Os cegos, mudos e surdos tecnológicos

Resultado de imagem para era digital charges

Charge do Glasbergen (Botoja News)

Eduardo Aquino
O Tempo

A vida nos é revelada pelos cinco órgãos dos sentido: tudo, absolutamente tudo, que sabemos sobre nós e o mundo que nos rodeia nos é revelado ao olharmos, ouvirmos, cheirarmos, degustarmos ou tatearmos. É assim que percebemos (nos damos conta) a realidade, tomamos consciência de nossa existência e deciframos o meio ambiente no qual estamos inseridos.

Por consequência, quanto mais ampliarmos nossas sensações, maior será nossa compreensão e mais amplo o horizonte de vida. Isso pode nos angustiar ou nos serenizar na condução existencial. Um exemplo gritante é a dos hiper-preocupados. Ao se tornarem monotemático em relação à sua preocupação, eles empobrecem sua percepção do mundo, distorcem a realidade, sofrem por antecipação, perdem o humor e vivem numa realidade negativista, sofrida, irreal. Perdem o prazer que nossas sensações nos proporcionam. Dormem, comem, vivem o “problema”, deixando escaparem todos os encantos da natureza e do meio ambiente que os circundam. Ficam cegos, surdos, mudos, inodoros, sem sabor, sem sentir o prazer, a satisfação, a recompensa de existir. Em sua dimensão paralela, o ato de viver é um peso, uma cruz, uma tormenta sem fim.

PREOCUPAÇÃO – Quer um moral da história? A preocupação é um inferno em vida ao nos roubar a alegria, o relaxamento, o sentido e os estímulos que estão disponíveis a cada instante na natureza, prendendo-nos numa cela solitária, escura e árida.

Como dizer aos filhos sobre a diversão que era brincar na rua e na chuva, fazer um patinete, um carrinho de rolimã e bola de meias, jogar bolinha de gude, bente altas? Tomar chuva no meio da pelada, jogar conversa fora na turma da esquina ou da escola? Paquerar com dificuldade incrível até roubar um beijo da musa da rua? Para tais experiências inesquecíveis e afetivas, precisamos de nossos olhos, ouvidos, nariz, paladar e tato, além de tempo, observação e curiosidade.

Tudo isso para alertar – e lamentar – crianças, adolescentes e adultos jovens sobre o quanto a tecnologia anda privando essas novas gerações da alegria, da emoção, do prazer em viver.

FAMÍLIAS MUDAS – Entristeço-me ao frequentar um restaurante e ver famílias mudas, cada qual envolto com seus smartphones – percebo o silêncio familiar, a falta da mesa de almoço, na qual, mesmo discordando, pais e filhos se comunicavam –, ou numa viagem de férias, os filhos, com seus fones de ouvido, quase explicitando sua negação ao diálogo.

Importante alertar que pesquisas recentes têm mostrado uma desativação e uma diminuição da capacidade cognitiva dos jovens. Em outras palavras, áreas nobres do cérebro responsáveis pelas funções de compreensão, julgamento, adaptação do indivíduo, construção de raciocínio e associação de ideias para se inserir ao mundo estão sendo prejudicadas pela passividade de nutrir de informações das redes, do Google e de similares. E pior: mais de 70% do conteúdo internáutico é falso e perigoso, pois direciona comportamentos radicais, negativos, mal-intencionados.

MUNDO REAL – Por isso, o alerta, para que possamos voltar a habitar o mundo real, sair das tocas eletrônicas, frequentar a natureza. Desligar, desintoxicar desse vício alienante. Quem se lembra daquela imagem dos três macacos, com as mãos nos olhos, nos ouvidos e nas bocas? Foi uma profecia do que estamos vivendo. Haverá um tempo em que entenderemos como harmonizar a tecnologia com as leis naturais. Não dá para aceitar crianças e adolescentes tão precocemente adoecidos por distúrbios comportamentais, depressivos e com um estresse que não era típico nos anos 90.

E pensar que eu sonhava em ir à praia, jogar vôlei, ver o sol nascer. Na minha infância e na juventude, não ouvia falar de estresse, depressão ou suicídio. A vida era diversão, amizade, contar histórias e mentirinhas, fazer zoações. Adoro contar histórias. “Era uma vez um mundo onde não havia estresse entre crianças…”.

5 thoughts on “Os cegos, mudos e surdos tecnológicos

  1. “E pensar que eu sonhava em ir à praia, jogar vôlei, ver o sol nascer. Na minha infância e na juventude, não ouvia falar de estresse, depressão ou suicídio.

    -Será que a infância do senhor Eduardo Aquino teria sido durante a DITADURA, época em que era possível deixar as crianças brincar na rua, nos parques e nas áreas públicas de qualquer cidade sem correrem o risco de serem assaltadas ou mortas por drogados?
    -Ou terá sido depois que os atuais “democratas” assumiram o governo brasileiro?

  2. As pessoas estão, pouco a pouco, tornando-se mais e mais objetos de consumo.
    E não conseguem enxergar o que lhes está acontecendo.
    Já entramos na 3ª geração de idiotas.
    Mundo líquido e sem sabores.
    Fallavena

  3. Aquino, Eu creio que as pessoas nascem com um destino encravado na alma. Herança dos pais e antepassados. Ninguém foge.
    Ninguém colhe o que planta. Fosse assim, o mundo seria mais justo.
    Eu pensava que a vida era um espelho do que a gente pensa e faz. Mas não é. A gente pode fazer o bem ou o mal e vai acontecer o que está escrito ao nascermos.

    “Ninguém foge ao seu destino,
    A sorte não cai do céu
    Já se traz de pequenino,
    A sina que Deus nos deu”
    Maestro Jaime Mendes, 1944 versos de “ninguém foge ao seu destino” em Canção da opereta Zé do Telhado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *