Pela memria de meu pai, o general Antonio da Silva Campos

Claudia Maria Madureira de Pinho

Papai no cometeu crimes contra a humanidade. Tentou evit-los. Foi escolhido para o cargo para isso. Por seu perfil. Era a misso. Acreditava na instituio do Exrcito

Pouco aps o assassinato de Vladimir Herzog dentro de sua cela no DOI-Codi, em So Paulo, o presidente Ernesto Geisel e o ministro do Exrcito, Slvio Frota, convocaram meu pai ao Planalto. Desejavam que assumisse o comando do Centro de Informaes do Exrcito, o Ciex. Precisavam de algum que acabasse com o horror dos pores. Papai, o general Antonio da Silva Campos, no queria o cargo. Em famlia o pressionamos para que passasse reserva. Era uma ordem, ele a acatou. (Mantinha o pedido de sada para a reserva pronto na gaveta.) Por conta desta passagem de pouco mais de um ano pelo comando do Ciex, seu nome foi listado entre os 377 responsveis por crimes contra a humanidade da Comisso da Verdade.

O que leva um nome a ser colocado como responsvel por crimes contra a humanidade em um relatrio oficial? Ele citado trs vezes no documento, todas de forma vaga. Mas est na lista. Os membros da comisso sequer descobriram o ano em que nasceu ou aquele em que morreu. Puseram seu nome entre os responsveis pelo pior de todos os crimes que um ser humano pode cometer sem, ao menos, ter o respeito, a decncia, de buscar saber de quem se tratava.

RESPEITO CONVENO DE GENEBRA

A Geisel e Frota, naquele dia, papai argumentou que no tinha o perfil. Que sua vida no Exrcito havia sido toda baseada no respeito Conveno de Genebra. Quem aceita tocar num fio de cabelo de um preso, lhes disse, ainda mais torturar, um ser doente. No eram militares de fato. Eram pessoas a quem nenhuma ordem capaz de conter. Como de fato nenhuma ordem conteve. Durante aquele ano do Ciex, que passou viajando de quartel em quartel tentando impedir a barbrie, perdeu dez quilos.

Papai nasceu em famlia pobre. Sua me, imigrante portuguesa, foi uma empregada domstica que jamais aprendeu a ler. Entrou nas Foras Armadas porque ali poderia estudar, encontrar futuro. Se fez voluntrio para combater o fascismo durante a Segunda Guerra. Foi preso e arriscou corte marcial porque se recusava a separar soldados brancos de negros em seu peloto durante paradas. Contava a histria do nico homem que soube ter matado, um soldado alemo, na Batalha de Montese. Lance de sorte: sacou mais rpido, disparou. Seguindo as regras, retirou do corpo o cordo de identificao que seria enviado para as foras inimigas e manuseou sua carteira. L, encontrou a foto de uma mulher e de um beb. No meio de um tiroteio, nunca se sabe se uma bala feriu ou matou. Mas, naquele momento, ele soube. Os pesadelos com aquela imagem o perseguiriam pelo resto da vida.

NINGUM PODE DEPOR…

Entre seus melhores amigos estavam vrios militares cassados pela ditadura. Dentre eles, o brigadeiro Rui Moreira Lima. Esto, como papai, mortos. No podem vir frente e depor em seu nome, contar quem foi Antonio da Silva Campos. Mas eu, sua filha, posso.

O perodo da ditadura foi difcil para ns. Eu ia s passeatas pedir a volta da democracia, ele implorava que ficasse em casa. Tinha medo de que, se desaparecesse, no conseguiria me localizar. Ainda tenente-coronel, no fim dos anos 1960, foi responsvel direto por um preso poltico, na Vila Militar. Almoava com ele. Talvez ainda esteja vivo. Foi libertado e retornou para visitar meu pai.

Papai no cometeu crimes contra a humanidade. Tentou evit-los. Foi escolhido para o cargo para isso. Por seu perfil. Era a misso. Acreditava na instituio do Exrcito. Talvez no devesse. De fato comandou o Ciex em 1976 e 1977. Mas, por honestidade, por integridade, no mnimo por uma questo de decncia, antes de listar seu nome entre alguns dos homens mais abjetos que passaram pelas foras militares brasileiras, deviam se informar sobre quem foi.

Mas no fizeram, sequer, uma busca no Google.

(texto enviado por Ricardo Fres)

5 thoughts on “Pela memria de meu pai, o general Antonio da Silva Campos

  1. Toda essa situao ainda repercute por se ignorar que a Lei da Anistia, perdoou os dois lados da guerra suja, e o governo atual, inconsequente, abrigar e abanar uma comisso de meia-verdade, para escavar s o lado negro de uma das partes envolvidas.

  2. Na verdade, os militares honrados, compromissados com o de defender a Ptria do comunismo, forma de tirania aviltante, violador dos direitos humanos, como ficou comprovado posteriormente em diferentes regies do mundo comunista.

    Os militares de 1964 estavam empenhados no cumprimento do dever legal, ou seja, evitar que o Brasil fosse dominado e governado por pseudos comunistas, que s queriam transformar o Brasil no que vemos hoje.

    Alguns crimes inominveis e injustificados foram cometidos sim, mas posteriormente o Brasil anistiou todos, ambas as partes foram anistiadas, de forma ampla, total e irrestrita, de todos os crimes que cometeram (de ambas as partes).

    A denominada “Comisso da Verdade”, na verdade nua e crua, no passa de uma cortina de fumaa para esconder e desviar a ateno dos crimes que os governantes posteriores cometeram e ainda praticam contra o Brasil.

    E se para apurar e punir os militares que cometeram crimes no momento de exceo constitucional, vamos descobrir, apurar e punir tambm os crimes praticados pelos que assaltaram bancos, jogaram bombas, praticaram sequestros, usaram drogas ilcitas e incitaram desobedincia e violncia armada.

    Por qu no instituda uma “Comisso da Verdade” para apurar a roubalheira do dinheiro pblico e a destruio da Petrobrs, e tantos outros inumerveis escndalos financeiros, que so to criminosos, aviltantes e revoltantes, quantos todos os outros ao longo de toda a nefasta Histria do Brasil.

  3. Como muito bem relatou Claudia Madureira de Pinho – seu pai esta muito longe, muito longe mesmo da escria de Terroristas de Estado que serviram com prazer na arte da DOR e MORTE ao Golpe de 64.
    A VERDADE E JUSTIA para reparar este erro de avaliao da CNV.
    Pedro Luiz

  4. Eu sou um dos muitos ou poucos que este renomado homem salvou das garras dos torturadores quando minha mae estava sendo torturada gravida de me que logo apos seu parto ele me levou para ser adotado pois minha mae nao resistiu e meu pai eu no sei que e sou apenas muito grato a este homem esta historia que conta e o meu pai adotivo por isso sou grato por me livrar das garras do DOI-CODI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.