O verdadeiro livramento é descobrir que não tem mais que carregar seu futuro

Resultado de imagem para frases sobre futuroRoberto Damatta
O Globo

Deixem-me repetir: um dos mais surpreendentes triunfos de ficar velho (velhice é outra coisa) é descobrir, com um sorriso irônico e um enorme alívio, que não se tem futuro. Uma analogia batida é imaginar o final de uma viagem de trem quando passamos pelos subúrbios e as zonas mais pobres da cidade e, em seguida, entramos no enxame de gente ansiosa da estação.

Neste momento, a viagem termina, não há mais trilho a ser trilhado. Acabar é ficar com um absoluto presente no colo. Um presente que não será mais vivido e transmitido para ninguém.

UM FUTURO PESADO – Faz algum tempo que eu descobri que não tenho mais que carregar o meu futuro. E eu lhes confesso: ele foi pesado, cheio de coisas escondidas e de memórias empoeiradas como é comum acontecer com o reprimido, o ocultado e o aprisionado que imploram livramento.

Quando mencionei isso numa aula, alguns jovens me olharam intrigados, mas nenhum ficou decepcionado. Acho até que alguns me invejaram por terem consciência de que estou mais próximo do fim da linha, mas — e esse ponto é absolutamente fundamental — não finalizei o gosto da viagem. O fim tem uma vantagem: ele torna o presente algo único e precioso.

Se para os jovens o futuro demanda múltiplas escolhas imperiosas que podem ou não dar certo — sobretudo com o poderoso preocupar-se com o que se “vai ser”; essa exigência do individualismo que, no caso americano, é muito mais obsessivo do que entre nós —, isso faz com que ele assuma uma tremenda e muitas vezes agoniada proporção.

SAIR DA PRISÃO – Nestes tempos globalizados e um tanto sinistros, eu — no papel de pai, avô e professor — sei como é complicado sair da verdadeira prisão de um Brasil no qual a gente só tinha futuro como médico, advogado, engenheiro e oficial das Forças Armadas (com ênfase no oficial) e numa elitista carreira diplomática, para poder ser “alguém”. Hoje, porém, pode-se até ser polícia, dono de bar, motorista e garçom.

Convenhamos que esse naipe de escolhas tornou-se muito amplo e certamente demasiado democrático no contexto de um universo profissional preciso e estruturado para as camadas médias, um leque no qual o futuro invariavelmente deveria repetir o passado.

MULHERES E VEADOS – Quando, nos anos 50, entrei numa Faculdade de Filosofia, um amigo decretou que ia estudar numa escola para mulheres e veados. De lá, disse ele, você sai professor, o que, no Brasil, é pior que ser lixeiro, pois não aprender algo novo, descobrir o que ninguém sabe, é uma dimensão indesejada. Pode-se ser do contra, mas é crime, pecado e tabu falar em alternativas e liberdade. Até hoje pagamos salários de merda aos lixeiros, mas não há verbas previstas para conferências e palestras acadêmicas que, obviamente, não precisam de honorários.

Quando virei um leitor aplicado, disseram-me que poderia enlouquecer, pois é justamente isso que ocorre com quem relativiza costumes estabelecidos e prisões culturais solidamente construídas. Como duvidar ou questionar se o caminho já estava traçado primeiro pelo catolicismo e depois pelo chamado “pensamento crítico”?

ANTROPÓLOGO SOCIAL – Tornei-me, Deus e eu sabemos como, antropólogo social. Um profissional da dúvida que afasta — um investigador do por que gostamos de comer misturando arroz com feijão e o que isso teria a ver com a mestiçagem mascaradora e criadora de hierarquias; pesquisei como os chamados “índios” que andam sem roupa inventam seus mundos. Um conhecido me perguntou se eles não ficavam excitados vendo aquelas mulheres nuas.

Questão tão esdrúxula quanto válida quando descobrimos por que a “política” foi transformada num espaço de enriquecimento e aristocratização, porque não se resiste aos dinheiros públicos que até anteontem, sendo de todos, não seriam de ninguém…

DESCOBRI O FUTURO – Um dia ouvi num ato falho que, além de louco, era antropófago. Fiquei feliz. Descobri o meu futuro pesquisando sociedades modestas; muito mais pobres do que a pobreza que vive ao nosso lado e é mantida pelo nosso estilo de vida. Encontrei futuros no Museu Nacional, que, não obstante, pegou fogo.

Lamento ver instituições como a Casa de Rui Barbosa serem atingidas. Para mim, elas deveriam ser independentes. Pesquisadores e professores não podem ser funcionários públicos — os papéis não combinam.

Ponto final: sem liberdade, amor e perseverança não há, mesmo velho, nenhum futuro. Aliás, o que está para chegar depende de lucidez intelectual: o verdadeiro livramento.

(Artigo enviado por Mario Assis Causanilhas)

8 thoughts on “O verdadeiro livramento é descobrir que não tem mais que carregar seu futuro

  1. Os traumas que constituem entrave ao desenvolvimento do Brasil têm sua manifestação, segundo o meu diagnóstico, na baixa autoestima e na fragmentação de nossa autoimagem, típicas de povo colonizado e provocadas pelos imensos traumas históricos e transgeracionais, nomeadamente: A escravidão, a Inquisição e os genocídios de indígenas e de afro-brasileiros ainda em curso.

    O brasileiro descende do encontro entre povos oprimidos e elites opressoras, situação que produz esquizofrenia social e fragmentação da mente coletiva.

    O resultado foi uma sociedade economicamente rica, mas socialmente muito pobre, com a maior taxa absoluta de homicídios do planeta, alta mortalidade infantil, índices de educação ainda medievais, e a falência histórica da construção de uma cultura de igualdade, cooperação e de aceitação das próprias origens, pré-requisito para um regime democrático próspero com liberdade de expressão.

  2. “Bem que o Brasil está necessitando, há muito tempo, de um Gandhi, pacifista, repaginado, moderno, estadista, humilde, espiritualizado, com visão global, sem perder as características luso-tupiniquim-agregadas, porém com ´projeto próprio, novo e alternativo de política e de nação, com Deus na Causa, que aponte ao país o novo caminho a seguir, rumo ao novo Brasil de verdade. E o mais triste é saber que ele existe, que procurou um partido político ao qual pediu uma chance para mostrar ao Brasil que existe uma alternativa alvissareira a tudo isso que aí está, há pelo menos 130 anos, mas o tal partido bateu a porta na cara de ambos, do pacifista-estadista e do projeto novo e alternativo, em 2014 e tb em 2018, optando por fazer o papel de puxadinho do PT e linha auxiliar do lulopetismo, deixando o país e o povo num vácuo de poder do tamanho do Brasil, no qual o paraquedista Bolsonaro se jogou, revelando-se muito mais um capetão oportunista, forjado no baixo clero do congresso nacional do sistema podre, por 28 anos, do que um Capitão do Exército brasileiro, propriamente dito. https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/01/sou-capitao-do-exercito-ele-e-pacifista-diz-bolsonaro-em-memorial-de-gandhi.shtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *