Pacote para estimular economia de nada adianta, se os juros continuarem altos

O custo BC

Publicado em Economia

O presidente Michel Temer anuncia hoje um pacote com o intuito de proteger e estimular a criação de empregos, mas de nada adiantarão as medidas se o país não resolver um problema estrutural: as altas taxas de juros. O que se vê hoje é um descompasso enorme entre as ações que vêm sendo tomadas pelo Planalto e o Ministério da Fazenda para reanimar a atividade e o movimento seguido pelo Banco Central. Sob o comando de Ilan Goldfajn, a autoridade monetária está impondo um custo enorme à economia, pois assiste, impassível, ao derretimento da produção e do consumo.

 

Por excesso de cautela — muitos do governo falam em covardia —, o BC vem segurando, além da conta, a taxa Selic, que está em 13,75% ano. Quando descontada a inflação, os juros reais passam de 8%. Não há economia que consiga sair de uma recessão profunda como a brasileira com um custo tão elevado do dinheiro. Por mais que os empreendedores queiram se arriscar, o preço da oportunidade inviabiliza qualquer aventura. Pior: os juros elevadíssimos tornam as dívidas de empresas e das famílias quase impagáveis. Não será surpresa se, nos próximos meses, uma onda de quebradeira varrer o país.

 

O discurso do BC de Ilan é que o momento exige cautela e a missão do banco é levar a inflação para o centro da meta, de 4,5%. Diante da gravidade da recessão, os preços estão desabando. O risco é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficar abaixo do objetivo fixado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 2017. O BC pode errar feio, transferindo uma fatura pesada demais à sociedade. A instituição já deveria ter acelerado o passo no corte da Selic no fim de novembro, quando ficou claro que, em vez de se recuperar, a economia havia afundado ainda mais. Preferiu, no entanto, reduzir a taxa básica em apenas 0,25 ponto percentual.

 

Arrogância

 

Dentro do governo, já se diz que Ilan está presidindo o Banco Central da Suécia, e não o do Brasil. Os mais críticos veem o comportamento do presidente da autoridade monetária como arrogante, por ignorar os sinais de socorro emitidos pela economia. Muito dizem que ele está mais preocupado com sua imagem. Não quer, de forma alguma, ser comparado a seu antecessor, Alexandre Tombini, que foi usado pela ex-presidente Dilma Rousseff para viabilizar a política suicida de baixar juros por meio de canetadas. O resultado, como se sabe, foi a volta da inflação.

 

ilan, porém, pode carregar sobre os ombros a culpa de ter levado o Brasil a registrar, em 2017, o terceiro ano seguido de recessão, algo inédito na história do país. Será acusado, também, de empurrar um número ainda maior de brasileiros para o desemprego. Certamente, ele está ciente dos riscos que corre. O problema é que os excessos dele serão pagos por todos. Manter o país no atoleiro tornará o governo do qual ele participa mais fraco, empurrará mais empresas para a falência e impedirá que famílias possam satisfazer necessidades básicas de consumo.

 

Não se trata de nenhum exagero. A cada indicador divulgado, o aprofundamento da recessão fica mais claro. Isso vale, inclusive, para a inflação. O IPCA-15, prévia do índice oficial, cravou alta de apenas 0,19% em dezembro. Foi a menor taxa para o mês desde 1998. Um custo de vida nesse nível é ótimo, mas não a um preço tão alto. “Estamos vendo um BC desconectado da realidade. Reconheço a competência técnica dos atuais diretores, mas eles não podem ficar mais preocupados com os currículos do que com o país”, ressalta um ministro muito ligado a Temer.

 

Defesa

 

O que está provocando mais indignação é que todos — inclusive o presidente da República e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles — esperavam que Ilan anunciasse, na última terça-feira, um pacote de medidas para destravar o crédito e aliviar a vida de empresas e famílias endividadas. O BC, contudo, se limitou a lançar um pacote de intenções, sem nada de concreto. Como não tinha muito a dizer, Ilan recomendou aos jornalistas que estavam na entrevista coletiva que fossem conhecer Jackson Hole, uma cidade dos Estados Unidos na qual presidentes de bancos centrais costumam se reunir. “É um lugar lindo”, disse o chefe da autoridade monetária entre risos e indignação dos presentes.

 

Os defensores de Ilan afirmam que há muita má vontade dentro do governo em relação ao BC. Alegam que a política monetária está sendo conduzida de forma responsável, justamente para corrigir os enormes erros que foram cometidos pelos governos voluntaristas que antecederam o de Temer. “Se a inflação está desabando, isso se deve ao excelente trabalho executado pelo BC. Com inflação não se brinca. Foi o seu descontrole de destruiu a confiança e minou a economia. Tenhamos, portanto, juízo ao falarmos do Banco Central”, ressalta um integrante da equipe econômica.

 

A aposta é que, a partir de agora, com garantias seguras de que a inflação está convergindo para o centro da meta, o BC promova cortes mais fortes na taxa Selic. Há quem acredite, dentro do governo e nos mercados, em queda de 0,75 ou de um ponto percentual nos juros na reunião de janeiro do Comitê de Política Monetária (Copom). Apesar de, efetivamente, a redução da Selic demorar até nove meses para ter impacto na economia real, haverá o efeito psicológico. Os empresários tenderão a retirar projetos de investimentos das gavetas e as famílias, a se sentir mais confortáveis para comprar.

 

“Todos estão muito ansiosos para que o país saia da recessão. Isso vale para o Planalto, para a Fazenda e para o próprio BC. Mas não dá para queimar etapas”, diz um graduado técnico da autoridade monetária. O importante, destaca ele, é olhar para todos os avanços dos últimos meses. O governo conseguiu aprovar no Congresso a revisão da meta fiscal de 2016, o Orçamento de 2017, a Emenda à Constituição que limita o aumento dos gastos públicos por até 20 anos, as mudanças nas regras do pré-sal, a Desvinculação de Receitas da União (DRU), a Lei de Telecomunicações. “É muita coisa. Temos que ter em mente que a queda mais forte dos juros será uma consequência natural desse movimento”, conclui.

14 thoughts on “Pacote para estimular economia de nada adianta, se os juros continuarem altos

  1. Coragem BACEN!!!

    Já estou posicionado para surfar na onda de queda dos juros.

    Faça a alegria de milhões de trabalhadores investidores.

    A questão é estrutural.

    Não há nada a Temer!

  2. Selic a 1,15% ao mês com o juros de 0,67% e as contas de energia, combustíveis, comunicações e demais produtos com 100% ou mais de indiretos atingindo a todos, miseráveis, desempregados, trabalhadores que não recebem em dia, é a maior injustiça reconhecida por 99% da população,…. e?

    Só queria entender!!!!

  3. Lembro bem da queda de juros na canetada em 2012.

    Tempo de fazer dinheiro fácil nos títulos pré fixados.

    Assim como os juros, Dilma caiu, para a riqueza de quem soube aproveitar o movimento. Mas, infelizmente, a grande maioria dos nacionais ficou com a pior parte e segue perdendo com Temer.

    Mas a segunda queda, mesmo com Gilmar e Toffoli como advogados-“ministros”, será ainda mais bonita que a primeira, para os mais ricos e hábeis em finanças.

    Para a maioria: deseducação, inclusive financeira, endividamento, desemprego e trabalho perpétuo.

    Assim Temer e grupos de parlamentares pluto e cleptocráticos serão lembrados.

  4. Os Países da América Latina Brasil incluso, sempre se destacaram por terem seus Governos gastando bem mais do que Arrecadam, gerando Deficit e Endividamento crescente, operarem sempre em Deficit do Balanço de Pagamentos, ( o que implica que sempre mais Riqueza está saindo do que entrando no País), operando portanto em Duplo Deficit.

    A exacerbação desse desequilíbrio Macro-Econômico, como vinha acontecendo no último Governo, conduzia a perda de CONFIANÇA, aumento de Juros, fuga de Capitais, crescimento da Inflação, terminando em Híper-Inflação.

    Nenhum País mostrou claramente isso do que a Argentina, País rico já no início do Século XX, Renda perCapita maior do que a França, com Metrô inaugurado em +- 1920, beneficiada de grande afluxo de Imigração Europeia, por má administração Macro-Econômica, faliu várias vezes. O Brasil evitou os erros maiores Argentinos, agora Venezuelanos, etc, mas também não acertou.

    É uma tragédia que tenhamos que fazer as correções em plena Recessão, e para isso precisamos “defender os DESEMPREGADOS”.

    Mas o Banco Central tem que ser Prudente uma vez que se ele errar a mão, perde-se imediatamente a CONFIANÇA e volta a INFLAÇÃO com força. É muito melhor uma recuperação lenta,gradual e segura contínua, do que fazer uma Recuperação “dente de serra”.

    Gostemos ou não do Presidente do Banco Central Dr. ILAN GOLDFAYN, a meu ver ele está fazendo o certo.

    • Será mesmo que “está fazendo o certo” Bortolotto?

      Custo a acreditar nessa “ótica” sempre que “me lembro” do seu “empenho” em nos levar de VOLTA cerca de 40 anos ao propor que o BRASIL volte a IMPORTAR PAPEL MOEDA, . . .

      Não passa de mais um TRAIDOR, APÁTRIDA incrustrado no “mercado financeiro” praticando COMÉRCIO especulativo, empenhando-se em GARANTIR LUCRO$ e PATRIMONIALIZAÇÃO de nossas riquezas para seus “primos”, de forma descarada para quem tenha entendimento, e apoiado pela rêde de especuladores usurpadores, da plutocracia que representa os interesses . . . prioritariamente.

      Essa jogada da IMPORTAÇÃO DE NOSSO PAPEL MOEDA, endossada pelo próprio TEMER, colocou em suspeição qualquer iniciativa que esse governo apresente sob a rubrica de “proposta para a retomada do crescimento” ! ! !

  5. Prezado Bortolotto,

    Entendo como “temerária” sua restrição do “campo de análise” sobre essa questão, uma vez que ela trata da atuação POLÍTICA no gerenciamento de nossos recursos econômico-financeiros.

    Analisar os fatos exclusivamente por “campos de visão estritos” desprezando conscientemente a “visão periférica” sobre o tratamento que está sendo ministrado ao nosso dinheiro não me parece uma forma que assegure bons resultados!

    Ele não está lidando exclusivamente com UM ativo ‘marginal’, . . . ele está lidando POLITICAMENTE com a RIQUEZA da nação. E , se a experiência deve servir para se evitar a repetição de erros, é o momento de lembrar que a petralhada se fartou de criar critérios incompreensíveis, foi para gerar ‘oportunidades’ para ‘seus pares’ e associados se beneficiarem pelos corredores do poder, nos quais o ‘Dr. Ilan’ começa a transitar da mesma forma agora ao gerar ‘incompreensão e questionamentos’ em sua própria equipe de governo . . .

    Portanto, é de bom alvitre que o ‘acompanhamento’ das medidas SEJA monitorada e conferida passo a passo, antes que ‘repentinamente’ venhamos a verificar que a pilantragem “só mudou de endereço”, e os prejuízos à nação voltem a se acumular . . .
    Forte abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *