Para os desempregados, 2017 será apenas mais um Feliz Ano Velho

Resultado de imagem para desemprego charges

Charge do Bruno (chargesbruno.blogspot.com)

Raquel Landim
Folha

O gráfico acima é a melhor ilustração da tragédia vivida pela economia brasileira nos últimos dois anos. A curva mostra a aguda e constante deterioração do mercado de trabalho. A taxa de desemprego medida pelo IBGE subiu de 6,5% no fim de 2014 para os atuais 11,9%. Transformando em números, a quantidade de brasileiros desempregados saiu de 6,5 milhões de pessoas para 12,1 milhões, ou seja, praticamente dobrou.

É um exército de pedreiros, faxineiros, enfermeiros, motoristas, engenheiros, dentistas, jornalistas etc —o equivalente a toda a população da cidade de São Paulo, a oitava mais populosa do mundo— sem trabalho e sem renda.

No fim de 2014, a crise já estava instalada, mas demorou a atingir o mercado de trabalho. As empresas esperam até o último momento para dispensar colaboradores, porque o custo de contratar, treinar e demitir é muito alto.

APÓS AS ELEIÇÕES – Como mostra o gráfico, esse momento chegou após as mais recentes eleições presidenciais. Quando a ex-presidente Dilma se reelegeu e ficou claro que a política econômica seria mantida, as empresas desistiram e começaram a demitir.

Desde então, Dilma sofreu um impeachment e uma nova equipe econômica vem tentando mudar os rumos da política fiscal. Mas a recuperação da economia não vem e a curva de desemprego teima em não ceder. Por quê?

O motivo mais concreto é a alta capacidade ociosa das empresas. Muitos setores investiram pesadamente para atender a uma demanda que se revelou apenas uma bolha, provocada por estímulos fiscais —o setor automotivo é o exemplo mais contundente.

ESTOQUES ALTOS – As empresas estão com estoques altos, turnos de trabalho reduzidos e máquinas paradas. Nessa conjuntura, não pensam em investir ou contratar e só o farão quando a retomada da economia for sólida, o que ainda não dá sinais concretos de ocorrer.

Com o governo Temer acuado pelas revelações da Lava Jato, ninguém sabe se o ajuste fiscal será mantido até trazer os efeitos desejados. Na média, os analistas esperam um crescimento de 0,5% do PIB no ano que começa no próximo domingo.

Em novembro, os dados mostram que a população teve algum alívio, porque o rendimento real parou de cair em relação a outubro, por conta da significativa queda da inflação, que deixou de corroer o poder de compra. Mas as notícias boas param por aí.

FELIZ ANO VELHO – As previsões para o mercado de trabalho estão longe de significar um “Feliz Ano Novo”. O presidente Michel Temer prevê uma recuperação no segundo semestre de 2017, mas pode estar sendo otimista. O especialistas dizem que já vão comemorar se o desemprego parar de subir e ficar tudo igual no ano que vem.

2 thoughts on “Para os desempregados, 2017 será apenas mais um Feliz Ano Velho

    • Concordo com você, Armando! Vai continuar tudo do mesmo tamanho, vendo o dia amanhecer, sem ter que correr para apanhar uma condução para levá-lo ao trabalho. Danado, mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *