Pastores agiam no MEC como “organização criminosa sofisticada”, diz a Polícia Federal

Prisão de Milton Ribeiro: quem são os pastores alvo da operação da PF | A  Gazeta

Gilmar Santos e Arilton Moura são pastores lombrosianos

Rayssa Motta, Pepita Ortega, Fausto Macedo e Júlia Affonso
Estadão

Ao pedir a prisão do ex-ministro Milton Ribeiro, a Polícia Federal (PF) citou uma “organização criminosa” que, segundo os investigadores, se “infiltrou” no Ministério da Educação (MEC). Os policiais federais descreveram “camadas de atuação” usadas para controlar a pasta.

De acordo com a PF, o ex-ministro seria responsável por “conferir o prestígio da administração pública federal à atuação” dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, “conferindo aos mesmos honrarias e destaque na atuação pública da pasta, até mesmo, internamente, nas dependências da sede do Ministério da Educação, e, sobretudo, nos eventos onde os pastores faziam parte do dispositivo cerimonial”, diz a Polícia Federal.

SAQUEANDO O ERÁRIO – O objetivo, segundo a investigação, seria “promover a própria imagem e explorar economicamente o serviço público”.

A manifestação dá destaque para a nomeação do advogado Luciano Musse como gerente de projetos da Secretaria Executiva do MEC. A PF diz que a escolha demonstra a “sofisticação da atuação agressiva da ORCRIM (organização criminosa)” e seu “desprezo à probidade administrativa e fé pública”. Ele foi citado pelo prefeito de Jaupaci (GO), Laerte Duarte, como “assessor” do pastor Arilton.

Outro trecho aponta como intermediário de propinas o ex-assessor da Prefeitura de Goiânia, Helder Diego da Silva Bartolomeu, que é genro do pastor Arilton Moura. Os investigadores dizem que a conta dele foi usada para receber vantagens indevidas.

ACESSO PAGO – A representação da Polícia Federal resultou na Operação Acesso Pago, que prendeu ontem o ex-ministro e os pastores. Eles conseguiram, no entanto, um habeas corpus junto ao Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF-1), em Brasília, para aguardar a conclusão das investigações em liberdade.

Quando o gabinete paralelo de pastores no Ministério da Educação veio a público, revelado pelo Estadão, a Controladoria-Geral da União (CGU) abriu uma investigação preliminar.

Algumas movimentações bancárias chamaram atenção dos auditores: depósitos de R$ 20 mil na conta de Luciano Musse e transferências de R$ 30 mil para Helder Bartolomeu. Os pagamentos teriam sido feito em parcelas por Danilo Felipe Franco a pedido do pastor Arilton.

AMPLA INVESTIGAÇÃO – Ao encontrar os depósitos, a CGU acionou a Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF). “No decurso da Investigação Preliminar Sumária também foi identificada a prática de atos suspeitos por pessoas que não se submetem à competência correcional da Controladoria-Geral da União”, informou o órgão.

A PF também coloca sob suspeita um depósito de R$ 50 mil na conta de Myriam Ribeiro, mulher do ex-ministro. Como mostrou o Estadão, a defesa do casal alegou que o valor seria oriundo da venda de um carro e teria sido repassado por familiares do pastor Arilton Moura que compraram o veículo.

Os policiais federais dizem que o relatório entregue pela Controladoria, somado aos achados da investigação, “demonstram, documentalmente, o recebimento de vantagem solicitada pelos investigados”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Se o famoso criminalista italiano Cesare Lombroso conhecesse os dois pastores do MEC, daria urros de satisfação. O semblante deles já evidencia tudo. Qualquer um poderia prendê-los sem saber os que eles estavam fazendo, e os dois pastores nem reclamariam, porque saberiam muito bem o motivo de serem presos. Repare bem a fotografia. (C.N.)

15 thoughts on “Pastores agiam no MEC como “organização criminosa sofisticada”, diz a Polícia Federal

  1. No que melhorou a Educação no Brasil nestes 3 anos e 6 meses do (des)Governo do Bolsojeguison.??

    Temos as piores das piores notas em todos níveis de educação,

    Estamos em sempre em últimos lugares, em alguns casos perdemos para Páises miseraveis da Africa…

    Mas os Tele-Pastores Talebanjéguis estão muito bem com a “educação””….

    Viva a Corrupção!!!

    • Caro Armando,
      Se preciso for, voto no luladrão!!

      Quero ver o demônio enjaulado junto com a familícia e a biscate macumbeira!

      Um abraço,
      José Luis

  2. O que está em pauta é o paprm da Justiça, se a temos nesse nível.

    O STF, se descondena um, poderá condenar outro?

    É logico que iria dar merda.

    Desculpem aexpressão, não há outra.

  3. Os rebentos 01,02 e 03 já estão excretando que tem política na prisão dos homens de Deus. Querem ir contra o batom na cueca. Três inuteis!!

  4. KKK mas isto é muito bem feito, enquanto o Serviço Público servir de abrigo para canalhas como este a corrupção, pelo menos no Serviço Público nunca vai acabar. Entendo que o cargo de ministro ou de secretário seja de livre provimento, mas para por aí, porém isto nunca vai acontecer.

  5. Já conhecemos a solução para o problema: CIRO-TEBET. Será que o brasileiro não sabe contar até 3?
    Vejam: 1-Lula; 2-Bolsonaro; 3-CIRO,TEBET!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.