Pedido de proteção da PM a filhos de juízes mostra que a Justiça virou uma “casta”

Resultado de imagem para justiça  charges

Charge do Alpino (Arquivo Yahoo)

Jorge Béja

O site “O Antagonista” obteve e divulgou ofício em que o diretor de segurança institucional do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro solicita à PM reforço da segurança na praia para filhos de magistrados. Não há previsão legal para esse tipo de privilégio. O coronel-PM Márcio Rocha, comandante do 12º Batalhão que fica em Niterói, ele atendeu? É óbvio que o diretor geral de Segurança Institucional do TJRJ (servidor de carreira, porque tem matrícula, ao passo que a “segurança” do TJRJ é terceirizada e a outrora categoria da “guarda judiciária”, integrada por agentes públicos de carreira, foi extinta) é claro que o coronal Rocha redigiu, assinou e enviou este ofício por determinação da presidência do TJ. Ou se já não o recebeu redigido e entregue a ele só para assinar e enviar. Ele não faria a solicitação sem que a mesma lhe fosse ordenada. Nem se negaria a assinar. Muito menos enviar. Ordem é ordem.

É assim. Eles não se acham castas e nem se acham donos do mundo. A magistratura brasileira é uma casta. A magistratura brasileira é a dona do mundo. Se não tanto, pelo menos dona do Brasil. E são mesmo. Antigamente existia prisão administrativa. Isso acabou. E quem é que manda prender e manda soltar? São eles, os magistrados. Quem diz dos nossos Direitos? São eles, os magistrados.

UM SUPERPODER – Dos três poderes, o mais forte é o Judiciário. E quando se fala em Judiciário, se fala nos magistrados. Porque é o poder que fala por último e diz se os atos dos dois outros poderes estão ou não corretos. Se devem ou não ser mantidos. São eles que julgam os atos de todo o povo, de quem todo o povo deles é jurisdicionado. Isso é ou não é ser Deus aqui na Terra? Na Venezuela, a Suprema Corte de lá chegou ao cúmulo de deixar de emprestar valor jurídico ao Parlamento (Assembleia Nacional) para acumular suas funções, passando a elaborar leis e julgar!!! Isso está quase acontecendo aqui no Brasil. Se é que não aconteceu. Para citar um exemplo, sem a mínima conotação de aprovação ou reprovação, de crítica ou censura à questão de gênero, pois cada um vive como se sente melhor. É um direito personalíssimo. Mas o exemplo é de ordem jurídica. Nada mais do que jurídica. E serve para demonstrar o poder absoluto da magistratua.

O exemplo. O artigo 226, parágrafo 3º da Constituição Federal diz o seguinte: “Para efeito de proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher, como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento”.

ORDEM AOS CARTÓRIOS – Indaga-se: não está claríssimo que a Constituição Federal somente autoriza (“Para efeito de proteção do Estado…”) o casamento entre homem e mulher? É claro que está. E, mesmo assim, o Supremo Tribunal Federal, guardião da Constituição, não autorizou o casamento de homem com homem e mulher com mulher!!!

E a decisão foi de tal ordem de importância que o então ministro Joaquim Barbosa, então presidente do Conselho Nacional de Justiça expediu, naquela ocasião em que o caso foi julgado pelo STF, ordem a todos os oficiais dos cartórios do registro civil de todo o país ordenando que os casamentos fossem realizados, sem delongas. Caso contrário, haveria punição para o servidor. Então, o Judiciário, ou seja, os magistrados, é (são) ou não é (ou não são) o(s) mais forte(s)?. Neste caso do casamento entre pessoas do mesmo sexo, o STF, sem poder, legislou. Autorizou o que o Constituição não autoriza.

MESMA PROTEÇÃO? – Os alunos de todas as escolas públicas e privadas do Estado do Rio de Janeiro também querem a mesma proteção que o diretor da Segurança do TJRJ pediu à cúpula da Polícia Militar do Rio. Não, para quando forem embarcar em direção a um evento. Os alunos querem segurança armada, vinte e quatro horas, junto às escolas. Todos os dias. Todas as noites, sem cessar. Polícia para tudo quando é lado, porque cada escola nunca tem menos de 800 alunos, nenhum deles filho de magistrado, mas com os mesmíssimos direitos que os filhos de Suas Excelências têm. E até um pouco mais, pela pobreza em que vivem nas comunidades.

Os meninos e meninas carentes – e é duro dizer isso e fazer essa comparação – estão na mesma situação que o respeitado e irreverente escritor católico Léon Bloy escreveu numa passagem de sua famosa obra “Le Mendiant Ingrat” (O Mendigo Ingrato). Escreveu Bloy: “A miséria é como o diabo, quando faz um prisioneiro, rodeia-o de excrementos”. E Bloy não se referia aos filhos dos magistrados franceses.

18 thoughts on “Pedido de proteção da PM a filhos de juízes mostra que a Justiça virou uma “casta”

  1. As AUTORIDADES BRASILEIRAS, graças à internet, mostram-se cada vez mais IMORAIS…

    “A miséria é como o diabo, quando faz um prisioneiro, rodeia-o de excrementos”.

    Neste caso, a miséria brasileira está, realmente, rodeada por um grande excremento: O PODER JUDICIÁRIO, pois é graças a omissão e descaso desses SERES PARASITAS DE LINHAGEM SUPERIOR, provavelmente vindos de SIRIUS B, é que todo o tipo de injustiça existe em cada esquina e gabinete do Brasil.

    Mas não é um excremento que fede e que causa repulsa ao ser visto ou pisado.
    -É UM EXCREMENTO MORAL, remanescente, provavelmente, do sadismo da linhagem inteira de seres (pessoas?) sem princípios éticos ou morais e onde as palavras humanismo, justiça, sofrimento alheio, altruísmo e bondade não têm nenhum significado.

    Como AMEBAS, como parasitas de O Oitavo Passageiro, visam apenas a conservação e a propagação dos espécimes da própria linhagem:
    Eles querem proteção para os próprios filhos. Os filhos dos outros que se danem, seja menino ou menina!!!

    O mais curioso (para não usar outra palavra…) é que eles querem a proteção que negaram aos cidadãos, ao considerarem constitucional o Estatuto do Desarmamento!

  2. ET: Parabens pela postagem, caro Béja.
    Quando o assunto é INJUSTIÇA VINDA DA JUSTIÇA, ninguém está melhor qualificado para falar do que um JURISTA, que conhece a Instituição por dentro e por fora.

  3. Dr. Béja, assino, a menina morta agora na escola,
    Absurdo, todo cidadão tem Direito a segurança, para isso ele é escorchado em impostos, para serem roubados aos bilhões, em 06 meses de salários anuais. A Constituição colcha de retalhos não diz: Todos são iguais perante a Lei, filhos dos 3Ps, preto, pobre e puta, podem ser assaltados ou assassinados, mais essa do judiciário, isso se chama corrupção, usar ilegalmente a força policial.
    A cada dia mais uma surpresa Amoral, coitada da Srª Justiça, estuprada e vilipendiada, por quem tem o Dever de amar e honrar, como dar Fé, ao Judiciário, para cada Sergio Moro, e os jovens Juízes, que o tomam como exemplo, tem milhares de !juizecos na 1ª e nos tribunais superiores, a praticar a injustiça, Rui Barbosa, to contigo, tenho vergonha de mim ser honesto, 88 anos, nunca vi tanta podridão, transformaram o Brasil em republiqueta democradura, nos envergonhando perante o Mundo. Que Deus, nos acuda, o amanhã será pior que o hoje.

  4. Parabéns Dr. Béja por publicar um post citando a fonte “O Antagonista”, pois recentemente fui repreendido ferozmente por um comentarista, xerife da TI, por publicar comentários com links deste site, que em nada tirou ou tira o brilho da Tribuna da Internet.

    Outro comentarista polêmico e obssessivo, posta invariavelmente, deboches, toda vez que posto qualquer comentário, ironizando e irracionalmente me ligando ao patrocinador do “O Antagonista”.

    Felizmente o atrevimento desses sujeitos, por falta de coragem, não se fez presente, nos comentários de seu brilhante artigo.

    Abraços

    Eduardo RJ

    • Um pena esta tua contradição tão explícita, de usares o anonimato para acusares comentaristas de falta de coragem, se te escondes exatamente atrás do biombo da covardia!

      Provocações à parte, este teu comentário macula o artigo que, em vão, tentas elogiar.

      O articulista reprova veementemente este tipo de insinuação, comprovado pelo fato de que não apresentas a tua opinião a respeito do texto, mas o usas para criticar teus colegas!

      Ora, alegar que o registro feito pelo nobre advogado é brilhante não é enaltecer as palavras empregadas, porém se desvencilhar do compromisso de expor as tuas razões sobre as conclusões obtidas pelo dr.Béja!

      Portanto, trata-se de somente provocar, de estabelecer uma polêmica desnecessária e desrespeitosa ao advogado.

      Não sou o xerife da TI e muito menos te critiquei ferozmente, mas comentei o uso em demasia de link citando outro blog, se devemos é comentar as postagens deste espaço, e quem optar por outras paragens que para lá se destinem.

      Quanto ao artigo em si, alegro-me que o jurista famoso nacional e internacionalmente, conhecedor como poucos da dinâmica do Judiciário esteja declarando que este poder se transformou em uma casta, diferente de quando afirmo que também penso o mesmo, porém sou um joão-ninguém, e minhas palavras não têm qualquer repercussão.

      Mais:
      Do alto da autoridade que possui outorgada pela profissão de advogado, o célebre dr.Béja enumera equívocos graves protagonizados pelo STF, onde vários comentaristas escreveram a respeito desse comportamento questionável sem terem, entretanto, a chancela de ser um profissional do Direito, consequentemente um expertise nesta matéria.

      Eis a minha resposta à tua provocação gratuita – e que não vou conceder tréplicas, antecipo -, e a minha opinião sobre o tema postado, concedendo-me autorização para te perguntar qual será o teu comentário sobre o artigo, haja vista que este tipo de manifestação rasteira todos nós estamos cansados e, o Mediador, desapontado e decepcionado porque alguns “comentaristas” não o ouvem e sequer acatam seus pedidos!

    • Luiz
      Perdi meu tempo lendo as mentiras do senador LINDBERGH FARIAS (PT).
      recomendo que todos Tribunarios leiam o material do link.
      Então quer dize que Temerm “O FRACO”, está acabando com os bancos?
      Este senadorzinho, de merda, já deveria estar preso!
      É muita desfaçatez!
      Fallavena

  5. Beja, felicito-o pelo artigo. Conciso, verdadeiro e contundente.

    Fez-me, a um só tempo, meditar e sentir vergonha.

    Infelizmente, nós não vivemos em Berlim…

  6. Aprovacao do projeto de abuso de autoridade Já ! O Brasil nao precisa de juizes , precisa de justiça .
    .Reforma no judiciario ampla e irrestrita no judiciario , todos os homens sao iguais perante a lei , todo poder emana do povo para o povo .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *