Pelo menos, quatro generais do Alto Comando do Exército queriam detenção de Pazuello

Ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello

Maioria do Alto Comanda não quer punir Pazuello

Denise Rothenburg
Correio Braziliense

O Alto Comando do Exército está dividido sobre qual a punição que dará ao general Eduardo Pazuello por causa da participação do ato de apoio ao presidente Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro. Dos 16 generais que integram o colegiado, quatro defenderam que o ex-ministro da Saúde pegue uns dias de detenção para dar o exemplo a outros militares que ultrapassarem a linha divisória entre a política e a instituição de estado.

Pazuello, embora em trajes civis no ato do último domingo, é um general da ativa e está proibido de participar de atividades e manifestações políticas.

NÃO SERÁ PRESO – O blog apurou, entretanto, que Pazuello não deve ser preso, porque há uma maioria no Alto Comando que apoia uma punição mais branda. Porém, a pressão está grande para que ele passe para a reserva, conforme revelou o site do Correio.

A presença de Pazuello no ato é, por si só, uma falta disciplinar em relação às normas do Exército que proíbem participação do pessoal da ativa em atos políticos.

Para completar, houve o desrespeito na avaliação de alguns generais, às regras sanitárias que devem ser seguidas pelos militares, por exemplo, o uso de máscaras, algo que já provocou inclusive multa ao próprio prefeito do Rio, Eduardo Paes.

LONGE DO LIMITE – Quando deixou o Ministério da Saúde, Pazuello não quis ir pra a reserva, porque tem 58 anos, longe da idade limite de 66 anos para que um general permaneça na ativa.

Agora, ao que tudo indica, não poderá esperar esses oito anos desfrutando de um cargo no Exército.

7 thoughts on “Pelo menos, quatro generais do Alto Comando do Exército queriam detenção de Pazuello

  1. Se a autorização para participação na motociata veio do comandante supremo das forças armadas, pode ter 50 generais reclamando que nada vai acontecer com o general. As forças armadas seguem a constituíção, hierarquia e disciplina.

    A autorizaçao de Pazuello e a falsa narrativa da “mídia do ódio”, uma farsa editorial
    https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/29947/a-autorizacao-de-pazuello-e-a-falsa-narrativa-da-midia-do-odio-uma-farsa-editorial

  2. Se a autorização veio do comandante supremo das forças armadas…
    Se esse “comandante” se refere ao moleque idiota que, para desgraça nossa, preside esse país, OS DOIS DEVERIAM SER PRESOS !!!

  3. Triste país cujas forças armadas se submetem aos desvarios GENOCIDAS e mitomaníacos de um criminoso mequetrefe e Boçal, guindado à presidência por eleitores-cúmplices, igualmente necessitados de análise psicanalítica e psiquiátrica.

      • Que ficasse em silêncio.
        Se uma coisa apreendi com um defensor público estrangeiro com vivência na Europa e América do Sul é que o investigado no Brasil fala demais e antes da hora.

        • Tudo que ele falou antes (no Governo) e depois (quando já fora do Governo, na CPI) já são o bastante contra ele. Mas no Brasil, quando não se quer mover a persecução criminal, os órgãos auxiliares da Justiça (Polícia, Ministério Público) ou responsabilidade administrativa (Corregedoria, Controladoria) promovem uma novela midiática para alimentar a mídia de massas e colocar o bode na sala.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *