Os cães de Alfenas e as crianças abandonadas

Mauro Santayana
(Hoje em Dia)
A Câmara Municipal de Alfenas, em Minas Gerais, aprovou lei que prevê o desconto de impostos municipais, como o IPTU, para pessoas que se dispuserem a adotar cães. E por que não fazer o mesmo – de preferência – com quem adotar uma criança ou idoso em situação de abandono? Muitos dirão que a culpa da miséria, no Brasil, é dos pobres, que fazem filhos demais. Se esquecendo, ou fingindo ignorar,  que  a nossa curva demográfica, já é, há anos, descendente,  e que a população brasileira tende a diminuir e envelhecer aceleradamente.
Um quadro que tornará difícil, se nada for feito,  substituir nossa força de trabalho nos próximos anos, deixando o país sem recursos para fazer frente, no futuro, ao aumento das despesas da Previdência Social e do número de aposentados.
O que dá origem ao crescimento do número de bebês e crianças em situação de abandono, hoje, é a falta de informação, a gravidez precoce e as drogas e a violência, com grande número de pais jovens  presos ou assassinados.
PATRIMÔNIO HUMANO
Cada criança que se encontra em um abrigo ou orfanato e que ali cresce sem uma família, é parte do patrimônio humano brasileiro. Mas a maioria sai dessas instituições, ao completar 18 anos, sem preparo, orientação ou trabalho, e vai engordar a fila dos moradores de rua ou da marginalidade.
Orientadas, treinadas, educadas, elas poderiam dar inestimável contribuição à nossa sociedade, caso houvesse estímulo  não para a adoção de cachorros, mas de pequenos brasileiros.
O que precisamos não é incentivar a adoção de cães, mas taxar rigorosamente a sua propriedade, e monitorá-los por meio de “chips”, punindo com pesadas multas quem os abandone. Se considerarmos o número de crianças que não são adotadas por causa da sua idade ou da cor de sua pele, a lei de Alfenas soa como um escárnio. Ou um insulto.
Um escárnio a todos os seres humanos, e  especialmente às crianças que se encontram ameaçadas pela fome, sede e doenças – como o ebola – em vários países do mundo.
Um insulto ao bom-senso, à lógica, à inteligência, quando se lembra que – com menos do que se gasta apenas de ração com um cachorro – é possível, por meio de instituições confiáveis, como os Médicos Sem Fronteiras, assegurar água potável e comida, por 30 dias, para uma criança, como os milhares de órfãos refugiados de guerras estéreis e injustas como as da Síria e da Líbia.
BICHO HOMEM
Com todos os eventuais defeitos que possamos ter, como indivíduos, os cães que nos desculpem, mas a prioridade maior de qualquer homem, mulher ou criança, deveria ser  com sua própria espécie – com a prática da solidariedade – na promoção da dignidade humana.
Se isso nos fosse ensinado nas escolas, e incentivado em nossa atitude e comportamento – inclusive com a isenção de impostos e outros benefícios – haveria menos estupidez, violência e egoísmo. E o mundo seria, certamente, outro.

18 thoughts on “Os cães de Alfenas e as crianças abandonadas

  1. Caro Jornalista,

    “Muitos dirão que a culpa da miséria, no Brasil, é dos pobres, que fazem filhos demais.”
    -A culpa da miséria não é dos pobres, o que não quer dizer que pobre faça pouco filho. Vez em quando ando na periferia do Distrito Federal e o que eu vejo deixaria qualquer um triste: dezenas de mulheres miseráveis (veja bem: eu disse miseráveis e não pobres!) com três, cinco filhos soltos na rua. O senhor acha que é barato criar e educar filho no Brasil?
    -Dia desses estava em uma barbearia quando chegou uma mulher (provavelmente mãe solteira) pedindo dinheiro para comprar gás. Disse que tinha oito filhos, que o mais velho estava com quatorze anos e que precisava comprar o gás porque o dono do lote onde morava não deixava fazer fogo no quintal para cozinhar… Veja a que ponto chegou a “guerra” dessa senhora contra a “curva demográfica”!

    CARO SANTAYANA, me responda agora, por favor:
    -O SENHOR ACHA QUE OS FILHOS DESSA SENHORA AJUDARÃO A COBRIR O DÉFICT DA PREVIDÊNCIA algum dia?
    -Ou será mais fácil AUMENTAREM O DÉFICIT, se enganchando em alguma bolsa ou APOSENTADORIA sem que para isso tenham contribuído, ou, mais provavelmente, formarão a FUTURA MASSA CARCERÁRIA ou, quando muito, os membros de alguma igreja evangélica?
    -O senhor acha as mães pobres que têm cinco, seis, oito filhos e os jogam na rua ajudarão a acabar com o déficit da previdência? O senhor acha que esses seres humanos, analfabetos, conseguirão um emprego decente para ajudar o país a crescer?
    -Essa criança da foto é filha de rico ou filha de pobre?

    “Mas a maioria sai dessas instituições, ao completar 18 anos, sem preparo, orientação ou trabalho, e vai engordar a fila dos moradores de rua ou da marginalidade. Orientadas, treinadas, educadas, elas poderiam dar inestimável contribuição à nossa sociedade, caso houvesse estímulo não para a adoção de cachorros, mas de pequenos brasileiros.”
    -Ora, jornalista, o senhor está certo, mas como esperar o Estado dê educação para quem está em orfanato quanto NÃO DÁ NEM PARA QUE ESTÁ NA ESCOLA pois só 11% dos estudantes que concluíram o ensino médio sabem matemática? No máximo dará uma cota e dirá “Se virem porque vocês não são quadrados”!!!

    -Quanto ao resto do texto, concordo com o senhor.
    Mas antes de cobrar comportamento ético do cidadão, que tem a liberdade de gastar o PRÓPRIO DINHEIRO como lhe der na telha, pois paga os maiores impostos do planeta, o senhor deveria cobrar comportamento ético dos governantes, que lidam com o DINHEIRO ALHEIO. A grandeza de um país não se mede pelo número de habitantes, mas pela qualidade de vida que eles levam.
    Finalizando, de que adianta a população ser jovem e não diminuir ao longo dos anos se ela for formada, majoritariamente, por jovens subempregados e analfabetos?

    Abraços.

  2. Ainda ontem vi nos telejornais que o IDH do Brasil, agora, está entre os melhores do mundo. E, aí, me pergunto: Porque este artigo do Santayana se no Brasil, não existem mais pobres pois agora todos são da classe média e o pleno emprego é a realidade? “Os miseráveis são coisas do FHC e foram extintos nos anos 2’000”. Os índices do IDH mostram que o Brasil é um país de pessoas, em maioria, com o segundo grau completo. Então, por que a discussão? Então, lembro de um livro que li pela primeira vez ainda jovem e que bem descreve o Brasil atual: Utopia de Thomas More. Afinal, quando abriremos os olhos para ver o Brasil como ele é e não como a lavagem cerebral está fazendo muitos verem?
    Quanto ao artido do Santayana dois comentários:
    1. Não existe nenhum país desenvolvido onde os cachorros andem soltos na rua. Na verdade, não existem cachorros de rua. E, a solução é uma só e os ambientalistas e protetores dos animais que me perdoem: Animais de rua, sem dono deveriam ser exterminados. Animais de rua, são os maiores transmissores de doenças como micoses, leptospirose, doença de Lyme, ancilostomose ou raiva.
    2. A pobreza é decorrente da falta de emprego, estudo e oportunidades. Então, quanta diferença entre a realidade e a propaganda oficial.

    E, para terminar: Excelente postagem do Francisco Vieira. Foi fundo na realidade.

  3. Ótimo texto do Mauro Santayana. Antes de condenar a mulher pobre por
    ter muitos filhos, é necessário entender que não tendo educação, sendo pobre ou miserável, sem recursos para compra de anticoncepcionais etc, não tem como não ter muitos filhos, salvo se ficarem proibidas de fazer sexo, que é a única alegria
    dos pobres. A pobreza, a falta de educação leva a mulher pobre a ter muitos filhos.
    O governo, é o maior culpado pela miséria e a fata de educação, com esse capitalismo
    selvagem em que poucos tem muito, e muitos tem pouco, (não sou contra o capitalismo
    empreendedor e progressista)
    Causa indignação ver cães tratados com alto padrão enquanto seres humanos vivem no abandono.
    É hipocrisia a excessiva defesa dos animais, não demora muito, são capazes de criarem o direito
    dos animais. Pode-se assistir o combate entre dois seres humanos, mas sendo pego assistindo um
    combate entre dois galos combatentes, será encaminhado a delegacia e autuado como criminoso.
    A sociedade abastada, tem mais preocupação com os animais, demonstrando seu lado bondoso e humano do que com os pobres humanos, estando do outro lado, sem conhecimento profundo do que leva os pobres a ter muitos filhos, fica fácil e simples resolver o problema: que não tenham
    tantos filhos.

  4. “Se hoje é o Dia das Crianças, ontem eu disse que criança… o dia da criança é dia da mãe, do pai e das professoras, mas também é o dia dos animais. Sempre que você olha uma criança, há sempre uma figura oculta, que é um cachorro atrás, o que é algo muito importante”.

    DILMA VANA ROUSSEF
    Presidente do Brasil e ex proprietária de lojinha de 1,99 (FALIDA)

  5. Mais um embuste do Sr. Santayana. Querer passar um problema de Estado, para o indivíduo resolver. Comparar adoção de crianças com a de cães é de imbecilidade ímpar. Não há paralelos entre os dois. Sr. Santayana, já que condena a adoção de cães, o sr. já fez sua parte e adotou uma criança?

  6. Caro Nélio,

    Por falar em animais, veja esta reportagem do Correio Braziliense:

    “O Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Distrito Federal (Ibram-DF) flagrou um abatedouro de suínos e bovinos do Núcleo Rural Ponte Alta, no Gama, que matava animais gestantes, prática ilegal segundo a Lei Distrital 4.060.
    De acordo com o Ibram-DF, o estabelecimento foi multado em R$ 5.608,40 e recebeu o prazo de 30 dias para a adequação de outras anormalidades identificadas, sob pena de nova multa e interdição das atividades.”

    -Será que esperavam que o proprietário do matadouro realizasse ultrassonografia nos animais fêmeas, antes destes serem abatidos?

    E isso aconteceu na mesma unidade da federação onde o idoso ficou por três dias internado sentado em uma cadeira por falta de leito. Me parece que as ALIENADAS autoridades moradoras da ILHA DA FANTASIA querem dar o direito de PRÉ-NATAL para os animais, enquanto negam esse direito às moças e senhoras da cidade!
    Como NADAM EM DINHEIRO e as suas filhas NUNCA ficaram na fila do Hospital de Base para uma consulta, tratam ANIMAIS COMO SERES HUMANOS e seres humanos como animais.

    Abraços.

  7. O desastre da conhecida pilantropia

    Fazendo uso de abstrato teste de honestidade, costumo perguntar o que faria a maioria das pessoas ao encontrar uma pasta com R$ 20.000,00, com cartões de apresentação do proprietário contendo endereço e telefones, “esquecida” em algum lugar de grande movimentação. A maioria não acredita que mais 15% devolveria a grana encontrada.
    Com base nessa “ferramenta estatística”, vamos ser bonzinho e acreditar que 30% do povo é gente honesta e ética, e tragicamente, o restante 70% seriam desonestos e sem ética alguma.

    Em semelhante ambiente de grande desonestidade, a conhecida pilantropia corre solta, de há muitas décadas. Todo mundo sabe disso. Para dar segurança aos que se dispõem contribuir para caridade (muitos e muitos), toda entidade de caridade deveria passar por contínua fiscalização de qualidade dos serviços prestados, bem como, da Polícia Federal – PF visando emissão de certificado de honestidade.

    O dia que os contribuintes voluntários tiverem a certeza que suas contribuições chegarão de modo eficiente aos necessitados, daí em diante, não mais faltará recursos algum para ajuda aos desfavorecidos de todos os tipos, idades e natureza. Muito óbvio e simples.

  8. Pela primeira vez eu sou obrigado a concordar – em tese – com Santayana, embora isso me lembre do rock-galhofa de Eduardo Dusek, “Troque seu cachorro por uma criança pobre”. Não é tão simples assim e depende muito mais dos governos – os quais há 12 anos seu Santayana apóia e ajuda a eleger – do que do povo.

  9. Só no Brasil, o mercado PET movimenta mais de R$ 11 bilhões, e a Igreja católica possui ouro, obras de artes milionárias, terras espalhadas pelo mundo, um patrimônio incalculável. Tanto o mercado de animais domésticos como o de almas sobrevivem por causa dos homens que cuidam dos animais domésticos e acreditam na caridade. Apesar das guerras, da escravidão, do tráfico de drogas, da ganância por riqueza o homem evolui.

  10. Prezado Renato

    Tendo em conta o selvagem e desonesto sistema capitalista, pai e mãe da miséria, terríveis sofrimentos, conflitos e guerras, no desespero das pessoas de fazer alguma coisa pelos necessitados, acabam fazendo a caridade. Agora, se isso conta ponto na contabilidade de nossa alma, na hora de São Pedro decidir, se vamos ou não, ser lançados nas eternas labaredas da fornalha do Capeta, nada se sabe. Acredite.

  11. Prezado Francisco Vieira, corretíssimo seu raciocínio, preocupam-se mais com os animais do que com os seres humano.
    Embora, lá no fundo da minha alma eu seja contra comer carne, eu como e gosto
    isso porque se nós não temos capacidade para dar a vida a um pinto, então
    não deveríamos tirar a vida de qualquer ser vivo.
    Acredito que aqui no planeta Terra seja o inferno, onde impera a maldade, a corrupção
    a riqueza, ainda que a custa de vidas humanas, a vaidade, o orgulho, egoismo etc.
    Acredito ainda que essa pequena passagem por aqui no inferno, que a maioria das pessoas,
    só percebe quando está próximo do fim, e que tudo passou como se fosse um sonho. É o que
    nós chamamos de vida.
    Um forte abraço

  12. Em 1984,tive a oportunidade de visitar a fábrica de CIEPS e o projeto em operação,a convite de Brizola aos diretores e gerentes da empresa em que trabalhava à época.

    Aos fatos:

    1-A causa primeira da população ser doente (vide filas intermináveis do SUS) está na equivocada (ou falta dela) alimentação.As pessoas adoecem porque se alimentam mal
    e de maneira venenosa.
    A população brasileira ( e mundial) está com excesso de peso por má alimentação.

    2-O projeto CIEPS de Brizola/Darcy (*) eliminou essa tragédia alimentar.

    3-Com a questão alimentar,assistência médica-odontológica resolvida,a EDUCAÇÃO
    e ENSINO teriam as condições rumo ao sucesso (sem o marxismo cultural,é evidente).

    PS:O que fizeram com o programa CIEPS: sucatearam.Um crime de lesa-pátria.

    4-Darcy Ribeiro,o folclórico comunista,disse certa vez: “Qual amimal (passarinho,cachorro,gato,porco,cavalo,vaca,boi,…) fica um dia sem alimentação?

    Nenhum respondeu Darcy.

    Onde ele queria chegar com essa metáfora? De que é inadmissível qualquer ser humano não ter como se alimentar.

    5-Comparando a tese de Darcy com esse movimento de adoção de animais,conclui-se:

    a) Os animais domésticos não podem ser demonizados.
    b) Milhões de crianças e idosos,tem nos animais domésticos
    (passarinhos,cães,gatos,…),a companhia e a fidelidade que não recebem dos humanos (seja familiar ou da sociedade).

    (…)

    Concluindo:A sociedade brasileira é composta em sua maioria por materialistas-existencialistas,”bagaços espirituiais”,egoistas,…,e sem a devida noção de importância
    das pessoas necessitadas.

    A solução: Não é pela via do estado populista (vide bolsas de todos os tipos).É pela via
    da geração de oportunidades fundamentada na educação,na cultura e na livre iniciativa.

    Uma sociedade liberal,onde o livre mercado é o propulsor da oportunidade e da prosperidade,e não,o estado assistencialista,concentrador,populista e gerador de milhões de dependentes pela sobrevivência.

    Não é possível o Estado ser distribuidor de benefícios sociais insustentáveis sem a economia geradora.

    A iniciativa privada é que gera o trabalho,o aprendizado,as oportunidades,para a prosperidade de cada um,segundo seus objetivos,esforços e dedicação.

    PS- Esta é uma verdade inquestionável que os esquerdistas-comunistas não admitem, porque a meta desses fraudadores é insana e criminosa.

    PS2: 80% dos que recebem o bolsa família (na verdade bolsa-voto) NÃO precisam de tal
    assistência.

    (*) Darcy Ribeiro (e Brizola de carona) aplicou o projeto de escolas de tempo integral,
    idealizada em 1950,em Salvador/BA,pelo educador Anísio Teixeira.
    Darcy e Brizola,criaram os CIEPS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *