Os olhos verdes que enfeitiçaram o poeta Vicente de Carvalho

Vicente de Carvalho 

Paulo Peres
Site Poemas & Canções

O advogado, jornalista, político, abolicionista, fazendeiro, magistrado, contista e poeta paulista Vicente Augusto de Carvalho (1866-1924) afirma que os “Olhos Verdes” de sua amada são encantados e extrapolam sentimentos.

OLHOS VERDES
Vicente de Carvalho

Olhos encantados, olhos cor do mar,
olhos pensativos que fazeis sonhar!

Que formosas coisas, quantas maravilhas
em vos vendo sonho, em vos fitando vejo;
cortes pitorescos de afastadas ilhas
abanando no ar seus coqueirais em flor,
solidões tranquilas feitas para o beijo,
ninhos verdejantes feitos para o amor…

Olhos pensativos que falais de amor!

Vem caindo a noite, vai subindo a lua…
O horizonte, como para recebê-las,
de uma fímbria de ouro todo se debrua;
afla a brisa, cheia de ternura ousada,
esfolando as ondas, provocando nelas
bruscos arrepios de mulher beijada…

Olhos tentadores da mulher amada!

Uma vela branca, toda alvor, se afasta
balançando na onda, palpitando ao vento;
ei-la que mergulha pela noite vasta,
pela vasta noite feita de luar;
ei-la que mergulha pelo firmamento
desdobrado ao longe nos confins do mar…

Olhos cismadores que fazeis cismar!

Branca vela errante, branca vela errante,
como a noite é clara! como o céu é lindo!
leva-me contigo pelo mar… Adoante!
fímbria do horizonte onde te vais sumindo
e onde acaba o mar e de onde o céu começa…

7 thoughts on “Os olhos verdes que enfeitiçaram o poeta Vicente de Carvalho

  1. Velho Tema I

    Vicente de Carvalho

    Só a leve esperança, em toda a vida,
    Disfarça a pena de viver, mais nada;
    Nem é mais a existência, resumida,
    Que uma grande esperança malograda.

    O eterno sonho da alma desterrada
    Sonho que a traz ansiosa e embevecida,
    É uma hora feliz, sempre adiada
    E que não chega nunca em toda a vida.

    Essa felicidade que supomos,
    Árvore milagrosa que sonhamos
    Toda arreada de dourados pomos,

    Existe, sim: mas nós não a alcançamos
    Porque está sempre apenas onde a pomos
    E nunca a pomos onde nós estamos.

  2. Um amigo aproximou-se de Socrates e disse ter algo muito importante para lhe dizer. Socrates então lhe fez 3 perguntas: É algo verdadeiro, comprovado? É algo agradável para mim? É algo útil para mim? Ás 3 perguntas o amigo respondeu negativamente.
    Socrates então lhe disse: amigo, não percamos tempo com algo que não é verdadeiro, nem agradável nem útil. E foi assim que Socrates deixou de saber que sua mulher dormia com um companheiro seu!
    E é assim que faço para não ler os versos de Vicente de Carvalho que começa por afirmar que

    Só a leve esperança, em toda a vida,
    Disfarça a pena de viver, mais nada;

    Isso não é verdadeiro, é desagradável e também inútil. A vida não é feita de esperanças mas de projetos, de realizações, de aprendizado, de desafios, de paixões – ela é como uma saborosa salada que exige de nós um pouquinho de bom óleo de oliva e uma pitadinha de sal.

    • Tosen, eu acho que ninguém vive só de Esperanças, mas sem Esperança não se pode viver. A gente vive na espera de que algo de bom aconteça. Abs

      • Geraldo Vandré: Quem sabe faz, a hora não espera acontecer.

        Ralph Waldo Emerson: Once you make a decision, the universe conspires to make it happen.

        Voltaire: “Il faut cultiver notre jardin”.

        Significado implícito em Candide: devemos nos ocupar das coisas que podemos mudar, melhorar, em vez de esperar que elas aconteçam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *