Oposio sria no comparece e inviabiliza a reunio de paz da ONU

Deu na Exame

Genebra -O governo srio manifestou sua “decepo” pela ausncia da delegao opositora na primeira reunio realizada com o mediador para o processo de paz, Lakhdar Brahimi, e a acusou de “hipocrisia”.

O vice-ministro de Relaes Exteriores da Sria, Faial Maqdad, disse que o governo est “decepcionado” com a ausncia, o que demonstra a “hipocrisia da oposio“.

A ideia inicial era de que as negociaes comeassem nesta manh com a presena das duas delegaes em salas separadas, com Brahimi atuando como intermedirio, mas os representantes da oposio s devem chegar tarde.

As negociaes comearam nesta manh, no entanto, com uma reunio bilateral de Brahimi e a delegao oficial, liderada pelo ministro das Relaes Exteriores, Walid Muallem; e h outra programada para as 15h entre o mediador e a delegao da oposio.

O ministro da Informao da Sria, Omran al Zoubi, comentou com os jornalistas que a delegao governamental veio s conversas de Genebra 2 com um “esprito pacfico”, mas est ouvindo “uma retrica belicosa”.

“Viemos com uma atitude pacfica, sem pr-condies, e em seu lugar estamos escutando uma retrica belicosa”, afirmou.

2 thoughts on “Oposio sria no comparece e inviabiliza a reunio de paz da ONU

  1. Oposio sria no compareceu porque comandada por Israel.
    O sionismo quer, porque quer, derrubar o Presidente Assad, que j desmoralizou a tal de primavera rabe, a qual, na verdade, era uma primavera sionista.

  2. Apareceu um cara l na conferncia chamado Ahmad al-Jarba, dizendo-se representante de um certo Syrian National Council (SNC) que vive no exterior e apoiado pelos EUA. Eu o vi na TV sentado numa grande mesa de conferncia no lado oposto ao do chanceler Moallen, da Sria. Algumas horas atrs parece que foi substitudo por outro de nome Hadi Al Bahra. A dvida consiste em saber se esse grupo se garante em relao ao Islamic State of Irak and Syria (ISIS) e Al-Nusra Front no campo de batalha da oposio, porque nos ltimos meses eles esto se matando. Ele insistiu na deposio do Assad, da mesma forma que a Hillary Clinton quando ocupava dois anos atrs a Secretaria de Estado dos EUA. Mas, no se garantem no campo de batalha para obterem o que esto a exigir. A questo principal que essa gente representa abertamente interesses estrangeiros, muitos dos quais vivem e so subsidiados pelos EUA, Frana, Reino Unido, Catar, Arbia Saudita, Turquia e at mesmo Israel. A, o Assad, com todos os defeitos, prevalece invocando nacionalismo contra intervenes estrangeiras. Se querem obter algo nas condies em que encontram militarmente, tero que aceitar o Assad e conseguirem concesses num processo de transio. Resta saber se do interesse poltico de seus patrocinadores, isto , daqueles que lhes do dinheiro vivo e armas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.