O voo do Carcará que consolidou a carreira de João do Vale

Resultado de imagem para joão do vale carcará

Nara e João, na gravação de “Carcará”

Paulo Peres

Site Poemas & Canções
 
O compositor e cantor maranhense João Batista do Vale (1933-1996), o Poeta do Povo, que representou o grito contido das massas contra todo o tipo de injustiça social, conforme revela a letra de “Carcará” que, simboliza a vida difícil dos sertanejos mortos de fome, comparando-a à ave de rapina carcará, que tem que matar para sobreviver. Entretanto, o ”Carcará” desta letra tinha também um outro significado, ou seja, era considerado herói, na época, porque simbolizava uma juventude que lutava contra a ditadura militar para defender o povo brasileiro.

Historicamente, em 1964, João do Vale participou do show Opinião, que foi apresentado no teatro do mesmo nome, no Rio de Janeiro, ao lado de Zé Kéti e Nara Leão, tornando-se conhecido principalmente pelo sucesso da música “Carcará” , a mais marcante do espetáculo, que lançou Maria Bethânia como cantora, substituindo Nara no espetáculo.

CARCARÁ
José Cândido e João do Vale

Carcará
Lá no sertão
É um bicho que avoa que nem avião
É um pássaro malvado
Tem o bico volteado que nem gavião

Carcará
Quando vê roça queimada
Sai voando, cantando,
Carcará
Vai fazer sua caçada
Carcará come inté cobra queimada

Quando chega o tempo da invernada
O sertão não tem mais roça queimada
Carcará mesmo assim num passa fome
Os burrego que nasce na baixada
Carcará
Pega, mata e come
Carcará
Num vai morrer de fome
Carcará
Mais coragem do que home
Carcará
Pega, mata e come

Carcará é malvado, é valentão
É a águia de lá do meu sertão
Os burrego novinho num pode andá
Ele puxa o umbigo inté matá
Carcará
Pega, mata e come
Carcará
Num vai morrer de fome
Carcará
Mais coragem do que home
Carcará

2 thoughts on “O voo do Carcará que consolidou a carreira de João do Vale

  1. Carcará alcançou grande sucesso na voz de Maria Bethânia, quando substituiu Nara Leão. Pode-se dizer que Carcará lançou a Deusa Bethânia.
    Uma música de protesto que conta o rigor do regime militar e o descaso pela seca no Nordeste, motivo de fome e mortes. Carcará é uma das grandes aves de rapina, mas no nordeste brasileiro “é a águia do meu sertão” João do Vale é um grande compositor, infelizmente, pouco conhecido, mas isso não fez diferença para ele.

    “Carcará
    Pega, mata e come
    Carcará
    Num vai morrer de fome
    Carcará
    Mais coragem do que home
    Carcará”

  2. Vejam uma música conformista de João do Vale, tipo “Deus quer assim”

    A Lavadeira e O Lavrador
    João do Vale

    Eu vi a lavadeira pedindo sol
    E o lavrador pra chover
    Os dois com a mesma razão
    Todos precisam viver

    Eu vi o lavrador com o joelho no chão
    O pranto banhando o rosto
    Seu filho pedindo pão
    O gado todo morrendo
    Ó Deus poderoso
    Faça chover no sertão

    Nessa hora eu queria ter força e poder
    Pra acabar com a miséria
    E fazer no sertão chover
    Vocês vão me censurar
    Mas veio na imaginação
    Nem tudo é santo de Deus
    Pois Deus não tem coração

    Depois, veio a lavadeira
    Soluçando a reclamar
    Dez dias que não faz sol
    Pra minha roupa secar
    Se eu não entrego a roupa toda
    Doutor não vai me pagar
    Se amanhã não fizer sol
    Ai, meu Deus, o que será
    Aí, eu vi que Deus é toda a perfeição
    O que eu pensei ainda há pouco
    Agora peço perdão
    Só uma força de cima
    Controla a situação
    Um povo querendo inverno
    Outro querendo verão

    Eu vi a lavadeira pedindo sol
    E o lavrador pra chover
    Os dois com a mesma razão
    Todos precisam viver

    Eu vi o lavrador com o joelho no chão
    O pranto banhando o rosto
    Seu filho pedindo pão
    O gado todo morrendo
    Ó Deus poderoso
    Faça chover no sertão

    Nessa hora eu queria ter força e poder
    Pra acabar com a miséria
    E fazer no sertão chover
    Vocês vão me censurar
    Mas veio na imaginação
    Nem tudo é santo de Deus
    Pois Deus não tem coração

    Depois, veio a lavadeira
    Soluçando a reclamar
    Dez dias que não faz sol
    Pra minha roupa secar
    Se eu não entrego a roupa toda
    Doutor não vai me pagar
    Se amanhã não fizer sol
    Ai, meu Deus, o que será
    Aí, eu vi que Deus é toda a perfeição
    O que eu pensei ainda há pouco
    Agora peço perdão
    Só uma força de cima
    Controla a situação
    Um povo querendo inverno
    Outro querendo verão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *