«ONG humanitária» comete crime de guerra e priva de água 5,6 milhões de sírios

Resultado de imagem para cortada a agua de damasco

Desde 23 de dezembro o abastecimento d’água foi interrompido

Deu no Réseau Voltaire

Os jihadistas que poluíram, em 24 de Dezembro de 2016, as fontes do Barada — o rio que alimenta de água os mais de 7 milhões de habitantes de Damasco e da sua região — e fizeram explodir as canalizações, publicaram uma declaração fixando as suas condições. Assim, 5,6 milhões de civis sírios estão totalmente privados de água corrente desde há duas semanas. As autoridades conseguiram distribuir à população, uma a duas vezes em quinze dias, água em caminhões-cisternas, à razão de 50 litros por família. Excetuando os que puderam encher caixas d’água para as suas necessidades sanitárias e de cozinha, os habitantes têm que comprar água mineral engarrafada para o seu consumo de água potável.

Segundo a «Declaração de Barada», os jihadistas só deixariam os engenheiros limparem e repararem as fontes no Rio Barada se o Exército Árabe Sírio e o Hezbolla puserem termo aos combates (quer dizer, se a República Árabe Síria capitular).

DENÚNCIA À ONU – Numa carta dirigida ao Conselho de Segurança, a Síria denunciou a planificação desta operação pelas potências que apoiam e armam os jihadistas. Entre os sete grupos jihadistas signatários do documento figuram os «Capacetes Brancos» («White Helmets»-). Esta «ONG humanitária» foi criada e é dirigida por um oficial do MI6, James Le Mesurier, promovido pela rainha Isabel, em 2016, ao grau de oficial Império Britânico. Esta organização encharca os jornalistas ocidentais com imagens chocantes destinadas a provar «os crimes do regime», e sobre as quais foi muitas vezes demonstrado não serem mais que puras encenações propagandísticas.

A participação desta «ONG humanitária» nos combates já foi provada. O Ministério de Defesa da Rússia descreveu-a como “próxima da Al-Qaeda».

Foia anunciado nesta quarta-feira que o governo sírio chegou a um acordo para que o Exército entre em uma região próxima a Damasco controlada pelos rebeldes para restabelecer o abastecimento de água na cidade, informou o governador provincial nesta quarta-feira (11).

O suposto acordo foi alcançado após semanas de combates na região, 15 quilômetros a noroeste de Damasco, que colocaram em risco a frágil trégua decretada em 30 de dezembro.

NOBEL DA PAZ? – Os “Capacetes Brancos” são financiados pela Alemanha, pela Dinamarca, pelos EUA, pela França, pelo Japão, pelos Países Baixos e pelo Reino Unido.

A 19 de outubro de 2016, o presidente da França, François Hollande, o seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault, e a presidente da Comissão de Assuntos Estrangeiros da Assembleia Nacional, Elisabeth Guigou, receberam no Eliseu uma delegação dos Capacetes Brancos, incluindo o presidente do Comité de Aleppo, autoproclamado «prefeito de Alepo»-br) (re-sic), Hagi Hasan Brita.

A França tinha apresentado, em vão, a candidatura dos Capacetes Brancos ao Prêmio Nobel da Paz. De acordo com o Direito Internacional, o fato de se privar civis de água é considerado como crime de guerra.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG A importante reportagem do Réseau Voltaire (instituição francesa sem fins lucrativos) foi enviada por Serio Caldieri, sempre atento ao noticiário internacional. É um flagrante e horripilante crime de guerra, mas a ONU não tomará a menor providência, podem apostar. (C.N.)

2 thoughts on “«ONG humanitária» comete crime de guerra e priva de água 5,6 milhões de sírios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *