Perdoa-me por me bateres

Bernardo Mello Franco
Folha

Depois do silêncio, o aplauso. Foi assim que o PT reagiu às críticas do ex-presidente Lula, que atacou o governo Dilma e acusou o partido de ter envelhecido e só pensar na ocupação de cargos.

No início, ninguém quis contestar o chefe. “Todo mundo tem direito de criticar”, desconversou Dilma. “Não me estresso com essas coisas”, disse o líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães. “Não vejo como críticas, mas como uma provocação, um chacoalhão”, enrolou o líder da sigla, Sibá Machado.

Quando ficou claro que não haveria debate a sério, os senadores petistas se encorajaram a emitir uma nota de desagravo ao ex-presidente. “A bancada do PT no Senado manifesta sua total e irrestrita solidariedade ao grande presidente Lula, vítima de campanha pequena e sórdida de desconstrução”, afirmaram.

O texto soou estranho porque Lula não foi atacado para inspirar solidariedade dos comandados. Pelo contrário: ele é que fez duros ataques ao partido, ao governo e a Dilma, solenemente ignorada pelos senadores.

PARTIDO DA BOQUINHA

O novo discurso do ex-presidente lembra uma famosa estocada de Anthony Garotinho, que em 1999 rebatizou o PT como Partido da Boquinha. A diferença é que o então governador do Rio vivia em guerra com o petismo, e Lula continua a ser o líder máximo do partido.

A apatia não é apenas um sintoma de subserviência ao ex-presidente. Os petistas ainda batem cabeça para entender aonde ele pretende chegar com as críticas à sigla que fundou e à presidente que alojou em seu lugar. Há quem aposte em um esboço de estratégia para se descolar da imagem de Dilma, mas muita gente vê apenas irritação, destempero e temor com os avanços da Lava Jato.

Para sorte do Planalto, a oposição parece pouco interessada em tirar proveito da combustão interna do PT. Nesta terça, Aécio Neves e aliados gastaram a maior parte da sessão do Senado com longos discursos sobre a crise… na Venezuela.

4 thoughts on “Perdoa-me por me bateres

  1. Na verdade o PODER é irresistível, sendo o maior dos afrodisíacos. As críticas do ex-presidente soaram como um mea-culpa. Seja qual for o objetivo de suas críticas, elas estão umbilicalmente ligadas ao criador (LULA) e a criatura (PT).

    Durante longos 12 anos no exercício de PODER, membros da legenda e intelectuais criticaram os rumos do Partido, já prevendo a crise aguda pela qual o PT está passando. A principal delas foi o arco de alianças com as forças atrasadas do Congresso Nacional, ligadas a antiga ARENA e que somaram forças ao Centrão do PT, em troca de cargos e nacos do Estado.

    Um segundo ponto importante, tratou-se de medidas impopulares para agradar o mercado financeiro, tanto no período de 2002 até 2008 e depois com mais intensidade, a partir de 2014. Lideranças do PT, quando confrontadas com a dicotomia entre a legenda e os atos de governo retrucavam que não poderiam se dissociar ante a modernidade dos novos tempos, que afinal sempre foram os mesmos.

    Então, o PT cerrou fileiras em medidas que vinham da era PSDB, como a Reforma da Previdência 2 (já pensam na terceira Reforma) e na Privatização 2, que seus próceres gostam de dizer que é concessão. Em contrapartida aumentaram os repasses do Bolsa Família, a única boa medida na direção da parcela mais pobre da população, porém, aumentaram os investimentos subsidiados para o setor produtivo via BNDES, com juros de 5% ao ano. Deu com uma mão para os pobres e a outra junto com os pés para os ricos. Alguém se lembra de Getúlio Vargas, o pai dos pobres a mãe dos ricos? Lógico que as mães são mais generosas do que os pais. Nunca neste país os bancos e empreiteiras lucraram tanto. Não podia dar certo, tanto que o tão propalado Ajuste Fiscal teve que ser gestado para evitar o pior, que seria a inflação com estagnação, a pior deflagradora do desemprego e da desesperança. Esse filme nós já vimos a partir da década de 80 e que foi preponderante para o fim do ciclo militar.

    Em síntese: Quando a economia vai mal nada mais dá certo e as crises assumem o palco iluminado, tanto nos países quanto no sacrossanto ambiente familiar.

  2. Vemos tamanha dependência que estes senadores desta quadrilha… ops… Sigla tem a Lula. Todos devem pensar como O CHEFE, senão serão expulsos.

    2015 é o fim desta gangue. Viva, Dr Moro!

  3. ” os petistas batem cabeça pra entender…” Acho que teremos que desenhar para ver se entendem que se trata de um processo de descolamento de um governo fracassado. Um governo petista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *