Mas … o problema seria resolvido? Não.
    Igualmente não suportamos mais reuniões, estudos, planos, medidas temporárias. Queremos ação, rápida, eficiente.
    Deste governo?!
    Se entenderam onde quero chegar, ótimo, caso contrário, explico:
    O PAIS FALIU!!!
    A mídia somente se preocupa com a política.
    Uns, isentando o governo de suas responsabilidades porque pagos; outros, atribuindo ao governo a culpa pela maneira como administra o Brasil.
    O governo pensa em somente se salvar dessa avalanche de acusações, escândalos, roubos e corrupção.
    NÃO HÁ PREOCUPAÇÃO COM O POVO!!!
    As meninas foram imoladas, mártires do descaso com a vida, mortas pela insensibilidade de uma população que se forma distante das demais pessoas porque enraivecidas com a própria vida, descrentes de futuro, onde se dá lugar apenas às emoções e sensações.
    A TV é o mestre da violência, da falta de princípios e valores; novelas enaltecem as relações DESUMANAS, alegando ser esta a realidade social, mas esquece que ratifica comportamentos antissociais, e termina com o bandido vencendo, o marido infiel se dando bem, o filho violento galgando degraus na vida, a esposa trocando de parceiros, as relações homossexuais como as únicas amorosas, e as drogas como fatores de equilíbrio e fuga diante desse ciclo de aniquilamento de personalidades e caráter!
    Comprovando as mensagens das novelas, e que as tornam mais reais, os exemplos de nossas autoridades, reles ladrões e criminosos.
    Corroboram o enredo das tramas novelísticas, as famílias dos assassinos, desajustadas, pais separados, pais desconhecidos, mães que os abandonaram, governos demagogos e desonestos.
    Conclusão:
    A violência que explode em seus graus mais insanos, cruéis, abomináveis, indignos e bestiais!
    Repito, e encerro este comentário que me deixa constrangido, impotente diante dessa situação, com raiva, e desejo de MATAR!!!
    A SOLUÇÃO para a violência deste tipo, execrável, inaceitável, passa obrigatoriamente pela INJUSTIÇA SOCIAL produzida pelo próprio Estado.
    Legislativo ganhando rios de dinheiro, e seus componentes são ladrões, corruptos, bandidos da pior espécie;
    Executivo, pagando salários nababescos para altos funcionários e nomeando diretores desonestos, incompetentes, criminosos, impunes, donos do erário, e mantém segredos sobre o que pertence ao povo, e se apropriam das estatais, aparelham o Estado, roubam à vontade;
    Judiciário, um poder em decadência porque discricionário, que mais se preocupa com as suas regalias e “direitos” que exercer a função pela qual se candidataram: Justiça.
    O povo, como sempre, que se dane, que se lixe!
    O PAÍS FALIU!
    Se querem a pena de morte para esses menores, muito bem, sou contra, repito, mas ela deve ser aplicada então e na mesma medida para parlamentares, ministros, presidentes da República, altos funcionários, diretores de estatais, governadores, prefeitos, juízes, desembargadores e ministros dos tribunais superiores quando flagrados em irregularidades.
    Pais que abandonam seus filhos, filhos que matam seus pais.
    Querem mesmo mudar?
    Mudemos, mas não me venham com paliativos, matando ou punindo somente a consequência, mas deixando de lado a causa da violência, que irá gerar um efeito cascata de crimes pelos crimes praticados contra menores pelo Estado, imoral, devasso, indigno, desonrado, venal.
    Que a pena de morte seja instalada no Brasil – que legal! -, um retrocesso injustificável em termos sociais e humanitários, porém que seja para todos os criminosos!
    E querem assistir de camarote a primeira injustiça quanto aos que vão para o cadafalso e os declarados inocentes?
    O Zé que matou o Chico no bar com uma facada, kaput!
    O deputado que roubou milhões ou o senador, qualquer parlamentar, terá uma pena branda, mesmo que esta verba no seu bolso tenha sido aquela que faltou para comprar uma viatura policial que evitaria o crime, a contratação/concurso de mais policiais, a construção de escolas, de postos de saúde, e que matam dezenas de pessoas a cada ano por falta de condições do governo em atender as necessidades da população MENOS PARA OS PODERES, não importa, a “Justiça” levará em conta que se trata de uma pessoa que pertence à casta dos “intocáveis”, então compreensiva, indulgente!
    E seguirá tudo como era antes no quartel de Abrantes.
    Talvez seja este o destino dos brasileiros, cujo pecado maior nos últimos sessenta anos tenha sido exatamente a omissão consigo mesmo, a sociedade para com ela mesma, uma nação desorganizada, separada pelo PT, gente que apóia o parlamentar ladrão reelegendo-o, e não concede uma vaga para alguém decente.
    Certamente o desleixo com a educação, o crescimento do analfabetismo e analfabetismo funcional sem que reclamássemos desses dados – a omissão -, sejam também fatores desse nosso castigo atual, de sobreviver em meio à violência desmedida, INCONTROLÁVEL, da mesma forma e igual medida do quanto está INCONTROLÁVEL a corrupção, os roubos, a desonestidade de nossos poderes constituídos!

    • Francisco, por favor, veja na internet -youtube, a entrevista do ex agente da KGB explicando a estratégia comunista que está sendo aplicada no Brasil, aí você entenderá o porquê de toda violência que está ocorrendo no Brasil.

      • Walter,
        Mais uma razão para analisarmos com mais amplitude a questão do menor em crimes violentos, e mais me fortalece a posição que tenho com relação à impunidade das autoridades omissas, irresponsáveis, desonestas e corruptas, que servem de incentivo ao crime pela ausência de qualquer punição.
        Agora, este caso do Piaui deve ser examinado como um crime bárbaro, desumano, que não pode ser tomado de exemplo como normal em nosso País ou qualquer lugar do mundo.
        Observa, está se dando ênfase enorme ao crime praticado por menores e um maior, MERECIDAMENTE, talvez até aquém do que deveria ser divulgado, mas os carrascos de Chico Lopes – apenas como exemplo – que o fritaram no “microondas”, também deveriam sofrer a pressão da sociedade quanto à brutalidade do crime, a sua bestialidade.
        Não aconteceu nada.
        O canalha do assassino, a besta humana foi presa, sem qualquer arranhão.
        Não ouvi clamores maiores contra os traficantes, que deveriam ser condenados à morte ou prisão perpétua ou protestos neste sentido.
        Hipocrisia, cinismo de uma sociedade doente, confusa?
        E querem punir desesperadamente qualquer menor como causa da violência no Brasil?!
        ESTE crime do Piaui é diferente, e não pode servir como baliza ou meta para as demais ilicitudes cometidas pela gurizada e sem que se aumentem as penas aos maiores de idade quando cometem crimes nesta mesma gravidade, crueldade, sadismo.
        Olha, nada a ver com comunismo, socialismo, capitalismo, mas, absolutamente, índole humana, educação, má formação de personalidade e caráter, ausência da figura paterna, de autoridade e, principalmente, DE LIMITES!!!
        E se queres ir mais longe, esta é uma das razões que me declaro CONTRA a adoção de crianças por gays.
        Exatamente a ausência do papel da mãe ou do pai.

  6. Hoje para a criminalidade a ” VIDA ” do ser humano não vale nada, sabem que devido a lei deste país sairão brevemente e continuarão cometendo as barbáries como esta, até quando a lei estará do lado do bandido e contra os cidadãos de bem, já passou a hora de termos um código penal mais rígido, caso contrário a bandidagem vai tomar conta do Brasil.

  7. Amigos, amigos

    Quando leio, ouço e vejo comentários contrários a PUNIÇÃO DE MENORES DE 16 ANOS, com argumentos falaciosos, enganadores, deturpadores do bom debate e da busca por soluções possíveis, tenho vontade parar de pensar.

    Comentários com argumentos lógicos, cabíveis e que demonstram preocupação, devem merecer, sempre, a atenção e o respeito.

    No caso das quatro meninos, acho que fui o primeiro a inserir comentário na nossa TI.

    Amigos, amigos, a continuarmos pisando em ovos, remendando e não corrigindo, encontrando desculpas e soluções malucas, ajudamos a plantar a árvore da vingança.

    De repente, lembrei-me de alguém que ainda não se manifestou sobre o caso em questão: Maria do Rosário.

    Se disser algo, o que dirá? Vou mandar-lhe email perguntando sua opinião. Se me responder, repasso para todos da TI.

    Já não debato mais a redução da pena. Existem crimes que não podem passar impune, pela gravidade, estupidez e barbárie. Para estes, a idade do criminoso pouco importa.

    Quem mata por migalhas, estupra, mutila e/ou retira o direito a vida de alguém, já tem idade, qualquer que seja ela, para se responsabilizar pelo que praticou. O ato, por si só, diz tudo.

    Assim, espero que as mudanças ataquem o criminoso pelo tamanho e a forma de crime.

    As desculpas de que vamos condenar crianças, a juventude de nosso país, devem ser confrontadas com os crimes praticados e as vítimas e suas famílias. Serão responsabilizados somente os criminosos. Os inocentes, jamais!

    Mas não existem cadeias suficientes? Pois que parem de roubar que existirão!

    É o tamanho do crime que indica o nível da perversidade e da responsabilidade do autor.

    Roubar para comer, até pode-se justificar.

    Roubar a inocência, invadir a alma de alguém, destruir sonhos e no lugar deles colocar pesadelos, não pode passar impune!

    Afinal, seremos mais bárbaros punindo culpados ou abandonando inocentes a própria má sorte?

  8. Acabo de reeceber material e gostaria de compartilhar com todos.
    ” Blog – Felipe Moura Brasil – Cultura e irreverência
    28/05/2015 – às 15:17 \ Brasil, Cultura
    O HORROR, MARIA DO ROSÁRIO! Menores estupram, cortam, furam e jogam de penhasco quatro adolescentes
    “Foi um crime muito bárbaro e cruel. Eles cortaram os pulsos das meninas, furaram mamilos e olhos e depois ainda as arremessaram de cima de um morro”.
    A declaração, dada ao G1, é do delegado da Polícia Civil de Castelo do Piauí, Laércio Evangelista, sobre o crime contra quatro meninas adolescentes ocorrido na noite da quarta-feira.
    Cinco homens participaram. Quatro deles, todos menores de idade, já foram apreendidos.
    Segundo o delegado, eles são conhecidos na cidade e – oh, surpresa! – já possuem diversas passagens pela polícia.
    “Ainda não temos como precisar qual o instrumento usado nas agressões. Pode ter sido paus, pedras ou só socos. Há possibilidade de elas terem sido arrastadas antes de serem jogadas ou que tenham sido agredidas em um outro local e depois jogadas. Seguramente as meninas sofreram muito nas mãos dos suspeitos”, explicou o diretor do IML, Antônio Nunes.
    Material genético foi encontrado nas unhas das garotas, o que para ele indica que as vítimas lutaram com os agressores.
    “O estado em que essas meninas chegaram aqui nos assustou bastante. Todas foram vítimas de muitas lesões. Uma delas ainda está na UTI porque teve traumatismo craniano. Uma das meninas chegou a ficar com a face desfigurada”, relatou o diretor do Hospital de Urgência de Teresina, Gilberto Albuquerque.
    Enquanto o Congresso discute reforma política, a população é violentada, estuprada, furada, cortada, arrastada, arremessada, queimada, roubada e até morta pelos inimputáveis de Maria do Rosário, Siro Darlan, Marcelo Freixo, Luciana Genro, Chico Buarque e companhia bem escoltada, que ainda posam de defensores das mulheres.”

    Será que foram crianças inocentes que praticaram estes atos? Foram obrigados pelo maior de idade? Seis meses “apreendidos” em casa de recuperação de menores, os recuperará?

    É difícil a solução. Mas a impunidade é muito pior.

  9. A natureza humana é capaz de coisas arrepiantes. Ao mesmo tempo em que é o ser mais inteligente, o homem tem potencial para ser o mais perverso. Nenhum ser é tão inteligente. Nenhum ser é tão perverso.
    Essas crias que fizeram tamanha barbaridade no Piauí expressaram o que há de pior na espécie humana. Não desejo também pena de morte. Mas entristeço em saber que uma pessoa seja capaz de um ato tão horroroso.
    E entristeço por que o ser humano é querendo ou não um ser humano. E apesar de não me permitir acusar ninguém, não tenho sensibilidade para conviver e desejar conviver jamais com uns brutos desses. Não lhes desejos morte, não lhes desejo que sejam violentados por outros presos, mas não tenho sensibilidade para apertar a mão de um animal desses. Não desejo que sofram, que chorem, mas não tenho sensibilidade para vir enxugá-lhes lágrimas em momento nenhum. Não desejo que passem fome, mas não tenho sensibilidade para negociar com bestas feras como essas. Não desejo mal nenhum, mas não tenho sensibilidade para conviver com pessoas como essas. Não tenho menor desejo de jamais saber que uns animais desses estão soltos, livres. Não desejo que jamais um filho meu venha estudar no mesmo colégio que o filho de um animal desses. Deus me perdoe por minhas fraquezas, mas não tenho sensibilidade tão nobre para encontrar qualquer brecha de desejar alguma coisa boa para uns elementos desses do Piauí. O que quero os outros me façam, procuro fazer aos outros. Mas não sou forte suficiente para fazer em prol de criaturas dessas o que quero que os outros façam a meu favor. Sinto muito!

  10. O argumento hipócrita, de interesse econômico, utilizado por aqueles que se posicionam contra a redução (ONG’s corruptas e demais entidades fajutas que faturam com essa mentirinha de que estão querendo “proteger os menores” e com isso ganham verbas e mais verbas e até, acredito, por poucos ingênuos bobinhos) de que a criminalidade não se reduzirá – (e não reduzirá mesmo, também acho) – é tão fraco e bobo que, acompanhando esse raciocínio (eles têm raciocínio?) chegaremos a conclusão de que então se elevarmos a maioridade penal para 20 anos, a criminalidade não aumentará! Hmm, que tal então elevarmos para 30 anos? Resultado: A criminalidade não aumentará, segundo esse simplório raciocínio!. E… se talvez elevarmos para 50 anos? A criminalidade não aumentará! Conclusão: É melhor queimar o código penal e SOLTAR TODO MUNDO LOGO, CACETE!
    Fcº Menezes, os hipócritas de carteirinha, e esses existem muitos por aí, que defendem e protegem lixos como esses animais citados por você, também jamais deixariam seus próprios filhos estudarem com marginais como esses aí, mas eles têm que manter a hipocrisia e a postura de defensores de “direitos humanos”! Afinal deixando de agir assim, suas contas bancárias sofrerão uma considerável diminuição no numerário… Hipocrisia da mais baixa e barata possível! Querem se posicionar de “intelectuais”, mas na hora H quando a coisa fede para o próprio lado, engole tudo e que diz pensar e faz tudo diferente do que prega! Já repararam?

  11. Não entendo o conceito de algumas pessoas sobre a violência.
    Querem especificá-las, extraí-la do contexto social, político e econômico, como se excludente fosse, algo estanque.
    Erro crasso!
    A violência é consequência, e não causa.
    Tratar a violência com violência, raiva, ódio, segregação, aumentará a violência, a raiva, o ódio e a segregação.
    Lamento a posição de alguns comentaristas quanto à defesa intransigente da diminuição da maioridade penal, como se a solução estivesse em reduzir dois anos menos a condenação aos jovens, por favor!
    O crime em questão, no Piauí, é uma exceção, e assim deve ser conduzido.
    Mas, o problema brasileiro é muito mais amplo, abrange a todos nós, e não somente o menor criminoso, vítima dos adultos, que padecem sob condições desumanas e agem em decorrência desses descasos.
    Decididamente quando leio comentários eivados de ódio, e dirigidos apenas a uma das inúmeras facetas da violência, me entristeço, e vejo que de fato não há solução. As visões são limitadas, obtusas, enxergam apenas o umbigo.
    Não há diálogo, mas agressões, falácias, sofismas, alegações as mais fantasiosas, entretanto, a realidade passa longe, pois é exatamente o que não querem enfrentar:
    A Verdade.

  12. Caro Bendl: Exceção?

    1997 – Caso do Índio Galdino, 2003 – Caso Liana Friedenbach e Filipe Caffé, 2006 – Caso Detonautas, 2006 – Caso Ana Cristina Johannpeter, 2007 – Caso João Helio Fernandes, 2012 – Crime de Queimadas em Pernambuco e etc.. etc… etc..
    Isso são só os casos hediondos “famosos” entre tantos outros cometidos pelos anjinhos que você tanto faz questão de defender.
    O problema da “intelectualidade” da esquerda é que eles se acham “intelectuais” restritos ao seu MUNDINHO fechado, fantasioso, fictício.. um mundo de faz-de-conta! Quanto “f”, não? Nesse mundinho imaginário, todo dia faz tempo bom, com sol lindo, enquanto a realidade do mundo afora, o verdadeiro, é tempestuoso com pancadas de chuvas e rajadas de vento!! Repito o que disse: “Querem se posicionar de “intelectuais”, mas na hora H quando a coisa fede para o próprio lado, engole tudo e que diz pensar e faz tudo diferente do que prega!” Basta acontecer na própria pele que mudam o discurso, mas enquanto estiver na pele dos outros, danem-se os outros!
    Mas, caro Bendl: Vamos pôr um pedra nisso tudo e analise a minha proposta: Sério mesmo, que tal, então, elevarmos a maioridade penal para 21 ou 25 anos? O que você diria? Um abraço.

  13. Foraesquerdacomunista,
    Parece que não entendeste a minha posição ou não leste os meus comentários a respeito desse crime hediondo que estamos abordando, cometido no Piauí.
    Não sou de esquerda, a maioria dos frequentadores do blog sabe disso;
    Não sou de direita, pois abomino quem coloca o Estado acima do povo;
    Sou humanista, um homem preocupado com o ser humano.
    Observa o quanto perdemos de valores e princípios nas últimas décadas, como foram substituídos por modismos, circunstâncias, consumismo desenfreado;
    Analisa como a família vem sendo desintegrada, perdendo a sua coesão, unidade, estrutura;
    Pesquisa e constata a queda vertiginosa da moral e ética nos três poderes, principalmente com relação ao Legislativo, que as deletou de seu comportamento padrão, tornando-se sinônimo de corrupção e desonestidade;
    Certamente percebes os baixos níveis na educação e ensino no Brasil ultimamente. O abandono, o descaso, a forma como os professores são tratados, escolas em ruínas, conteúdos ineficientes e poucos, alunos sem condições de enfrentar o vestibular por falta de um ensino mais condizente;
    O crescimento apavorante do uso das drogas, tráfico em expansão, dependentes químicos, as cracolândias como exemplos da falência governamental no amparo a esta gente doente;
    A TV como responsável pela queda abrupta do respeito entre membros de uma família, de traições, planos de vingança, trapaças, negócios escusos, vaidade, inveja, luxúria, falta de caráter e personalidade de seus personagens;
    Crianças perambulando pelas ruas à noite, de madrugada, dormindo ao relento, comendo lixo, seguindo adultos que as transformam em mulas, vendedores de drogas, informantes de gangues, pais desclassificados, mães que pensam em novos amantes e deixam seus filhos de lado, a promiscuidade nos lares;
    Filhos sendo criados pelas vicissitudes, carências, falta de amor, compreensão, ajuda, exemplos positivos, afeto, calor humano.
    Pois misturas esses itens que citei acima, coloca-os no liquidificador, e vamos ter um caldo denso e de sabor intragável porque apenas compostos azedos, podres, amargos, fétidos, nauseabundos.
    Assim estão sendo desenvolvidas a maioria das crianças no Brasil, absolutamente desamparadas, isoladas, deixadas à própria sorte.
    Não posso aceitar, muito menos concordar, que a diminuição da maioridade penal seja somente ela a solução para a violência atual, por favor!
    E não se trata de conversa porque não fui atingido por um menor que tivesse matado um filho meu ou eu mesmo tivesse sido vítima de um deles, não, penso como pai, avô, e constato como temos falhado na educação da gurizada, em lhes dar importância, em tratá-los pelo menos como SERES HUMANOS!
    Resolver a violência ou diminuí-la, implica forçosamente a sociedade se dar conta que está errada, que precisa rever seus posicionamentos, que deve fazer um ato de contrição, pedir perdão pelos seus pecados e mudar o seu comportamento, e voltar-se para seus filhos, e não dar-lhes as costas!
    Quanto a aumentar para 21 anos a maioridade penal, fica sabendo que sou do tempo que ela se dava mesmo aos 21 anos, até para casar e, acredita, a violência não chegava aos pés desta atual.
    Evidente que os tempos são outros, a população cresceu, há mais pobreza, mais dificuldades para se sobreviver.
    Claro que 21 ou 25 anos estás brincando comigo, e o assunto é sério, não permite hipóteses delirantes, mas exige que a realidade esteja presente nesta determinação de se reduzir para 16 anos a maioridade penal, que não será a solução, ao contrário, exatamente por culpa dos que querem diminuir a idade para condenações que escondam os verdadeiros responsáveis pelo desvio de conduta dos adolescentes:
    Pais e autoridades!
    Um abraço.

  14. Bendl, concordo com você em gênero, número e grau.
    Só para pensar: desde a década de 40 o código penal brasileiro sofreu 157 alterações, qual delas contribui para a diminuição da criminalidade?
    Respondo: zero, bolinha o.
    Por favor não chamem estes quasimodos de animais, não generalizem. No rei animal, o único capaz dessas barbaridade é o bicho homem.
    Mais respeito para com os verdadeiros animais

  15. Bendl, concordo com você em gênero, número e grau.
    Só para pensar: desde a década de 40 o código penal brasileiro sofreu 157 alterações, qual delas contribui para a diminuição da criminalidade?
    Respondo: zero, bolinha o.
    Por favor não chamem estes quasimodos de animais, não generalizem. No reino animal, o único capaz dessas barbaridade é o bicho homem.
    Mais respeito para com os verdadeiros animais

  16. Prezado Luiz Antônio,
    Alegro-me que tenhas o mesmo pensamento com relação à diminuição da maioridade penal.
    Não estou tão só nesta questão delicada, complexa, e que não serão dois anos a menos que sanarão os problemas ocasionados pela violência, ao contrário.
    Enfatizaste muito bem a forma como hoje o ser humano trata o seu próximo, como se este foram um animal. No entanto, exige consideração, afeto, carinho, mas para ele, de modo a atender o seu egocentrismo.
    Enfim, eis uma discussão que se faz necessária, que devemos ir à exaustão, mas que apresentemos um conjunto de opções à sociedade através da Tribuna da Internet, e não apenas um bate boca inútil, improdutivo e desnecessário.
    Um abraço, Luiz.

  17. Caro Bendl, minha formação humanista-cristã, me leva a sentir pena desses probres coitados, mas no entanto, espero justiça, não justiçamento, espero punição, jamais vingança.
    Muitas pessoas são especialista em haviar receituário para os outros, mas, são os primeiros a pedir clemência, quando os próprios, ou alguém dos seus, tem de ser submetido ao mesmo tratamento.
    Usemos a razão, o bom senso, não devemos agir sob influência de baco.

    A ti, um fraterno abraço.

  18. Caro Luiz Antônio,
    Temos a mesma formação, portanto.
    Muito antes de condenar e punir vamos ver onde erramos, onde não ensinamos, onde foi a nossa falha na educação, onde deixamos de orientar conscientemente.
    Não gostamos de apontar o dedo para nós mesmos, de refletirmos sobre nossos defeitos e até onde eles influenciaram negativamente nossos filhos, parentes e amigos.
    Condenar o jovem pelo comportamento agressivo e truculento é desconsiderar os verdadeiros responsáveis pelas tragédias que causa.
    Não sou contra a punição, necessária, e severa, se for o caso.
    Porém, muito antes deste julgamento e agora a diminuição da maioridade penal, precisaríamos levar em conta quais foram as contribuições positivas que a sociedade e as autoridades deram aos adolescentes, às crianças, em termos de exemplos edificantes e que deveriam ser seguidos.
    Extrair de um contexto social, político e econômico a violência por si só é atestado de incompetência, irresponsabilidade, de não querer ir ao âmago do problema, mas apenas circundá-lo.
    Volto a repetir:
    Os jovens que praticaram este crime devem ser punidos, severamente, não sem antes haver exames de suas vidas pregressas, mentes, estados emocionais, famílias, então a dose adequada de castigo.
    Não pode este caso aterrador servir como estopim, que explodirá reações as mais violentas contra a gurizada.
    De modo que saibam que estive muito perto desses problemas escabrosos, quando taxista eu conduzia uma psiquiatra extremamente competente à FEBEM, uma espécie de prisão para adolescentes, monitorados por psicólogos, psiquiatras, agentes penitenciários, atendentes …
    Havia os que ficavam presos porque cometeram crimes de assassinatos, e eram mesmo perigosos.
    A doutora várias vezes ficou refém quando revoltas aconteciam, e sua vida foi posta em risco duas ou três vezes, pois com faca na garganta e estiletes a lhe espetar o corpo.
    Pois um desses menores infratores era absolutamente IRRECUPERÁVEL!
    Ele não tinha consigo qualquer vínculo de sociabilização, de considerar a vida alheia, nada, era um predador por natureza, uma besta.
    Vida pregressa do moleque;
    Pai alcoolista;
    Mãe prostituta;
    Irmã estuprada pelo pai;
    Abandonado aos dois anos, criou-se na rua, sendo alimentado por vizinhos;
    Quando em casa, eventualmente, ou no seu barraco, as brigas constantes, as tragédias pessoais, a sua irmã sendo usada pelo pai, e a mãe sem qualquer reação.
    Por falta de alimento, a mente foi deturpada, e se tornou uma vida sem qualquer sentimento de remorso, de consciência social, da implicação de seus atos e significados.
    Como condenar este jovem?!
    Como puni-lo mais ainda pelo que passou e sofreu?
    No entanto, se solto, repete os mesmos crimes porque sem noção, apenas instinto.
    De quem seria a maior crueldade?
    Não posso concordar com esta simplória decisão, que a diminuição da maioridade penal diminuirá a violência.
    Ledo engano.
    Erro crasso.
    Um abraço, Luiz.

  19. “Não posso concordar com esta simplória decisão, que a diminuição da maioridade penal diminuirá a violência.”

    Nada mais a acrescentar, pois, é necessário fungir dessa visão reducionista, como o diabo foge da cruz.

    Até mais,
    Bendl

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *