Parreira em fim de carreira, o aventureirismo do egocentrismo, de concreto “só trabalho com projeto”

Hoje, domingo, dia de futebol no mundo, aproveitamos para destacá-lo, principalmente aqui, onde é a paixão nacional. Embora essa paixão só chegue ao povo através de contribuições, seja pelo pagamento de ingressos, da recompensa às televisões, (aberta ou por assinatura), não têm nem voz na escolha dos dirigentes dos clubes.

No país do futebol, cinco vezes campeão do mundo, e quase outras cinco desperdiçadas mais por treinadores do que por jogadores (embora estes não mereçam total absolvição), o torcedor que é a chave e a alavanca de tudo, não tem direito a nada.

Nem sabem quem manda nos seus clubes (o presidente ou o patrocinador?) ou na CBF, propriedade de um homem, Ricardo Teixeira, além de tudo, corrupto, perdão c-o-r-r-u-p-t-i-s-s-i-m-o.

Ninguém sabe de onde veio, mas a verdade é que completou agora, exatamente 20 anos. Portanto está comemorando o Festival Wagner do ditatorialismo, do patrimonialismo, do mandonismo e do autoritarismo sem qualquer restrição.

E se a Policia federal não fizer uma dessas investigações com nomes curiosíssimos, ele já programou mais 10 anos à frente da CBF. Isso se o sócio e parceiro, Josef Blater, não lhe der a vez na Fifa (não dará) em 2015.

Como os treinadores estão em moda, (lembrando a gozação do João Saldanha, parodiando esses homens extraterrestres: “EU ganhei, VOCÊ empatou, NÓS perdemos”) usamos para análise a entrevista de hoje de Parreira ao Jornal do Brasil. Não vamos esquecer o ambicioso Muricy, (valorizado pelo economista Belluzzo), o super valorizado (por ele mesmo) Luxemburgo, e quase todos os outros que ganham fortunas para exibir a mediocridade mas conhecer o Brasil de ponta a ponta.

Ninguém é como Parreira, tem a audácia do Parreira, se julga invulgar conhecedor do futebol como Parreira, tão vencedor quanto Parreira. Destaquemos afirmações da altamente jornalística entrevista de Parreira ao JB, assinada por Hilton Mattos .

1 – Fabio Luciano, que soube a hora de parar, é lembrado para auxiliar no Flamengo. Parreira: “Fabio Luciano me adora”. O auge do ego é achar que todos o adoram. Mal se conhecem.

2 – “No momento a melhor solução para o Flamengo é o Andrade”. Ha! Ha! Ha! Conversava com Kleber Leite para assumir o Flamengo, o problema era dinheiro. Atropelava Andrade que respondia pelo time. Kleber se demitiu, lá se foi a ética do “treinador rico e realizado”.

3 – “Nem sei se do Flamengo vão me telefonar novamente, não sei se assumiria o clube, em ano de eleição”. Desinformado mas falante. Ele assumiria o time e não o clube. A eleição em dezembro é para presidente e não para treinador.

4 – “Só assumo clube (é time) com projeto. Nada de pegar times no fim do campeonato, lutar para não ser rebaixado. Quero planejamento”. Aceita qualquer coisa, desde que haja dinheiro bom. Está na espectativa de vários cargos, até na seleção, para atrapalhar o Dunga.

5 – “Foi uma coisa estúpida, me demitiram pelo telefone. Meu contrato era até o fim do ano”. Assumiu na quarta ou quinta rodada e não fim como afirmou.

6 – “Não sinto magoa e sim frustração. Me demitiram pelo telefone. Se fizeram isso comigo, o que não farão com os outros treinadores”.

7 – Sempre Parreira acima de todos. Isso fica evidente quando se “compara” com os outros, “EU” sou muito melhor. E a frustração das seleções, (varias e não só do Brasil) foi “campeão” em 1994, a pior de todas e alem do mais nos pênaltis.

8 – “Estava acertando as coisas. O nível do nosso trabalho era muito bom. Não tiveram paciência”. Magistral. Assumiu o time na quarta ou quinta rodada, ficou umas dez.

9 – “Não preciso mais disso, vou escolher, aos 66 anos estou realizado”. Está mesmo, e principalmente muito rico. Ganhou fortunas no mundo árabe. Depois de “ganhar” 1994 nos EUA, foi substituído por Lazzarone, indicado por Eurico Miranda. Enriqueceu, tem todo o direito de dizer, “não preciso mais disso”.

10 – E como é que vai viver sem holofotes? Não perderá nada. Apesar de criticar os jornalistas, “eles não sabem entrevistar, perguntam o OBVIO, recebem o OBVIO como resposta”. Esse é Parreira, que continua aparecendo, embora desaparecendo.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *