Obama e Raúl esqueceram o principal

Percival Puggina

“Ahora, llevamos adelante, pese a las dificultades, la actualización de nuestro modelo económico para construir un socialismo próspero e sostenible”. Raúl Castro, em discurso ao povo cubano no dia 17 de dezembro de 2014.

Num dia de outubro do ano de 2012 – já contei isso antes por aqui – enquanto caminhava ao longo do Malecón habanero, eu ia observando o incessante bater das ondas contra os molhes que protegem a cidade. Retornara a Havana, passados 10 anos da minha visita anterior, para conhecer as mudanças que se dizia, então, estarem ocorrendo no país. Gastara os dias anteriores perguntando às pessoas sobre essas mudanças. “Câmbios? No hay cambios!”, asseguravam-me aqueles com quem falava. De fato, tudo parecia apenas dez anos mais velho, dez anos mais deteriorado, exceto pela novidade dos telefones celulares. “Mas um dia o mar vencerá o muro”, eu ia pensando enquanto contemplava a baía de Havana.

Lendo os jornais de 18 de dezembro de 2014, me pergunto: será este o momento? Será agora que Cuba tomará a decisão certa, o caminho da democracia sonhado por tantos cubanos, exauridos de sua liberdade e criatividade por um governo comunista, de feitio leninista? A frase com que abro este comentário, feito em cima dos acontecimentos, deixa margem para muitas dúvidas. O ditador Raúl Castro pretende instalar-se sobre uma contradição – “socialismo próspero”. Ora, isso não existe. O que pode existir é uma ditadura com capitalismo, tipo chinesa.

SEM ABERTURA?

Diante disso, vê-se que Obama acaba de prestar um desserviço ao povo cubano. Se era para fazer acordo, que o acordo previsse a abertura política. Ao isolar das negociações o povo da ilha, Obama reproduz a conduta brasileira, que socorre o ditador em suas necessidades materiais ajustando o estribo para que ele possa continuar cavalgando a nação cubana.

Huber Matos, um dos principais comandantes da revolução, no livro “Cómo llegó la noche”, relata uma conversa que teve com Fidel, indagando-o sobre quando iriam cumprir a promessa de permitir aos trabalhadores a participação no resultado das empresas. Na resposta, o Líder Máximo afirmou que isso seria impossível porque quando o trabalhador adquire independência econômica logo vai atrás da independência política.

MUDARAM DE OPINIÃO?

Se tal entendimento os manteve no poder durante 54 anos, não vejo razão para que tenham mudado de opinião. A longa experiência certifica a correção da tese. Ademais, o modelo político cubano, segundo a própria definição de Fidel Castro, é marxista-leninista, ou seja, tem total desapreço à democracia e às liberdades que normalmente a acompanham.

Se a questão política interna de Cuba não faz parte da pauta negociada entre Raúl e Obama com as bênçãos de Sua Santidade o Papa Francisco, então esqueceram o principal. Cuba não é um negócio da família Castro & Castro Cia. Ltda, com a qual Obama faz acertos, mas uma nação insular onde, há mais de meio século, 11 milhões de pessoas trabalham como escravas do Estado. Um dia, contudo, o mar vencerá o muro.

8 thoughts on “Obama e Raúl esqueceram o principal

  1. “Esta reaproximação com Cuba tem dois inimigos: os rancorosos que querem sempre dividir o mundo em bons e maus e os republicanos da América que só pensam em ferrar o Obama. Se bem que o Obama conta com o medo que eles terão de desagradar o imenso contingente latino na América de hoje.
    Este é o primeiro passo para acabar com o embargo comercial que tanto prejudicou a ilha. Mas isso não ocorre aos vingativos que preferem que a população de Cuba morra de solidão democrática e econômica do que conciliar. O importante é a vingança.
    Cuba, que foi uma revolução maravilhosa na época, que parecia uma floração tropical de jovens hippies. Com metralhadoras, acabou nas mãos soviéticas.
    Mas os EUA foram muito responsáveis pelas dificuldades da ilha. Kennedy tentou invadir logo em 1961, e daí para frente Cuba foi a ovelha negra das Américas e virou uma ditadura brutal, sim, como uma ilha comunista perto da Flórida.
    Mas isso, que rola há 50 anos, não impede a tentativa de contribuir para uma abertura democrática.
    Agora o Obama tenta desfazer esse equívoco duplo e, claro, sofre pressões nesse momento histórico. Nunca um presidente foi tão atacado por tudo que tentou fazer.
    O reacionarismo deles não é uma questão política, é psiquiátrica, é racista, é estúpida, cega de ódio. Obama é como Cuba, ele também foi excluído e sabotado pelos eternos reacionários que posam de democratas”

    Arnaldo Jabor – http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2014/12/obama-e-como-cuba-foi-excluido-e-sabotado-por-reacionarios-diz-jabor.html

    • NOSSOS SOCIALISTAS DE GALINHEIRO AINDA NÃO PERCEBERAM QUE, COM O FIM DO BLOQUEIO, OS CUBANOS LOGO VÃO DESCOBRIR O TAMANHO DA TAPEAÇÃO: O INFERNO CAPITALISTA É MUITO MAIS AGRADÁVEL QUE O PARAÍSO CARIBENHO

      Do Blog do Augusto Nunes

      Não batem bem da cabeça devotos de uma seita que tem em Lula seu único deus, enxerga em FHC um demônio disfarçado de sociólogo e debita na conta da elite golpista (entidade formada exclusivamente por loiros de olhos azuis) todos os males do Brasil, passados, presentes e futuros. Só mentes em desordem conseguem berrar amém a todas as cantilenas cafajestes dos celebrantes de missas negras, concebidas para ensinar que, como os fins justificam os meios, não existem pecados nem abaixo nem acima da linha do equador. Só ovelhas com defeitos de fabricação insanáveis podem ser tão subservientes a sinuelos sem siso e pastores sem vergonha.

      Nada que venha de gente assim deveria surpreender brasileiros ajuizados. Mas o rebanho não para de expandir as fronteiras da vigarice e do oportunismo com manifestações de idiotia que surpreendem seres normais. O surto da semana foi provocado pela iminente normalização das relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos, tema da reportagem de capa de VEJA. Para o início do carnaval temporão da companheirada, bastou que o presidente dos EUA prometesse lutar pela imediata suspensão do bloqueio econômico ─ uma velharia que, se a decisão da Casa Branca for aprovada pelo Congresso, enfim descansará em algum museu da Guerra Fria.

      Na terça-feira, os stalinistas de galinheiro que rosnam por aqui continuavam sonhando com a destruição do imperialismo ianque e a globalização da maravilha comunista inaugurada pelo ditador de Adidas e aperfeiçoada pelo caçula mais velho do planeta. Na quarta, todos os adoradores da ilha-presídio festejaram o noivado de Barack Obama com Raúl Castro. De um dia para o outro, o que era o Grande Satã norte-americano virou o vizinho que todo país pede a Deus. Nada como a reconciliação entre o socialismo revolucionário e o capitalismo selvagem para abrir um sorriso de orelha a orelha na cara de todo marxista de galinheiro.

      Nos anos 50, quando Fidel Castro lutava pelo poder, havia em Cuba um ditador cleptocrata a derrubar, uma economia asfixiada pela monocultura da cana e prostitutas demais em Havana. Na segunda década do século 21, há prostitutas demais na ilha inteira, um oceano de canaviais asfixiando a economia e uma ditadura comunista a sepultar. Vai cair de madura com o fim do bloqueio. Acabou o prazo de validade da última desculpa para as misérias da ilha algemada desde 1959 pela hegemonia dos liberticidas.

      http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/os-socialistas-de-galinheiro-ainda-nao-perceberam-que-com-o-fim-do-bloqueio-os-cubanos-logo-vao-descobrir-o-tamanho-da-tapeacao-o-inferno-capitalista-e-muito-mais-agradavel-que-o-paraiso-caribenho/

    • Obrigado, Nélio, mas, conforme o link, o comentário é de Arnaldo Jabor, de quem faço muitas vezes algumas restrições.

      O importante é saber usar/dosar elogios e críticas. Ficará estranho, daqui a algum tempo, muitos reacionários de carteirinha dizerem que vão fazer um passeio a Cuba, não é verdade ?

  2. Com o tempo saberemos se o povo cubano deixará de ser presidiário como o é até hoje após a redentora e Fidel e Che.

    E não é exagero e sim fato concretíssimo a condição de presidiário deste povo. Segundo seus salvadores, o fato do cidadão ganhar uma muda de roupa, um marmitex e mais um alojamento, para o cidadão mostra que a revolução foi vitoriosa.

    O cubano está no melhor dos mundos. Não tem o que reclamar. A situação é tão boa (pimenta no dos outros é refresco) que se alguém quiser ir embora é punido. Um traidor da revolução.

    Já, o pessoal da estrutura presidiária, seu ditador, quero dizer diretor e seu comparsas, quero dizer seus funcionários, merecem coisa melhor, né?

    Enfim, depois dessa mais uma obamada só esperando.
    O tempo é o melhor juiz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *