Overdose de ignorância tenta ressuscitar Getúlio Vargas com “herói da democracia”

O politicismo vulgar não compreende que Getúlio Vargas construiu uma nação vargas

Getúlio tinha muitos méritos, mas comandava uma ditadura

J.R. Guzzo
Estadão

As manifestações de rua contra o presidente Jair Bolsonaro e a favor de valores democráticos têm sido, também, uma oportunidade para a prática impune da violência, a exibição de ignorância em volumes industriais e a pregação de propostas que defendem exatamente o contrário do que pode pretender um manifestante bem intencionado – como, por exemplo, a louvação em cartazes, bandeiras e palavrório, da pior ditadura que o Brasil já teve.

Para espanto geral, a última concentração de rua ressuscitou, como herói do povo brasileiro e do “campo progressista”, ninguém menos que Getúlio Vargas.

HEROI DA DEMOCRACIA – Boa parte dos manifestantes nem sabe quem foi Getúlio; no máximo, é mais uma figura chata que os professores elogiam nas salas de aula, quando há aulas. Mas eis aí o homem outra vez, encarnando de novo uma das mentiras mais grosseiras da história do Brasil – a de que foi um herói da democracia, dos pobres e do progresso.

Getúlio chegou ao poder por um golpe de Estado, em 1930; em 1937 criou uma ditadura, mais agressiva e descarada que a do Ato Institucional nº. 5, que durou até ele ser derrubado em 1945. (Hoje, defender o AI-5 é considerado crime “contra a democracia”; defender o golpe de Getúlio é um gesto de “progressismo.”)

Em seu governo, uma ditadura primitiva chamada “Estado Novo”, Getúlio comandou uma repressão política feroz, mandou sua polícia secreta torturar, matar e exilar gente, censurou a imprensa como nenhum outro regime (no caso de o Estado de S. Paulo, simplesmente expropriou o jornal e nomeou interventores para dirigir suas operações), apoiou o nazi-fascismo e não realizou uma única eleição.

PERGUNTA-SE – Como Getúlio pode aparecer em manifestações de rua, agora, transformado em santo padroeiro das lutas populares, da “esquerda” e dos que querem salvar o Brasil dos regimes totalitários?

Não houve uma única cobrança a respeito. O ministro Alexandre de Moraes e seus inquéritos contra “atos antidemocráticos” não deram um pio. Os comunicadores houveram por bem não comunicar nada de útil a respeito.

É o Brasil de hoje. Cartaz a favor do regime militar de 1964 é crime. Cartaz a favor da ditadura de Getúlio e do seu Estado Novo é apenas uma homenagem à uma “figura histórico”, como o Duque de Caxias ou o Regente Feijó. Está valendo tudo, cada vez mais.

10 thoughts on “Overdose de ignorância tenta ressuscitar Getúlio Vargas com “herói da democracia”

  1. Overdose de mentiras e distorções jamais superam a verdade.
    No artigo há muitas acusações sem precisar datas, locais, e números. Tudo negativamente adjetivado. Mas vamos a fatos substantivos:
    Criou e implantou as leis trabalhistas. Criou e implantou a previdência Social. Criou e implantou a Petrobrás. Criou e implantou a CSN.
    Por que será que foi eleito e reeleito diversas vezes? Foi deputado federal por 4 Estados?
    Não tem como apagar estes FATOS.

  2. Getúlio foi um ditador, mas também fez grandes coisas pelo país (e pelo povo).

    O maior valor do SM ocorreu no seu governo, a infraestrutura que não existia, também.

    Talvez Guzzo, que parece ser um representante da elite dominante, não goste de governos que deem um pouco mais ao povo.

  3. Antes de Vargas,imperava o capitalismo pastoril.

    Senhor Guzzo, esqueceu a carteirinha na FENAJ.
    Virou torcedor
    fanático.
    Mas, cadê as obras?
    cadê a intervenção em favor da sociedade?

    Cadê o fim das mamatas ?

    Cadê as vacinas superfaturadas que não chegaram…

  4. Getulio livrou o pais do caudilhismo ao extinguir a bolorenta República Velha. Esmagou um levante comunista em 1935 e um levante integralista em 1938. Fundou a Companhia Siderúrgica Nacional, a Companhia Vale do Rio Doce, dentre outras realizações. Estabeleceu a CLT, livrando os trabalhadores de um regime que, antes era praticamente uma semiescravidão. O medíocre articulista é defensor da democracia? Mas se dói todo ao ver 1964 sendo atacado, por isso escreve um texto de DCE de fundo de quintal com meias verdades sobre Getúlio para defender 1964.

  5. Esse tal de Guzzo é um analfabeto por parte de pai e mãe. Getúlio foi um ditador sim. Mas um milhão de bolsonaros não conseguirão chegar nem aos pés dele. Te enxerga moleque maldito! Tu não és nada, A única coisa que possuis são as fezes de que é constituído o teu cérebro !!!

  6. Aqui no Brasil a direita-liberal e a esquerda, ambos norte-americanizados e entreguistas, tem isso em comum: ambos odeiam Getúlio Vargas!

    Então se esses ideologos de araque odeiam o “velhinho”, eh sinal de que ele foi um grande brasileiro.

    VIVA GETULIO VARGAS!

  7. Meu pai, contramestre de fundição na industria de tecelagem, minha mãe doméstica com ensino incompleto no Instituto de Educação.
    ‘O Jornal’ todo domingo era sagrado.
    Minha mãe passa chorando por mim e meu irmão, hum ano mais novo. Meu irmão me pergunta: Porque mamãe está chorando?!!! Repasso a pergunta à minha mãe e ela: “Mataram nosso Presidente”.
    PS: O nome de meu irmão era Getúlio Pereira.

  8. O cara se esquece de que Vargas foi julgado pelo povo em 50, sendo eleito com 49 por cento. O povo e a historia o absolveram. E muitos dizem que a legislacao social e trabalhista enfraqueceu sobremaneira o comunismo no Brasil.

  9. o TEXTO quer comparar dois períodos historicos

    O período Vargas não tem nada positivo
    parece um texto da década de 50

    E o regime militar é defendido,
    os efeitos da período são sentidos até hoje

  10. “A história republicana brasileira, de um modo geral, é dividida por nossos historiadores em dois grandes momentos: antes e depois da Era Vargas, que, por sua vez, se constituiria em um período de transição e de construção de um Brasil moderno, urbano e industrial. “

    Getúlio comandou o Brasil na década mais atordoada do planeta, mais confusa e perigosa, ao mesmo tempo, os anos 30.
    O Brasil era subdesenvolvido.
    O povo pobre, analfabeto, tinha de conviver com conde e barões de uma oligarquia egoísta e conservadora.
    O sistema que garantia as eleições era a política do café com leite, impostas por Minas e São Paulo na alternância do poder desde 1.898, com a eleição de Campos Sales, também conhecida como República Velha (1.889-1930).

    O problema é que falar na era Vargas não se tem condições nenhuma em tão pouco espaço, como em um blog, por exemplo.
    Ou contextualizamos os fatos, episódios, Revoluções de 30 e 32, Estado Novo, Integralismo, Intentona Comunista, Nacionalismo de Vargas, mudanças na política social … ou qualquer texto a respeito será incompleto, logo, as informações postadas não estarão representando a verdade sobre Vargas.

    O autor do artigo em tela cometeu esse grave deslize, de analisar uma das situações da ditadura de Getúlio, deixando de lado que foi o gaúcho que introduziu o Brasil no Século XX, mesmo com os acontecimentos de relevância incomparável na década de trinta em nível mundial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *