Para louvar o amanhecer e a natureza, uma canção de Juca Filho e Claudio Nucci

Resultado de imagem para claudio nucci e juca filho

Claudio Nucci, sempre ligado na natureza

Paulo Peres

Site Poemas & Canções
O produtor musical, cantor e compositor paulista Claudio José Moore Nucci, mais conhecido como Claudio Nucci, na letra de “Acontecência”, em parceria com Juca Filho, faz uma narrativa bucólica dos acontecimentos ao amanhecer.  Essa toada foi gravada pelo próprio Claudio Nucci, em 1980, pela EMI-Odeon. 
 ACONTECÊNCIA

Juca Filho e Claudio Nucci

Acorda ligeira e vem olhar que lindo
Sobre o morro sol se debruçar
Leite novo espuma dessa madrugada
Passarada vem te despertar
Tantos pés descalços
Posso ver meninos a correr na direção do dia
Banho de açude alegre e lava o corpo
Fruta fresca é pra te alimentar
Acorda ligeira e vem ver que bonito
Pelo pasto solta a vacaria
Na barra da serra gavião campeiro
Vem primeiro vento costurar
Tantos pés descalços posso ver libertos
A correr na direção do dia
Chuva desce pra regar a terra
Engravidar sementes em frutas se tornar

6 thoughts on “Para louvar o amanhecer e a natureza, uma canção de Juca Filho e Claudio Nucci

  1. Amigos Queridos, hoje o Brasil comemora os 75 Anos de um de seus maiores Poetas e Músicos, PAULINHO DA VIOLA , a ele minha Homenagem, saudando também meu saudoso Pai João Xavier Correia que quando ouvia essa Música as Lágrimas e toda a Emoção o dominavam, e, como eu, Papai era Amante da Portela, virava as madrugadas para assistir sua Escola de Samba Amada, nesse Recife de Saudade que tão bem Paulinho da Viola ama ! VIVA PAULINHO DA VIOLA, 75 ANOS DE AMOR E GLÓRIAS NA MÚSICA BRASILEIRA !

    FOI UM RIO QUE PASSOU EM MINHA VIDA !

    PAULINHO DA VIOLA

    Se um dia
    Meu coração for consultado
    Para saber se andou errado
    Será difícil negar

    Meu coração
    Tem mania de amor
    Amor não é fácil de achar
    A marca dos meus desenganos ficou, ficou
    Só um amor pode apagar
    A marca dos meus desenganos ficou, ficou
    Só um amor pode apagar

    Porém! Ai porém!
    Há um caso diferente
    Que marcou num breve tempo
    Meu coração para sempre
    Era dia de Carnaval

    Carregava uma tristeza
    Não pensava em novo amor
    Quando alguém que não me lembro anunciou
    Portela, Portela
    O samba trazendo alvorada
    Meu coração conquistou

    Ah! Minha Portela!
    Quando vi você passar
    Senti meu coração apressado
    Todo o meu corpo tomado
    Minha alegria voltar

    Não posso definir aquele azul
    Não era do céu nem era do mar
    Foi um rio que passou em minha vida
    E meu coração se deixou levar
    Foi um rio que passou em minha vida
    E meu coração se deixou levar
    Foi um rio que passou em minha vida
    E meu coração se deixou levar!

  2. Paulinho da Viola é um muso da MPB. Um verdadeiro lorde: elegante, charmoso, educado, inteligente, todo especial, Parabéns pelos 75 anos. “nem parece”.

    https://youtu.be/tdOVlUzpa18

    Ruas Que Sonhei
    Paulinho da Viola

    O sol que bate na calçada nesta tarde
    Não trouxe o dia que anseia meu olhar
    E leva embora o consolo dos olhares
    Das morenas
    Bem no tempo de sorrir e namorar
    Toda beleza que havia nesta rua
    Há pouco tempo deu um vento e carregou
    E muita gente se vestindo de alegria
    Vai fingindo todo dia
    Que a tristeza já passou

    Amor, repare o tempo
    Enquanto eu faço um samba triste pra cantar
    Te mostro a vida pra mudar o teu sorriso
    Te dou meu samba com vontade de chorar
    Amor, felicidade
    É o segredo que outro dia te contei
    O sol que morre nos cabelos das morenas
    Um dia nasce sobre as ruas que sonhei

  3. https://youtu.be/IEUPH1A7YkM

    Sinal Fechado (versão acústico mtv)

    Composição: Paulinho da Viola

    Olá, como vai ?
    Eu vou indo e você, tudo bem ?
    Tudo bem eu vou indo correndo
    Pegar meu lugar no futuro, e você ?
    Tudo bem, eu vou indo em busca
    De um sono tranquilo, quem sabe …
    Quanto tempo… pois é…
    Quanto tempo…
    Me perdoe a pressa
    É a alma dos nossos negócios
    Oh! Não tem de quê
    Eu também só ando a cem
    Quando é que você telefona ?
    Precisamos nos ver por aí
    Pra semana, prometo talvez nos vejamos
    Quem sabe ?
    Quanto tempo… pois é… (pois é… quanto tempo…)
    Tanta coisa que eu tinha a dizer
    Mas eu sumi na poeira das ruas
    Eu também tenho algo a dizer
    Mas me foge a lembrança
    Por favor, telefone, eu preciso
    Beber alguma coisa, rapidamente
    Pra semana
    O sinal …
    Eu espero você
    Vai abrir…
    Por favor, não esqueça,
    Adeus…

    “Me perdoe a pressa”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *