Partidos usam verbas públicas e distribuem R$ 18 milhões a empresas de filiados

Resultado de imagem para fundo partidário charges

Charge do Sinovaldo (Jornal VS)

Felipe Bächtold e Marina Gama Cubas
Folha

Os partidos políticos destinaram ao menos R$ 17,8 milhões a empresas de filiados, incluindo seus próprios dirigentes, ao longo de 2018, de acordo com as prestações de contas entregues à Justiça Eleitoral. Levantamento feito pela Folha cruzando os dados de firmas prestadoras de serviços às legendas com títulos de eleitores e os CPFs de membros dos partidos, principalmente integrantes dos diretórios nacionais, estaduais ou municipais, aponta que ao menos 294 empresas ligadas a esses filiados foram beneficiadas.

Essas empresas incluem principalmente escritórios de advocacia ou de contabilidade, produtoras de conteúdo, postos de gasolina e gráficas. A reportagem detectou as contratações em 29 dos 35 partidos constituídos naquele ano.

PRÁTICA COMUM – Essa prática ocorre em legendas de distintas correntes ideológicas, do PCdoB ao PSDB ou ao PSL, partido pelo qual Jair Bolsonaro foi eleito.

A principal fonte de financiamento dos partidos são recursos públicos repartidos do fundo partidário, que em 2018 somou R$ 888 milhões. Para 2020, o valor previsto no Orçamento é de R$ 959 milhões, que se somará ao fundo eleitoral de R$ 2 bilhões para custear as campanhas de candidatos a prefeito e vereador pelo país.

Os dados das prestações partidárias de 2018 apontam na lista dos beneficiários firmas dos ex-presidenciáveis Luciana Genro (PSOL) e Ciro Gomes (PDT) e de parentes de Levy Fidélix, do PRTB.

OUTROS ENVOLVIDOS – Aparecem ainda presidentes nacionais de siglas: José Maria Eymael (DC) e Eurípedes Macedo Júnior (PROS), que possuem respectivamente comércio de autopeças e uma oficina.

O levantamento se refere ao ano passado porque o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não obriga as direções partidárias a informar suas despesas no momento em que são feitas, como ocorre nas campanhas eleitorais.

As prestações de 2018 foram entregues apenas em abril deste ano, e as informações com os gastos foram publicadas em forma de planilhas, que permitem cruzamentos de dados, só em setembro.

CRUZAMENTO – A reportagem cruzou 80 milhões de registros do TSE e da Receita Federal a partir de um algoritmo para chegar à soma de R$ 17,8 milhões pagos.

Foram considerados os casos de empresas que receberam por alguma prestação de serviço ao partido e que, ao mesmo tempo, tinha no seu quadro societário uma pessoa filiada à sigla e com cargo em um dos seus diretórios durante o ano de 2018.

CNPJs de instituições, associações sem fins lucrativos não foram considerados no levantamento, bem como os pagamentos realizados a pessoa jurídica para a campanha de candidatos nas eleições de 2018.

POR BAIXO – O número de dirigentes beneficiários deve ser bem superior, já que o levantamento da reportagem não computa os pagamentos feitos pelas fundações partidárias, que recebem ao menos 20% das verbas do fundo partidário e que não têm suas despesas compiladas em tabelas pela Justiça Eleitoral. Segundo a legislação, as fundações devem desenvolver atividades de educação política e pesquisa.

O partido que apareceu no topo em 2018 foi o PSB, sendo que a maior parte foi paga ao escritório de advocacia Carneiros, do qual é sócio Rafael Carneiro, que é filiado e também integra o Conselho de Ética da legenda. A seguir, estão o PSD, o Solidariedade e o PT.

SOLIDARIEDADE – No caso do Solidariedade, em 2018 se repetiu o que já havia sido mostrado com os dados do ano anterior em levantamento feito pela ONG Transparência Partidária: a maior despesa com prestadores filiados foi com o Cedraz Advogados, que tem entre sócios seis integrantes do diretório nacional do partido.

No PDT, pagamentos ao escritório de Ciro também ocorreram em 2017 e na campanha eleitoral do ano passado.

O partido Novo também fez pagamentos a firmas de dirigentes, no total de R$ 656 mil, mas afirma que para isso não usa o fundo partidário e que tenta devolver esses recursos. Entre outras fontes de financiamento das legendas, estão contribuições de filiados e doações de pessoas físicas.

PRESTAÇÕES DE CONTAS – As direções partidárias precisam prestar contas anualmente de seus gastos ao TSE, sob pena de ter cortados os repasses públicos.

A análise da regularidade desses dados, porém, é lenta: em abril passado a corte eleitoral finalizou a análise da prestação de contas de 2013, e determinou a partidos a devolução de R$ 18,5 milhões por uso indevido do fundo.

Ouvidos pela reportagem, partidos, empresas e políticos afirmam que a prestação de serviços às legendas é regular e que não há impeditivo na legislação.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O que existe é uma grande esculhambação, uma farra do boi com recursos públicos, cujos envolvidos deveriam ser punidos por impunidade administrativa. A reportagem dá apenas uma pálida ideia do que acontece na contabilidade dos partidos. Com milhares de servidores, a Justiça Eleitoral é uma vergonha nacional, pois não consegue sequer fiscalizar a contabilidade dos partidos, o que demonstra o descontrole e a vagabundagem que caracterizam a atual nomenklatura nacional. Mas quem se interessa? (C.N.)

9 thoughts on “Partidos usam verbas públicas e distribuem R$ 18 milhões a empresas de filiados

  1. “Com milhares de servidores, a Justiça Eleitoral é uma vergonha nacional, pois não consegue sequer fiscalizar a contabilidade dos partidos, o que demonstra o descontrole e a vagabundagem que caracterizam a atual nomenklatura nacional. ”

    -Pois é…
    -Mas vão proibir é a contratação de policiais, médicos, fiscais, professores.
    -A casta das HIENAS, é preciso ter muita coragem para mexer com ela.

  2. Pois é, pois é …

    E depois me dizem que VIVEMOS EM UMA DEMOCRACIA!

    ROUBAR dinheiro do povo e distribuir às empresas de filiados dos partidos, convenhamos, mas estamos diante de crimes hediondos!

    Nesse meio tempo, a milicada segue na sua irresponsabilidade e cumplicidade com a corrupção reinante, pois tentaram vencer o comunismo e perderam fragorosamente décadas depois, quando tiveram de chamar de Excelências quem haviam prendido!!

    Como gato escaldado tem medo de água fria, as nossas FFAA estão quietas como bebê cagado!

    Que vergonha!
    No que o MEU EXÉRCITO de 50 anos atrás se transformou:
    um colégio de freiras!

    • Eu não atribuiria esse descalabro as Forças Armadas.
      Antes eu pensaria num congresso apátrida, corrupto e ladrão que estabeleceu a cleptocracia.
      E esse congresso pode ser defenestrado pelo voto e não pelo fuzil, é o que penso.
      Mas respeito seu direito de opinião.

      • Pimenta,

        Quantos anos e quantos milhões de brasileiros deverão aguardar que, pelo voto, o congresso será depurado?!

        E quem pode defenestrar o antro de venais, se não as FFAA?!

        Elas ficarão assistindo passiva e irresponsavelmente que milhões continuem na miséria, na pobreza, enquanto as castas e as elites cada vez mais enriquecem, até haver a suposta melhora do parlamento??!!

        Se os milicos desertaram de defender o povo e a pátria, então que nós, o povo, façamos este serviço!
        Agora, Pimenta – eu também respeitando a tua opinião -, mas aguardarmos por décadas a fio para o Legislativo criar vergonha na cara é muito tempo, tempo demais para quem não tem mais condições de esperar!

        É o que penso, claro, e aceito opiniões em contrário, obviamente!

  3. .
    está PROVADO e COMPROVADO

    o mal do brasileiro é pensar que

    só é ladrão quem mete a mão no bolso do outro

    e tira dez-mil-réis !!!

    OS DEDOS DAS MÃO(S
    são demasiadamente muitos demais,
    ex.ces.si.vos bas.tan.te
    para contar os pRAlamentares tupiniquins
    que não são bandidos picaretas

  4. Longe de serem freiras, Chicão!
    São homens que já foram cooptados. Se renderam ao vil metal e a vida mansa que a grana pode trazer.
    É aí que mora o perigo…
    Ando pensando que o bolsonaro e a sua família estão muito acuados.
    Se apertar mais um pouco, o bolsonaro tem tudo pra se transformar num hugo chávez patropi.
    Já está no aconchego (braços) dos nefastos 3 poderes e tem uma boa parcela de milicos que o apoiam.
    Não sei não, o desespero de não poder explicar o inexplicável, pode deflagrar um movimento deste tipo.
    Como o bolsonaro não bate bem da bola, tudo pode acontecer.
    Já pensou nisso?
    Chicão, o ferrolho pode apertar mais, se começarem a futucar as contas da primeira dama.
    Aí o presidente pode enlouquecer de vez e tentar uma cartada final.
    Veja que, o Mourão desapareceu do mapa e, o silêncio dele assusta até os mais surdos.
    Forte abraço e muita saúde pra aturar toda esta doença.
    Cordialmente.

  5. Meu caro amigo Espectro,

    Considerando que estamos em pleno Natal, e se me permitires, deixarei para quinta-feira voltar ao tema político-ladrão-corrupto-desonesto.

    Por ora, quero te desejar um Natal de muita paz, saúde e união, muita união junto aos teus amados.
    Obrigado pela quantidade de comentários que trocamos, e que me deixaram muito alegre pelo fato de nossos pensamentos convergirem para o mesmo centro:
    o bem do povo e do país.

    Mais do que nunca precisamos renovar as nossas forças para o ano que vem, que julgo ser crucial para o futuro da cidadania brasileira e do nosso Brasil.
    Ou esse governo decola de vez ou chegaremos à total fadiga de material, ou seja, um ponto sem volta de esgotamento do povo que sofre, que não tem trabalho, saúde, educação, e cada vez mais é onerado com os custos gerados pelo parlamento, que deveria ser fechado imediatamente!

    Uma reportagem enviada por um amigo meu, diz o seguinte:
    “Ao todo foram reembolsados R$ 3,9 milhões por ano para cada um dos 513 deputados e R$ 2,78 milhões por cada um dos 81 senadores.”

    A manchete da reportagem é esta:
    Deputados e senadores tiveram R$ 2,22 bilhões ressarcidos nos últimos 10 anos, e o link que comprova a informação é este:

    https://diariodopoder.com.br/deputados-e-senadores-tiveram-r-222-bilhoes-ressarcidos-nos-ultimos-10-anos/

    Observa, Espectro, apenas de indenizações pessoais, isto é, despesas sem comprovante algum, que os parlamentares se concedem como um meio a mais de embolsar dinheiro roubado, além das rachadinhas, e também as fortunas advindas da corrupção!

    Bom, eu havia dito que não falaria de política, e acabei abordando este tema que tem nos levado à falência ética, moral, econômica e social, pois inevitável.

    Abraço forte, caloroso,
    Saúde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *