Oposição prepara relatório desmoralizando CPI da Petrobras

Carlos Sampaio

Carlos Sampaio prepara o relatório paralelo

Carolina Gonçalves
Agência Brasil

Partidos de oposição na Câmara e no Senado vão apresentar, nesta quarta-feira (17), relatório paralelo ao da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras. No documento, os parlamentares pedirão o indiciamento de pelo menos cinco envolvidos em negócios ilegais com a estatal.

O anúncio foi feito pelo deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que informou que o documento será apresentado na mesma sessão em que está prevista a votação do relatório oficial, do deputado Marco Maia (PT-RS). O relatório paralelo é iniciativa de parlamentares do PSDB, DEM, PSB, PPS e SD. Em entrevista coletiva na quinta-feira passada, Sampaio classificou de frágil o relatório, que, segundo ele, não abordou questões “primordiais”.

O deputado, que é promotor de justiça, antecipou que os pedidos de indiciamento incluem os nomes do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, do doleiro Alberto Youssef, do deputado cassado André Vargas (sem partido-PR), de Luiz Argôlo (SD-BA), que teve a perda de mandato aprovada pelo Conselho de Ética, e de empresários como Júlio Camargo, citado no esquema.

MAIOR ROUBALHEIRA DO PAÍS

“O relator considerou normal aquilo que, para o Tribunal de Contas da União, é sinônimo da maior roubalheira ocorrida no país, que foi a compra [da Refinaria] de Pasadena. O relator sequer abordou as doações de campanha feitas com dinheiro oriundo de crimes praticados contra a Petrobras. Ele não abordou o envolvimento do Palácio do Planalto, sendo que a Casa Civil recebeu um e-mail do delator Paulo Roberto confessando o esquema de corrupção, e sequer o envolvimento do tesoureiro do PT [João Vaccari Neto], apontado pelos delatores como a pessoa que levava os 3% [dos contratos negociados por empreiteiras com a Petrobras] para o Partido dos Trabalhadores”, disse Sampaio.

O deputado ressaltou que não incluiu os nomes da presidenta Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva porque não há elementos “identificadores” do envolvimento dos dois. “Não há elementos neste momento, mas há uma clara evidência de que temos que avançar na investigação porque ambos foram referidos pelo mais importante delator do esquema como pessoas que tinham total ciência dos fatos.”

CERVERÓ FICA DE FORA

O relatório paralelo também não deve citar o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró. Segundo Carlos Sampaio, o possível envolvimento do ex-diretor será investigado por uma nova CPI que a oposição pretende criar na próxima legislatura, a partir de 1º de fevereiro.

“Por mais que se diga que tem o Ministério Público e a Polícia Federal investigando, os mecanismos de uma CPMI são infinitamente mais ágeis e, no que tange a agentes políticos, é o melhor mecanismo para agilizar investigações, apontar culpados e iniciar processos de cassação de todos parlamentares que comprovadamente assaltaram a Petrobras”, avaliou o deputado.

Sobre o relatório paralelo, Sampaio explicou que o texto pode ser analisado hoje, como um voto em separado durante a votação do relatório final . “Faremos a leitura para ver se conseguimos a aprovação do plenário. Os membros da comissão que são ligados ao governo não têm comparecido. Se tivermos a maioria simples do quórum de instalação [da sessão de quarta-feira] e a mesma maioria para a votação, podemos ver aprovado nosso relatório paralelo”, acrescentou o parlamentar.

4 thoughts on “Oposição prepara relatório desmoralizando CPI da Petrobras

  1. Não sei porque a Dilma tem tanta dificuldade em nomear uma nova Diretoria para o Prostíbulo da Petrobrás, já que o PT tem em seus quadros gente como: Marta Suplicio, Marilena Chaui, Tarso Genro, Agnelo Queiroz, Delubio, Sombra, Vicentinho, e tantos outros.

  2. A oposição vai entrar com recurso para suspender a diplomação da governanta.
    A tentativa é valida, mas no meu pensamento, não vinga, a não ser que aconteça um milagre.

  3. Como a Graça vai ‘explicar isso’?
    No texto mandado para Graça, Venina pediu que Geovanne fosse retirado imediatamente da empresa e apresentou um parecer jurídico para tanto. “A demissão deve ser implementada ainda que esteja o empregado gozando de auxílio doença, visto o risco representado pela manutenção de seu vínculo empregatício para a continuação das averiguações”. Na nota oficial divulgada ontem, a Petrobras ialegou que Geovanne não foi demitido, em 2009, porque “seu contrato de trabalho estava suspenso, em virtude de afastamento por licença médica”. A demissão dele só foi efetivada muito tardiamente, quatro anos depois, em 2013.

  4. Limongi,
    Partindo dessa premissa, que a oposição é desmoralizada para editar um relatório sobre os crimes do PT na Petrobrás, das duas uma:
    Ou nada mais é investigado no Brasil pela absoluta falta de condições morais do Parlamento, Executivo e Judicário (STF) ou os petistas finalmente conseguiram permissão para roubar o Brasil de forma impune e sem qualquer admoestação com relação aos crimes que vêm praticando nos últimos doze anos, e com licença para mais quatro, de modo que termine de vez com este País!
    Considerando que a peça criado pelo risível e ridículo deputado Marco Maia (PT/RS), que nada descobriu de irregularidade na Petrobrás, na jocosa e degradante CPI criada para esta finalidade, e as acusações da imoral oposição não devem ser consideradas porque paralela a esta falsa conclusão obtida pelo inútil parlamentar, o Brasil está à mercê de um festival de crimes impunes que assombra o mundo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *