Os polticos precisam acordar, porque a realidade grita no bolso e na frustrao dos brasileiros

TRIBUNA DA INTERNET | Brasil, o eterno pas do futuro do subjuntivo

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Carlos Alberto Di Franco
Estado

As pautas no esto dentro das redaes. Elas gritam em cada esquina. s pr o p na rua e a reportagem salta nossa frente. Essa percepo, infelizmente, a que mais tem faltado aos meios de comunicao. Os dirios perderam o cheiro do asfalto, o fascnio da vida, o drama do cotidiano.

Escrevo este artigo antes do encerramento das eleies municipais. Mas uma coisa certa, a recuperao da fora da mdia depende de uma providncia muito simples: sair s ruas, olhar a vida, fazer reportagem, fiscalizar o poder. S isso.

CIDADE ASSUSTADORA – Voc, amigo leitor, tem ido ao centro antigo de So Paulo? Faa o teste. um convite depresso. No existe Prozac que resolva. uma cidade assustadora: edifcios pichados, prdios invadidos, gente sofrida e abandonada, prostituio a cu aberto, zumbis afundados no crack, uma cidade sem alma e desfigurada pelas cicatrizes da ausncia criminosa do poder pblico.

E no um fato novo. A cidade de So Paulo foi demitida por seus governantes j faz um bom tempo. E ns, jornalistas, precisamos mostrar a realidade.

No podemos ficar refns das assessorias de comunicao, do marketing poltico e das maquiagens que falam de uma revitalizao que s existe no papel.

FAZER REPORTAGEM – Temos o dever de pr o dedo na chaga. Fazer reportagem. Escancarar as contradies entre o discurso de ocasio e a realidade cruel. Basta percorrer trs quarteires. As pautas esto quicando nossa frente. Jornalismo isso: mostrar a vida, com suas luzes e suas sombras. So Paulo, a cidade mais rica do Pas e um dos maiores oramentos pblicos, um retrato de corpo inteiro da falncia do Estado.

Tambm o Brasil, um pas continental, sem conflitos externos, com um povo bom e trabalhador, ainda est na banguela. Os servios pblicos esto deriva. Basta pensar na educao. A competitividade global reclama crescentemente gente bem formada.

Quando comparamos a revoluo educacional sul-coreana com a desqualificao da nossa educao, d vontade de chorar. A assustadora falta de mo de obra com formao mnima um gritante atestado do descalabro da Ptria educadora.

NMEROS CHAMATIVOS – Polticos sempre exibem nmeros chamativos. E da? Educao no prdio. Muito menos galpo. muito mais. projeto pedaggico. exigncia. liberdade. humanismo. aposta na formao do cidado com sensibilidade e senso crtico.

O custo humano e social da incompetncia e da corrupo brasileiras assustador. O dinheiro que desaparece nas cuecas e no ralo da delinquncia uma tremenda injustia, uma bofetada na cidadania, um cncer que, aos poucos e insidiosamente, vai minando a Repblica. As instituies perdem credibilidade numa velocidade assustadora.

Os protestos que em 2013 tomaram conta das cidades precisam ser interpretados luz da corrupo epidmica, da impunidade cnica e da incompetncia absoluta da gesto pblica. Havia, e continua presente, uma clara percepo de que o Estado est na contramo da sociedade.

NO H RETORNO – O cidado paga impostos extorsivos e o retorno dos governos quase zero. Tudo o que depende do Estado funciona mal. Educao, sade, segurana, transporte so incompatveis com o tamanho e a importncia do Brasil.

So padres de poltica em que a corrupo rola solta. A percepo de impunidade muito forte. O projeto de desmonte da Lava Jato, orquestrada pelos que ocupam gabinetes no andar de cima desta Repblica, comea a ficar muito evidente. Os polticos precisam acordar. A gordura dos anos de bonana acabou. A realidade est gritando no bolso e na frustrao das pessoas.

Campanhas caras, promessas surrealistas e imagens produzidas fazem parte da promoo de alguns polticos e governantes. Assistimos, frequentemente, a um show de efeitos especiais, coligaes esquizofrnicas e factoides capazes de seduzir o grande pblico, mas, no fundo, vazio de contedo e carente de seriedade. O marketing, ferramenta importante para a transmisso da verdade, pode ser transformado em instrumento de mistificao.

PAPEL IMPORTANTE – Ns, jornalistas, temos um papel importante. Devemos dar a notcia com toda a clareza. Precisamos fugir do jornalismo declaratrio. Nossa misso confrontar a declarao do governante com a realidade dos fatos.

No se pode permitir que as assessorias de comunicao dos polticos definam o que deve ou no ser coberto. O jornalismo de registro, pobre e simplificador, repercute o Brasil oficial, mas oculta a verdadeira dimenso do Pas real. Precisamos fugir do espetculo e fazer a opo pela informao.

As cicatrizes que desfiguram o rosto de So Paulo e o do Brasil podem ser superadas. Dinheiro existe, e muito. Faltam vergonha na cara, competncia e um mnimo de esprito pblico.

FAZER JORNALISMO – Jornalismo a busca do essencial, sem adereos, qualificativos ou adornos. O jornalismo transformador substantivo. Sua fora no est na militncia ideolgica ou na cobertura enviesada, mas no vigor persuasivo da verdade factual e na integridade da sua opinio.

No faamos jornalismo de espuma. Faamos reportagem. Informao arma da cidadania. Faz toda a diferena.

4 thoughts on “Os polticos precisam acordar, porque a realidade grita no bolso e na frustrao dos brasileiros

  1. Diz o jornalista:

    “ uma cidade assustadora: edifcios pichados, prdios invadidos, gente sofrida e abandonada, prostituio a cu aberto, zumbis afundados no crack, uma cidade sem alma e desfigurada pelas cicatrizes da ausncia criminosa do poder pblico”.

    Zumbis ? Vai dar PSOL, claro.

  2. O artigo do Sr Carlos Alberto Di Franco assustador pela sua crueza e negatividade, mas, infelizmente, realstico e atual, retrato desassombrado de uma realidade nacional desesperadora, que ele desenha com traos sombrios e precisos.
    A pauta e linha de trabalho que ele aponta para o jornalismo, seria uma das poucas alternativas de ao para sonhar com uma recuperao cvica e moral.

  3. Muito bom o texto, prezado Carlos Alberto. O que o Brasil mais precisa, desde que foi descoberto, de EDUCAO; com professores otimamente treinados, muito bem pagos e respeitados, alm de prdios projetados para a finalidade a que se destinam, e um currculo feito por professores altamente inteligentes e especializados, tudo isto dirigido por um Ministrio da Educao que seja mundialmente reconhecido pela excelncia. Mas, to cedo, isto no acontecer, porque no interessa aos polticos marginais que so eleitos pelo povo ignorante.
    Aos que nos governam, no interessa eleitor esclarecido pois, nesse caso, eles no seriam eleitos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.