Para o STF, Temer escolhe Moraes (aquele ministro que balança mas não cai)

Resultado de imagem para alexandre de moraes charges

Charge do Kacio, reprodução do Arquivo Google

Vera Magalhães
Estadão

O presidente Michel Temer anunciará na tarde desta segunda-feira a escolha do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para o Supremo Tribunal Federal. O próprio Temer telefonou no domingo para os demais candidatos para comunicá-los de sua escolha. Na coluna de hoje no Estadão, informei que Moraes voltara a ganhar força.

O fato de Edson Fachin já ter sido nomeado o relator da Lava Jato e ter sido ocupada a vaga na turma que julga os processos da operação retiraram os principais obstáculos ao nome do ministro da Justiça.

Percebendo que a maré voltara a ser favorável ao seu nome, Moraes submergiu e deixou de comprar polêmicas quase diárias, como ocorrera, por exemplo, no início da crise no sistema carcerário.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGÉ óbvio que Temer somente indicaria um advogado de sua máxima confiança, que fez um monte de besteiras no Ministério da Justiça, mostrou-se despreparado e até mentiu diante das câmeras de TV, ao vivo e a cores, e ficou no balança, mas não cai, porque Temer é igual a Dilma e não demite ninguém, quem quiser que saia. A Lava Jato recebe um baque, mas isso já era esperado. Ainda bem que não vai relatar os inquéritos e processos da força-tarefa de Curitiba. (C.N.).

28 thoughts on “Para o STF, Temer escolhe Moraes (aquele ministro que balança mas não cai)

  1. -Mas a esquerda Conselho Penitenciário da Dilma não se demitiu em peso por não concordar com os posicionamentos do Ministro?
    -Se a esquerda diz que é ruim, ele pode até prestar.

  2. Off topic:
    Doação fraudada – No Alertatotal.net.

    Comentário do engenheiro mecânico Éder Rocha Rodrigues, indignado com a badalação que Lula fez com a suposta doação de órgãos da falecida ex-primeira-dama Marisa Letícia:

    “Considero ultrajante a notícia de doação de órgãos da ex-primeira dama! Isso não existe!! Nunca soube de um caso de doação de idoso; talvez os velhos do PT sejam exceção… Pior ainda é ver a imprensa televisiva noticiar essa história demagoga, uma verdadeira afronta à inteligência do cidadão”.

  3. Caro Adriano,
    Veja isto:

    “-Existe limite de idade para ser doador ou receptor?
    -O que determina o uso de partes do corpo para transplante é o seu estado de saúde (do falecido). Em geral, aceita-se os seguintes limites, em anos: rim (75), fígado (70), coração e pulmão (55), pâncreas (50), válvulas cardíacas (65), córneas (sem limite), pele e ossos (65).”
    Fonte: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/legislacao/faq_transplantes.php

    • Esses são os limites máximos , mas em última analise quem decide são os cirurgiões que retiram e implantam os órgãos.
      Tem muito pulmão por ai de 45 anos tomado por enfisema.

  4. Tese de Alexandre de Moraes impediria sua nomeação ao STF
    Em trabalho para a USP, ministro propôs veto a cargo do STF a quem “exerce cargo de confiança”
    Jornal do Brasil
    +A-AImprimir
    Em sua tese de doutorado apresentada na Faculdade de Direito da USP, em julho de 2000, o atual ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, defendeu que, na indicação ao cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal, fossem vetados os que exercem cargos de confiança durante o mandato do presidente da República em exercício, para que fosse evitado uma “demonstração de gratidão política”. As informações são do jornal Estado de S. Paulo.

    Por esse critério estabelecido por ele mesmo, o ministro, que é um dos candidatos citados à sucessão do ministro Teori Zavascki, ficaria impedido de ser indicado pelo presidente Michel Temer.

    Em sua tese de doutorado, Alexandre de Moraes propôs o veto para o cargo de ministro do STF no caso de de quem exercer cargo de confiança
    Em sua tese de doutorado, Alexandre de Moraes propôs o veto para o cargo de ministro do STF no caso de de quem exercer cargo de confiança
    A sugestão de Moraes está no ponto 103 da conclusão de sua tese. “É vedado (para o cargo de ministro do STF) o acesso daqueles que estiverem no exercício ou tiveram exercido cargo de confiança no Poder Executivo, mandatos eletivos, ou o cargo de procurador-geral da República, durante o mandato do presidente da República em exercício no momento da escolha, de maneira a evitar-se demonstração de gratidão política ou compromissos que comprometam a independência de nossa Corte Constitucional”.

    O sumário da tese de doutorado está no banco de dados bibliográficos da USP (dedalus.usp.br). Seu título é Jurisdição constitucional e tribunais constitucionais: garantia suprema da Constituição. No trabalho, Moraes também defende que os ministros do Supremo tenham mandato por tempo determinado, e não a vitaliciedade prevista na Constituição de 1988.

    A tese de 416 páginas foi orientada pelo jurista e professor Dalmo Dallari. Os demais integrantes da banca de doutorado de Moraes foram o hoje ministro do STF Ricardo Lewandowski e os professores Paulo de Barros Carvalho, Celso Fernandes Campilongo e Mônica Garcia.

    A tese foi aprovada, porém sem o “com louvor” que costuma carimbar trabalhos mais elaborados e/ou originais.

    Na tese publicada em 2000, Alexandre de Moraes cita o presidente Michel Temer na bibliografia do cartapácio – Temer, Michel – Constituição e política, 1994; Elementos de Direito Constitucional, 1995.

  5. Esperavam o que?… Um pingente político,que nunca se elegeu em nada, chega através de conchavos à presidente da república (com minúscula mesmo)
    O nome desta joça deveria ser DEMONOCRACIA

    O curioso é que este cara, se parece demais com o AMIGO DA ONÇA. – imortal desenho de Pericles
    na antiga revista O Cruzeiro-

  6. Adriano Magalhães e Edér Rocha Rodrigues VOCÊS ESTÃO MAIS POR FORA DO QUE BUNDA DE ÍNDIO. Além de raivosos socialmente atrazados. Este não é o Blog certo para espargir bílis.Se vocês precisarem um dia (não desejo) de transplante de órgãos. Façam um comunicado dizendo: Eu prefiro morrer. Só aceito orgãos de jovens. de 21 anos para baixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *