Para não ser chamado de “comunista”, Frei Sérgio Görgen teve de rasgar sua Bíblia quase toda…

Frei Sérgio Antônio Görgen visita Lula e em seguida leva sua mensagem à Vigília Lula Livre, nesta segunda-feira (18), em Curitiba - Fotos Publicas

Frei Sérgio Görgen não quer ser mais chamado de comunista

Frei Sérgio Antônio Görgen
Brasil de Fato

Nos idos dos anos 80 do século passado, fui muitas vezes achacado com esta consigna “padre comunista”. Mais recentemente, fui batizado de “frei melancia”. Diz que é “ecologista”, mas é mesmo “comunista”: verde por fora, vermelho por dentro. 

Nos mesmos idos de 80, recebi duas cartas ameaçadoras do CCC – Comando de Caça aos Comunistas. Ameaçavam me esfolar e até eliminar, caso não me convertesse ao que achavam ser o “verdadeiro” cristianismo. Nunca me tiraram um único minuto de sono. 

Não pensei que este besteirol um dia voltasse. Pois não é que voltou! Qualquer frase solta que fale em libertação, defesa de direitos, antifascismo, sociedade solidária, já vem a pecha: padre comunista.

POSSO SER CONDENADO – Embora vivendo a vocação de simples frade, consagrado e não ordenado, pelo fato de estar há muitos anos com “sem-terra”, camponeses, pequenos agricultores, indígenas, quilombolas, pescadores, defendendo suas causas e lutando por distribuição de terras e rendas, estou no rol dos ditos cujos e, inclusive, me promovem a “padre”.

Nem hoje me tiram o sono. Sei a fé que abracei. Mas me imaginei num tribunal inquisidor formado por católicos tradicionais, rançosos e raivosos, enfeitiçados pelo bolsonarismo, convencidos até a medula da autenticidade pura e única de sua religião medieval pintada de nova com o uso das modernas redes sociais. 

Para evitar ser crucificado com esta acusação no tribunal das novas mídias, pensei numa fortificada linha de defesa: vou me ancorar na Bíblia. Aí comecei a perceber que minha defesa tem vários furos, e fiquei com medo de ser, mesmo com tão poderosa defesa, condenado. 

“LIMPAR A BÍBLIA” – Então resolvi tomar uma providencial providência: vou rasgar da Bíblia os textos que podem me condenar. Comecei rasgando os 4 primeiros capítulos dos Atos dos Apóstolos. Aquelas partes que dizem que “os cristãos tinham tudo em comum e não havia necessitados entre eles” e “vendiam os seus bens e colocavam o valor aos pés dos apóstolos” para repartir com os necessitados, poderiam me condenar. E ainda o apóstolo Pedro dizendo que “Deus não faz distinção de pessoas” … Nossa! Comunismo puro. 

Depois arranquei a Carta de Tiago inteira. Aquela mania de São Tiago em dizer que “a fé sem obras é morta” e que “ricos, vossa riqueza apodreceu” e “os gritos dos ceifadores de quem vocês tiraram o salário chegaram aos ouvidos de Deus”. Preocupante. Inútil para minha defesa. 

Depois comecei a dar uma repassada nos Evangelhos. Fiquei preocupadíssimo com o Cântico de Maria, no Evangelho de Lucas. Nossa Senhora rezando que Deus “vai derrubar os poderosos de seus tronos e exaltar os humildes, saciar os famintos e despedir os ricos de mãos vazias”. Pelamor de Deus. Rasguei na hora

E FUI RASGANDO – Rasguei também a parábola do rico comilão e do pobre Lázaro. Rasguei e queimei, para não deixar vestígios, a passagem dos trabalhadores desempregados na praça que receberam o mesmo valor dos contratados mais cedo, pois podem interpretar “de cada um conforme sua capacidade e a cada um conforme sua necessidade”; também aquelas em que Jesus distribui pães e peixes às multidões famintas; eliminei todas onde

Ele convida doentes, coxos, mendigos, pobres, abandonados para o banquete do Reino para o qual os “bem de vida”, convidados, recusaram; destruí várias em que Jesus diz “vai, vende o que tens, dá aos pobres e depois vem e segue-me”; aquelas do camelo passando pelo buraco da agulha antes de ricaços aceitarem o Reino de Deus… Credo. Comunismo puro na mente desta gente cega de ódio.

A expulsão dos vendilhões do templo, eliminei nos quatro Evangelhos. Credo. Uma da poucas vezes que o Mestre enraiveceu foi quando viu comércio com a fé do povo. Risco grande de Ele também ser classificado como comunista. Proibir arrancar dinheiro do povo em troca de bençãos, curas, preces e graças, comunismo puro.

FIQUEI EM DÚVIDA – Aquela parábola do Samaritano fazendo o que sacerdotes e pastores deviam fazer e não fizeram, acolhendo e cuidando do pobre jogado à beira da estrada, fiquei mesmo em dúvida. Porque caridade assistencial, pode. O que não pode é perguntar: “Quem o assaltou? Quem o roubou?”.

Talvez por isto os servos do templo preferiram passar ao largo. Aproximar-se dos pobres pode levar a compromissos mais profundos. Droga. Já estou com argumentação comunista para a mente poluída dos que me acusam. Sem riscos. O Evangelho de Lucas não terá mais esta parábola quando o apresentar em minha defesa.  

Rasguei também as Bem Aventuranças e as mal aventuranças de Lucas. “Bem aventurados vós os pobres”, “Malditos vocês ricos”, doideira, luta de classes, marxismo, vade retro, satanás. “Bem aventurados os que tem fome e sede de justiça”, de Mateus, excluí também. 

FAZER DISTINÇÃO – Também pensei em fazer distinção entre socialismo e comunismo, para que, pelo menos, se saiba do que se está falando quando se multiplicam falas superficiais por aí afora sobre o tema. E que o socialismo, como movimento histórico, despido de ateísmo e totalitarismo, recebeu abertura para engajamento cristão na encíclica Octogésima Adveniens do Papa São Paulo VI. 

Mas acho que diante de tanta pequenez intelectual e tanto fanatismo cego, de pouco adiantará. Talvez nem minha diminuta Bíblia rasgada e purificada me sirva de defesa. Mesmo assim continuarei frade engajado nas lutas sociais em defesa dos desprotegidos, excluídos e explorados, ant-capitalista, socialista e seguidor de Jesus de Nazaré, o Cristo Crucificado e Ressuscitado.

Melhor ser acusado de comunista do que ser, de fato, alienado, omisso, em má consciência com a fé que professo. Me chamem do que quiserem e me ataquem como quiserem. Mas, por preferência, gostei mais de ser chamado de “frei melancia”: aquele suco vermelho é muito doce.  

(Artigo enviado por Sergio Caldieri)

9 thoughts on “Para não ser chamado de “comunista”, Frei Sérgio Görgen teve de rasgar sua Bíblia quase toda…

  1. Um dos melhores posts que já li, aqui na TI ou em qualquer lugar. E não, não distorceu a Bíblia, citou com a maior propriedade os Evangelhos, que são o único lugar da Bíblia em que se ouve a palavra de Jesus Cristo. Este post deveria ser lido e meditado por todos os que se intitulam cristãos, de todas as denominações.

  2. “Mendigo Comunista””.

    Toda vez que eu vinha do trabalho, eu dava 5,00 contos para o mendigo que ficava na esquina.
    Com o passar do tempo comecei a doar somente 2,00 contos,…
    E mais para frente apenas doava 1,00 conto
    Um tempo depois o mendigo me perguntou porque eu baixei a esmola.?
    Eu disse a ele.:
    Quanto eu te dava 5,00 contos, eu era solteiro, morava com minha mãe e pai.
    Depois me casei e passei a te dar 2,00 contos.
    Com o nascimento do meu filho passei a te dar 1,00 conto.
    Ai o mendigo respondeu.:

    Engraçado, então quer dizer que você está sustentando a sua família com o meu dinheiro.??

  3. Conta Darcy Ribeiro que em abril de 1964 durante a invasão da UnB pelos militares somente uma instalação física foi parcialmente destruída e incendiada: o Instituto de Teologia Católica da Universidade de Brasília. Durante os anos de chumbo, inclusive, foi a única parte removida da estrutura do Campus, hj esse instituto não existe mais. Esses padres despertos para a justiça social realmente davam medo até mesmo nos coronéis e generais. Após dois mil anos, as mensagens de Jesus ainda causam ódio nas classes dirigentes, e não consta que ele usasse roupas finas para dar seus sermões.

  4. Esse tipo de padre foi definido pelo Nelson Rodrigues: “O padre de passeata é hoje, uma ordem tão definida, tão caracterizada como a dos beneditinos, dos franciscanos, dos dominicanos e qualquer outra. E está a serviço do ódio.”

  5. Esse frade vermelho tem a cara mais dura que as pernas das imagens dos doze profetas do Aleijadinho.
    Colocar Jesus no centro da sua militância é até heresia, mas esse tipo de pregação parece que busca holofotes para aparecer e sair da escuridão.
    Os profetas do Aleijadinho em Congonhas, MG.
    Isaías, Jeremias. Baruque, Ezequiel, Daniel, Oseias, Joel, Abdias, Amós, Jonas, Habacuque e Nahum

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *