O vírus se expandiu porque a China escondeu a verdade, diz o artista chinês Ai Weiwei

Cinema | Filme de Ai Weiwei sobre refugiados estreia este mês ...

Ai Weiwei mandou filmar o desmatamento da Amazônia

Isolda Morillo
El País

Ai Weiwei é um dos dissidentes chineses que mais denunciou a falta de direitos humanos que impera no mundo, assim como o dano que a falta de liberdade de expressão causa na China. O artista vivo mais importante do país asiático lidera o ranking mundial de autores que atraem mais visitantes aos museus: no ano passado, 1,1 milhão de pessoas foi a uma de suas exposições itinerantes no Brasil, mais do que Van Gogh, Klimt e Munch.

A relação entre Ai Weiwei e o Partido Comunista Chinês foi durante anos como de cão e gato. Após ficar preso por 81 dias acusado de evasão fiscal, o artista, ao voltar para sua casa, respondeu à vigilância a que era submetido transmitindo sua vida como protesto.

EXÍLIO E COFINAMENTO – Em 2015, por fim, abandonou seu país e foi para Cambridge, Inglaterra. Hoje está confinado em Berlim, ainda que dessa vez compartilhe os motivos.

Ai Weiwei (nascido em Pequim, 1957) fala sobre a crise mundial sem precedentes que a Covid-19 provocou. Aponta o vínculo entre os desastres que assolam o planeta e a falta de valores humanistas durante uma entrevista que começa por telefone e termina por e-mail. São questões essenciais em sua obra e as hasteia com veemência. Talvez sejam as experiencias de sua infância que forjaram seu caráter crítico: acompanhava seu pai, o poeta Ai Qing, para realizar trabalhos forçados no campo e limpar latrinas como castigo por suas críticas ao Partido Comunista.

Acaba de publicar um livro de aforismos na Espanha: Humanidad (Humanidade) pela editora Paidós, em fevereiro de 2020.

O chamado coronavírus está assolando o mundo como se fosse uma grande tempestade, mudando nosso modo de interagir e viver. Como vê o que estamos experimentando?
A epidemia chegou repentinamente, ninguém estava preparado para isso. O que se diz é que é um vírus muito democrático porque ataca todos da mesma forma. Os desastres que vimos antes, incluindo as guerras, eram de caráter regional. Essa é a primeira vez que me vejo em meio a um desastre de caráter global.

O vírus desatou ondas de racismo. O presidente dos Estados Unidos chegou a chamá-lo de “vírus chinês”. O que o senhor pensa disso?
Não é estranho nomear um vírus baseando-se em seu local de origem. É como uma pessoa, pode ter nome e apelido. Covid-19 seria seu nome oficial. Não acho que exista discriminação racial nesse assunto. Além disso, todas as culturas têm um grau de preconceito em relação a outras. Enquanto esses preconceitos não prejudicarem a dignidade nacional e a dos indivíduos, não acho que seja um problema. O grave é que o vírus surgiu e se propagou pela falta de transparência do Governo chinês. A perda de vidas global foi enorme. Por isso, não acho ruim que se chame “vírus chinês”. Espero que chamá-lo assim sirva para que os chineses e seus políticos percebam que a única maneira de contar com um mundo justo e seguro é garantindo a liberdade de expressão.

Qual o papel da liberdade de expressão na propagação do vírus na China e, depois, no mundo?
Ocorreram tantos desastres na China, e cada um deles esteve ligado a uma coerção da liberdade de expressão. Sua falta é em si um desastre humanitário. Estamos fartos de saber disso. Do contrário, eu não teria ficado no estrangeiro. A liberdade de expressão é como um vírus, e pode ser ofensivo a alguns organismos. O Partido Comunista Chinês é uma organização mais forte do que qualquer outra no mundo e exerce sua autoridade através do controle do pensamento e do discurso das pessoas. Se esse desastre pôde se expandir se deve em grande parte pelo fato da China ter escondido a verdade. A Organização Mundial da Saúde foi cúmplice disso ao não dar a gravidade e magnitude devidas ao problema, negando que estivéssemos diante de uma epidemia.

O Governo chinês está ajudando muitos países, doando máscaras e material médico. O que acha dessa estratégia?
A China, ao encarar um desastre, em vez de assumir suas responsabilidades, faz trocas de favores políticos, politizando os princípios humanitários. O espírito humanitário está sendo distorcido. E me refiro também a todas as crianças em campos de refugiados. Não podem sair, estão confinadas em acampamentos, deveriam receber ajudar prioritária, e acrescento os presos. O Irã ordenou a libertação dos seus enquanto o vírus durar, mas continua sendo um país sancionado pelos Estados Unidos. Quando a ideologia e a animosidade política obstruem a solução dos desastres humanitários, isso pode ser considerado um crime. Atualmente, nenhum país pode condenar outro, o mundo está no caos. Por que o Reino Unido não liberta Assange? É uma figura fundamental na liberdade de imprensa e de expressão; agora, entretanto, deverá enfrentar uma possível extradição aos Estados Unidos e uma pena de até 175 anos. Manter uma coerência ética não é fácil, as pessoas só percebem os desastres que afetam suas regiões, mas os desastres estão conectados.

Hoje se debate se, para enfrentar a crise, a democracia é menos eficiente do que um sistema autoritário. O que o senhor acha?
Visto da superfície, a China conseguiu controlar rapidamente a epidemia. Mas pagou um preço que não é visível: a saúde emocional de toda a sua população, que foi trancada em jaulas como animais, obrigada pela força a ficar confinada durante mais de dois meses. Uma sociedade que vive sob um regime autoritário funciona como um exército e as pessoas são como animais em cativeiro. Após ter vivido sob forte controle por mais de 70 anos, perderam o valor de se rebelar. Se o Ocidente acha que manter essa situação é benéfica, será pela estupidez e por motivos sub-reptícios. Muitos têm interesse em fazer negócios com a China. Basta negar a existência de Taiwan e não se relacionar com o Dalai Lama.

Dizem que as pessoas de países como a Coreia do Sul, Japão e China são mais submissas. Que o confucionismo faz com que os indivíduos acatem melhor as ordens.
Se o pensamento de Confúcio fosse realmente praticado, o regime não seria tão violento. Nós chineses não somos nada submissos. É só ver como tratamos os animais e a brutalidade de certos crimes. O Governo também não é dócil com seu povo. Promove essa imagem para manter as aparências.

O que o senhor pensa do modelo chinês? Está em crise?
O [Estado chinês] é um grupo de interesse que se tornou cada vez mais forte com a introdução do capital, se transformou em capitalismo de Estado. A livre concorrência e a economia de mercado sob a premissa da liberdade individual não existem, tudo está sob o controle do Partido. O Ocidente perdeu sua vantagem competitiva, encontrou um competidor poderoso e incontrolável porque desobedece às regras. O que está acontecendo é uma grande lição, mas poderemos aprender com essa lição? Nós nos movimentamos por interesses. Empreendemos projetos somente quando nos trazem lucros, nos esquecendo dos princípios. A Europa e os Estados Unidos apoiaram o regime chinês, não se manifestaram sobre o assassinato de um jornalista em uma embaixada da Arábia Saudita na Turquia. Quando a impunidade é permitida, quem a permite perde o direito de falar sobre o que é justo e injusto. Se o Ocidente se deixa guiar somente pelos lucros e os interesses, será bem merecido quando sofrer perdas.

Considera que o capitalismo está em crise?
O capitalismo chegou ao seu fim. Não pode continuar desenvolvendo-se moral e eticamente. Causa problemas às pequenas nações, se apodera dos recursos do planeta, saqueia sem freio. A China alimenta os interesses das grandes empresas ocidentais e estas tornaram a China cada vez mais poderosa. Essas empresas não são restringidas por nenhum Estado, nação e cultura. A China está disposta a fazer coisas que não podem ser feitas no Ocidente. A globalização está sendo feita sobre a base do desenvolvimento do capitalismo e o colonialismo. A crise subjacente é palpável, e os desastres por vir ocorrerão mais de uma vez. Como fazer o desenvolvimento livre de um país de 1,4 bilhão de pessoas sob um regime autoritário? O desenvolvimento de uma sociedade depende da legitimidade de seus Governos. E após 70 anos no Governo, o Partido ainda não resolveu esse problema. Essa é a verdadeira crise que a China enfrenta.

Muitos países fecharam suas fronteiras, até a globalização começou a ser questionada: isso é atribuído à rapidez com que o vírus se deslocou. Como o senhor vê isso?
Se os Estados Unidos constroem um muro que os separa do México, então onde estão a liberalização e a globalização? Para o capital não existem barreiras, o capital circula livremente no mundo. O sonho da globalização é resolver tudo com dinheiro. Os refugiados chegaram às terras europeias e foram tratados pior do que os prisioneiros. Por acaso abandonaram seus lares voluntariamente? Os desastres não acabarão, virão um após o outro, porque os humanos violaram muitos princípios morais.

O senhor sabe o que é estar confinado. Viveu isso à força na China. O senhor está acostumado ao isolamento? O que faz Ai Weiwei confinado em casa?
Entendo o isolamento, é uma medida que responde à desconfiança das pessoas em relação à ordem social existente. A liberdade individual só pode se basear na confiança pública. Pessoalmente, não me afeta em nada. Passo mais tempo com minha família, o que é motivo de alegria. Isso me permite refletir sobre os assuntos que geralmente me interessam. Penso muito no humanismo, meu último livro se chama Humanidade. Esse desastre nos fez comprovar que nesse mundo já não existem regiões e uma liberdade regional. Essa epidemia nos alertou que o enriquecimento de grupos empresariais e regionais através da globalização deve acabar. Caso contrário, as desgraças por vir serão ainda maiores.

Do que sente falta da China? Pode voltar a seu país ou está em estado de exílio absoluto?
Não posso voltar, é impossível expressar minhas opiniões lá. A expressão é vital à criação. Não poder fazê-lo é como perder a vida. Não tenho saudades. Sinto falta de minha mãe, de meus irmãos. É minha terra, me é familiar. É meu idioma e tenho amigos lá. Mas, enquanto a China for só um conceito político, não tenho nenhum desejo de retornar.

Como sua infância impactou sua arte? Esteve marcada pelas experiências de seu pai, que foi enviado para trabalhar no campo durante a revolução cultural, onde limpou banheiros, morou em buracos escavados no solo.
As recordações da infância nos marcam, é como quando uma árvore cresce, sempre estará ligada às suas razies. É inegável que meu capital vivencial está ligado às experiências da geração de meu pai. Tudo aquilo que me ajudou a compreender melhor o valor do humano e a importância de preservar a vida. Qual é o significado dos direitos humanos? É uma pergunta que me faço constantemente. E esse tema influenciou minhas obras. Minha vida é uma obra: minha vida e a própria vida.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Excelente entrevista, enviada pelo comentarista José Vidal. Weiwei é um artista multimídia e está fazendo um documentário sobre as queimadas e o desmatamento da Amazônia. A China precisa ser tratada como uma ditadura. Dizer que a covid-19 foi controlada de uma hora para outra, praticamente sem afetar as grandes cidades do país, só pode ser Piada do Ano. (C.N.)

43 thoughts on “O vírus se expandiu porque a China escondeu a verdade, diz o artista chinês Ai Weiwei

    • A culpa é da China como o Zica virus é culpa do Brasil; a culpa é da China como as abelhas africanas que migraram daqui para os Estados Unidos são culpa do Brasil; a culpa é da China como o virus HIV, causador da AIDS, é culpa da Africa Central e do Oeste.
      Pense, meu caro.

      • Quem responsabilizou a China foi o chinês.

        A Zica não se originou no Brasil, mas em Uganda, se informe melhor.

        Porque a China é culpada? Porque escondeu a verdade e mentiu. MILHARES DE VIDAS SERIAM SALVAS SE TIVESSEM DITO A VERDADE !!!

        Pense um pouquinho só meu caro. Mas não faça muito esforço senão o virús pode te pegar. Ele afeta quem se atreve a pensar e é mais nocivo a quem ousar trabalhar.

        • Mas o virus Zica ficou famoso no Brasil. Os brasileiros, e não os africanos, é que foram detectados nos Estados Unidos. Por esses motivos acho que ele é brasileiro. Afinal, vivemos a fase do achismo (até de autoridades!).

  1. Quando num determinado lugar surge uma virose, no início é uma epidemia, com o correr do tempo, o vírus começa a se espalhar com rapidez e com forte efeito letal, é quando se percebe a gravidade Nesse meio tempo, o vírus começa se espalhar para outros países e passa ser um pandemia.
    No começo, não se dá muita importância por tratar-se como uma epidemia é o que geralmente acontece, mas quando se percebe a gravidade do vírus, aí é que se começa a tomar as devidas providências. Isso aconteceu em vários países. Nossa sorte foi o Ministério da saúde, os governadores e prefeitos ao perceberem a gravidade do covid-19 tomarem medidas para conter a propagação do covid-19 logo no início, caso contrário estaríamos na mesma situação da Itália, Espanha e USA.

    • Isso não é verdade. A única coisa que “os governadores” fizeram, foi proibir o trabalho e prejudicar a economia. Se você andar pelas avenidas, não vai ver movimento (ninguém indo trabalhar); mas, nos bairros, esta bombando, todo mundo pra cima e pra baixo. Não existe quarentena nenhuma, tá todo mundo na rua.

  2. O próprio chinês, testemunha ocular da ditadura chinesa, diz que não ha nada de bom no comunismo. Mas tem gente na impren$a, no congresso e no judiciário que pensa que isso seria bom para o Brasil.

    • O nosso problema é pão, educação, desenvolvimento; é o direito a viver decentemente num país de autoridades irresponsáveis que nada fazem para essa nossa carroça andar pra frente. Foquem nisso e deixem essa bosta de comunismo de lado. O Ladrão em breve voltará para a jaula, se o STF não cuspir no prato que come.
      O Brasil não é e nunca foi comunista – a nossa cultura não aceita esse câncer, moço. Apesar de Dirceus, Lulas, e outros safardanas.

      • Não, não e não. O contrario de comunismo é democracia (sistemas de governo). A china é comunista, porque pune quem pede democracia.

        Capitalismo é um sistema econômico; que além dos comunistas, até os ladroes podem usar. Quando um ladrão te roubar, se ele distribuir entre os pobres, ele é socialista, se ele vender ou ficar para ele, ele é capitalista.

  3. Excelente entrevista publicada no El Pais com o título ” O capitalismo chegou ao seu fim”.
    Curiosamente, como sempre, a linha editorial ideológica do El País, pinçou como título da matéria uma frase no meio da entrevista que não faz nenhuma menção ao escopo da entrevista que é a critica com contundência ao PCC.
    Já é um vício tentar um sequestrozinho da narrativa.
    Sabiamente, CN usou outro título muito mais coerente.

  4. Todos temos que aplaudir o correto (não confundir com o politicamente correto, que não tem nada de correto e é apenas mais uma criação da esquerda para criar ódio entre as pessoas).

    Mas, voltando ao correto, como é o caso do colega chinês, ainda há pouco dois cidadãos apontaram que o uso da cloroquina seria benéfico no combate ao coronavírus e isto se provou verdadeiro, pois médicos que trabalham com ela, aqui mesmo na região norte do Brasil há mais de 30 anos confirmaram sua eficácia.

    Por serem os dois cidadãos Jair Bolsonaro e Donald Trump, dois líderes políticos mais odiados pela esquerda no mundo, que resolveram apostar suas fichas e esperança na hidroxicloroquina, eis que muitos passaram a torcer contra o medicamento, que é genérico e utilizado há décadas, com baixo risco.

    Sabe como é a esquerda, em que o hediondo encontra justificativas para sua prática. Por isso, ela não se importa que morram milhões e lutam insanamente contra o uso desse remédio que salva a vida das pessoas, apenas por ele ter sido lembrado por dois de seus maiores inimigos.

    Ps. Teve um aqui, que não se importa em estudar a fundo assuntos importantes e por isso não lê nada, deu uma de cientista falando que o tal remédio tem efeitos colaterais. Coisa que qualquer um sabe que todos remédios os tem.

  5. O que diriam Miriam Leitão, Valdo, Trigueiro, Maria João, Camarotti e adjacências ??? Hoje Jornalistas Europeus comentavam sobre o Jornalismo brasileiro e envergonhados falavam em mentiras e notícias canalhas para espalharem pânico e terror e o povo pedir a mudança de Poder que estavam nas mãos deles, traduzindo, nossa Mídia tá desmoralizada com suas “malditas intenções” , será que vão dizer ao Povo quando virarmos uma Venezuela que foi culpa de Bolsonaro e da direita ??? Vergonha na cara não custa nada , respeitem a Vida Humana, já há casos de suicídios que vocês não comentam pelo terror de vocês na Mídia, todas as Mídias, diuturnamente, e Famílias sendo destruídas não pelo Coronavírus e sim pelo “Jornalismopodrevírus” !!!!!

  6. Graças a insistência de Bolsonaro e Trump, as pessoas serão salvas do coronavírus!

    A hidroxicloriquina sempre foi a solução, mas os cientistas teimosos, médicos despreparados, políticos mal intencionados, uma imprensa abjeta, rejeitavam esta indicação dos dois maiores líderes da direita no mundo!

    Nessas alturas, culpar a China pelos 80 mil mortos no planeta e, por enquanto, é desnecessário e inútil.
    Os verdadeiros culpados são aqueles que se negaram a usar o medicamento que ambos os presidentes sempre disseram que seria a cura para o vírus!

    Que atrocidade contra essas milhares de vítimas!

    Justiça seja seja feita, mas alguns comentaristas da TI insistiam que Bolsonaro tinha razão, e que Mandetta boicotava a cloriquina porque a sua intenção era que milhares de brasileiros morressem!

    Essa esquerda criminosa precisa mesmo ser varrida do mapa!

    Definitivamente joguei no lixo as antigas histórias que embalaram as crianças ao longo de décadas, até mesmo o Shrek, pois esta turma que se denomina de direita, substituiu-as com larga vantagem em iludir não só os adultos como crianças e, principalmente, os idosos!

    Que decretem o fim do isolamento social, ora!
    Esperam o quê?!
    Velhos, rumo às praças, às rodas de amigos, aos jogos de damas e cartas, tão apreciados com os companheiros de sempre;
    jovens, peguem suas pranchas e … mar a dentro;
    trabalhadores, saiam de suas casas e já para o serviço;
    povo, às ruas, comemorar o fim da batalha contra o COVID-19.

    Salve o remédio de Bolsonaro!

    Passo a colher assinaturas dos que desejam canonizar Bolsonaro ainda em vida, pois será o responsável por milhares de vidas que se salvarão por causa da sua teimosia, determinação, espírito altruísta e de liderança!

    E queimemos na fogueira Mandetta, que alegava ainda não haver cura definitiva para a gripe chinesa, contrariando o seu chefe!

    Tá bom assim ou querem uma história mais grandiosa para Bolsonaro, e um fim mais cruel para Mandetta e sua equipe?

    Claro, eu havia esquecido:
    Bolsonaro, o herói;
    Mandetta, assado na fogueira;
    a China pulverizada pelos Ocidente através de bombas atômicas, de modo a servir de exemplo pelo vírus que criara para acabar com o mundo!

    Melhorei ainda mais o fim dessa história.
    Que tal?!

    • Caro Bendl, não te apoquentes,
      há estudos recentes que não corroboram cientificamente a eficácia dos medicamentos citados e defendidos por alguns:

      “Pequeno estudo sugere que medicamentos antimaláricos não são eficazes no tratamento de coronavírus.

      KATHERINE SELEY-RADTKE, A CONVERSAÇÃO
      6 DE ABRIL DE 2020
      No sábado, a Food and Drug Administration aprovou o uso de dois antimaláricos , a hidroxicloroquina e um medicamento relacionado, a cloroquina, para uso emergencial no tratamento do COVID-19. As drogas foram apontadas pelo presidente Trump como um “divisor de águas” para o COVID-19.
      No entanto, um estudo publicado recentemente em uma revista médica francesa fornece novas evidências de que a hidroxicloroquina não parece ajudar o sistema imunológico a eliminar o coronavírus do corpo.
      O estudo vem na esteira de dois outros – um na França e um na China – que relataram alguns benefícios na combinação de hidroxicloroquina e azitromicina para pacientes com COVID-19 que não apresentavam sintomas graves do vírus.
      Sou químico medicinal especializado em descoberta e desenvolvimento de medicamentos antivirais nos últimos 30 anos e tenho trabalhado ativamente nos coronavírus nos últimos sete anos.
      Eu estou entre um número de pesquisadores que estão preocupados que esta droga tenha recebido alta prioridade, antes que haja evidências suficientes para mostrar que ela é realmente eficaz.
      Já existem outros estudos clínicos que mostraram que não é eficaz contra o COVID-19 , bem como vários outros vírus . E, mais importante, pode ter efeitos colaterais perigosos, além de dar às pessoas falsas esperanças.
      Este último levou à escassez generalizada de hidroxicloroquina para pacientes que precisam dele para tratar malária, lúpus e artrite reumatóide, as indicações para as quais foi originalmente aprovado.
      A ideia de que a combinação de hidroxicloroquina com um antibiótico, azitromicina, foi eficaz contra o COVID-19 ganhou mais atenção após um estudo publicado em 17 de março. Este estudo descreveu um estudo com 80 pacientes realizados por Philippe Gautret em Marselha, França .
      Embora alguns de seus resultados pareçam encorajadores, deve-se notar também que a maioria de seus pacientes apresentou apenas sintomas leves. Além disso, 85% dos pacientes nem sequer tiveram febre – um dos principais sintomas reveladores do vírus, sugerindo que esses pacientes provavelmente teriam eliminado o vírus naturalmente sem nenhuma intervenção.
      Em outro estudo, publicado no medRxiv , que ainda não foi revisado por cientistas, cientistas chineses do Renmin Hospital da Universidade de Wuhan, em Wuhan, China, deram hidroxicloroquina a pacientes com apenas infecções leves que estavam livres de problemas médicos, semelhantes ao Gautret estude. Os resultados mostraram que os 31 pacientes que receberam o medicamento apresentaram uma diminuição de seus sintomas 24 horas antes dos pacientes do grupo controle.
      Além disso, os sintomas da pneumonia melhoraram em 25 dos 31 pacientes contra 17 dos 31 no grupo controle. Como observado em vários comentários associados ao manuscrito, existem questões relacionadas à tradução do artigo, obscurecendo interpretações de alguns dos resultados. O artigo também parece focar mais na pneumonia do que o COVID-19. No entanto, esses problemas podem ser esclarecidos ou resolvidos assim que o documento concluir o processo de revisão por pares.
      Mas dois outros estudos têm resultados conflitantes.
      Um segundo grupo francês, liderado por Jean-Michel Molina, já testou o tratamento combinado de hidroxicloroquina-azitromicina em 11 pacientes no Hôpital Saint-Louis em Paris, França, e seus resultados foram surpreendentemente diferentes .
      Como o estudo de Marselha, o julgamento de Molina também foi um pequeno estudo piloto. Molina e colegas usaram o mesmo regime de dosagem de Gautret. Em contraste, no entanto, no estudo de Gautret, oito dos 11 pacientes tinham problemas de saúde subjacentes e 10 de 11 tinham febres e estavam bastante doentes no momento em que a administração começou.
      Esses pesquisadores de Paris descobriram que, após cinco a seis dias de tratamento com hidroxicloroquina (600 mg por dia durante 10 dias) e azitromicina (500 mg no dia 1 e 250 mg nos dias 2 a 5), oito dos 10 pacientes ainda apresentaram resultado positivo para COVID-19.
      Desses 10 pacientes, um paciente morreu, dois foram transferidos para a UTI e outro teve que ser retirado do tratamento devido a complicações graves.
      Além disso, um estudo semelhante na China também não mostrou diferença na depuração viral após sete dias, com ou sem a hidroxicloroquina com os pacientes do estudo. Isso apoia as descobertas de Molina.
      Assim, apesar da recente aprovação deste medicamento para uso contra o COVID-19, permanecem dúvidas quanto à eficácia desse tratamento.
      Como observam Molina e seus colegas: “Os ensaios clínicos randomizados em andamento com hidroxicloroquina devem fornecer uma resposta definitiva sobre a alegada eficácia dessa combinação e avaliarão sua segurança”.
      Katherine Seley-Radtke , professora de química e bioquímica e presidente eleita da Sociedade Internacional de Pesquisa Antiviral, Universidade de Maryland, condado de Baltimore .
      Este artigo foi republicado da The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original .”

      https://www.sciencealert.com/small-trial-found-antimalarial-is-not-effective-for-treating-coronavirus

  7. Vidal,

    Observaste a minha ironia no comentário acima.
    Toda essa agitação e enaltecimento à cloriquina, se deve à indicação de Bolsonaro, que ouviu falar que esse medicamento seria a solução no combate ao vírus, alias, as mesmas palavras de Trump!

    Bastou Mandetta dizer e insistir que não há medicamentos e vacinas eficazes, e que os testes estão sendo feitos com muita dedicação para se descobrir um protocolo eficiente para o combate à doença, que foi taxado de esquerdista, ser contra Bolsonaro, que quer prejudicar o país e a economia …

    Sabe, já encheu o saco esse fanatismo por Bolsonaro, que está sendo pior que os petistas com Lula!!!
    Parece que o pessoal perdeu a razão, a crítica, a contestação, a dúvida …
    Bolsonaro abre a boca nem que seja para bocejar, e estão aplaudindo e berrando MITO, MITO …

    Valeu o teu texto, Vidal.

    Abraço.
    Te cuida!

    • Ironia tem que ser acompanhada por inteligência.

      Bolsonaro estuda, pesquisa e consulta especialistas, antes de tomar decisões;
      O que você não faz antes de opinar.

      Como suas opiniões cansam.
      Só vou citar esta sua frase, que a mais inteligente.

      “”Mandetta, assado na fogueira;””
      Fogueira não assa.

      Eu sei que você vai tentar justificar, que é uma jogada de ironia da ironia (vai que cola).

    • Negar um objeto mesmo diante dele, é sintoma de grave patologia psiquiátrica, mas nas esquerdas isto é normal.
      Para tristeza e ódio da esquerdinha, o remédio que eles torcem contra, está salvando vidas vitimas do covid19, conforme taxativamente declara o médico que o usa há mais de 30 anos no norte do Brasil.

        • Caro Mário Jr., o doutor já mudou a recomendação. Agora é a transfusão de sangue. Mas isso já está sendo aplicado em vários pacientes. Inclusive, dois médicos chineses anunciaram que conseguiram isolar os anticorpos específicos que combatem o corona vírus.
          Esperemos que a ciência consiga chegar a resultados concretos o mais rápido possível. Há muitos medicamentos sendo testados e métodos sendo testados. Acho que logo, logo, vai se encontrar algo realmente eficaz.

  8. Pessoalmente, não acho que esse ocultamento de informações seja um mal específico da China ou de sua forma de governo. Em toda parte os portadores de más notícias tendem a ser malvistos e postos de lado. Isso ocorre também no Ocidente liberal. Talvez seja um mal da modernidade. Conforme a jornalista americana Barbara Ehrenreich, em 2006 o banco Lehman Brothers demitiu o chefe de sua divisão de imóveis por alertar sobre o risco de quebra decorrente de uma crescente bolha de endividamento. Em 2008, como sabemos, o Lehman quebrou detonando uma das maiores crises da história, provavelmente sobrepujada pela atual.
    http://www.consumidor-rs.com.br/2013/inicial.php?case=2&idnot=5037

  9. Não estou bem certo se foi Churchil quem disse (se estiver errado me corrijam) que “a democracia é o pior sistema de governo, com exceção de todos os outros”. Parafraseando o autor, direi: o capitalismo é o pior regime econômico, com exceção de todos os outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *