Obras financiadas em outros países que fazem falta ao Brasil

Francisco Bendl

Em rápido levantamento sobre as obras no exterior financiadas pelo BNDES, abaixo algumas realizadas e que causam inveja aos brasileiros, diante da falta que elas fazem para nosso desenvolvimento.

1) Porto de Mariel (Cuba) Valor da obra – US$ 957 milhões (US$ 682 milhões por parte do BNDES) Empresa responsável – Odebrecht

2) Hidrelétrica de San Francisco (Equador) – Valor da obra – US$ 243 milhões Empresa responsável – Odebrecht Após a conclusão da obra, o governo equatoriano questionou a empresa brasileira sobre defeitos apresentados pela planta. A Odebrecht foi expulsa do Equador e o presidente equatoriano ameaçou dar calote no BNDES.

3) Hidrelétrica Manduriacu (Equador) – Valor da obra – US$ 124,8 milhões (US$ 90 milhões por parte do BNDES) Empresa responsável – Odebrecht -Após 3 anos, os dois países ‘reatam relações’, e apesar da ameaça de calote, o Brasil concede novo empréstimo ao Equador.

4) Hidroelétrica de Chaglla (Peru) – Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 320 milhões por parte do BNDES) Empresa responsável – Odebrecht

5) Metrô Cidade do Panamá (Panamá) – Valor da obra – US$ 1 bilhão Empresa responsável – Odebrecht

6) Autopista Madden-Colón (Panamá) – Valor da obra – US$ 152,8 milhões Empresa responsável – Odebrecht

7) Aqueduto de Chaco (Argentina) – Valor da obra – US$ 180 milhões do BNDES Empresa responsável – OAS

8) Soterramento do Ferrocarril Sarmiento (Argentina) – Valor – US$ 1,5 bilhões do BNDES Empresa responsável – Odebrecht

9) Linhas 3 e 4 do Metrô de Caracas (Venezuela) – Valor da obra – US$ 732 milhões Empresa responsável – Odebrecht

10) Segunda ponte sobre o rio Orinoco (Venezuela) – Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 300 milhões por parte do BNDES) Empresa responsável – Odebrecht

11) Barragem de Moamba Major (Moçambique) – Valor da obra – US$ 460 milhões (US$ 350 milhões por parte do BNDES) Empresa responsável – Andrade Gutierrez

12) Aeroporto de Nacala (Moçambique) – Valor da obra – US$ 200 milhões ($125 milhões por parte do BNDES) Empresa responsável – Odebrecht

13) BRT da capital Maputo (Moçambique) – Valor da obra – US$ 220 milhões (US$ 180 milhões por parte do BNDES) Empresa responsável – Odebrecht

14) Hidrelétrica de Tumarín (Nicarágua) – Valor da obra – US$ 1,1 bilhão (US$ 343 milhões) Empresa responsável – Queiroz Galvão *A Eletrobrás participa do consórcio que irá gerir a hidroelétrica

15) Projeto Hacia el Norte – Rurrenabaque-El-Chorro (Bolívia) – Valor da obra – US$ 199 milhões Empresa responsável – Queiroz Galvão

16) Exportação de 127 ônibus (Colômbia) – Valor – US$ 26,8 milhões Empresa responsável – San Marino

17) Exportação de 20 aviões (Argentina) – Valor – US$ 595 milhões Empresa responsável – Embraer

18) Abastecimento de água da capital peruana – Projeto Bayovar (Peru) – Valor – Não informado Empresa responsável – Andrade Gutierrez

19) Renovação da rede de gasodutos em Montevideo (Uruguai) – Valor – Não informado Empresa responsável – OAS

20) Via Expressa Luanda/Kifangondo (Angola) – Valor – Não informado Empresa responsável – Queiroz Galvão

Como estes existem muitos outros empréstimos concedidos pelo BNDES no período de 2009-2014, com favorecimento de países estrangeiros ou grupos nacionais, como o Friboi e o X, de Eike Batista. Conforme mencionado acima, o banco não fornece os valores de alguns deles… Ainda.

 

37 thoughts on “Obras financiadas em outros países que fazem falta ao Brasil

  1. Francisco,algumas obras você não especificou o valor do valor financiado pelo BNDES, tem condições de detalhar melhor? Por exemplo a obra 5,6,7 ,9 e 15 não consta o valor de financiamento, foi total?

  2. Senhor Bendl, saudações.

    Em oportunidade anterior, esta elação espúria, dos “negócios” do BNDS,, igualmente divulgada pelo senhor, foi parar nos meus arquivos implacáveis… obrigado.

    Agora, valeu por ser republicada, para os leitores que ainda não tiveram a oportunidade de saber em detalhes os vários destinos que tomam o dinheiro público da nação brasileira, espoliado na surdina, sem o conhecimento do cidadão.

    É por essas e outras que desde setembro, está nascendo e crescendo no sul do Brasil o movimento separatista dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, nos moldes daquela República dos Pampas, que foi abafada.

    Reação que começa com a revolta do cidadão-contribuinte-eleitor com os repetidos escândalos envolvendo políticos e autoridades que não se dão ao respeito que o Brasil merece e exige.

    No fundo e no raso, a ameaça de uma resposta dos desgostosos com os rumos tomados pelo Partido dos Trabalhadores para converter o Brasil em mais um satélite bolivariano…

    Triste. Uma pena… um retrocesso como Nação.

    • Andrade, meu caro,
      Obrigado pela participação.
      Lembrando que financiar obras para a Bolívioa depois deste país ter tomado de assalto refinarias da Petrobrás é algo inexplicável.
      Um abraço.

  3. No artigo “Obras Financiadas Em Outros Países E Que Fazem Falta ao Brasil”, o nosso sempre leitor Francisco Bendl relacionou aqui no blog as obras que as construtoras OAS, Queiroz Galvão, Andrade Gutierrez e Odebrecht realizaram, ou realizam em outros países, indicando quais as obras e os preços de algumas delas. Importante pesquisa de Bendl. E são sempre elas, elas e elas. São estrelas, porque, convenhamos, sabem construir obras de grande vulto e complexidade, ainda que se ouça dizer que algumas delas, no final, apresentam imperfeições. E não havendo entre nós outras concorrentes, de igual competência e tecnologia, são sempre elas que se destacam, aparecem e vencem.

    O artigo de Bendl leva o leitor atento e compromissado com um Brasil de Ordem e Progresso a refletir sobre a entrevista de Dilma Rousseff, lá na Austrália e a recente declaração de Graça Foster, presidente da Petrobras. Dilma fez uma espécie de absolvição antecipada e sumária dessas mesmas empresas, envolvidas na operação Lava Jato, ou algo mais ou menos assim. Deixou entender que não se pode condenar as empresas A, B, C e D, por “malfeitos” de seus dirigentes, nem carimbá-las, isto é, discriminá-las, excluí-las… Como a presidente encontra muita dificuldade para formar e concluir uma oração, um pensamento, uma frase, com sujeito, verbo e predicado, objeto direto e indireto (início, meio e fim), Dilma deixou entender que as referidas empresas (mesmo com seus dirigentes presos por ordem do Dr. Sérgio Moro, Juiz Federal em Curitiba), são empresas honestas e exemplares. Também deixou entender que os “malfeitos” ( vejam só, crimes contra a Administração Pública, como roubo de bilhões de dinheiros públicos, que são do povo e ao povo pertencem, tais crimes passaram agora a ser chamados de “malfeitos”, como forma de amenizá-los, de diminuir a sua tamanha gravidade) cometidos por pessoas que formam as empresa a estas não atingem. Continuam elas, as empresas, imaculadas, virgens e íntegras!!!.

    Já a Graça Foster disse que “mais do que punir os infratores é preciso impedir que tais fatos se repitam”. Se não foi dito assim, textualmente, o sentido foi este. Pois bem, Dilma e Foster disseram bobagens. Dilma ignorou a própria Lei nº 12.846 que a presidente sancionou em 2 de Agosto de 2013 e que entrou em vigor 180 dias após, 2 de Fevereiro de 2014. É a chamada Lei Anticorrupção. A lei é ótima. Mas precisa ser aplicada, difundida e defendida pela presidente Dilma. Esta lei mira também as empresas corruptoras, pelos “malfeitos” de seus dirigentes e empregados e prepostos.

    Diz esta lei que quando as empresas (na pessoa de seus agentes) que prestam serviços para os governos, nas três esferas, corrompem ou aceitam ser corrompidas, as empresas (pessoas jurídicas) são punidas com multa de 0,1% a 20% do seu faturamento bruto no anto anterior e, se impossível usar o faturamento, com multa fixada em 60 milhões de reais, por cada crime, ou “malfeito”, no vocabulário da presidente. Elas também perdem os bens obtidos com a corrupção, são imediatamente suspensas suas atividades e, como maior rigor, sofrerão dissolução aquelas que formarem cartéis. Tudo isso está na lei. Ora, a vida, a conduta de qualquer empresa são a vida e a conduta de seus próprios donos, de seus proprietários. Se estes não são honestos à frente e em nome dela, a empresa que eles formam também deixar de ser honesta. Mas para Dilma não é assim. Os “malfeitos” de seus dirigentes não comprometem as empresas que constituiram e comandam.

    Sobre o que disse Graça Foster, digo eu, dizemos nós, brasileiros do bem: é tão necessário e imperioso evitar que a roubalheira não se repita, tanto quanto (ou mais) punir os criminosos, corruptores e corrompidos, pessoas físicas e/ou pessoas jurídicas. Tudo é urgente. Tudo é imprescindível. Uma punição não antecede à outra. Ambas devem existir, paralelamente, mormente nesta terra onde os prazos prescritivos para que alguém seja punido por “malfeitos” que causaram dano ao próximo são prazos exíguos, muito curtos e que vencem logo. Exemplo: o Código Civil de 1916 previa prazo prescricional de 20 anos para que a vítima exigisse na Justiça a indenização contra seu ofensor. Foi quando, em 11 de Janeiro de 2003, entrou em vigor o Novo Código Civil que reduziu aquele prazo de 20 anos para 3 anos!!!!

    • Caríssimo Dr. Béja,
      Muito obrigado por ter complementado de forma importante o que eu escrevera.
      A intenção foi apenas mostrar o dinheiro brasileiro no exterior que poderia estar sendo aplicado em nosso País para nosso desenvolvimento, além de haver a possibilidade de essas verbas estarem também sofrendo do mesmo mal que padece a Petrobrás, isto é, desvios para o PT e aliados, pois as empreiteiras são as mesmas que estão envolvidas no escândalo com a nossa maior estatal, então, torna-se pertinente a dúvida quanto à atuação dessas empresas no exterior e sem qualquer fiscalização.
      Um forte e caloroso abraço, Dr. Béja.

  4. Caro Bendl, lembrando que a relação empréstimo do BNDES X empregos desenvolvidos ou mantidos no país, segundo o próprio BNDES é de 22 para cada milhão de reais investidos.

    Isto é, se for investido aqui no Brasil, a cada R$1,0 milhão de reais emprestados pelo BNDES gera-se ou, ao menos, mantém-se 22 empregos (diretos, indiretos e por efeito-renda).

    Agora soma aí o que foi direcionado para fora do país e veja quantos empregos diretos, indiretos e por efeito-renda seriam criados no nosso país.

    Grande abraço!

  5. Os brasileiros tiveram uma grande chance de derrotar o PT nas últimas eleições, optaram pelo continuísmo, pelo conformismo. Agora é tarde. Escolheram o pior, fazendo valer o velho adágio popular:”cada povo tem o governo que merece”.
    Qualquer partido político que venha a ganhar do PT terá um trabalho hercúleo: trabalhar durante o dia, e destruir as patifarias e “obras”do PT, feitas ao longo dos últimos 12 anos visando implantar o socialismo no Brasil, à noite.
    O grande mal do PT são as suas idéias, socialistas. No fundo são todos “bem intencionados”, visando um “outro mundo possível”, buscando uma “nova utopia”, buscando a “justiça social”, mas não passam de amestradinhos nas cartilhas mentirosas de Marx, Engels, Gramscy.
    Como todas as formas de socialismos, coletivismos, comunismos, foram testadas e REPROVADAS, a primeira solução para o nossos problemas, começa com fim da hegemonia socialista na vida social.
    Se nada for feito para defenestrar as mentiras socialistas hoje hegemônicas no Brasil, o PT, ou outro partido socialista, continuará mandando no Brasil por mais mil anos.
    Felizmente, não estarei vivo para assistir a nossa completa ruína, embalada pelo hino da “Internacional Socialista”.

  6. Odebrecht sempre foi favorecida no governo do PT, é muito estranho, tantas obras importantes que o país precisa, como por exemplo saneamento básico, escolas, etc…, é muito triste ver os benefícios feitos pelo BNDES, não sou contra financiar obras em países vizinhos, mas não deixemos de financiar os pequenos empresários brasileiros.

  7. A meu ver, as Obras no Exterior executadas por Empresas Brasileiras com Matriz no Brasil, elencadas pelo ilustre Autor Sr. FRANCISCO BENDL, não implicam em que: Obras necessárias à nossa Infra-Estrutura por isso, NÃO sejam feitas no Brasil.
    Elas se inserem na Geo-Política Externa do Brasil, que busca se distanciar de um alinhamento AUTOMÁTICO com os EUA, que nunca nos deram grande vantagem. Não que devamos desprezar o Comércio com os EUA, mas como eles são a Nação Hegemônica, os Lucros desse Comércio são repartidos +- na proporção: 25% para o Brasil, e 75% para os EUA. Busca então o Brasil liderar uma América Latina( México-Terra do Fogo) UNASUL, que formando um Bloco, também tenta atrair para sua Esfera de Influência Comercial o máximo que puder da África, do Oriente Médio e partes da Ásia. A âncora desse grande Bloco são os BRICS ( Brasil-Rússia-Índia-China e South África). Para o Brasil, os LUCROS COMERCIAIS com esse Bloco se repartem +- em 75% para o Brasil, e 25% para o Bloco.
    Uma coisa é vender/trocar Produtos Primários nossos, por Produtos Industriais dos EUA, outra bem diferente é vender/trocar Produtos Industriais do Brasil por Produtos Primários da América Latina/África/Oriente Médio/partes da Ásia. A ideia é ancorar o Brasil na” União dos Países do SUL-BRICS”, para ter maior Poder de Barganha contra o Hegemônico EUA, e a industrializada União Europeia.
    Essa Política tem um CUSTO, é verdade, como aponta o Sr. FRANCISCO BENDL, mas o Comércio desenvolvido por ela, rende LUCROS bem maiores.
    O mal maior de não termos Recursos para desenvolver plenamente nossa Infra-Estrutura é nossa falta de SOBERANIA POLÍTICA. Nossa Constituição Federal de 1988, inexplicavelmente ( Art. 164 ) PROÍBE terminantemente Empréstimos do BANCO CENTRAL DO BRASIL para o DPTO. DO TESOURO DO BRASIL, coisa que os EUA/CHINA/ALEMANHA/ JAPÃO/URSS, CANADÁ, etc, usaram e usam adoidado. Essa Política só tem uma limitante até se atingir o Pleno Emprego, não depender de artigos Importados, e como nossa Infra-Estrutura é feita com 95% de Produtos Nacionais ( Mão de Obra, Projetos, Aço, Madeira, Cimento, Brita/Areia, Asfalto, Máquinas, Combustíveis, Fios, Tintas, etc,etc,) por esse lado não haveria grande problema.
    A meu ver, o mal maior do PT, não é tanto Econômico, como prometer ao Povo cada vez mais BENEFÍCIOS SOCIAIS insustentáveis, em troca de nada, (dar o peixe), em vez de desenvolver uma cultura de Ética do Trabalho e Responsabilidade, ( Ensinar a Pescar).

      • Obrigado, Bortolotto, ao esclarecer para o comentarista acima o meu comentário, que não era referente à análise do financiamento externo, mas quanto ao desperdício do dinheiro emprestado e que tanta falta faz ao Brasil, além da possibilidade de estar sendo desviado grandes fatias, diante da prática utilizada contra a Petrobrás.
        Outro abraço.

    • Meu caro Bortolotto,
      Muito obrigado pela tua participação e por teres ampliado os dados que registrei.
      A idéia foi apenas mostrar os financiamentos feitos no exterior e que poderiam estar sendo concretizados no Brasil, em princípio. Depois, diante da falta de fiscalização, a chance real de que haja desvios de verbas, da mesma maneira que praticado contra a Petrobrás e, nesses casos apontados, contra o BNDES.
      Evidentemente que eu não quis entrar no mérito da questão, apenas um apanhado do quanto temos de dinheiro NOSSO lá fora e que faz falta aqui, no Brasil, e que também pode estar sendo alvo de corrupção.
      Um forte e caloroso abraço, Bortolotto.

      • Caro Souza,
        Obrigado pelo apoio e pelas palavras animadoras.
        Não podemos contentar a todos, claro, apesar dos nossos esforços (de todos os comentaristas e articulistas deste blog incomparável) no sentido de apresentar nossos pensamentos sobre os temas postados.
        Se temos quem deles discorda, a forma como podem nos criticar está na razão direta do respeito e educação por aquele que teve a coragem de expor as suas idéias, que não autoriza o discordante a menosprezar o texto alheio.
        E o dele, onde está?
        Um abraço, Souza.

  8. É mais fácil comprar um submarino do que um pacote de chá para o lanche do gabinete, disse Churchill, quando primeiro-ministro da Inglaterra.

    Ninguém sabe quanto custa um submarino e pode-se pagar bilhões acima do valor correto. Mas um orçamento de 100 reais por um pacote de café. . .

    Paga-se por obras de engenharia como portos, aeroportos, viadutos, estradas, etc, etc, valores muuuuuuuito acima do que realmente valem. E como a sede da petesada é gigantesca. . .

  9. Caro Chicão.
    Não era a Odebrecht que cedia o avião para as “palestras” do Lulla no exterior ?
    1. Lulla ganhava uma grana preta (leia-se propina) para “palestrar”.
    2. Quem contratava e pagava a “palestra”, ganhava o financiamento do BNDES.
    3. A Odebrecht ganhava a obra.
    4. Os otários brasileiros ganham a conta para pagar. Como sempre.

    • Caríssimo Fuchs,
      Pois é!
      Como bem escreveu o Dr. Béja, acima, são sempre as mesmas empreiteiras na crista da onda, e sem perderem seus status de corruptas e desonestas que, mesmo assim, seguem abocanhando a maioria das obras no Brasil e no exterior.
      Tanta impunidade, obriga-nos a perguntar por quê?!
      Um forte abraço, Fuchs.

  10. Excelente artigo de Francisco Bendl.

    Os governos petralhas estão simplesmente distorcendo as funções essenciais do BNDES. E é de assustar o tamanho das torneiras de dinheiro abertas do banco brasileiro para países que dificilmente pagarão tais empréstimos.

    Cada contribuinte de impostos no Brasil pagará uma parte dessa gigantesca conta. Infelizmente.

    • Caríssimo Isac, meu amigo,
      Grato pela tua participação sempre oportuna, inteligente e necessária.
      A questão que salta aos olhos é esta:
      Por que há tanto dinheiro para financiamentos de obras para vários países, preferencialmente alinhados com a mesma ideologia retrógrada do PT, e para o Brasil as verbas são escassas?
      Mais:
      Se os contratos com a Petrobrás serviam para se retirar um percentual para contemplar o PT e aliados, em consequência, esses com o exterior igualmente devem estar sendo usados da mesma forma.
      Um forte abraço, Isac

  11. Perfeito, Martin Fuchs.
    O problema verdadeiro não é Cuba, como gostam de acusar os desatentos, muitos deles por aqui, onde não têm contraponto.

    Como bem mostrou, os problemas dois: um é o BNDES mal gerido, o outro são as empreiteiras cartelizadas Odebrecht à frente, mais Camargo Correa, Queiroz Galvão, Constran, Iesa, Engevix, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, Andrade Gutierrez, UTC e OAS, sem falar nos Paulo Otávio e nas Delta da vida e tantas outros/as que estão todos os dias no boletins policiais, a começar, ou finalizar, pelo Eike Batista e seus furos BNDEsianos…
    A Odebrecht, como demonstrou o relatório do Francisco, especializou-se em América Latina, pelo visto.
    Mas, repito, o problema é a Odebrecht, e não a América latina, como querem alguns.

    Isto nos confirma, sem dúvida, a visão totalmente errada da presidente Dilma ao dizer que as empresas são limpas, a despeito da sujeira dos seus diretores.
    Lei é lei, independe do que ela acha. Os diretores presos destas empreiteiras, sendo considerados culpados, ao final de seus processos, suas empresas deverão carregar o peso de seus malfeitos, como reza a Lei.

    Pelo visto, finalmente, nesta área de engenharia, vai começar a aparecer mercado de trabalho para muitas outras empresas pequenas e médias. Para trabalharem no lugar daquelas grandes e corruptas, claro.
    E se se mostrarem corruptas, também, pau na testa delas, também. E busquemos outras empresas brasileiras, que as há, e muitas, boas e paradas por falta de trabalho normal. Não será por falta de boas empresas de engenharia que o Brasil vai precisar se dobrar a este cartel enorme e monstruosamente corrupto.
    Solução banal: melhor controle do BNDES, com financiamentos só para empresas pequenas e médias, cadeia permanente para corruptos e desmonte total de empreiteiras corruptas.

  12. Pingback: Obras financiadas em outros países que fazem falta no Brasil | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

  13. É lógico que estes empréstimos direcionados aos países latino-americanos, a maioria deles sem qualquer condição de saldar a dívida, como Cuba, ainda que tenham 20 anos para pagar, com carência de 6, têm cunho ideológico.

    Não há qualquer motivação econômico-estratégica nesses empréstimos.

    A questão é que o governo do PT está usando a máquina pública para locupletar o planejamento estratégico da organização suprapartidária a que segue – o Foro de São Paulo.

    Até a Argentina, outrora 3º maior importador e parceiro comercial do Brasil, deixou de ser, e passou a ser um estorvo econômico suportado pelas finanças públicas brasileira por pertencer ao eixo de países signatários e partícipes do Foro de São Paulo.

    Enquanto isso China segue sendo o maior parceiro comercial, seguido dos EUA.

    Qualquer dúvida é só perscrutar as demonstrações do MDIC, aqui: http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/

    É justamente sobre a questão econômica que se deteriorou, e vai piorar, por conta da posição ideológica retrógrada do governo petista.

  14. Dinheiro nosso deve ser investido em nosso país. Primeiro o dever de casa, depois os outros. Eu considero um ato de traição gastar nosso dinheiro em outras nações enquanto vivemos uma total falta de infraestrutura, educação de péssima qualidade e aguardando do dinheiro do pré-sal, saúde igual ao nível de honestidade de grande parte dos políticos, ou seja, nenhuma, segurança do salve-se quem puder e por aí vai.

  15. Caro Bendl,

    O teu comentário vale por um artigo.

    Os dados que você divulgou são informações preciosíssimas para desconstruir essa fraude
    de governo petista-comunista pró revolução bolivariana (neo-comumisno do século 21).

  16. Prezado Carlo Germani,
    Em princípio, alegro-me que estejas ocasionalmente comentando sobre alguns artigos postados neste blog incomparável.
    Na verdade, deverias ser mais assíduo, e nos brindar com teus pensamentos, idéias e conceitos, que abrilhantariam mais ainda este espaço democrático tão bem preservado pelo Newton, e cuja qualidade se deve aos seus articulistas, comentaristas e leitores da Tribuna da Internet.
    Muito obrigado pelo teu incentivo sobre o meu texto, onde apenas fui buscar informações a respeito do quanto tem sido mal gerenciado o dinheiro do brasileiro, que deveria antes de qualquer financiamento destinado ao exterior ser oferecido às empresas do Brasil para nosso desenvolvimento e progresso.
    No entanto, a ideologia retrógrada que norteia o PT, determina antes de mais nada que seja apátrida, divorciado de qualquer sentimento pelo Brasil e povo, de modo que este socialismo e comunismo malfeito, deprimente e atrasado, sejam estendidos para outros países que comungam desse mesmo sistema arcaico, porém privilegiando seus dirigentes partidários, estabelecendo prioritariamente a manutenção dos mesmos no poder mediante esmolas e trocados mensais aos pobres e, desta forma, cooptar os votos necessários às suas reeleições sistemáticas.
    Assim, desestruturam os poderes, aparelham o Estado, e o tomam de assalto, principalmente nas direções de estatais, autarquias, economias mistas, instituições, e a luta incessante para que calem a imprensa, pois o objetivo fundamental é o enriquecimento do partido e de seus dirigentes, tanto faz a maneira como irão lograr êxito nessa meta estabelecida.
    Um forte abraço, Germani e, por favor, seja mais frequente.

  17. Caro Bendl,

    Pessoas como você,portadoras de caráter e de alta cultura e intelectualidade,o espaço democrático da Tribuna,e entre outros fatores,me fizeram retornar a Tribuna da Internet do batalhador incansável,Carlos Newton.

    Você está coberto de razão ao denunciar os desvios do dinheiro público para os interesses ideológicos petistas-comunistas.

    São crimes de lesa-pátria.Ponto.

    Eu não li em nenhum “jornalão” qualquer denuncia ou questionamento sobre os criminosos empre$timo$ via BNDES do petismo-comunismo para os “companheiro$”
    do Foro de São Paulo (comunização do Brasil e de toda a América Latina).

    Mas li no seu brilhante e fundamentado comentário,o qual,já repassei para diversos
    emails.

    Um forte abraço,caro Bendl.

  18. Germani,
    Justiça seja feita!
    O teu retorno ao blog deixa o Newton extremamente feliz, pois ele sempre comentou a teu respeito com admiração e sentimento pelo teu afastamento.
    Desta forma, a alegria do nosso Mediador é também nossa, diante da união que temos e pensamentos voltados para um Brasil melhor, em consequência, um povo mais desenvolvido.
    A casa é tua, Germani.
    A tua presença nos anima sobremaneira.
    Outro abraço.

  19. Eu teno nojo deste povo e tanto abuso de poder que nimguem e caoas de explicar.Justica funciona so para pobres porqueestes ai esta comprovado por delacao premiada o tamanho escandalo detes corruptos,e eles nao podem ser indiciados nem condenados ula e um cidadao civil ja tinha que estar preso com esta familia dele e estao todos agindo como se nao houvesse nada.Deixasse ser um pobre coitado que o salario nao desse para agar lus ou se la qualquer despeza e surgisse uma denuncia estaria no camburao.Isto incentiva a gente nao votar e ter nojo de candodatos e ter nojo de politica!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *