Para combater violência, maioria prefere investimento em área social do que em polícia, aponta Datafolha

Dado é alto até mesmo entre os apoiadores de Bolsonaro

Thiago Amâncio
Folha

A maioria dos brasileiros acredita que, para combater a violência, o governo deve priorizar investimentos na criação de empregos e na melhoria da educação, e não especificamente na área da segurança, como no treinamento e na compra de equipamentos de policiais.

É o que aponta pesquisa Datafolha feita em dezembro deste ano. Para 57% dos entrevistados, é mais importante investir em áreas sociais do que na segurança. O investimento em polícias é mais importante para 41% . Outros 2% responderam que não sabem.

ÁREAS SOCIAIS – Esse índice é alto mesmo entre quem apoia o presidente Jair Bolsonaro, que se elegeu com um discurso de endurecimento da segurança pública. Entre os que avaliam o governo com ótimo ou bom, 51% acreditam que se deve investir mais nas áreas sociais, e 47% acreditam que se deve investir mais em polícias.

Para o antropólogo Luiz Eduardo Soares, ex-secretário Nacional de Segurança Pública, uma série de fatores pode alterar essa percepção. Se houve um crime cruel e de grande repercussão, por exemplo, a tendência da sociedade é enfatizar aspectos repressivos, o que não acontece em outros momentos.

“Mas é uma constatação preciosa. A despeito de retóricas ideológicas e muito caricatas, que promovem identificações superficiais, há sempre espaço para argumentação, reflexão. Quando as questões sociais são tão graves e dramáticas, como são no Brasil, com desemprego tão grande, há evidência suficiente da origem dos problemas. As pessoas são capazes de tirar suas conclusões, entendendo como a crise social afeta comportamentos”, diz ele.

DESIGUALDADE – A socióloga Samira Bueno, diretora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, afirma que a pesquisa mostra que “há uma consciência de que a desigualdade está diretamente vinculada à violência”. “Não à toa, os territórios que concentram os maiores índices de violência são os de maior vulnerabilidade social”, diz.

A avaliação de homens e mulheres sobre o tema não varia além da margem de erro. O que influencia mais essa percepção é idade, escolaridade e renda dos entrevistados. Em geral, quanto menor a faixa etária dos entrevistados, mais a percepção pende para a área social.

POLICIAMENTO – Renda e educação formal também pesam a balança: entrevistados mais pobres e menos escolarizados tendem a defender mais investimentos na polícia. Uma das poucas categorias em que há mais entrevistados que defendem que violência se resolve com policiamento é entre os brasileiros que estudaram só até o ensino fundamental.

Moradores de cidades do interior defendem mais investimento em polícias do que quem vive em capitais e cidades em regiões metropolitanas do país.

O Sudeste é a região em que menos se acredita que a solução da violência é investir na polícia: 35% dos entrevistados. Por outro lado, o Nordeste é a região com a maior taxa, 47%. Alguns dos estados brasileiros com as maiores índices de homicídio do país estão nessa região.

EXPOSIÇÃO – Para Soares, uma das explicações possíveis é que “quem está mais diretamente exposto à violência se sente desprotegido e tende a enfatizar medidas mais imediatistas, que possam de alguma maneira aliviar sua angústia e medo.”

“Para pessoas que veem a violência mais de longe, os problemas são importantes, mas não tão urgentes. Elas podem contemplar um horizonte um pouco mais amplo e ponderar que, se não houver mudanças mais consistentes e profundas a médio prazo, tudo acaba se perdendo”, afirma.

DEMANDA – Bueno diz que a violência pode influenciar essa opinião, mas os índices também podem mostrar que, em regiões mais pobres e mais afastadas, a população tem uma demanda maior pelo Estado.

“Isso pode estar conectado ao padrão de desenvolvimento do território. No Sudeste estão algumas das polícias mais antigas e estruturadas do país, com efetivos relativamente grandes, e que se mostram mais presentes para a população. Uma pessoa no interior de São Paulo tende a perceber mais a presença da polícia que uma pessoa no interior do Piauí e de Alagoas, por exemplo”, afirma.

MEDO À NOITE – A pesquisa Datafolha mostra ainda que 72% da população brasileira diz ter medo de sair às ruas de suas cidades depois que anoitece. Do total, 50% afirmou ter muito medo, e 22% disse ter um pouco de medo. O índice é bem maior entre mulheres —grupo em que 79% dizem temer andar à noite. Entre os homens, esse índice é de 63%.

Mais pobres e mais velhos também têm mais medo de andar nas ruas durante as noites : 75% dos que ganham até dois salários mínimos e 78% dos que têm mais de 60 anos disseram temer andar à noite.

Esse temor, no entanto, é menor em cidades pequenas. Enquanto 37% dos que vivem em lugares com até 50 mil habitantes disseram não terem medo de sair à noite, o índice cai para 21% nas cidades com mais de 500 mil habitantes.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG 
Alguns parâmetros devem ser levados em consideração durante a entrevista, mas é lógico que investimentos na área de educação e na criação de empregos, respaldados por uma infraestrutura de saúde minimamente digna, configuram a saída sustentável para as mudanças nos índices de violência no País. Um trabalho de longo prazo. Enquanto isso, para requentar sua popularidade em queda, pela rede social, Bolsonaro pediu que Congresso amplie posse e porte de armas. Não percebe que vai na contramão e que o caminho já batido é frágil. (Marcelo Copelli)

37 thoughts on “Para combater violência, maioria prefere investimento em área social do que em polícia, aponta Datafolha

  1. Luis Eduardo Soares, quem acredita nesse PTista/PSOLista?

    79% das mulheres e 63% dos homens tem medo de sair de casa a noite e a solução é investir na área social ao invés de mais polícia nas ruas? DUVIDO desta pequisa!

  2. Essa pesquisa parece ser do tipo em que as pessoas respondem o que melhor para ficar “bem na foto”, o que convém para bonzinho e inteligente. Como quando as pessoas dizem nas pesquisas que são contra violência e erotismo na TV, mas continuam assistindo.
    Independente das pesquisas, o mais importa seria discutir o que resolve realmente o problema da criminalidade. É muito bonito dizer que se deve investir em “ação social” em vez de polícia. Mas as escolas vão conseguir funcionar em áreas dominadas pelo crime? E os criminosos que já estão por aí? A “ação social” vai faze-los mudar de vida? Seria necessário investir tanto na área social como no combate ao crime. Dizer que professores e assistentes sociais vão eliminar a criminalidade, sem repressão à ação dos criminosos, é ilusão.

  3. -É…
    -É tudo muito lindo mesmo…

    -Mas quando o bicho pegou lá no Ceará o governador petista não chamou os professores, nem os sociólogos e exigiu a Força Nacional!
    -Quando é feita alguma incursão nos morros do Rio ou em alguma rebelião nos presídios, nunca vi ninguém Ministério Público ou sociólogos petistas subindo as escadarias com livros nas mãos para educar os assaltantes e revoltados!

    -A educação é para ser aplicada nas crianças. Depois do sujeito barbudo virar bandido, HOMEM FEITO, só a cadeia e a vala para darem educação para ele!
    -Afinal, ondes estavam os educadores nos últimos trinta anos?
    Ora, os bandidos que hoje infernizam homens e mulheres deste país nasceram TODOS do governo do sociólogo que se dizia “intelectual” até o governo que dizia que priorizava a educação.
    -Já sei: Não deu tempo!
    Abraços.

    PS: Quando a madrinha de todos os ladrões deste país, a Maria dos Presidiários, foi assaltada lá no sul, ela saiu correndo para os braços da polícia “truculenta e armada” (“livros, sim! Armas, não!”) e não quis saber de sair para procurar educadores com livros nas mãos, para recuperar o carro das suas “amadas crianças.”

    http://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2019-07/numero-de-presos-mortos-em-rebeliao-no-para-sobe-para-57

  4. Prezado, os gregos já sabiam 600 anos antes de Cristo como educar as crianças:
    Primeiro a educação da virtude para forma um homem, pois se a mentira e o vício se instalarem na criança, eles NUNCA MAIS serão extirpados. Depois viria o conhecimento.

    -Os governos anteriores, longe de se preocuparem com a educação, transformaram o país na medalha de bronze sul-americana na quantidade de crianças sem família. Gravidez na adolescência no Brasil supera média da América do Sul. O país tem mais adolescentes grávidas do que vizinhos como Paraguai e Colômbia, que possuem índice de desenvolvimento humano menor

    “O Brasil tem 68,4 bebês nascidos de mães adolescentes a cada mil meninas de 15 a 19 anos, diz relatório da Organização Mundial da Saúde (2010-2015). O índice brasileiro está acima da média latino-americana, estimada em 65,5. No mundo, a média é de 46 nascimentos a cada mil.
    Em países como os Estados Unidos, o índice é de 22,3 nascimentos a cada 1 mil adolescentes de 15 a 19 anos.”
    (G-1)

  5. CORREIO BRAZILIENSE & ESTADO DE MINAS – 30/12/2019

    APARIÇÃO DE NOSSA SENHORA EM GRUTA LEVA FIÉIS A CIDADE MINEIRA

    As supostas aparições têm acontecido em Verdelândia, no norte de Minas Gerais. Primeiro relato foi feito por Vaqueiro, antes do Natal

    Nota Minha : Não são poucos os relatos do aparecimento de Nossa Senhora no mundo, e mesmo no Brasil. Há o relato do aparecimento em Fátima (Portugal) de Nossa Senhora de Fátima, que teria deixado recados para os três pastorinhos que se avistaram com Ela.

    Nos anos 50 do século passado, meu avô Juca Dutra, fervoroso católico, tinha terras. Ficou sabendo e foi ver, junto a centenas de pessoas, na cidade de São Lourenço (MG) , a imagem de Nossa Senhora Aparecida, na copa de uma árvore de suas terras, que lá ficou por vários dias e vista por todos.

    Juca Dutra mandou cercar esta árvore e mandou plantar um imenso jardim com um vasto canteiro de rosas, que floresceram lindamente, e assim ficou – o jardim – durante décadas, sempre muito bem cuidado.

    Na aparição de Fátima, segundo relatos, houve recados de Nossa Senhora de Fátima dados aos pastorinhos e que só poderiam, por pedido Dela, serem contados ao Papa. E assim os pastorinhos fizeram. Parece que um desses recados o Papa vazou para o mundo, mas não há notícias do vazamento pelo Papa dos demais recados.

    No entanto, se não for ilusão de ótica, como alguns argumentam, como entender as aparições em Verdelândia (MG) e, nos anos 1950 em São Lourenço (MG) , locais em que a imagem de Nossa Senhora foi vista, por vários dias, mas não deixou qualquer mensagem ou recado ?

    Há aí possíveis mistérios a serem desvendados e eu estou apenas narrando fatos, sem emitir juízo de valor. Só sei que nada sei.

    https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2019/12/30/interna-brasil,817361/aparicao-de-nossa-senhora-em-gruta-leva-milhares-de-fieis-a-cidade-min.shtml

    • Prezado Ednei, se a tal aparição trouxer felicidade para alguém e não prejudique outros, ótimo.
      É que eu já disse aqui: Enquanto as religiões e filosofias pregarem o amor e a paz, maravilha! Desde que os seus seguidores digam uma coisa e não façam outra.

      Abraços.

  6. Essas pesquisas , todas, tem como fim minar a credibilidade do presidente.
    São da mesma gente que disse que ele perderia as eleições.
    São mais falsas que nota de 3 reais, tal e qual as observações desse editor, que é do tipo “me engana que eu gosto”

  7. Se verdadeira ou não a pesquisa, a verdade é que se quisermos diminuir a violência no país somente atendendo o povo onde mais ele se ressente de atenção:
    Emprego!

    Caso Bolsonaro tivesse levado em conta a minha ideia – e sem qualquer falsa modéstia de minha parte -, de rasgar o Brasil em rodovias, ferrovias, pontes, viadutos, elevadas, tuneis, escolas, hospitais, mediante licitações onde a empresa vencedora seria a empreendedora nessas melhorias, e poderia se ressarcir das despesas cobrando pedágios ou explorando a ferrovia por muitos anos, indiscutivelmente mais da metade dessa massa que está desesperada por um trabalho já estaria ganhando o seu salário!

    Os americanos saíram de uma situação muito mais calamitosa que a nossa quando houve a quebra da Bolsa, em 1.929.
    A Grande Depressão foi algo indescritível em termos de miséria, fome, pessoas dormindo nas ruas ou em acampamentos, suicídios, doenças … uma catástrofe de proporções inimagináveis (tenho algumas fotos que ilustram o que foi aquele período terrível).

    Pois bem:
    Roosevelt tinha 4 bilhões de dólares à época em caixa.
    Decidiu usá-los para construir o que citei acima e, desta forma, recolocou no mercado de trabalho os milhões de americanos desempregados.

    Quando estourou a Segunda Guerra, em 01 de setembro de 1.939, os Estados Unidos empregaram o pouco que ainda não em encontrava emprego, e passou a ser o maior fornecedor de material bélico, material para uso pessoal, caminhões, jipes, tanques e aviões, de modo que a França, a Inglaterra e demais aliados, pudessem fazer frente ao avassalador avanço alemão.

    Ao fim do maior conflito da história da humanidade, o Tio Sam era o credor do mundo, e se tornou a maior potência do globo até os dias de hoje!

    Ainda é tempo para Bolsonaro ser aclamado nas próximas eleições:
    Basta dar trabalho para esse contingente de milhões de pessoas, conforme sugeri, que somente a ferrovia irá desenvolver regiões hoje inóspitas, possibilitando até mesmo a criação de novas cidades.
    E, se quiser receber a coroação, que libere os cassinos!

    Ou vivemos em uma democracia autêntica ou, lá pelas tantas, uma espécie de teocracia camuflada, dissimulada, onde a bancada dos evangélicos comanda o que pode e o que não pode ser liberado no país!

    Outro aspecto:
    Li em um dos comentários postados hoje na TI, a respeito do número de meninas ainda adolescentes que estão grávidas!
    O Brasil supera a população de muitas nações sul-americanas com essas jovens que ainda estariam brincando, e serão mães na marra!

    Pois bem (E NÃO ESTOU ME CONTRADIZENDO):
    Mas deixar que nasçam crianças que serão carentes, que terão uma vida de necessidades, que o futuro pode ser o crime, irremediavelmente, das duas uma:
    Ou o Estado acolhe esses bebês para doação ou, então, que libere o aborto para meninas até 17 anos de idade, caso elas quiserem e seus pais autorizarem, efetivamente!!!

    Desta forma seremos um país desenvolvido, próspero, o povo vai ter condições de trabalhar mais, e conheceremos finalmente os avanços sociais, econômicos e até mesmo políticos.

    • Prezado Bentl.

      No livro Freaknomics, os autores conseguiram, através de um trabalho estatístico e de pesquisa sérios, constatar a relação DIRETA entre filhos indesejados, não planejados e de famílias destruídas ou sem família, com a criminalidade nos Estados Unidos.
      É óbvio que uma criança nascida nessas circunstâncias terá muito mais probabilidade de se tornar um bandido, salvo raríssimas exceções, do que aquela criança cujos pais esperaram anos para tê-la. E quanto mais burra e despreparada é a mulher, mais ela tem filhos!
      Também foi constatada a relação direta do aborto e a queda da criminalidade naquele país.
      Infelizmente não dá para descrever aqui um livro.

      Uma aberração nacional:
      É impossível para qualquer casal pobre fazer vasectomia ou ligação de trompas da rede pública, o que já seria um bom paliativo para deter a miséria em um país onde o aborto é proibido.
      Os políticos ladrões criaram centenas de barreiras e tornaram isso impossível. Portanto, só quem tem dinheiro (ou um pobre com muita visão) consegue fazer algum planejamento familiar e criar filhos bem criados e educados neste país.

      Abraços.

      PS: Veja este link:
      https://pt.wikipedia.org/wiki/Freakonomics

      • Caro Xará – Brasília DF,

        Em princípio, o povo deveria exigir uma discussão séria com os seus “representantes”, a respeito do que quer para si;
        se o aborto é a solução para a adolescente até 17 anos, e seus pais concordam, caso ela os tiver ou, então, ela decide junto com o pai da criança, caso ela não tenha dado no pé, vamos diminuir aos poucos uma população considerável de crianças jogadas nas ruas sem pai e mãe, e sem que tenham quem as cuide!

        Logo, sobre esta questão crucial, devemos abolir de imediato a hipocrisia e o cinismo.

        Para que a menina tenha acesso ao aborto, ela precisa se conscientizar de alguns detalhes:
        Ela poderá abortar duas vezes, mas não haveria uma terceira;
        ela terá o filho, independente da sua idade, e se submeterá à esterilização!
        Caso contrário a Mariazinha vai viver no “rala e rola”, e vai só ficar fazendo aborto, transformando-se em máquina de matar propositadamente!

        O Joãozinho, pai da criança, caso for identificado ou se apresentar na condição de pai, também poderá engravidar duas meninas. Mas, na terceira, o “galã” vai para a vasectomia, caso contrário a sua arma de abater crianças ficará atirando para todos os lados.

        Evidente que a adolescente e o pai mesmo sendo jovem que queiram ter filhos, tudo bem, que tenham a quantidade que podem sustentar, sem problema algum.
        A questão que me refiro é quanto ao aspecto social grave, que reside na quantidade absurda de meninas grávidas!

        Por outro lado, qualquer mulher poderá abortar duas vezes, de modo a impedi-las de fazer o procedimento em “clínicas” sem a menor condição.
        Mas, o seu nome constará em uma lista nacional, onde na terceira vez ela será esterilizada simultaneamente.

        Agora, de pleno rechaço os falsos moralistas.
        Abortar é crime?
        Sim, considerando o aspecto moral.
        No entanto, a criança passando fome, necessidades, sem um teto, sem pai e mãe para sustentá-la, sendo usada pelo tráfico, doente, mais uma vida que se perderá no crime ou será mais uma vítima do ambiente onde nasceu e morou, o crime não seria o mesmo?!

        Por que deixar sofrer um ser humano, se a mãe pode resolver o seu problema e da criança ao mesmo tempo?
        Mais a mais, quem somos nós para julgar?
        Por acaso impedimos que uma pessoa mate a outra?
        Que os pais matem seus filhos, eventualmente?
        Impedimos a miséria, a pobreza?
        Claro que não!

        Logo, a mãe e o pai que depois resolvam a questão em outra existência, caso houver, claro, mas nesta, de agora, que possam viver em dificuldades, menos trazer para as mesmas condições difíceis mais uma vida que não foi planejada e que será rejeitada, inevitavelmente!

        Lamento, mas chegamos em um patamar que se deve lançar mãos de expedientes que, se à primeira vista podem ser cruéis, na verdade vai diminuir a crueldade brutal com as crianças que nascerem neste mundo de extremas dificuldades.
        Ou o sofrimento de uma criança mão mais nos causa reação alguma?
        Mas ficamos ouriçados contra o aborto??!!

        O aborto não pode;
        a criança morrer de várias formas, até ser rejeitada pelos pais, pode!

        Eta mundo mais idiota e imbecil!

      • Freakonomics não é um trabalho acadêmico, conforme os próprios autores alertam. Tem o apelo fácil das visões reducionistas que explicam o mundo a partir de uma única causa, mas é bom ter cautela. Além disso, faz parte da tendência moderna de torturar números para que eles digam o que pesquisador quer, como naqueles muito divulgados estudos que “provam” que o Alabama ou o Mississippi são mais ricos que a Alemanha ou a Grã-Bretanha. A propósito, os autores de Freakonomics fazem algumas afirmações bem estranhas, que ninguém na mídia se interessou em promover, ao contrário dessa sobre o aborto. Como quando dizem que armas de fogo são menos perigosas que automóveis ou piscinas, ou que é menos perigoso dirigir bêbado que caminhar bêbado. Algum grande liberal da mídia vai defender o fim dos bafômetros, invocando o Necronomicon, digo, Frekonomics? O livro para parece ter sido escrito para promover a filosofia insensata do libertarianismo, que ignora a existência do bem comum.
        Sobre o aborto, ficou famosa a correlação que estabeleceram de que o acesso irrestrito ao aborto reduziria a criminalidade, mas isso não seria basicamente uma forma velada de defender a eugenia, como notou o Janer Cristaldo, um ateu militante? Os apologistas de Freakonomcis estão no fundo preocupados em evitar o nascimento de pobres. Não se questiona a criminalidade dos ricos e da classe média alta, que não seria evitada por abortos de filhos “indesejados”, e que pode causar danos até maiores que os dos pobres. O Sérgio Cabral, p. ex., que, quando era um governador “progressita” admirado pela gente “bem-pensante”, usou o Freakonomics para defender clínicas de aborto nas favelas, nunca teria sido abortado por sua família de boa classe média.

    • Meu caro amigo Bendl,
      É a pobreza a causadora desses problemas dos jovens brasileiros.
      Como você disse corretamente, que gerar empregos seria a solução. Permita-me acrescentar, e criar escolas de ensino integral em todo país, ajudaria muito acabar com as mazelas de quem vive na pobreza.
      Um grande abraço e muita saúde

      • Jacob,

        Evidente que o Ensino Integral resolveria substancialmente as crianças que vivem nas ruas, deixadas de lado, pois os pais trabalham.

        Além de estudarem haveria laser, refeições diárias, esportes, e dois turnos de aulas.

        O PDT teve a faca e o queijo na mão quando aliou-se ao PT.
        Caso exigisse que o seu apoio político estaria na razão direta da criação dos CIEPs em nível nacional, o ensino básico não estaria nesta patamar tão desclassificado como agora.

        Mas, como a questão se refere às crianças pobres e miseráveis – com a devida permissão do Newton -, quem se interessa?!

        O futuro, Jacob, QUE NÃO HAVERÁ DESSA MANEIRA tão desleixada e tão sem importância para nossos governantes, ocasionará a eles mesmos, que não quiseram oferecer ensino aos filhos dos trabalhadores, os efeitos dessa ignorância que se alastra pelo Brasil ameaçadoramente!

        Jacob, mais de 60 milhões de pessoas que não sabem ler ou somente assinar o nome, e a cada ano este número aumenta, que desenvolvimento pensamos em ter para o país e povo??!!

        Forte abraço.
        Feliz Ano Novo.
        Saúde, paz, harmonia e vida longa, meu caro amigo.

  8. Caro Chicão,
    Tens razão em tudo, mas o desemprego, a fome, a miséria, a falta de educação, a desinformação, os doentes que caem mortos como moscas nos necrotérios, (digo hospitais ) é a matéria prima dos políticos, sem isso eles perderiam totalmente o controle e a subjugação.
    Vou lhe dizer o seguinte, já desisti do bolsonaro, é um IGNÓBIL, haja visto o deplorável gesto de deixar a mulher
    sozinha em Brasília quando vai fazer uma, mesmo que, pequena cirurgia.
    É um gesto deplorável e escroto!
    Na campanha eleitoral este homem deve ter tomado doses cavalares de Rivotril.
    Só assim posso entender a mudança de comportamento.

    Deixo um forte abraço e desejando saúde, muita saúde pra aturar toda esta doença toda.
    Cordialmente.

    • Espectro,

      O quadro que tão bem descreveste atingiu o seu ápice este ano.

      Saúde, educação e segurança, muito aquém das mais comezinhas necessidades que a população mereceria e tem direito, pois para isso tem uma carga tributária que a escraviza por mais de meio ano!!!

      Bolsonaro foi eleito com um único objetivo nosso, lembro:
      impedir a continuação do PT, da quadrilha que nos roubou, explorou e manipulou por 16 anos!

      Acontece que, a situação do Brasil está tão caótica – para o nosso lado, evidente -, que eu também imaginava que ele iria dar um pouco de atenção ao povo.
      Ledo engano.

      Bolsonaro impediu o crescimento petista mas, em compensação, veio prá cima de nós com a malfadada reforma da Previdência, obrigando-nos a trabalhar bem mais e, na aposentadoria – para quem chegar lá -, receber menos ainda!

      E não vimos nada de concreto para aliviar o sofrimento do povo, convenhamos.
      Enquanto as castas se divertem, festejam, viajam por nossas custas, o desempregado, endividado, miserável, pobre, doente, idoso … que esperem ou vão amolar o boi!

      Quanto à maneira que o casal presidencial se relaciona, Espectro, o problema é deles!
      Temos muito que nos preocupar para permitir que questiúnculas conjugais, e que não nos dizem nenhum respeito, ainda nos façam perder tempo, meu amigo.

      Um forte e fraterno abraço.
      Feliz Ano Novo.
      Saúde, paz, harmonia e vida longa.

  9. Darcy Ribeiro em 1982 disse: Se os governadores não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios.
    Até o final dos anos 70 podia-se ir às comunidades sem perigo de ser molestado. Há mais ou menos 30 anos atrás, ia-se de carro até o topo do morro São José Operário na Praça Seca, hoje, se chegar no pé do morro vai encontra um bandido com fuzil na mão. Isso veio acontecendo em todas a comunidades do RJ.
    É um engano achar que a polícia com mais armas e poder poderia entrar nessas comunidades e liquidar com as quadrilhas, Quanto mais armas sofisticadas de longo alcance a polícia tiver, os bandidos se veem obrigados a adquirir também mais armas sofisticadas de longo alcance. É o fator ação e reação.
    Dos anos 80 para cá criou-se a ideia que o crime organizado deveria ser combatido com força policial. Cada vez que a polícia subia os morros para o confronto, os marginais sentiam a necessidade de se organizar e se armar melhor.
    Nas comunidades nos dias de hoje quem manda e governa são os chefes do tráfico e os das milícias.O crescimento das milícias começou com a criação dos esquadrões da morte, Moreira Franco para acabar com o crime em 6 meses (promessa de campanha) criou milícias para combater o crime. Todas essas medidas só serviu para fortalecer mais a bandidagem.
    Os Bolsões de pobreza, são verdadeiros criadouros de marginais.
    Com escolas de tempo integral em todo o Brasil, sem nenhuma criança fora da escola, em 15 anos vai diminuir consideravelmente o número de marginais e os existentes acabam sendo presos ou mortos.

    • “Darcy Ribeiro em 1982 disse: Se os governadores não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios.”

      -Pura verdade!
      -Pena que não deu tempo para o PT e para o PSDB aplicar na prática a teoria que pregavam! Se tivessem aplicado, hoje não existiriam crianças na rua.
      -Agora, infelizmente, o remédio é construir presídios!

      • Fake news só a folha e seu datafolha detêm o monopólio e podem sequestrar a narrativa. E os jornalistas ativistas corporativos replicam. Inclusive a TI.

      • FRANCISCO FORAM 16 ANOS DE TUCANOS E PETISMO ,COMO NÃO DEU TEMPO,NUNCA FOI PRIORIDADE.AFINAL NÃO FORAM BANCOS E RENTISTAS OS GRANDES BENEFICIARIOS DOS TUCANOS E PETISTAS.

  10. -Pois é!

    As nossas leis, os nossos governantes, as nossas autoridades sempre foram lenientes com o erro, com a irresponsabilidade e com o descaso, além a acolhedores da falta de vergonha.
    As nossas crianças aprendem com o ECA, ainda imaturas, os direitos e a impunidade que terão até os 18 anos e que o crime compensa.
    -Direitos?
    –Todos!
    -Obrigação?
    -Nenhuma!
    -REGRAS DE CIVILIDADE?
    –Nenhuma! Nem mesmo com o velho professor!

    Ora, como você quer que os atuais jovens se esqueçam do que passaram 18 anos aprendendo? E, justamente, na idade de formação do caráter?
    Nas escolas, os diretores e professores estão sem autoridade sobre os alunos-bandidos, que sabem que não serão expulsos mesmo que andem armados ou agridam um professor; no máximo, o agressor será transferido para outro colégio, onde continuará ameaçando colegas, traficando, usando drogas ou atrapalhando a aula de quem quer aprender. A ação do Estado consistirá em apenas lavar as mãos e em transferir o problema de lugar. Que outros alunos e professores se virem com ele!
    A tal educação ficou apenas na promessa dos nossos revolucionários barbudos, incapazes de colocar na prática a tese desenvolvida em mesa de bar, entre uma picanha na chapa e um chopp.

  11. Che,

    Na verdade, nossos governantes nos abandonaram.

    Faz 30 anos que a ordem é roubar, explorar e manipular.
    Saúde, segurança e educação, simplesmente ignoradas.

    Na razão inversamente proporcional, os índices maiores a cada ano de miséria, pobreza, desemprego, endividamento, analfabetismo …
    enquanto as castas esbanjam, ostentam, gastam nossos impostos sem dó nem piedade!

    Só há uma solução, e lamento repeti-la em plena mudança de ano, pois para nós nada muda:
    ÀS ARMAS!

    • 1) Respeitosas licenças ao Bendl…

      2) Ar… puro precisamos…

      3) Mas… às vezes, fica poluído…

      4) Apenas um jogo de palavras de quem acredita, eu, no poder das palavras… “deitado eternamente em berço esplêndido”…

      5) Nesse momento, em todo o Brasil, milhões estão deitados nas praias…

      6) Como diria o grande jornalista Tarso de Castro do Pasquim:

      7) “”A revolução na sai do balneário” e a Nação é um imenso balneário.

  12. Notícias de agora, à noite, dão conta do seguinte:

    Astrólogo argentino previu para 2020 um ano de consumismo!
    Disse o vidente:
    Você ficará com su mismo carro;
    Com su mismo sapatos;
    Com su mismo vestuário;
    Com su mismo imóvel;
    Caso tiver sorte, com su mismo trabalho!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *