Oito anos depois, a Justiça enfim condena Waldomiro Diniz por corrupção. Mas ele continua livre, leve e solto. E ainda há muitos recursos pela frente.

Carlos Newton

O chamado caso Waldomiro Diniz demonstra muito bem a lentidão da Justiça brasileira, que é a causa principal da impunidade reinante. Somente oito anos depois do escândalo que surpreendeu a opinião pública é que o processo foi a julgamento na primeira instância, o que significa que ainda vai levar muito tempo até transitar em julgado e Diniz ser condenado, se é que os crimes até lá já não estarão prescritos, como costuma acontecer.

A juíza Maria Tereza Donatti, da 29ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, condenou o ex-presidente da Loterj Waldomiro Diniz a 12 anos de reclusão por corrupção passiva e ativa e crime contra a lei de licitações, além de multa no valor de R$ 170 mil.

Diniz, que era um dos assessores mais importantes do então chefe da Casa Civil José Dirceu, foi flagrado e filmado em 2004 pedindo propina ao bicheiro Carlos Augusto Ramos.

“Ficou suficientemente comprovado que a ‘negociata’ entre os réus Waldomiro e Carlos Ramos visava interesses pessoais e também de políticos que seriam beneficiados com as tais ‘doações’, muito embora a renda da Loterj devesse ser ‘destinada aos projetos de interesse social relacionados à segurança pública, à educação, ao desporto, à moradia e à seguridade social'”, escreveu a juíza, na sentença.

A divulgação das imagens dos dois agora condenados, na época, enfraqueceu a posição do então ministro da Casa Civil José Dirceu no governo. No vídeo divulgado em 2004, Waldomiro pedia a Cachoeira propina e dinheiro para campanhas do PT e do PSB. Em troca, o então presidente da Loterj (Loteria do Estado do Rio de Janeiro) prometia ajudar Cachoeira numa licitação.

Resumo do caso: por coincidência, na mesma semana em que Diniz era condenado, o bicheiro Carlinhos Cachoeira foi preso por explorar máquinas caças-níqueis, corrupção e lavagem de dinheiro. Cachoeira, que não é da elite, vai cumprir pena inexoravelmente, enquanto Diniz continuará livre, leve e solto. Podem apostar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *