Papa Francisco anuncia a maior reforma da Igreja Católica de todos os tempos

Papa Francisco lança consulta popular sobre futuro da Igreja Católica

Pedro do Coutto

Ao rezar na manhã de domingo a missa da Basílica de São Pedro, o Papa Francisco anunciou que levará à frente o maior processo de consulta popular da história da Igreja Católica para adaptá-la aos novos tempos. O processo baseia-se num plebiscito gigantesco através do qual poderão ser ouvidos 1,3 bilhão de católicos a respeito do futuro da Igreja.Todos os católicos poderão votar e as mudanças mudarão as estruturas de poder do Vaticano.

O plebiscito, que assim pode ser chamado, será realizado ao longo de dois anos, contados a partir deste 2021. Na minha opinião, será também a maior reforma da Igreja Católica depois da implantada pelo  Papa João XXIII, na qual o Vaticano reconheceu que o ser humano deve se realizar tanto no céu quanto na Terra. A Encíclica de João XXIII abordou também o tema social, desdobrando-se numa outra importante iniciativa, propondo a união da população com o Congresso.

GRANDES REFORMISTAS  – João XXIII e o  Papa  Francisco são os grandes reformistas da Igreja Católica. Na manhã de domingo, na Praça de São Pedro, Francisco indagou: “estamos prontos para a aventura ou estamos com medo do desconhecido, preferindo o refúgio nas desculpas habituais ? Mas não vamos isolar os nossos corações, não vamos nos abrigar em nossas certezas”, acrescentou.Vários pontos serão debatidos: ordenamento de mulheres, o divórcio, o celibato e também os relacionamentos homossexuais. Serão pontos essenciais da reforma para que a Igreja contenha a perda de fiéis, inclusive acentuada pelos escândalos de abusos sexuais e corrupção cometidos por uma estrutura que pouco mudou através dos séculos.

Da mesma forma que os conservadores que em 1958 se opuseram a João XXIII, os conservadores de hoje também se opõem ao Papa Francisco e já começaram a se manifestar contra o plebiscito de renovação. Para mim, no fundo, encontra-se também em jogo a manutenção da riqueza e de uma aliança que atravessa o tempo entre o poder político, o poder econômico e o poder do Vaticano, que no passado pesava muito mais do que no presente, mas que mantém a sua aliança com um sistema de poder e de concentração de renda.

CONTRADIÇÕES – A fome, inclusive, continua e o trabalho semi-escravo permanece num universo marcado por pelo menos quatro contradições fundamentais: existência e eternidade, corpo e espírito, um sinal de mais e um sinal de menos, o capital e o trabalho. Inclusive, trata-se de um elenco de símbolos que regem a vida e asseguram o equilíbrio da espécie humana.  

Mas, dos quatro símbolos, a contradição entre o capital e o trabalho é a única que pode ser solucionada dentro do espírito cristão que nem sempre prevaleceu no Vaticano. O período de Eugênio Pacelli, Pio XII, que se estendeu de 1941 a 1958, quando faleceu, foi um espaço de tempo em que a Igreja de Roma ficou em silêncio diante do nazismo. Mas este fato pertence ao passado. João XXIII propôs e conseguiu uma reforma dentro do espírito cristão, dentro do exemplo de Jesus Cristo.

Agora, vamos aguardar o conteúdo concreto da reforma que o Papa Francisco coloca diante da humanidade. Os obstáculos surgirão para medir a força de uma reforma que se destina a ser tão humana quanto Divina: talvez na visão do Papa, um encontro entre Deus e o ser humano. Aquele encontro que não chegou a se realizar num toque de mãos como MIchelangelo pintou e eternizou na Capela Sistina. A pintura retrata Deus com o braço estendido para tocar a mão de Adão e Adão com a mão estendida para tocar a mão de Deus. Mas fica o espaço entre elas. A pintura foi feita há 500 anos e, no fundo, desafia o passar do tempo.

DESENTENDIMENTO – Correntes evangélicas, como a do pastor Silas Malafaia, reportagem de Igor Gielow e  Anna Virginia Balloussier , Folha de S. Paulo de segunda-feira, se desentenderam com as articulações do ministro Ciro Nogueira, do ministro Fábio Faria e da ministra Flávia Arruda no sentido de que o presidente Jair Bolsonaro substitua a indicação de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal, uma vez que o nome de Mendonça encontra fortes resistências no Senado Federal.

Ciro Nogueira, Fábio Faria e Flávia Arruda começaram a  dar curso a uma articulação em torno de Alexandre Cordeiro de Macedo,  atual presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) , que pode ser evangélico, mas está distante de ser  “terrivelmente envagélico”. Aliás, diga-se de passagem, evangélicos são todos aqueles católicos e protestantes que adotam o Novo Testamento como norte religioso. Isso fica claro quando se focaliza a obra conjunta de Mateus, João, Lucas  e Marcos.

SENTIMENTO DE CONFRONTO – Para os que, assim como eu assistiram a final da Copa de 1950 no Maracanã, quando a seleção brasileira enfrenta a do Uruguai, um sentimento de confronto esportivo se acentua. Tem sido assim através do tempo, a começar pelo Pan-Americano de 1952, em Santiago do Chile, quando derrotamos o Uruguai por 4 a 2, com nossa seleção treinada por Zezé Moreira. Um técnico que mostrou que um time não vence apenas do meio para a frente, no ataque, mas também com base na defesa do meio para trás. Mas agora o problema não é mais esse. O futebol brasileiro incorporou as ações defensivas em seu desempenho. O que está acontecendo, como se verificou nas partidas contra a Venezuela e a Colômbia, especialmente no jogo de domingo passado, foi a dificuldade de se chegar à área adversária.

Reportagem de Marcelo Neves, no O Globo de ontem, focaliza o problema, incluindo o mal desempenho de Neymar e uma declaração feita por ele de que a Copa de 2022 será a sua última participação. Mas esta é uma outra questão. Os jogadores surgem e encerram as suas carreiras, um processo natural de renovação. A questão essencial é que o esquema armado pelo treinador Tite está amarrando o desempenho da equipe.

A equipe está centralizando demais o jogo na figura de Neymar cuja presença dos lances tem se revelado enigmática.Nos últimos anos, por exemplo, só tem atuando bem no Barcelona e no Paris Saint Germain. Não tem figurado bem na camisa verde e amarela. Não está satisfeito como deixou claro em suas próprias palavras.  

11 thoughts on “Papa Francisco anuncia a maior reforma da Igreja Católica de todos os tempos

  1. O papa Francisco propondo este “plebiscito” parece não estar muito ciente do seu papel de vigário de Cristo na Terra. A ordenação de mulheres, o fim do celibato, a legalização das uniões homossexuais e outras “atualizações” vão criar falsas esperanças, expectativas e muitas decepções . Os resultados deste plebiscito vão ter o poder de revogar as tantas encíclicas que trazem estas ou aquelas orientações? Com certeza não, aí começam os problemas. A Igreja nunca foi democrática e nunca o será, apesar do desejo do papa. Toda reforma e atualização é bem vinda, mas também toda reforma e atualização tem limites, e o bom senso é um deles.

    • Mas o Plebiscito é justamente para se fazer uma Nova Encíclica…. parabéns ao Papa Francisco, que tem mostrado ser o verdadeiro Vigário de Cristo, diferentemente de seu antecessor.

  2. Hahahaha… esse papa é uma besta, transformou a ICAR em uma ONG progressista.
    Lamento católicos mas vossa igreja foi pro saco, bom, até que durou muito né? Mas ao menos ficarão as belas construções, que logo devem virar boates, salões de exposição ou qualquer coisa que o valha né?

    • Isso é café pequeno na historia da igreja; alias; Nos sobrevivemos ao lula e a dilma. E, como dizia minha mãe; esse cara nem é o papa (o argentino fez gol de mão); o Papa Bento XVI, só vai deixar de ser Papa quando morrer.

      • O Papa Bento já foi meu amigo, está gaga e não sabe mais nem rezar o pai nosso.
        A crença dos católicos de que a igreja é indestrutível é um dos motivos dela estar indo pro saco.

  3. Tem que ter Reforma na Igreja Católica sim. O Papa Francisco está coberto de razão. A Igreja tem que se aproximar do cristão e se distanciar dos poderosos.
    A Igreja Católica vem perdendo fiéis para as Igrejas Evangélicas, que abrem porta em tudo que é lugar atraindo a população mais pobre.
    Este é o momento ideal, quando as poderosas lideranças evangélicas se aproximam do Poder e entram na Política contrariando os ideais de Cristo, que expulsou os vendilhões do templo.
    Nesse sentido, este é o momento ideal de democratizar a Igreja e abrir espaço para as mulheres em pé de igualdade com os homens. Ir de encontro a esse ponto, significa estar agarrado aos dogmas conservadores da Idade Média. Se tem mulheres pastoras, por que não pode haver mulheres a frente das Paróquias? Eu apóio as mulheres completamente. Isso nada tem similaridade com marxismo, progressismo ou coisas do gênero. Trata-se de Isonomia de tratamento.
    Parabéns ao Papa Francisco,.
    Vai conseguir renovar a Igreja.
    Quero ser o primeiro no Brasil, a assistir uma missa sob o comando de uma Madre.
    Vou esperar ansioso esse dia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *