Parece mentira. STJ afasta cinco conselheiros corruptos do Tribunal de Contas do Amapá.

Reportagem de Jean-Philip Struck, na Folha de S. Paulo, revela que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) determinou o afastamento de cinco dos sete conselheiros do Tribunal de Contas do Amapá e de cinco servidores do órgão, por participação num esquema que teria desviado R$ 100 milhões do tribunal.

A decisão  é resultado  da operação Mãos Limpas, da Polícia Federal, que desde 2010 vem levantando denúncias de corrupção no Estado envolvendo autoridades do governo estadual, secretarias, o Tribunal de Contas e a Prefeitura de Macapá.

Na relação de conselheiros afastados constam o atual presidente, Reginaldo Wanderley Salomão; o ex-presidente José Júlio Miranda Coelho; o corregedor Manoel Antônio Dias; e os conselheiros Margarete Salomão de Santana Ferreira e Amiraldo da Silva Favacho. Os nomes dos cinco servidores não foram divulgados.

Os pedidos de afastamento foram feitos pela Procuradoria-Geral da República. De acordo com a decisão, os conselheiros vão ficar impedidos de entrar no prédio do órgão em Macapá para não atrapalhar as investigações. Todos vão continuar a receber o salário mensal, que é de R$ 24 mil.

O desvio de verbas era feito por meio da emissão de cheques e saques da conta do tribunal diretamente na boca do caixa. As investigações também apontaram pagamentos a funcionários fantasmas.

Em maio de 2011, a PF chegou a cumprir mandados de busca no Tribunal e nas casas desses conselheiros Na casa da conselheira Margarete Salomão haviam sido encontrados recibos em branco assinados por sua irmã, que é médica. A mesma conselheira solicitou reembolso de cerca de R$ 800 mil em despesas com saúde – algumas não realizadas – durante quatro anos.

###
LIVRE, LEVE, SOLTO E RICO

Um dos conselheiros afastados, o ex-presidente José Júlio Miranda Coelho é figura conhecida da Polícia Federal. Em setembro de 2010, quando comandava o Tribunal de Contas, foi preso na deflagração da operação Mãos Limpas, junto com o então governador do Estado Pedro Paulo Dias (PP) e o ex-governador Waldez Góes (PDT).

Coelho passou seis meses preso. Levantamento da PF mostra que o ex-presidente possui em seu patrimônio pelo menos oito casas, 37 apartamentos, dez flats, 18 lojas comerciais, dez prédios comerciais, 42 terrenos e um hotel com 156 apartamentos. Mas já está livre, leve, solto e rico.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *