Os 10 pecados capitais da política econômica de Dilma

guido.jpg

Fernando Ulrich

O brilhante economista Thomas Sowell certa vez disse: “A primeira lição da economia é a da escassez: nunca há uma quantidade suficiente de alguma coisa de modo a satisfazer todos que a desejam. Já a primeira lei da política é ignorar a primeira lição da economia.”

A política econômica do governo tem insistido em ignorar as leis econômicas. Mas as leis econômicas não têm ideologia. E, assim como a lei da gravidade, as leis econômicas agem inexoravelmente sobre todas as pessoas (e governos também!).

Vejamos os dez pecados capitais da política econômica do governo Dilma.

  1. Inflação

A definição clássica de inflação é ‘aumento na quantidade de dinheiro na economia’. O que causa esse aumento da quantidade de dinheiro na economia é a expansão do crédito feita pelo sistema bancário, que pratica reservas fracionárias, e pelo Banco Central, que protege e dá sustentação a este sistema.

Aumento de preços, portanto, é uma mera consequência da inflação. A desvalorização da moeda é a consequência dessa política de inflação. Os pobres são sempre os mais prejudicados.

Não é culpa da China nem da falta (ou excesso) de chuvas. Tampouco são o tomate ou o chuchu os grandes vilões da inflação. Por meio do Banco Central, somente o governo pode imprimir moeda. A leniência com a perda de poder de compra do real está cada vez pior. O centro da meta da inflação já não é perseguido há alguns anos, e não há perspectiva de atingi-lo rapidamente. O IPCA dos últimos 12 meses está em 6,75%.

  1. Bancos Públicos

Fazendo ressurgir os velhos problemas das décadas perdidas, hoje os bancos públicos são responsáveis por mais da metade de todo o estoque de crédito no país. E como a expansão creditícia é essencialmente uma forma de criar moeda, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES são hoje grandes motores da inflação brasileira.

  1. Controle de preços

Se controlar os preços funcionasse, o Plano Cruzado teria sido um sucesso.

O preço da energia elétrica é controlado, o preço do petróleo está artificialmente represado, as tarifas de transporte público são determinadas por vontade política, o preço do crédito (taxa de juros) é manipulado etc. E apesar disso tudo, o IPCA está acima do teto. Alguém acredita que esse índice realmente reflete o aumento do custo de vida da classe trabalhadora?

Controlar preços é receita para o desastre.

  1. Maquiagem das contas públicas

Qual o déficit orçamentário do governo? Com ou sem os dividendos do BNDES? Com ou sem os restos a pagar? A dívida líquida desce, mas a dívida bruta só sobe? Qual importa?

Transparência não é o forte deste governo. E as contas públicas estão cada vez menos inteligíveis. Querem esconder os sintomas, mas a doença permanece intocada. O quadro fiscal está cada vez mais preocupante, e maquiar o problema só piora a situação.

  1. Estatais

Esse item mereceria uma lista própria, pois a quantidade de estatais sendo usadas para condução da política do governo é infindável.

Seja a Petrobras tabelando preços do petróleo em território nacional, seja a Eletrobras destruindo seu próprio caixa ao reduzir as tarifas de maneira populista, seja o BNDES direcionando crédito subsidiado aos campeões nacionais eleitos pelo governo, o uso político de empresas importantes à economia nacional é temerário.

Já vimos esse filme antes. E nos custou muito caro. Os prejuízos começam a avolumar-se. Em algum momento a conta irá chegar e, como sempre, quem paga são os mais pobres, com juros e correção monetária.

  1. Falta de Investimentos

Uma economia só cresce de forma sustentável com aumento de produtividade. E para isso é preciso poupança e investimentos, duas varáveis que despencaram no governo Dilma.

Especialmente no setor privado, faltam confiança e regras claras para poder investir. O enorme programa de concessões está sendo um fracasso. As excelentes oportunidades na área de infraestrutura permanecem sem serem aproveitadas. E não é por falta de apetite dos investidores (domésticos e internacionais).

Com infraestrutura precária, o custo Brasil inviabiliza diversos investimentos.

  1. Hiperatividade e microgerenciamento da economia

Alguém se lembra quantos pacotes de estímulos foram lançados pelo Ministro Mantega nos últimos anos? Nada menos do que trinta!

Reduz imposto daqui, sobe acolá, concede subsídios ao setor agrícola, remove isenções do setor XPTO, altera alíquota do IPI temporariamente de forma permanente, estimula a linha branca, desestimula a linha preta, determina a taxa de retorno dos investidores das concessões de infraestrutura, aumenta as tarifas de importação para “estimular” a indústria nacional etc.

É pacote demais e arbitrariedade demais. Como diz o velho ditado: muito ajuda quem não atrapalha. Neste ponto, menos é mais.

  1. Crescimento econômico, incerteza e desconfiança

Todos esses pontos geram o pior sentimento possível na economia: a insegurança.

A incerteza sobre o que o governo fará amanhã paralisa os empresários. A incerteza sobre novas políticas gera desconfiança nos investidores internacionais.

A economia patina e os trabalhadores começam a sentir insegurança com relação a sua própria estabilidade de emprego e, consequentemente, adiam compras mais relevantes. Nesse cenário, crescimento econômico é milagre.

  1. Errar é humano, botar a culpa nos outros mais ainda

Aos olhos da equipe econômica, se há alguma patologia na economia brasileira, a culpa é externa. Ora é a crise financeira, ora é o desaquecimento chinês, ora é a safra agrícola mundial, ora é a política do Federal Reserve, ora são os preços das commodities etc.

Já é passada a hora de olhar para o próprio umbigo.

  1. Equipe econômica

Dilma acha que entende de economia, Alexandre Tombini obedece, Guido Mantega é keynesiano e Arno Augustin é marxista. Deste pecado, decorrem todos os outros.

Adicione uma boa dose de corrupção e uma grande pitada de burocracia e os males da política econômica do governo se tornam ainda piores.

É preciso mudar. Mudar já. Mas quem está no comando não concorda com esse diagnóstico. Desconhecem ou ignoram a doença. Quem está no comando não quer mudar a fórmula, apenas alterar a dose. Remédio errado e na dose errada.

No curto prazo, para tentar curar o paciente, só nos resta tentar mudar quem está no comando.

(artigo enviado por Carlo Germani)

14 thoughts on “Os 10 pecados capitais da política econômica de Dilma

  1. Este texto, de alto nível, surgiu originalmente no site do Instituto Mises Brasil. O Instituto Mises Brasil faz parte, entre dezenas de outros sites de mesmo nome, espalhados por todo o mundo civilizado, e visa difundir ideias econômicas que não fazem parte do feijão com arroz do economics mainstream. Difunde a doutrina econômica austríaca, muito pouco difundida, e irresponsavelmente criticada. É louvável que se publique matérias deste nível.

    • Caro Antonio Valente,

      A tua avaliação sobre o Instituto Ludwig Von Mises Brasil,é a verdadeira razão de eu ter
      enviado o artigo para o editor Carlos Newton.

      O teu comentário foi brilhante do começo ao fim.

      Abraço.

  2. Sr. Newton,aproveitando o rastro das propinas, veja o que disse o jornalistaBoechat na Band News sobre Dona Maria Antonieta deHigienópolis.
    Será que a “banda” chapa-branca do Partidão começa a fazer água.????
    Interessante a fala do jornalista..:

    “O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso veio a público para dizer que sentia vergonha do que estava acontecendo na Petrobras. Eu queria fazer a seguinte observação: Acho que ele [Fernando Henrique Cardoso] está sendo oportunista quando começa a sentir vergonha com a roubalheira ocorrida na gestão alheia. É o tipo de vergonha que tem memória controlada pelo tempo. A partir de um certo tempo para trás ou para frente você começa a sentir vergonha, porque o presidente Fernando Henrique Cardoso é um homem suficientemente experiente e bem informado para saber que na Petrobras se roubou também durante o seu governo. ‘Ah, mas não pegaram ninguém!” Ora presidente! Dá um desconto porque só falta o senhor achar que na gestão do Sarney não teve gente roubando na Petrobras. Na gestão do Fernando Collor não teve gente roubando na Petrobras. Na gestão do Itamar Franco não teve gente roubando na Petrobras. A Petrobras sempre teve em maior ou menor escala denúncias que apontavam desvios. Eu ganhei um Prêmio Esso em 89 denunciando roubalheira na Petrobras. […] A Petrobras sempre foi vítima de quadrilhas que operavam lá dentro formada por gente dos seus quadros ou que foram indicados por políticos e por empresários, fornecedores, empreiteiras. Então essa vergonha do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso é sim uma tentativa de manipulação política partidária da questão policial”, disse Boechat……..

    • Armando,

      Ricardo Boechat é uma das maiores fraudes do jornalismo brasileiro.

      É ateu convicto,apologista da liberação das drogas,do aborto,da “democracia direta” (golpe,]),de primários princípios morais,de difícil oratória (tipica dos iletrados) ,um verdadeiro “jumento” cultural~intelectual,esquerdista-caviar (prega o esquerdismo mais sórdido e vive no capitalismo mais oportunista,existencialista-materialista contumaz,(…)

      Boechat,é considerado na grande impren$a,como o jornalista mais bem informado do país. Imagine o que é,então,o menos informado?

      Não tem moral para questionar ninguém.
      (e o mais grave é que ele acredita que tem estrutura pessoal para tal).

      PS-Só poderia fazer parte do “jornali$mo” da Band.
      Um lixo generalizado como meio de comunicação.Sustentada por milionárias verbas publicitárias estatais.

      PS2-Todas as demais,Globo,SBT,Record,Rede TV,…,não fogem à regra.

      Boechat é patético.

  3. Caro Sr. Carlos Germani:
    Obrigado. Sou leitor assíduo do site Instituto Mises Brasil. Tenho apreendido muitas lições de economia, de ética, decência, e mais importante ainda, lições sobre o valor da liberdade, no sentido mais amplo do termo.
    Cordiais saudações e um bom fim de semana.
    Atenciosamente,
    A. F.V.

    • Caro Antonio Valente,

      É aquela máxima: “Diga-me o que lês e te direi quem és”.

      O site Ludwig Von Mises Brasil tem muita cultura e intelectualidade.

  4. Bom artigo do Sr. FERNANDO ULRICH, enviado pelo ilustre Colega Sr. CARLO GERMANI. Alguns pecados desses apontados, nossa Presidenta DILMA cometeu, mas não todos. DILMA, que é Economista da boa Escola UFRGS, conhece bem a Teoria Econômica, mas não tem a PRÁTICA, que só se aprende na Empresa Privada.
    A meu ver, ela tem as seguintes Virtudes: Coragem, Idealismo, é Trabalhadora e Esforçada, Estudiosa, Discreta, demonstra no cargo o que os Romanos chamavam de “Gravitas”, o que é muito elogiável……
    e tem as seguintes Dificuldades: Impaciência, não gosta de ser contraditada, turrona, tem muita dificuldade em ouvir os Agentes Econômicos, não se reúne com eles para “tomar umas pingas, juntos na FIESP”, híper-Centralizadora e detalhista ao extremo, quer micro-gerenciar tudo e Todos, sendo isso impossível…….
    Aprendeu muito nesses 4 anos, e Administrará bem melhor nos difíceis próximos 4.
    A ver, os PECADOS CAPITAIS:
    1- INFLAÇÃO, ela sabiamente trocou um pouco mais de INFLAÇÃO, por menos DESEMPREGO ( Curva de PHILLIPS), por isso ganhou a re-Eleição. Absolvida.
    2- BANCOS PÚBLICOS, Usar o Crédito (Moeda) dos Bancos Públicos até o PLENO EMPREGO é motor de crescimento, e Não de INFLAÇÃO. Exagerando, aí sim, mas ela não exagerou. Absolvida.
    3- CONTROLE DE PREÇOS, Interferir nos Mercados, indo além do combate a flutuações exageradas, sempre tem mais Custo que Benefícios. Condenada.
    4- MAQUIAGEM DAS CONTAS PÚBLICAS. Manejar Contabilmente um Deficit, querendo transformá-lo em Superavit, sempre é PREJUDICIAL à Economia. Condenada.
    5- ESTATAIS. O uso das Empresas Estatais para controlar a INFLAÇÃO, novamente interferindo nos Mercados, sempre é PREJUDICIAL à Economia. Condenada.
    6-FALTA DE INVESTIMENTOS. O Privado se deve a falta de LUCRATIVIDADE das Empresas. Sem SURPLUS, não tem Solução. O Público, +- 1,5% do PIB, é minguado devido a excesso de CUSTEIO DE PESSOAL. Condenada.
    7- HIPERATIVIDADE E MICRO-GERENCIAMENTO DA ECONOMIA. Condenada.
    8- CRESCIMENTO ECONÔMICO, INCERTEZA E DESCONFIANÇA. Apesar que aprendeu muito nesse Setor, Condenada.
    9- ERRAR É HUMANO, COLOCAR A CULPA NOS OUTROS MAIS AINDA. Correto, a culpa maior é nossa mesmo. Deficit Fiscal, da Balança Comercial, do Câmbio super-Valorizado e usado em excesso para combater a Inflação, do Balanço de Pagamentos Internacional. Condenada.
    10- EQUIPE ECONÔMICA. O Ministro da Fazenda GUIDO MANTEGA é Keynesiano, isso é bom. Lord KEYNES consertou a Economia Mundial depois que a Teoria Neo-Clássica, a Clássica de Escola Austríaca, etc, não deram jeito, depois da grande Crise Financeira de 1929. Foi ele que resolveu o terrível Problema do DESEMPREGO ( grande Depressão Econômica) dando a Receita em seu famoso Livro ” The General Theory of Employment, Interest and Money” de 1936. Foi o inspirador do Welfare State pós-IIª Guerra Mundial e dos famosos 30’s ( 1946 -1976 ). Depois se abusou de sua Teoria e foi necessário, voltar atrás, SUPPLY-SIDE ECONOMICS, etc. Tudo quando se abusa, vai mal. O Sr. ALEXANDRE TOMBINI do Banco Central foi “obediente ao mando da Presidenta DILMA”, baixa da SELIC à 7,25%aa, mas retomou a sua Autonomia e faz o que um BC tem que fazer. O Secretário do Dpto. do Tesouro, Sr. ARNO AUGUSTIN, eu não diria que é um Marxista, mas HETERODOXO ECONÔMICO.
    Absolvida.

  5. Caro Bortolotto,

    Você sabe do respeito que lhe tenho sobre sua inegável cultura e intelectualidade.

    Mas tenho algumas ponderações a fazer:

    1-DILMA-Nascida de família de classe média alta (à época) e tendo o pai apologista do esquerdismo,negou sua condição pessoal e se inseriu na luta armada.

    Qualquer terrorista tem um viés de psicopata (o chip do caráter tem defeito de fábrica).
    A meta é negar o existente e impor as suas vontades aos outros.
    Dilma na luta armada foi medíocre .
    Após a anistia fez carreira burocrática no RS.Por onde passou deixou um rastro de desatinos e destruição (principalmente como secretária de Minas e Energia).

    Dilma é uma jumenta iletrada.Duvido que tenha lido alguma literatura além de manuais
    de fuzis da década de 60.A dificuldade que tem para expor um raciocínio é inquestionável (típico dos incultos).

    Dilma é a pessoa errada no lugar errado.Não tem atributos morais,culturais,
    intelectuais,políticos para ser além de uma vereadora numa cidade do interior.

    A presidência da República não é cargo para aprendizado algum.
    Quem o ocupa deve tê-lo como portador de alta cultura e intelectualidade.

    Dilma não fará os próximos 4 anos um governo melhor.
    Dilma,quando os mega escândalos de corrupção e imbecidades políticas-administrativas a atingirem ( e o farsante Lula,também) o impeachment será certo.

    2-KEYNES-Trata-se de um esquerdista a serviço do socialismo/comunismo.
    O maior erro pós 2ª guerra mundial foi a adotação das teorias econômicas de Keynes.

    Não é possível um Estado interventor em tudo,centralizador,produtor de benefícios sociais insustentáveis,ideologicamente aparelhado,…,e sem a economia geradora sob a iniciativa privada.

    Os “senhores donos do mundo”, a Oligarquia Financeira Mundial incentivaram essa insanidade para obterem os maiores lucros financeiros da história.

    Vide a falência dos países (zona do Euro) que adotaram as insanidades econômicas-financeiras-monetárias de Keynes.Estão todos inviáveis,com desemprego em massa,
    indústria sucateada,hiperinflação,zero de crescimento econômico,…,enfim nações
    reféns de milhões de pessoas que dependem do Estado e de seu assistencialismo populista sem fim ( por aqui,a fraude do bolsa-família [ou voto] ).

    O conservadorismo com forte economia liberal é a única alternativa à humanidade.

    Não é possível metade da população que empeende,produz e gera riquezas,sustentar a outra metade que parasita em torno do estado e da sociedade.

    (contunua)

    PS-Sem formalidades,caro Bertolotto: “Sr.Carlos” ???

  6. Como não poderia deixar de ser, este espaço democrático abriu espaço para os comentários, pertinentes ou não, dependendo do pensamento de cada um sobre o tema.

    Na minha modesta opinião, foi muita bondade do articulista, em ótimo texto, ter colocado somente 10 pecados capitais.
    Muito bonzinho…

    • Caro Nélio Jacob,

      Oportuno questionamento seu ao comparar as carências e as gerações de riquezas que o país proporciona.

      O retrocesso generalizado que as Eras Lula/Dilma/PT legaram ao país é desconsiderado
      por todas as classes sociais.

      Como o desgoverno Dilma II não terá um verdadeiro projeto de nação e sim de poder,
      a tragédia será total.

      Antevejo uma megaprovação e o caos generalizado quando a fraude petista-comunista
      explodir.
      É como na resistência dos materiais,em determinado momento a ruptura é inevitável.

  7. Carlo Germani, parabéns pelo excelente artigo e pelo seu comentário.
    Em resumo: a situação caótica em que os governos do PT levou o país,
    tem um motivo, chegaram ao poder sem projeto de nação para o presente
    e futuro do país, seu único projeto era perpetuar-se no poder, e enriquecimento
    da companheirada, ainda que desonestamente, haja vista o número de escândalos desse governo
    Não consigo compreender como morre no Brasil, principalmente crianças provenientes de doenças por subnutrição, tendo o Brasil super produção de grãos, um dos maiores rebanhos de
    gado. O ser humano se acostuma a tudo, menos passar fome.

  8. O comentarista acima se equivocou. O autor do artigo NÃO ESTÁ AQUI ENTRE OS COMENTARISTAS A DEFENDER SEU ARTIGO. Quem está aqui a defender o artigo desse banqueiro e político português neoliberal ligado à TROIKA ( Comunidade Européia, Banco Central Europeu e FMI) é o comentarista que trouxe o artigo para ser postado. Preste atenção aos adjetivos agressivos que ele lança em quem ousa divergir desse português.

Deixe uma resposta para Pedro Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *