Panorama para 2017 é de dificuldade e apreensão política e social

Charge do Oliveira, reproduzida do Diário Gaúcho

Pedro Coutto

O pronunciamento do presidente Michel Temer – reportagem de Junia Gama, Isabel Braga, Eduardo Bressiani e Bárbara Nascimento, O Globo, edição de sexta-feira – não foi dos mais otimistas para a população brasileira ao longo do ano de 2017 que chega à alvorada. Principalmente porque a previsão é que o mercado de emprego comece a se recuperar a partir do segundo semestre somente após ocorrer na primeira etapa um acréscimo do número de desempregados. É claro que medidas econômicas não podem surtir efeito imediato, mas é preciso levar em conta que os desempregados não podem esperar. Afinal de contas como poderão viver e chegar ao mercado mínimo de consumo? Este fato, sem dúvida, carrega a atmosfera de pessimismo.

Será dentro desta atmosfera e desse contexto que vão ser debatidas as reformas da Previdência Social da Lei Trabalhista e também a alteração do sistema tributário. Serão lutas difíceis que pelos seus efeitos traumáticos exigiriam uma atmosfera mais amena. Ao contrário. A atmosfera está sobrecarregada pelos temores de uma crise social.

A verdade é que o desenvolvimento só pode retornar com uma política de incentivo ao consumo e à produção. O que não se percebe no projeto do governo. Me refiro ao projeto global voltado para o país que é formado, acima de tudo por 204 milhões de habitantes que enfrentam as dificuldades do dia a dia e ainda por cima, como se está vendo claramente, não podem contar com os serviços básicos para os quais contribuem com descontos em seus salários e seu trabalho.

MAIOR EXEMPLO – O estado do Rio de Janeiro é um dos exemplos mais fortes desses obstáculos, como se observa continuamente nos meios de comunicação. A reforma tributária só pode estar voltada, é claro, para aumentar a receita. Mas para aumentar a receita, antes de mais nada, impõe-se a cobrança de dívidas acumuladas ao longo do tempo. Sobretudo porque fala-se em cortar despesas, embora o governo tenha liberado recursos para as emendas parlamentares. Mas não se fala em aumento de receita, quando este é o fator mais importante sobretudo porque permanentes.

Cortes sem analisar seu conteúdo, não podem ser praticados continuamente, uma vez que os salários de forma alguma podem desaparecer do cenário econômico e social. O que precisa desaparecer do cenário econômico e social é a corrupção que devastou o Brasil na última década. Quanto à sua esterilização o presidente Michel Temer, infelizmente não fez qualquer referência.

MAIS DELAÇÕES – Ao lado dos projetos de reforma previdenciária e trabalhista prosseguirá a avalanche das delações da Odebrecht agora em dimensão até maior conforme, destaca a revista Veja que está nas bancas. Será difícil que deputados e senadores atingidos pelas delações possam votar pela aprovação de cortes de direitos sociais.

Enfim, este é o panorama que hoje se desenha para o ano que começa, reflexo da tempestade chamada LavaJato que desabou em 2016. As soluções para todos esses dilemas não serão fáceis. Pelo contrário, dificílimas.

5 thoughts on “Panorama para 2017 é de dificuldade e apreensão política e social

    • É o Ano do Galo, Antonio. Ano do Galo é ano duro…. Será necessário trabalhar muito para viver. Risco de desemprego(Cruz credo). O dinheiro não cairá do céu… O galo “não brinca” com a desordem. Reação! Abundância de uniformes em nome da ordem, mas, enfim, por prazer. Paradas militares. Condecorações. Perigo e abusos. Período favorável às carreiras militares… É o momento de convocar a Legião de Honra…Em Horóscopo Chinês, Editora Zoom, p. 88

  1. Dificuldades para o povo brasileiro, mas para os Santos não vai ser um ano díficil, aliás, vai ser bem gordinho como todos os outros, recheados com propinas da Odebrechi$.

    “Para cada US$ 1 milhão pago em propinas a políticos e funcionários públicos brasileiros, a Odebrecht lucrava 4x mais esse valor ”

    PS.1.Por falar nisso, será que é por isso que a Obra Faraônica do Rodoanel, com o sugestivo apelido de ROuboAnel não acaba nunca.?

    PS.2. Tem uma Famíglia de Tucaníferos que devem dar pulinhos de alegrias nestes dias, mais de 800 mil carros já desceram o Complexo da Imigrantes……
    Os cofres dos Pedágios não vão fazer dietas neste final de Ano…….

  2. O venerando colunista degringolou de vez, sequer tem opinião própria mais. Emite suas opiniões a partir do Globo (panfleto histórico da velha e venal direita tupiniquim) e da , como diz o jornalista Hélio Fernandes, “sujíssima _veja”. Dizer ainda, q a corrupção do Brasil é apenas da última década, corrobora um atestado de irresponsabilidade jornalística e de senilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *