O triunvirato precisa agir

Carlos Chagas

Na mais importante sessão da CPMI da Petrobras, terça-feira, coube ao réu Paulo Roberto Costa denunciar a existência de dezenas de políticos envolvidos na roubalheira. Mais ainda, que a lambança não se limitou à estatal petrolífera pois atingiu empresas públicas encarregadas dos setores rodoviário, ferroviário, de portos, aeroportos e hidrelétricas.

Indaga-se há quanto tempo acontece esse conluio entre o poder público e as empresas privadas. Anos? Décadas? Séculos?

Apesar dos louvores que merece a Polícia Federal na elucidação dos crimes, fica evidente a sua limitação, quando as investigações esbarram nos maiores responsáveis pela transformação do Brasil numa imensa caverna do Ali Babá. Porque nada aconteceria não fosse no mínimo a conivência deles. No caso, para começar, os chefes dos três poderes da União. Como um delegado ou uma equipe policial chegariam à suprema direção do Executivo, Legislativo e Judiciário?

Ainda esta semana um grupo de energúmenos ganhou as ruas pedindo a volta à ditadura militar. Deveriam ser todos identificados, processados e encarcerados por injúria à democracia, mas inexistirá outra solução para que se encerre esse longo período de criminalidade?

Caberia aos presidentes da República, do Congresso e do Supremo Tribunal Federal reunir-se para propor à nação um remédio amargo mas essencial à recomposição das instituições. A fiscalização implacável por parte de qualquer agente do estado e a punição intransigente dos malfeitos apurados em ritmo meteórico. Nada fora da Constituição, mas algo capaz de interromper esse festival de ladroagem incrustado na crônica recente ou longínqua. Por certo que não Atos Institucionais ou Adicionais, mas a aplicação segura das leis penais e a utilização do aparato estatal para fazer cumpri-las. Autoridade esse triunvirato possui, independente das pessoas que os ocupem. Falta-lhe confiança, fator essencial para o funcionamento da nação, em condições de ser conquistado na hipótese de assumirem suas responsabilidades na plenitude de seus poderes. Deixar as coisas como estão é que não será mais possível.

A MODA JÁ PEGOU

Aprovado o projeto da presidente Dilma que faz o deficit sepultar o superavit em todas as contas públicas, qual a consequência imediata, ontem mesmo? Foi de que os governadores, sem exceção, reivindicaram a mesma distorção. Não há mais lei de responsabilidade fiscal. Aguarda-se a mesma reação dos prefeitos.

One thought on “O triunvirato precisa agir

  1. Nossas esperanças estão indo para o brejo!
    Vai tudo acabar em PIZZA (mais uma vez)! Mas só para os poderosos…
    A sensação é que a maioria dos políticos, independentemente de partidos, estão juntos e que as instituições estão contaminadas (basta pesquisar sobre os diversos escândalos de todos os governos passados e do atual). A ética abandonou a grande maioria dos defensores, não interessando a procedência do dinheiro com que são pagos, ou o resultado de suas intervenções no caso de serem vitoriosos. Vivemos a era dos “cínicos”.
    Meus respeitos às poucas pessoas que com seriedade ainda persistem em combater tudo isto através da lei. Se me fosse permitido, perguntaria ao nobre jornalista, cujos artigos acompanho a décadas, a quem destinar a missão “de propor à nação um remédio amargo mas essencial à recomposição das instituições”, pois os elencados acima já estão com a imagem deveras “arranhada”.
    Infelizmente, sou daqueles que acreditaram que este era “o país do futuro”. O presente se revela muito amargo e tornando difícil de mentir aos meus descendentes que este continua a ser aquele país sonhado, em que pese ver, ainda, pessoas de valor, nos mais diversos ofícios, lutando contra a maré, enquanto esta se avoluma cada vez mais, com os debochados…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *