Objetivo final da estratégia de Lula é obter asilo político no exterior

Pedro do Coutto

O ex-presidente Lula – reportagem de Thiago Herdy e Sérgio Roxo, O Globo de sexta-feira – tomou a espantosa iniciativa de recorrer à ONU contra o juiz Sérgio Moro, numa tentativa de criar um clima capaz de impedir a possível decretação de sua prisão pela Justiça Federal do Paraná. Não creio no êxito de tal manobra. Afinal de contas, o que tem a Organização das Nações Unidas com os rumos e consequências da Operação Lava Jato?

Isso, em primeiro lugar. Em segundo, assim agindo o ex-presidente nega tacitamente qualidade para que o Supremo Tribunal Federal possa decidir sobre sua situação. Além de passar por cima do STF, Lula revela não considerar o Poder Judiciário brasileiro apto a decidir sobre o direito de defesa que alega estar sendo violado. Uma agressão, no fundo, a todos os integrantes dos tribunais superiores do país.

E cabe a pergunta: o que a ONU poderia fazer? Não tem o poder de interferir no assunto. Certamente vai, diplomaticamente, rejeitar o pedido. Mas Luiz Inácio da Silva sabe disso e seus advogados também. Logo, o real objetivo do recurso internacional que propõe tem outro alvo.

PROBLEMA POLÍTICO – Não se  trata, de fato, de problema jurídico e sim político. A iniciativa alcançou grande repercussão, objeto também de matérias publicadas com destaque tanto pela Folha de São Paulo quanto pelo O Estado de São Paulo. O alvo verdadeiro é preparar uma atmosfera capaz de lhe proporcionar a concessão de asilo político no exterior, como a revista Veja já noticiou, na edição que circulou dia 19 de março, falando que ele iria para a Itália, porque a mulher e os filhos têm dupla cidadania. Existem provavelmente alguns países que poderão conceder o asilo. Este, sim, é o sentido real do recurso para além das fronteiras de nosso país.

Lula está sentindo que cada vez o círculo de giz das investigações da Polícia Federal e das representações da Procuradoria Geral da República fecha em torno dele. Na mesma edição de sexta-feira, O Globo divulgou também com grande destaque os avanços da Política Federal quanto ao fato do ex-presidente e também dona Marisa, terem orientado a realização de obras no sítio de Atibaia. Obras pagas pela OAS e Odebrecht. Além disso, aprofunda-se a delação premiada de Marcelo Odebrecht e diversos executivos da empresa.

SEM DESMENTIDOS – As delações premiadas são irrecorríveis em matéria de fatos concretos, pois ninguém vai dizer ter efetuado pagamentos desse tipo se eles fossem obras de ficção. Se alguém afirma que pagou propina é porque pagou mesmo. Pessoa alguma inventaria. Principalmente porque seria desmentido e acionado na Justiça por calúnia e difamação. Até hoje, acusado algum processou seu acusador ou seus acusadores.

Aliás, nesta altura dos acontecimentos, não faltam acusadores e acusações. É tal a multiplicidade que não é outra questão essencial. Pertence ao amplo universo do mar de corrupção que submergiu o Brasil.

Voltando ao plano, mais aparente do que oculto, da iniciativa de Lula recorrer à ONU, percebe-se cada vez mais nitidamente que ele traduz um pedido de asilo político, primeiro numa embaixada, depois no país que o tenha acolhido. Conseguir asilo, francamente, não é difícil. Nada fácil é escapar da prisão, inclusive porque o STF ao remeter seu processo à Justiça de Curitiba, praticamente selou seu destino. Cada vez mais próximo, por sinal.

18 thoughts on “Objetivo final da estratégia de Lula é obter asilo político no exterior

  1. Caro Carlos Chagas,
    Lula revela desconsiderar não só o poder judiciário brasileiro, mas toda a nação brasileira.
    Esse senhor é um embusteiro que, lamentavelmente, governou esse país ao longo dos últimos 13 (treze) anos.
    A justiça dos homens pode não lhe ser aplicada, mas, a justiça divina essa lhe será IMPLACÁVEL!

  2. Se ele for para a Itália, o Michel Temer pode trocar
    depois o molusco pelo Battisti.
    A proposito, já que banânia esta sob nova direção,
    não seria o caso de rever o asilo do Battisti?.

  3. Pedro do Couto, você tem experiência suficiente para ver que as reportágens se sucedem somente visando o PT no momento que antecede o julgamento final do impeschment de Dilma. Os fatos existem, mas estão superdimencionados. Quando você fala que Lula e sua mulher dona Marisa estiveram orientando a reforma do sítio de Atibaia dando a entender que é prova contra eles. Você mesmo com sua experiência está dando um “passo muito largo”para provar o que não é prova. O máximo que se pode dizer é que é um índício. Pergunto: Esse indício favorece a acusação ou o acusado? O índicio verdadeiro é que o casal tinha interesse em comprar o sítio. Se não tiver uma escritura passada em cartório com assinatura de Lula e sua esposa, nada feito. A polícia tem que partir para outro caminho. Provar que os atuais donos compraram o sítio com o dinheiro de Lula. Pergunto: por quê já não fizeram isso? A invertigação está sendo conduzida te traz para frente. Dizer que Lula não está sendo perseguido é fingir que não sabe o que é perseguição. Dizer que Lula esta errado em recorrer a ONU é uma interpretação tendenciosa. Achar que ele deve procurar o STF é fácil dizer. E se Moro resolve prendê-lo o que vai acontecer? Lógico que Lula ficará no mínimo um ano preso até ser julgado seu recurso no STF. Isso é notícia para vender revista. Não quero dizer com isso que Lula seja um anjinho. Não é. Mas a justiça o está caçando fora dos trâmites legais. Isso qualquer “rábula” sabe. Nem o Fernandinho Beira-Mar teve esse tratamento pela justiça.

  4. ‘FATO DISTORCIDO
    Uma das autoras do impeachment, Janaína Paschoal mostra que o PT distorce a declaração do procurador Ivan Marx sobre o impeachment. “A manifestação do procurador confirma a acusação”, diz.’ Cláudio Humberto

    “LULA, UM CASO PERDIDO

    O título acima expressa minha convicção de que o ex-presidente já está condenado a uma das muitas grades em que se pode conter um ser humano: a que o confina ao pequeno séquito dos que compartilham os mesmos vícios e desvios morais.

    Entenda-me o leitor. Assim como os dependentes químicos se reúnem, qual escombros humanos, em terrenos baldios e obscuros recantos das cidades, assim também pessoas na situação moral e legal de Lula agrupam-se por semelhança e fogem do convívio com pessoas de bem. Um dia, porém, o mal feito às ocultas, nos porões, é proclamado desde os telhados. E o que estava nas páginas dos processos, nas denúncias, nas provas e nos privilégios de foro, vai para as manchetes dos jornais. Acaba o teatro e a vida real começa. Pode ser curto, muito curto, o caminho entre a conduta viciosa ou criminosa e essa forma de reclusão por rejeição e repulsa social.

    Será ele preso, condenado e cumprirá pena? Sei lá! No dia em que eu entender nossa Justiça e, de modo especial, a Suprema Corte, que certamente exercerá o último grau de jurisdição no processo de todos os notáveis hoje investigados, provavelmente haverá outra composição por lá e nós estaremos vivendo num Brasil melhor. Não, não tenho resposta para essa pergunta. Nosso STF faz “desacontecer” fatos que todos viram e ouviram. Mas Lula já está sendo punido, embora ainda não como se espera. Ele está contido, preso. Basta vê-lo, como o vi agora, há poucos minutos, na TV.

    Quando Delcídio Amaral perdeu o mandato de senador, agravou-se a situação do ex-presidente. O Procurador Geral da República pediu ao ministro Teori Zavascki que o processo – que incluía Lula – fosse enviado para Curitiba e para o juiz Sérgio Moro. Ouriçou-se a morofobia do estadista de Garanhuns que, por seu advogado, solicitou a remessa para a Justiça Federal de São Paulo. O ministro, porém, acabou enviando tudo para Brasília, considerando que lá foi praticada a maior parte dos atos denunciados.

    Não poderia desabar sobre os muitos problemas do ex-presidente algo mais inoportuno do que a decisão do juiz Ricardo Leite tornando-o réu no exato momento em que choraminga perante a ONU supostas injustiças e perseguições que estaria sofrendo por parte de Sérgio Moro. Imagine só a situação: tapado de orgulho das próprias virtudes, inocente como um anjo de Rafael, vê seu delírio persecutório desfazer-se com o reconhecimento de outra robusta hipótese criminal em vara diferente, longe da tenebrosa Curitiba de seus mais freqüentes arrepios.

    Orgulho, ambição e vaidade formam um explosivo coquetel. E Lula o bebeu até a última gota.” Percival Puggina

    DIÁRIO do PODER
    30 de julho de 2016

    Percival Puggina, membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site http://www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.

  5. Se fugir, será julgado à revelia. Certamente será condenado e seu nome constará da relação da Interpol. Melhor que cadeia claro que é, mas que final inglório pra quem se considerava o melhor político do mundo, não?

  6. O que levou o casal Lula da Silva a pedir cidadania italiana para os filhos? O Lula certamente não escapará da prisão, mas a mulher e filhos podem ir para Itália e viver muito bem com a fortuna que amealharam aqui.

  7. LULA NÃO PRECISA SER NECESSARIAMENTE PRESO, BASTA QUE SEJA CONDENADO EM 1ª E 2ª INSTANCIAS! AÍ, É ATÉ BOM QUE VÁ PARA FORA DO PAÍS, QUE VÁ CONSEGUIR NA ITÁLIA O QUE CESARE BATISTI CONSEGUIU NO BRASIL! SÓ ACHO DIFÍCIL OS ITALIANOS CONCORDAREM COM ISSO, ACHO MAIS FÁCIL ELE TENTAR ASILO EM CUBA OU EM ANGOLA! VALE QUALQUER COISA QUE COLOQUE ESSE FASCINORA PARA FORA DA VIDA PÚBLICA! QUE VÁ PARA A PRIVADA, QUE É O LUGAR CERTO PARA FAZER O QUE ANDOU FAZENDO NO SEU E TAMBÉM NO DESASTRADO GOVERNO DE SUA SUCESSORA! MUITA MERDA!

  8. Pingback: Objetivo final da estratégia de Lula é obter asilo político no exterior – Debates Culturais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *