Pátria Educadora, um estelionato eleitoral

Vladimir Safatle
Folha
De todos os estelionatos eleitorais que o governo Dilma produziu nesses últimos meses, o mais deplorável é aquele que levou os profissionais de marketing de sua campanha a decidir que o slogan de seu governo seria “Pátria educadora”. Ao se ouvir algo dessa natureza, o cidadão acredita que está diante de um governo que fará da educação sua prioridade maior.

Isso significa, por exemplo, que ele livrará os gastos com educação da sanha dos cortes inventados por economistas funcionários de bancos privados travestidos de ministros. Economistas contratados para requentar a velha receita do “ajuste fiscal” que pune os pobres e a classe média, isto enquanto deixa intocados os rendimentos da elite rentista e do sistema financeiro.

No entanto, eis que no início do mês de julho somos contemplados com a notícia de que a Capes, órgão do Ministério da Educação responsável pela pós-graduação, será obrigada a cortar 75% da verba de custeio de todos os programas de mestrado e doutorado no país.

Isso significa uma restrição brutal das atividades de pós-graduação, com consequências para a pesquisa desenvolvida entre nós e para o processo de internacionalização de nossas universidades.

Em um momento de crise, os investimentos em educação e pesquisa tornam-se ainda mais decisivos. Países que entraram em crise econômica profunda, como a Islândia, criaram um sistema de bolsas para que desempregados se inscrevessem na pós-graduação, isso a fim de qualificá-los melhor.

DE CABEÇA PARA BAIXO

Mas imaginar que os economistas que controlam o atual governo compreendam algo dessa natureza é como pedir que andem de cabeça para baixo.

Ao impor ao Ministério da Educação a obrigação de produzir um corte dessa natureza, o governo federal demonstra, mais uma vez, sua falta de compromisso com suas próprias promessas. Se ele realmente quisesse tratar a educação nacional como prioridade poderia lutar por criar um imposto, vinculado exclusivamente à educação, sobre os lucros bancários estratosféricos, sobre as grandes fortunas ou sobre transações bancárias.

Quem sabe, tocado pela situação, o Congresso Nacional, com sua casta recém-contemplada com aumentos de verbas, poderia voltar atrás no aumento do Fundo Partidário e o senhor Eduardo “dia do orgulho heterossexual” Cunha anunciaria que os líderes partidários resolveram que melhor seria abrir mão de tal aumento em prol da defesa do orçamento da educação.

Em uma hora de miséria nacional, não custa delirar um pouco.

(artigo enviado pelo comentarista Mário Assis)

10 thoughts on “Pátria Educadora, um estelionato eleitoral

  1. Faltou dizer que em 2014 o MEC executou apenas 78% do orçamento e esse corte já veios sobre o antigo corte. Várias Federais estão em estado de calamidade, falta tudo desde papel higiênico ao pagamento de contas de luz, água e telefone. Boa parte das obras do Reuni estão paradas, por falar nelas seria interessante comparar os seus custos com os valores de referência do TCU. Para complicar ainda mais, as inconstitucionais ( súmula vinculante 12) Fundações de Apoio à Universidade são na maioria das vezes enormes sangradores de recursos públicos. Resumindo: Falência.

  2. Fico grato em ver esse artigo, pois já venho denunciando as ações daninhas dessa Pátria demagoga que de educadora nada tem.
    A questão agora é, além do fechamento de escolas na Bahia, em
    Feira de Santana, foram fechados os turnos noturnos de vária unidades escolares, a desculpa esfarrapada que a Ex diretora da DIREC II, atual Núcleo Regional de educação 19, nos deu foi que a evasão de alunos era grande e que a Secretaria de Educação não poderia manter uma turma com 20 alunos, era prejuízo, só que a própria SEC, através das suas incompetentes pedagogas que se ocupam em aporrinhar os professores, criar uma maneira de trazer esses alunos de volta à escola, isso nunca foi feito, a escola onde trabalho, a diretora, posta e imposta por essa figura macabra da Sra. Nívia (Ex diretora da DIREC, que sequer era funcionária do Estado da Bahia, na verdade um apêndice posta por políticos ligados ao governador Wagner) está célere nas atividades de acabar com a dita escola, já fechou uma turma de EJA (noturno) e no diurno duas turmas, isso no meio do ano letivo, ela sabe da evasão de alunos e não faz nada no sentido de deter essa situação, tudo isso feito com o aval da Direc e da Secretaria de Educação da Bahia. Não temos noção do número de alunos que abandonaram as salas de aula, só das escolas fechadas, que são muitas.
    Vamos a educação superior, na Bahia, além da UFBA que se encontra em greve há cerca de 2 meses, as Universidades estaduais, incluindo a UEFS (Universidade Estadual de Feira de Santana) que se encontra com as atividades docentes paralisadas a dois meses, e que agora os professores só querem poder conversar sobre os repasses de verbas para o funcionamento dos cursos, mas o governador Rui Costa não a mínima importância, resultado, a UEFS tanto quanto as federais estão na pior situação possível, com projetos e pesquisas paralisados pela incompetência de um governo autoritário e corrupto.
    Por falar em corrupção, quando ouvi pela TV que a Polícia Federal havia desencadeado uma operação para prender os corruptos da educação, logo imaginei que fossem pessoas ligadas a dita DIREC, pois lá funcionam células de corrupção como as descritas pela PF, com licitações fajutas, diretoras que desviam dinheiro da merenda escolar para suas necessidades privadas, projetos que são financiados pelo MEC mas que os professores nunca veem a cor do dinheiro, tendo que bancar os tais projetos com parte dos salários. entretanto as contas dessas diretoras sempre são aprovadas na DIREC, o que demonstra claramente que tem muita sujeira debaixo dos livros escolares, e isso seque é apurado, não temos confiança na ouvidoria do Estado por está contaminada pelos ratos e carrapatos da política, enquanto isso o slogan de Pátria educadora continua nos assombrando com o fantasma da educação morta há pouco!

  3. Educassão nuca foi pioridade. Mas hoje abusa-se da ironia.

    Nas redes públicas, faltam concursos e sobra precariedade e vínculos temporarios.

    Salário menor que o de professor Raimundo, desinteresse superior ao dos alunos do Girafalles.

    Inovação tecnológica e produção científica heroicas, mas muito pequenas diante da nossa população, nosso território e potencial.

  4. Não me fale em mais tributos sobre o cidadão comum ou sobre seus investimentos e transações como a CPMF, que talvez só servisse para rastrear. Ricos de verdade sempre terão tratamento de Leman. Basta usar bem a fortuna que já tem.

  5. Agora me diz, o que esse “intelectual” da USP, guindado ao posto de Ministro da Educação fará? Ainda vai permanecer no cargo, brindado com tamanho desprestígio a sua pasta, ou deixará esses incultos e boçais administrarem o próprio fracasso?

  6. A POROROCA VAI VOLTAR E SEM DRENAGEM
    A investigação feita sobre a POROROCA DO RIO MAGUARI, e os estudos feitos e aprovados por MINISTÉRIO DE MEIO AMBIENTE, e órgãos AMBIENTAIS E ESTADUAIS, esqueceram de muitas questões primordial, ao que se entende, em procurar, vasculhar, meios, ideias, a procura de um denominador que fundisse com as necessidades do RIO MAGUARI, e com a volta do cimo das pororocas.
    SÃO grandes as chances de o AMAPÁ retornar ao posto de referência nacional da pratica do surfe na pororoca, as ondas ou força de rolamento da massa liquida água. PARA O RIO MAGUARI existem projetos com 90% de possibilidades de se encaixar nas deficiências encontradas no RIO MAGUARI, e 10% fica com os políticos e a boa vontade de acabar com essa patologia que são muitas, e não diagnosticada por diplomados nesta área de meio ambiente. COM tudo que vimos, já não precisamos mais de doutorados ou pós, mais sim, de pessoas com conteúdo de conhecimento natural das coisas do PAI, O PODEROSO DEUS.
    O HOMEM é o criador destas patologias, bem como a criação de búfalos, três hidrelétricas o agronegócio, as margens do RIO MAGUARI que corta sete municípios AMAPAENSE que despejam seus esgotos imaturos no ARAGUARI seus afluentes.
    UM dos maiores problemas dos rios BRASILEIROS, é o assoreamento na foz que está criando um dos maiores problemas para os ribeirinhos, no ARAGUARI, PARAGUAÇÚ, JEQUITINHONHA, JOÃO DE TIBA, SÃO FRANCISCO, RIOS DO SUDESTE, SUL E OUTROS, não será necessária dragagem em muitos casos, existem muitos métodos baseado na inercia você encontra denominadores que se encaixa nas feridas dos Araguaris do nosso PAÍS.
    FEDERAÇÃO DE PECUARIA DO AMAPÁ, COEMA, SEMA, IMAP, ANA, ICMBIO, MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE, ESTES SIM, BATERAM O MARTELO DE TODOS OS SEUS CONHECIMENTOS DE RECUPERAÇÃO DO ARAGUARI E OS ACIMA SITADOS.
    O RIO ARAGUARI será recuperado para vergonha de vocês, ANA e outras agencias que deram o seu veredito sobre os ARAGUARIS DESTE PAÍS, a vocês que distribui uma água grossa em drogas, para matar placas bacterianas que estão se transformando em colônias em seus depósitos imundos, por falta de uma ideia nova.
    O GOVERNO FEDERAL reluta em reconhecer, como tornar água potável sem drogas.
    Como dar um ou mais destino ao esgoto, para vocês pararem com essa ilusão de cidade verde, em cidade verde não existe esgoto correndo a céu aberto ou pelas ruas.
    UM LEMBRETE os políticos não ofereceram uma boa educação, mais ofereceram cadeia com a menor idade. E A SAÚDE É ISSO AI QUE LHES DESTINARAM.

    O PODEROSO DEUS DE ABRAÃO ESTÁ REUNINDO A SUA IGREJA E LÁ NÃO TEM SACOLINHA.

    JOÃO DE DEUS FERREIRA.

  7. Que bom lembrar que o Safatle estimulou o golpe, com artigos dessa natureza. Estelionatário é o sr., amigo. Não tem compreensão da dimensão do real e das inúmeras dificuldades que um governo tem para implementar qualquer agenda minimamente social. Não percebeu que o golpe se alimentava de todo tipo de ataques e oposições – algumas talvez bem intencionadas, mas igualmente incapazes de enxergar que o golpe seria o mal maior e que quem protestava não o fazia por se preocupar, de fato, com Educação, Saúde e inclusão social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *