Pandemia volta a assustar o mundo, mas 25 milhões de brasileiros recusam-se a tomar a segunda dose…

Casos disparam na Áustria e na Alemanha

Áustria, Alemanha e outros países descuidaram da vacinação

Vicente Limongi Netto

Recolho do Correio Braziliense de domingo ( dia 21) uma  memorável  alegria e uma avassaladora e inevitável preocupação. A boa nova, ao ler Ana Dubeux exaltando a deusa das letras e do jornalismo, nossa amada e doce mestra Dad Squarisi, que próximo dia 27 lança novo livro, “Maravilhas de Brasília”.

E a preocupação, que passou a incomodar meu coração, veio por conta do oportuno editorial “Pandemia dos não vacinados”. O texto salienta o recrudescimento da Covid na Europa e o temor do jornal e da Fiocruz, assim como a mesma inquietação de milhões de cidadãos, para o risco das flexibilizações “equivocadas com a proximidade das festas de fim de ano, férias e carnaval”. 

Pelos números oficiais, 25 milhões de brasileiros ainda não tomaram a segunda dose. Em Brasília, são 300 mil pessoas sem a segunda aplicação. Santo Deus! É inacreditável tanto desleixo e irresponsabilidade. Pensam (foi mal) que a pandemia acabou.

Melancólica síntese: o virus da covid vibra com a estupidez do brasileiro. Já providenciou fantasias diferentes para o carnaval. Nada de máscara, mas bastante confete e serpentina. Oremos.

O CLAMOR DAS RUAS – “Tem uma moeda aí, tio?”. É o clamor sofrido das ruas. Vindo de crianças, adultos e adolescentes. Mãos estendidas. Caixinhas e latas de leite compõem o cenário frio, humilhante, melancólico. Vozes trêmulas. Pés descalços. A fome anunciada pelos olhos tristes.

É o Natal chegando. Significa esperança de ganhar algum trocado para comer. Quem sabe, um natal menos amargo e dolorido. As “caixinhas” também são vistas em balcões de lojas, padarias, lavanderias, papelarias e bancas de jornais. Embora empregados, ninguém se acanha, o dinheiro é curto. Caixas e latas marcam a linha da fome e da miséria. Andam juntas.

A fome não tem hora para chegar.  Semáforos, estacionamentos, portas de bares, restaurantes e de lanchonetes, fazem das caixinhas e latas o porto da esperança. Esperando a caridade de bondosos corações.

ENEM PARA CANDIDATOS – O Tribunal Superior Eleitoral deveria exigir que os sabidões pré-candidatos à Presidência da República, façam o ENEM. O índice de reprovados seria avassalador.

A propósito, o aplicativo do PSDB foi criado (Newton, a grafia é essa???) por bolsonarista, petista, morista ou cirista? Na dúvida, a tucanada deveria pedir socorro ao gênio Fernando Henrique Cardoso, que imediatamente ofereceria uma solução liberal e  privatizante para resolver a trapalhada das prévias do partido. Francamente, foi (e ainda é) um vexame.

10 thoughts on “Pandemia volta a assustar o mundo, mas 25 milhões de brasileiros recusam-se a tomar a segunda dose…

  1. Caro Limongi, bom dia!
    O problema maior é que dos 25 milhões além de não se vacinarem, muitos desses são pais que se julgam no direito de privarem os filhos da vacinação, logo, uma ação contrária ao ECA, no direito às crianças e aos adolescentes de proteção à saúde e à vida.

    Mas outras questões seriam muito importantes serem abordadas.
    Parece haver falta de transparência, de planejamento e coordenação das autoridades públicas quanto à estratégia de vacinação.
    O resultado disso, acredito, seja o principal responsável em parte por difundir certo ceticismo com relação à vacina.

    Veja a questão da transparência da estratégia de vacinação por idade e grupos de risco. Uma bagunça!

    Vacinas de fabricantes diferentes sendo ministradas sem um critério razoável de acordo com faixa etária e riscos.

    Se a população mais jovem tem menos chances de desenvolver casos graves e internação, por que ministrar vacinas da Pfizer, Janssen (mais caras) nas menores faixas de idade ???

    Veja ainda o caso da AstraZeneca que no próprio país fabricante (Reino Unido) não mais é ministrada na população de faixa etária até 40 anos devido ao surgimento de coagulos. Desde então a ocorrência relacionada ao problema foi zerada.
    (Fonte: https://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2021-08/restricao-de-idade-para-astrazeneca-zera-coagulos-raros-diz-estudo)

    • Você está muito arteiro com suas interpretações fazendo verdadeiro carnaval com o que eu disse.

      Primeiro. O que eu quis dizer é que país não tem propriedade sobre os filhos.
      Nem aqui (pelo ECA mas também pela CR/88) como também não (acrescentando) no Reino Unido de direita (Boris Johnson), na França de direita (Macron) ou na Alemanha de direita (Merkel) em todos esses pais são chamados à escola para explicar ausência dos filhos e podem ser presos até, como ocorre em casos que não querem que seus filhos frequentem aulas de educação sexual.
      Mas para bípede s vesgos e obtusos isso tudo que afeto à geração de direitos fundamentais é coisa da esquerda… enquanto a própria história ensina que foram os liberais e os progressistas.

  2. Prefeitura de São Paulo planeja carnaval de rua sem restrições em 2022. O prefeito de São Paulo Ricardo Nunes (MDB) disse nesta segunda-feira (4) que o carnaval não deve ter restrições sanitárias devido a Covid-19. O planejamento para o evento já começou e a prefeitura estima a presença de 15 milhões de pessoas.04/10/2021

    Prefeito de SP promete Réveillon, Carnaval e Lolla para 2022

    https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades/prefeito-de-sp-promete-reveillon-carnaval-e-lolla-para-2022,263d1853fc9bb582736dc7a936b0f09fgmqa2imu.html

    • Será que os tucanalhas-corruptos estão preocupados com a pandemia.?

      O próprio Médico-Ator da Rede Goebbels, já disse que é melhor não “fazer o Carnaval”…

  3. Não esqueçam que grande parte desses não vacinados quer a vacina, mas não tem oportunidade de tomar.
    Muitos estão presos e explorados por seus patrões, sem liberdade para irem a um posto e, quando vão, depois de enormes filas, ou são impedidos de entrar no posto por incapacidade logística de atender a todos que aguardaram horas e horas na fila ou tardiamente são avisados que está faltando vacina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *