Era só o que faltava: Paulo Roberto Costa recusou ser ministro de Dilma este ano

Ex-diretor da Petrobras não quis assumir Ministério das Cidades

João Domingos
O Estado de S. Paulo

De acordo com o jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, Paulo Roberto Costa, que fez um acordo de delação premiada com o Ministério Público para expor a corrupção na Petrobrás, teria sido convidado a assumir as Cidades no lugar do então ministro Aguinaldo Ribeiro, que estava se desincompatibilizando do cargo para disputar um novo mandato de deputado pela Paraíba. A informação consta de uma troca de mensagens entre o doleiro Alberto Youssef e o deputado Luiz Argôlo (SD-BA) de 13 março – mesmo dia em que a presidente Dilma Rousseff anunciou a substituição de seis ministros, entre eles o das Cidades.

A conversa foi interceptada pela Polícia Federal e estava sob sigilo até o início deste mês. De acordo com a Gazeta do Povo, os diálogos não deixam claro se o convite teria sido feito pela própria presidente da República ou pelo PP, partido que controla o ministério. Na primeira mensagem, enviada às 19h34, Argôlo pergunta para Youssef: “Vc sabia q chamaram PR pra assumir o Ministério?? E ele n quis. Aguinaldo [Ribeiro, o ministro] saiu hoje” (sic). Segundo as investigações, a sigla PR era usada para citar Paulo Roberto Costa. Youssef responde: “Sabia. Ele já tinha me contado”. E em seguida completa: “Foi a melhor coisa q ele fez [não ter aceitado]” (sic).

COTA DO PP

O Ministério das Cidades faz parte da “cota” do PP, partido que, juntamente com o PMDB indicou Costa para a diretoria de Abastecimento da Petrobrás. Além disso, Youssef é apontado como o operador do esquema de desvio de dinheiro da estatal dentro do partido – que também envolveria o PMDB e o PT, segundo a delação de Costa. Antes de entrar no Solidariedade (SD), Argôlo era filiado ao PP. O deputado responde a processo de cassação de mandato pela relação com o doleiro.

A Gazeta do Povo ouviu o advogado João Mestieri, que defende Costa. Ele afirmou que “não acha improvável” que o cliente tenha sido convidado a assumir um ministério. “Ele pediu demissão [da Petrobrás] e saiu com os elogios que merecia. Se mais tarde alguém o convidou [para ser ministro], ele deve ter dado coerentemente a negativa”, disse ele, de acordo com a publicação. Segundo o advogado, Costa não queria mais ter “nenhum tipo de relação com isso, com o governo, com coisas desse tipo”, disse.

O presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), disse desconhecer qualquer tipo de convite para que o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa tenha sido convidado a assumir em março o Ministério das Cidades, uma semana antes de ser preso pela Polícia Federal, na Operação Lava Jato. “Nunca soube deste convite e acho difícil, para não dizer impossível, que tenha acontecido”, disse Nogueira.

13 thoughts on “Era só o que faltava: Paulo Roberto Costa recusou ser ministro de Dilma este ano

  1. Enquanto isso, NA FOLHA DE SÃO PAULO, de HOJE, lê-se :
    ” PROMOTORIA ACIONA ESTADO DE MG POR FRAUDE NA SAÚDE SOB AÉCIO”
    SÃO CERCA DE 1,3 BI QUE TERIAM SIDO MAQUIADOS.

    SINCERAMENTE: o Brasil merece esses candidatos?

    O meu voto, JAMAIS verão. JAMAIS!

    Saudações,

    Carlos Cazé.

    • Se os ditos promotores trabalhassem em uma Multinacional já teriam sido demitidos nos 02 segundos do primeiro tempo!

      A incompetencia e a disidia deles esta a olhos vistos, demorar quase quatro anos para dar um parecer por suposta fraude orçamentária nos gastos de cerca de R$ 1,3 bilhão com saúde.

      Durante a gestão do presidenciável tucano Aécio Neves (2003-2010).

      É UMA VERGONHA ! ! ! !

  2. Não há nenhum governador de Estado que não tenha algum problema de malfeitos,
    geralmente pontuais. Querer comparar com este oceano de lama,
    que está envolto o governo federal com a chave que o Aécio deixou com o tio, é comparar uma gota de água com o oceano.
    O PT (Dilma), não está fazendo o diabo para ganhar as eleições, está fazendo muito pior.
    mandaram uns cinegrafistas fotografarem um colégio em Minas Gerais, num domingo,
    onde não havia ninguém trabalhado, para dizer que a obra estava parada., mostraram o Aécio votando contra o aumento do salário mínimo de R$ 545, cortando
    o resto, onde ele queria um salário de R$ 650,00. O que falta ao PT é ética e compostura..
    Se alguém achar que isso está certo, então a Dilma merece o voto.

  3. Acho que está coerente. O Paulinho do Lula mostrou que tinha competência naquilo que mais interessa: desviar dinheiro da estatal para os partidos aliados ao governo. Nada mais justo que convidar uma competência dessas para ocupar um ministério. Pete aparelhou tudo.

  4. Sei não…
    Paulinho, e agora Alberto Youssef, no topo da deleção.

    Ontem ( 18.10.) não tendo mais espaço para esconder a onda, a presidente, em entrevista teve de admitir que houve corrupção na Petrobras; Já é um início…

    Tudo leva a crer que, bem antes da posse do presidente que venha a ser eleito, muitas outras novidades sobre a emblemática Petrobras, irão brotar e crescer, assustando mais ainda os já assustados políticos, ministros, empresas e aspones, envolvidos até o gogó nos malfeitos, com medo da própria sombra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *