Parlamentares independentes pedem à Procuradoria-Geral da República que Sergio Cabral e Agnelo Queiroz sejam investigados

Carlos Newton

Conforme anunciaram, os parlamentares independentes da CPI do Cachoeira (eles Onix Lorenzoni, Miro Teixeira, Pedro Simon, Randolfe Rodrigues, Pedro Taques e Rubens Bueno) entregaram ao Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, uma representação com dados e sugestões, pedindo o indiciamento de Fernando Cavendish, da empreiteira Delta, e uma investigação de suas relações e negócios com os governadores Sergio Cabral (RJ) e Agnelo Queiroz (DF), pois o relatório da CPI só indiciou Marconi Perillo (PSDB-GO).

 Os três governadores em suspeição

 Os parlamentares explicaram que a representação é uma manifestação de repúdio ao relatório do deputado petista Odair Cunha, considerado por eles um instrumento de retaliação política e desrespeito ao Ministério Público Federal.

“O documento que nós preparamos é fruto de meses de trabalho de nossas assessorias técnicas. Foram técnicos que tiveram o único comprometimento de buscar a verdade”, disse o deputado Onix Lorenzoi (DEM-RS), acrescentando:. “Começamos com uma investigação em torno de uma organização de Carlinhos Cachoeira e descobrimos outra muito maior que movimenta volumes de recursos extraordinários que é a empresa Delta. Esta organização se espalhou de maneira tentacular em vários estados e também se apropriou de recursos federais, particularmente, no DNIT, órgao do Ministério dos Transportes”.

Em entrevista na Procuradoria-Geral da República, o deputado gaúcho explicou a Roberto Gurgel que na representação de mais de 80 páginas consta um levantamento da transferência de cerca de R$ 550 milhões da Delta para empresas laranjas. Desse montante, apenas R$ 109 milhões foram investigados pela CPI.

A atitude dos parlamentares independentes é louvável, claro, mas dificilmente terá consequências. A Justiça brasileira está apodrecida. todos sabem.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *