Paulo Guedes anuncia que o novo presidente do BNDES virá da iniciativa privada

Resultado de imagem para guedes charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Delis Ortiz e Filipe Matoso
TV Globo e G1

O substituto de Joaquim Levy no comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) será indicado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e deve ser da iniciativa privada, informaram integrantes da equipe econômica.

Levy pediu demissão do cargo neste domingo (dia 16), após o presidente Jair Bolsonaro ter dito no sábado que ele estava com a “cabeça a prêmio”.

ULTIMATO – Bolsonaro disse na tarde deste sábado (15) que, se Levy não demitisse o diretor de Mercado de Capitais do BNDES, Marcos Barbosa Pinto, ele, Bolsonaro, demitiria Levy, sem consultar o ministro Paulo Guedes. Poucas horas depois, Marcos Pinto renunciou ao cargo. No domingo de manhã, Joaquim Levy também pediu demissão.

Segundo apurou a TV Globo, o próximo presidente do BNDES terá de focar os trabalhos nas seguintes áreas: programas de saneamento; infraestrutura; privatizações; e reestruturação de estados e municípios.

Ainda de acordo com integrantes do governo, o substituto de Joaquim Levy também deverá ter como objetivos devolver à União parte dos recursos emprestados ao BNDES, além de buscar investimentos no exterior.

INSATISFAÇÃO – Embora a nomeação de Marcos Pinto tenha sido a “gota d´água’ para Bolsonaro, integrantes da equipe econômica afirmam que o presidente estava insatisfeito com Joaquim Levy havia três meses.

Isso porque, na avaliação desses integrantes, Levy não havia cumprido a promessa de campanha de Bolsonaro de “abrir a caixa-preta” do BNDES em relação a empréstimos para Venezuela e Cuba nem havia buscado investimento no exterior.

Ao colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, Paulo Guedes disse que Bolsonaro estava “angustiado”. Acrescentou que entendia a “angústia” em razão de Levy ter escolhido “nomes ligados ao PT” para o banco.

LIGADO AO PT – Marcos Pinto, cuja demissão foi cobrada por Bolsonaro, foi chefe de gabinete de Demian Fiocca na presidência do BNDES (2006-2007). Fiocca era considerado, no governo federal, um homem de confiança de Guido Mantega, ministro da Fazenda nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

“Ninguém fala em ‘abrir a caixa-preta’ e ainda nomeia um petista. Então, fica clara a compreensão da irritação do presidente”, disse Guedes ao Blog do Camarotti.

Segundo o colunista João Borges, Guedes e Bolsonaro conversaram neste sábado logo após o presidente ter dito que Levy estava com a “cabeça prêmio”. A declaração fez os integrantes da equipe econômica considerarem “insustentável” a situação do agora ex-presidente do BNDES.

CRÍTICAS INTERNAS – O ex-presidente recebeu uma saraivada de críticas de funcionários quando disse, numa palestra em março, que só em 2016 o BNDES criou uma área de verificação do cumprimento de normas e leis (compliance) e que, por isso, não se surpreendia com o fato de terem acontecido “coisas esquisitas”.

O episódio mais recente, em maio, foi o afastamento da então chefe do Departamento de Meio Ambiente do banco após o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, anunciar uma análise que teria apontado má aplicação dos recursos do Fundo Amazônia.

ASSOCIAÇÃO DEFENDE – Com as críticas de Bolsonaro, até mesmo a AFBNDES, associação que representa os funcionários da instituição de fomento, disse em nota que, “apesar de divergências sob alguns pontos da atual gestão, como o afastamento da chefe de departamento do Fundo Amazônia e declarações infelizes sobre operações de comércio exterior”, reconhecia que Levy “nunca apoiou ou defendeu fantasias e calúnias que o presidente da República, sempre saudoso da campanha eleitoral, insiste em declarar sobre o BNDES”.

Mesmo com a pressão dos funcionários, a gestão de Levy fez algumas de atender a demanda da promessa de campanha de Bolsonaro. Ainda em janeiro, divulgou no site do banco uma lista com 50 maiores clientes do banco. Compartilhado com entusiasmo nas redes sociais por Bolsonaro, o ranking já havia sido publicado no governo Michel Temer, dentro do “Livro Verde”, lançado em julho 2017, na gestão de Paulo Rabello de Castro à frente do banco.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGPaulo Guedes faz um esforço danado para fingir que não foi responsável pela indicação de Joaquim Levy e dos diretores ligados ao PT. Vamos aguardar o nome do novo gênio que ele irá indicar. (C.N.)

10 thoughts on “Paulo Guedes anuncia que o novo presidente do BNDES virá da iniciativa privada

  1. O camarotti fica falando que é desgastante a saída do Levy, à vista do mercado.
    Devia falar a verdade, e dizer que saiu porque não quis abrir as operações financeiras exdrúxulas do Pt, para Cuba. Angola, Moçambique, Venezuela, etc, e as operações para empresas tipo JBS.
    Além disto, dilatou o cronista de devolução de recursos ao tesouro, atrapalhando metas de governo, sem falar do crescimento da dívida interna.
    Demissão “ Ad nutum “ , do presidente da república, sem maiores explicações.
    Sai, e pronto!
    Pessoal mundo técnico acha que no existe viés ideológico nestas nefastas operações.
    Estes países não vão pagar, e serão levadas a perda nos resultados.
    Sem maiores comentários!

  2. Acho que a fila deveria andar e chegar a quem nomeou a quem nomeou. Quanto a ter de ser alguém na iniciativa privada, acaba por não dizer nada. Foram empresas da iniciativa privada que junto ao PT nos fizeram chegar onde chegamos. Que Guedes respeite mais a nossa mediana inteligencia.

  3. Blá blá blá….
    Guedes,se tivesse vergonha sairia tbem.

    Mas,como não tem, fica no desgoverno,se escondendo do ministério público..
    Leia se”desviou do fundo de pensões”.

    Chama o Meirelles e seus 50 tons,vejo para este desgoverno a saída…

    PS: não é adesão, é constatação..
    É um nome,acima de partidos,e daria “SEGURANÇA”,ao mercado, é isso que os empresários querem.

  4. Lembro que em uma das viagens de Bolsonaro ao exterior, ele disse que quando voltaase conversaria com o Levy. O presidente não estava satisfeito com o fato de a caixa preta do BNDES não ter sido aberta ainda e que o que Levy tinha feito até aquele momento era insatisfatório. Este fato aconteceu em fevereiro ou março.

    • Tem razão.
      Este cargo, entre outros, chama-se “Ad nutum “ do Presidente da república.
      Demissão sem maiores explicações.
      Bolsonaro, certíssimo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *