Pesquisa interna já havia alertado o PT sobre o maior erro de Lula na campanha

Mercadante: sobrepreço na compra de ônibus escolares atinge mais frágeis -  Fundação Perseu Abramo

Aloizio Mercadante avisou Lula, mas ele não quis ouvir

Rafael Moraes Moura
O Globo

Petistas que estão diretamente envolvidos nas discussões dos rumos da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva avaliam reservadamente que a fala do ex-presidente a favor do aborto foi o maior erro cometido até agora na conturbada fase da pré-campanha.

Pesquisas qualitativas do próprio PT e de adversários mostram que a fala foi a única que provocou estragos na imagem do petista num público que fará muita diferença nesta eleição: os evangélicos e as mulheres.

A FAVOR DA VIDA – Bolsonaro, inclusive, deve aproveitar-se dessa fala para marcar a diferença de Lula nas inserções de TV em junho. Em vídeos já gravados para serem exibidas nos estados, Bolsonaro diz que é contrário ao aborto e “a favor da vida”.

Mas o que deixa inconformados alguns deles é que uma pesquisa do próprio PT já havia alertado o partido dos potenciais riscos eleitorais trazidos na discussão da controvérsia.

O levantamento, divulgado em fevereiro deste ano, foi feito pela Fundação Perseu Abramo e circulou na cúpula petista. Ao entrevistar eleitores que ganham até 5 salários mínimos, que nem gostam nem desgostam do PT, o partido identificou que a descriminalização do aborto é “rejeitada pela ampla maioria, exceto em caso de estupro”.

ASSUNTO-TABU – “Apenas entre os jovens (mulheres e homens) foi encontrada alguma disposição em discutir o assunto – ainda que não haja defesas entusiasmadas da descriminalização”, diz a pesquisa.

A ironia da situação é que a afirmação de Lula a respeito do aborto foi feita justamente num  evento promovido pela Fundação Perseu Abramo e a Fundação Friedrich Ebert, entidade alemã voltada para a promoção da democracia e do desenvolvimento econômico ambientalmente sustentável.

Durante o evento, Lula afirmou que o aborto deveria ser “questão de saúde pública” e “todo mundo ter direito” – que, aliás, é a posição histórica do PT a respeito do assunto.

TENTOU CORRIGIR – Dois dias depois, em entrevista a uma rádio do Ceará, o ex-presidente tentou se corrigir para minimizar o estrago: “Eu sou contra o aborto. O que eu disse é que é preciso transformar essa questão do aborto numa questão de saúde pública”.

O episódio fez com que até petistas graduados reclamassem, internamente, que Lula estava se convertendo no maior cabo eleitoral de Bolsonaro. Vários deles reconhecem que o ex-presidente reforçou uma posição pessoal já conhecida, mas não se expressou da melhor forma.

O PT, agora, desenha uma estratégia para neutralizar os efeitos do deslize ao longo da campanha. Várias lideranças dizem esperar que, com a mudança de marqueteiro e na coordenação, o rumo da comunicação seja mais propositivo e foque mais em questões econômicas, como desemprego e inflação.

BOCA FECHADA  – “Espero que ele não fale mais disso”, comentou um interlocutor próximo de Lula, que tem papel importante na campanha deste ano.

Um dos antídotos preparados pelos petistas para se contrapor a eventuais ataques baseados na fala de Lula é desenterrar uma entrevista do então deputado federal Jair Bolsonaro à revista “IstoÉ Gente”, de 2000, na qual Bolsonaro é questionado sobre a legalização do aborto. “Tem de ser uma decisão do casal”, disse Bolsonaro à época.

Aliados do ex-presidente fazem paralelos entre a postura de Bolsonaro e a do então candidato José Serra na disputa presidencial de 2010, quando Dilma Rousseff também foi confrontada com declarações sobre aborto.

ESTRATÉGIA – “Em 2010, o PSDB não queria discutir economia, porque a economia estava bem”, avalia um ex-ministro de Lula. “Agora, Bolsonaro não quer discutir economia, porque a economia vai mal. Bolsonaro falar de aborto é uma forma de ele impor uma outra pauta para que o centro do debate seja esse.”

Pesquisa Genial/Quaest, divulgada na última quarta-feira, 11, apontou que uma posição favorável ao aborto de um candidato diminui a intenção de voto para 50% dos entrevistados.

Para 40%, a posição sobre a polêmica não impacta a escolha. Entre os evangélicos, o repúdio é mais elevado — 62% desses eleitores trocariam de candidato por conta de uma posição pró-aborto, ante 48% entre os católicos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Lula é como Bolsonaro, acha ser o máximo e não gosta de seguir conselhos. Essa peculiaridade dos candidatos favoritos deve abrir uma bela vereda para a terceira via, que virá lá de atrás, crescendo à medida que se aproxime a eleição. (C.N.)

15 thoughts on “Pesquisa interna já havia alertado o PT sobre o maior erro de Lula na campanha

    • Chegamos no fundo do poço com uma Supremissima desta.

      Creio que teremos um próximo impeachment, independentemente da organização que vá banhar a eleição.

      Só as paradas gays superam as multidões nas ruas contra a corrupção.

      Não adiantam indulgências milionárias de bandidos.

  1. Sinceramente, não entendo como alguém se diz Cristão – é a maioria no Brasil – e vota num partido abortista, destruidor de famílias e defensor de uma moral depravada, libertina e totalmente anticristã, como o PT.
    Den­tro des­sa “anar­quia” é que sur­gem os “guias dos po­vos”: LULA, Stá­lin, Mao-Tsé-Tung, Fi­del Cas­tro, Chaves, Maduro, Alberto Fernandez, Gabriel Boric, etc.

    Nas­ce o PT con­tra Cris­to.

    • Conheço um sem número de cristãos que traem as esposas com putas e travestis, que espancam mulheres, abusam sexualmente de crianças, defendem torturadores, são racistas e se valem das palavras de cristo pra enganar tolos pra obter ganhos particulares.

      • Deixe-me ver se eu entendi.

        Você é contra o Bolsonaro; defende o Lula.
        Tem entre o seu “circulo de conhecidos”, pessoas que abusam de crianças; e é conivente com isso, pois não denuncia.

        PS: Vim aqui, para ler outro malandro; ele não escreveu nada hoje; mas, você manteve o nível dele.

        • Não sei o que te levou a concluir que defendo o Lula.
          Também não entendi o motivo da sua indignação ao meu comentário, escreveu socando o teclado?
          Abraços e respira.

  2. O PT é a favor do aborto, e expulsa do partido quem é contra!

    Em passado recente,o Diretório Nacional do PT decidiu punir os deputados federais Luiz Bassuma (BA) e Henrique Afonso (AC) por contrariarem orientação do partido para defesa da descriminalização do aborto. Por unanimidade, os dois parlamentares tiveram seus direitos partidários suspensos Bassuma, por 1 ano, e Afonso, por 90 dias.Dilma Rousseff, quando ainda ministra de Minas e Energia afirmou publicamente que é a favor do aborto. Pressionada por religiosos na campanha presidencial de 2010, foi obrigada a assinar uma carta afirmando compromisso com a vida durante seu provável mandato. Entretanto, nomeou a abortista e aborteira, sim, aborteira, Eleonora Menicucci para a Secretaria de Políticas para as Mulheres, além da feminista radical Maria do Rosário para a Secretaria de Direitos Humanos, dois órgãos estes, responsáveis por difundir a doutrinação marxista/gramsciana pelo país. Vale lembrar que durante o governo do PT, o próprio Ministério da Saúde divulgou uma cartilha ensinando a fazer abortos caseiros. É a institucionalização descarada do infanticídio.

  3. O Presidente não muda a lei nem a interpretação de lei.

    Quem faz isso são o Legislativo (criar e alterar leis) e o Judiciário (dar interpretação do alcance e restrição a elas consigo todo o ordenamento jurídico vigente).

    Logo, sobre o aborto, o presidente com qualquer político manifestou uma opinião pessoal individual.

  4. O Aborto ao menos enquanto realizado na fase de pré-formação do sistema nervoso e da parte neurológica responsável pela atividade cerebral deveria, sim, ser autorizada.

    Afinal, a desculpa de que se tem um batendo um coração (sem ainda sequer a formação dos ventrículos) é estapafúrdia, na medida que milhares de pessoas internadas tem os aparelhos desligados quando o coração ainda bate, mas as atividades cerebrais diminuíram a um nível que se considera morte cerebral.

    • Logo, se importa o grau de atividade cerebral para considerar morte cerebral em um caso (desligar aparelhos) também seria de prevalecer o conceito de quando tem início a atividade cerebral e seu grau para determinação do rumo dos debates sobre o Aborto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.